Centrais Telefônicas de Ribeirão Preto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
CETERP
Razão social Centrais Telefônicas de Ribeirão Preto S/A
Atividade Telecomunicações
Gênero Sociedade anônima
Fundação 11 de abril de 1969
Encerramento 27 de dezembro de 2000
Sede Ribeirão Preto
Área(s) servida(s) Ribeirão Preto,
Bonfim Paulista e
Guatapará
Proprietário(s) Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto
Antecessora(s) DAET - Departamento de Águas, Esgotos e Telefones
Sucessora(s) Telefônica Brasil (atual Vivo)
Website oficial www.ceterp.com.br

Centrais Telefônicas de Ribeirão Preto S/A (CETERP) foi a empresa operadora de telefonia associada ao sistema Telebras[1] nos municípios de Ribeirão Preto e Guatapará, interior do estado de São Paulo, antes do processo de privatização em dezembro de 2000.

Início[editar | editar código-fonte]

Antecessoras[editar | editar código-fonte]

O sistema telefônico da cidade de Ribeirão Preto foi inaugurado em 1898, passando por vários proprietários até que em 4 de novembro de 1938 foi entregue a Prefeitura Municipal. A central telefônica era manual, possuindo ao todo 1.380 terminais, sendo 700 terminais Ericsson (inaugurados entre 1898 e 1916) e 680 terminais Kellog (inaugurados entre 1918 e 1944)[2].

O primeiro serviço de telefones automáticos da cidade foi inaugurado em 29 de maio de 1953, quando são colocados em serviço 2.500 terminais AGF Ericsson do tipo passo-à-passo (step-by-step), desativando a central manual[3]. Em 1956 são instalados mais 2.000 terminais AGF Ericsson.

Em 21 de outubro de 1960 é criado o DAET - Departamento de Águas, Esgotos e Telefones, que absorveu os serviços telefônicos municipais. Já no período de 1961 à 1965 são instalados 3.500 terminais Pentaconta SESA (Standard Eletric S/A) do tipo barras-cruzadas (crossbar)[2].

Criação da Ceterp[editar | editar código-fonte]

A CETERP foi criada através da Lei Municipal nº 2.205 de 11 de abril de 1969, cujo artigo inicial declarava:[4]

Expansão[editar | editar código-fonte]

Em 1973 a CETERP já havia traçado um plano para expansão regional. Ao mesmo tempo, a política do Ministério das Comunicações tinha como objetivo a unificação estadual, incorporando a CETERP à Telecomunicações de São Paulo (TELESP). Só que ambas as intenções nunca se concretizaram[5].

Estrutura operacional[editar | editar código-fonte]

Inauguração do edifício-sede da CETERP (1973).

Sede administrativa[editar | editar código-fonte]

Sua primeira sede administrativa ficava na Rua Álvares Cabral, 629 - Centro - Ribeirão Preto. Em 1970 teve início a construção do novo edifício sede da CETERP, na Rua Américo Brasiliense, 400 - Centro - Ribeirão Preto, sendo inaugurado em 1973[6]. Com isso o prédio da primeira sede administrativa foi devolvido à prefeitura[7].

Serviços[editar | editar código-fonte]

Telefonia fixa[editar | editar código-fonte]

Principais serviços prestados:

  • Ligações locais, ligações interurbanas através de Discagem Direta a Distância (DDD) e ligações internacionais através de Discagem Direta Internacional (DDI)
  • Discagem Direta a Ramal (DDR): serviço que atendia condomínios e empresas de maior porte
  • Discagem Direta a Cobrar (DDC): serviço implantado na década de 80
  • Discagem Direta Gratuita (DDG): serviço 0800, implantado na década de 90
  • Facilidades das Centrais CPA: implantadas gradativamente a partir de 1988, oferecendo ao usuário novas facilidades de serviço telefônico até então inéditas, como atendimento simultâneo, bloqueador de chamadas, teleconferência, discagem abreviada, transferência de chamadas, serviço não perturbe, entre outros

Telefones públicos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Orelhão

Os telefones públicos disponibilizados pela CETERP eram os conhecidos orelhões, sendo que o primeiro telefone público foi instalado em 1970 em um estabelecimento comercial[2].

Telefonia celular[editar | editar código-fonte]

O sistema de telefonia celular, que foi inaugurado em janeiro de 1994, já contava com 43 mil terminais em 1996, sendo até dezembro de 1997 ampliado para 57 mil terminais[2].

A CETERP expandiu-se de forma exemplar dentro do sistema de telefonia móvel, com muitos usuários de outras cidades vindo comprar linhas celulares em Ribeirão Preto para utilização em seus negócios. Nesse período a empresa ganhou notoriedade e visibilidade nacional.

A sustentabilidade do negócio, entretanto, passou a ser questionada dado o limitado alcance e pequena base de clientes da operadora, que não permitiam a longo prazo o fluxo de recursos necessários para os fortes investimentos demandados pelas empresas do setor nos anos seguintes[8].

Internet[editar | editar código-fonte]

Listas telefônicas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista telefônica

A lista telefônica oficial da CETERP era a 190-Ribeirão Preto (Assinantes, Endereços e Classificados)[9], publicada pela Editora LTN - Lista Telefônica Nacional (atual EPIL)[10].

Em 1990 ela passou a ser diferenciada das demais listas telefônicas existentes no país, pois incluía a lista ordenada pelo número dos telefones[11].

Terminais telefônicos[editar | editar código-fonte]

Telefones instalados[editar | editar código-fonte]

No primeiro plano de expansão em 1973 a CETERP ampliou de 8 mil para 16 mil a quantidade de terminais telefônicos na cidade[12]. Em 1978 foram instalados mais 4 mil terminais, totalizando 20 mil terminais[13]. Em 1979 com mais 16 mil telefones instalados, a cidade passou a contar com 36 mil terminais telefônicos[14].

Entre 1981 e 1982, além de Ribeirão Preto foram contemplados com terminais telefônicos os distritos de Bonfim Paulista e Guatapará. Nessa época a cidade passou a contar com mais de 50 mil terminais instalados[15].

Após o processo de abertura de capital (transformação da autarquia em Sociedade Anônima) a partir de 1995 pelo ex-prefeito Antonio Pallocci, a empresa ampliou exponencialmente sua rede física, tornando a telefonia um serviço acessível também às classes sociais menos favorecidas - evento só observado no restante do estado de São Paulo a partir de 1996[16].

Em 1997 eram 160 mil telefones fixos instalados, sendo 150 mil em serviço, o que a colocava em primeiro lugar no índice de telefones instalados por grupo de 100 habitantes[2].

Centrais telefônicas[editar | editar código-fonte]

Nova central telefônica de Ribeirão Preto (1973).
Ver artigo principal: Central telefônica

Centrais automáticas[editar | editar código-fonte]

Os sistemas independentes de telefones automáticos que a CETERP operava no início (Ericsson e Standard Eletric), além de instalados em épocas distintas eram completamente diferentes[17].

Por isso em 1970 a CETERP iniciou a construção de um novo prédio para central telefônica (Central Norte)[18][6], para nele instalar duas novas centrais automáticas (prefixos "25" e "34") com 16 mil terminais do tipo barras-cruzadas (crossbar) e equipamento PC-1000 (SESA/ITT). Elas foram inauguradas em março de 1973 e logo após integradas ao sistema DDD[19][20][12].

Os terminais já existentes foram desativados, pois o tipo de sinalização empregado no sistema teria que sofrer adaptações para tornar-se compatível com a Estação Trânsito da Embratel que estava em instalação[2].

Posteriormente foram inauguradas mais duas centrais[21], sendo uma em fevereiro de 1979 (prefixo "36") no prédio da Central Norte e a outra em junho de 1979 (prefixo "24"), esta em novo prédio (Central Leste)[22][14], havendo o primeiro corte de área da cidade.

Após a alteração do código de área (DDD), foi inaugurada mais uma central em julho de 1981 (prefixo "635") no prédio da Central Norte. Logo após outra é inaugurada em maio de 1982 (prefixo "626") em novo prédio (Central Noroeste)[23][24]. No mesmo período foram inauguradas as centrais telefônicas dos distritos de Bonfim Paulista (prefixo "672") e Guatapará (prefixo "673")[15].

Em fevereiro de 1988 foi inaugurada a primeira CPA (central controlada por programa armazenado)[2] da cidade (prefixo "623"), sendo para isto construído mais um prédio (Central Sul)[25][26]. Depois foi inaugurada mais uma central (prefixo "633") instalada em novo prédio (Central Oeste)[25], e na sequencia outra central (prefixo "637") foi inaugurada também em novo prédio (Central Sudoeste)[27] e mais uma central (prefixo "627") no prédio da Central Leste.

Sistemas DDD/DDI[editar | editar código-fonte]

Implantação[editar | editar código-fonte]

Em março de 1973 foi inaugurado em Ribeirão Preto o sistema de Discagem Direta à Distância (DDD) com o código de área (0166)[28], que em julho de 1980 foi alterado para (016)[29]. Já o sistema de Discagem Direta Internacional (DDI) foi inaugurado na cidade no ano de 1976.

Numeração telefônica[editar | editar código-fonte]

Formatos numéricos[editar | editar código-fonte]

Até o início de 1973 os telefones de Ribeirão Preto não possuíam prefixo telefônico, quando foi inaugurado o novo sistema de telefones automáticos da cidade, onde as centrais da CETERP passaram a utilizar prefixos de dois dígitos, tendo em vista a realidade da implantação do DDD na cidade[2].

Após a alteração do código de área de Ribeirão Preto do antigo 0166 para 016 em 1980, os prefixos das centrais telefônicas existentes até então passaram a ser de três dígitos ("624", "625", "634" e "636"), com a CETERP utilizando esse formato nas novas centrais de telefonia fixa que iam sendo inauguradas até o início dos anos 2000[29], quando a operação foi adquirida pela Telefônica, que passou a instalar novas centrais com prefixos de quatro dígitos iniciados por "39", que também foram utilizados pela Telefônica nas cidades da antiga área terciária (166) que faziam parte da concessão da TELESP.

Áreas terciárias[editar | editar código-fonte]

Ribeirão Preto e Guatapará faziam parte da área terciária (166), que tinha como centro de área a própria cidade de Ribeirão Preto. Apesar das áreas terciárias do sistema de numeração não existirem mais, as áreas de tarifação (equivalente as áreas terciárias, sendo a principal referência no sistema de chamadas interurbanas) permanecem as mesmas até os dias atuais[30].

Área de cobertura[editar | editar código-fonte]

Localidades atendidas[editar | editar código-fonte]

Central
telefônica
Prefixo
antigo
Prefixo
atual
Norte 625 3625
Norte 634 desativada
Norte 636 3636
Norte 635 3635
Norte 632 3632
Norte 610 3610
Norte 612 3612
Leste 624 3624
Leste 627 3627
Leste 618 3618
Noroeste 626 3626
Noroeste 628 3628
Noroeste 615 3615
Sul 623 3623
Sul 620 3620
Oeste 633 3633
Oeste 630 3630
Oeste 607 3607
Sudoeste 637 3637
Quintino Facci 638 3638
Geraldo de Carvalho 622 3622
Lagoinha 629 3629
Lagoinha 617 3617
Andorinhas 639 3639
D'Elboux 621 3621
DDR 601 3601
DDR 602 3602
DDR 603 3603
DDR 604 3604
DDR 605 3605
DDR 606 desativada
DDR 611 3611
DDR 614 desativada
Bonfim Paulista 672 3972
Guatapará 673 3973
Ceterp Celular 961 99961
Ceterp Celular 962 99962
Ceterp Celular 963 99963
Ceterp Celular 964 99964
Ceterp Celular 975 99975
Ceterp Celular 991 99991
Ceterp Celular 992 99992
Ceterp Celular 993 99993
Ceterp Celular 994 99994

Alteração de prefixos[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2000, os celulares da CETERP Celular passaram de sete para oito dígitos, sendo que em 2013 os mesmos alterados para a numeração de nove dígitos, assim como os outros números da telefonia móvel no interior e no litoral do estado de São Paulo.

Em 2005, depois da empresa ter sido absorvida pela Telefônica, os prefixos dos telefones fixos da cidade de Ribeirão Preto que eram iniciados pelo dígito 6 tiveram o acréscimo do dígito 3, permanecendo assim até os dias atuais. Por outro lado, os telefones fixos do distrito de Bonfim Paulista e do município de Guatapará tiveram o dígito 6 do início dos prefixos substituídos por 39, a exemplo do que ocorreu nas cidades e distritos da área de tarifação (166) que antes da privatização faziam parte da concessão da Telecomunicações de São Paulo.

Concomitantemente a isso, a Telefônica (hoje Vivo) fez a implantação de novos prefixos começados por 39 na cidade, sendo que o prefixo 3941 e os prefixos iniciados por 390, 391, 393, 396, 397 e 399 são todos pertencentes a área local composta pelos municípios de Ribeirão Preto e Guatapará, nos quais a CETERP prestava seus serviços de telefonia.

Fim da empresa[editar | editar código-fonte]

Em 20 de dezembro de 1999, a Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto decidiu privatizar a companhia, e leiloou publicamente 51% das ações com direito a voto e 36% do capital acionário total da CETERP. A Telefónica (atual Vivo), controladora da antiga TELESP, foi a vencedora do processo e incorporou a CETERP em 27 de dezembro de 2000[31].

Em 21 de julho de 2000 a CETERP Celular, parte responsável pela telefonia móvel da CETERP, transferiu sua administração à Telesp Celular (atual Vivo)[32].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «LEI Nº 5.792, DE 11 DE JULHO DE 1972 - Autoriza o Poder Executivo a constituir a empresa Telecomunicações Brasileiras S/A. - TELEBRÁS». Presidência da República 
  2. a b c d e f g h «CETERP S/A - Centrais Telefônicas de Ribeirão Preto - História da telefonia em Ribeirão Preto». web.archive.org. Consultado em 8 de novembro de 2020 
  3. «Inaugurado o serviço de telefones automáticos de Ribeirão Preto». Edição Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de setembro de 2019 
  4. «Lei Ordinária nº 2205, de 11/04/1969». publico.camararibeiraopreto.sp.gov.br. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  5. «O Estado de S. Paulo - 16 DE JUNHO DE 1973». Acervo. Consultado em 25 de julho de 2021 
  6. a b «O Estado de S. Paulo - 23 DE DEZEMBRO DE 1970». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  7. «Lei Ordinária nº 2736, de 12/01/1973». publico.camararibeiraopreto.sp.gov.br. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  8. «Ceterp lança celular pré-pago e implanta sistema digital». Folha de Londrina. Consultado em 27 de junho de 2021 
  9. «Lista telefônica 190». museudigital.odillamestriner.com.br. Consultado em 27 de junho de 2021 
  10. «O Estado de S. Paulo - 19 DE MARÇO DE 1981». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  11. «Lançamento oficial da lista telefônica». museudigital.odillamestriner.com.br. Consultado em 27 de junho de 2021 
  12. a b «O Estado de S. Paulo - 04 DE MARÇO DE 1973». Acervo. Consultado em 26 de abril de 2022 
  13. «O Estado de S. Paulo - 24 DE AGOSTO DE 1978». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  14. a b «O Estado de S. Paulo - 19 DE JUNHO DE 1979». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  15. a b «O Estado de S. Paulo - 05 DE FEVEREIRO DE 1981». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  16. «Folha de S.Paulo - 22.dez.1996». Acervo Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de novembro de 2020 
  17. «O Estado de S. Paulo - 29 DE NOVEMBRO DE 1972». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  18. «O Estado de S. Paulo - 02 DE JULHO DE 1970». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  19. «O Estado de S. Paulo - 27 DE JANEIRO DE 1973». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  20. «O Estado de S. Paulo - 27 DE FEVEREIRO DE 1973». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  21. «O Estado de S. Paulo - 07 DE JANEIRO DE 1978». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  22. «Lei Ordinária nº 3433, de 17/04/1978». publico.camararibeiraopreto.sp.gov.br. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  23. «O Estado de S. Paulo - 03 DE ABRIL DE 1980». Acervo. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  24. «Folha de S.Paulo - 14.mai.1982». Acervo Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de dezembro de 2021 
  25. a b «Lei Ordinária nº 4893, de 22/09/1986». publico.camararibeiraopreto.sp.gov.br. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  26. «O Estado de S. Paulo - 21 DE MARÇO DE 1987». Acervo. Consultado em 19 de dezembro de 2021 
  27. «Lei Ordinária nº 5239, de 18/03/1988». publico.camararibeiraopreto.sp.gov.br. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  28. «Inauguração do sistema DDD em Ribeirão Preto». Acervo Digital - Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  29. a b «O Estado de S. Paulo - 08 DE JULHO DE 1980». Acervo. Consultado em 27 de junho de 2021 
  30. «Resolução n° 424 de 6 de dezembro de 2005». ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações 
  31. Telefônica / Vivo. «Nossa História». Consultado em 31 de julho de 2014 
  32. Agência Nacional de Telecomunicações (21 de julho de 2000). «Ceterp Celular e Telesp Celular comunicam à ANATEL a transferência de concessão» (PDF). Consultado em 31 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]