Cemig Telecom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cemig Telecom
Razão social Cemig Telecomunicações S.A. CEMIGTelecom
Empresa de capital aberto
Atividade Telecomunicações
Gênero Sociedade de economia mista
Fundação 13 de janeiro de 1999 (24 anos)
Destino Privatizada
Encerramento 1 de novembro de 2018 (4 anos)
Sede Belo Horizonte, MG,  Brasil
Proprietário(s) Cemig (99,93%)
Produtos Infraestrutura de fibra óptica
Empresa-mãe Cemig

A CEMIG Telecom era uma concessionária de serviços de telecomunicações do Brasil. Atuava no segmento de internet via redes de fibra óticas para todo o estado de Minas Gerais, além de regiões metropolitanas de Salvador(BA), Fortaleza(CE),Recife(PE) e Goiânia(GO). Era voltada exclusivamente para clientes corporativos. [1], utilizando compartilhamento de infraestrutura da Cemig.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Constituída em 13 de janeiro de 1999 com o nome de Infovias, em conjunto com a AES, integrante do grupo AES Corporation e o CLIC - Clube de Investimentos dos Empregados da Emissora. A época da fundação, a Emissora detinha 48,97% do capital total da Infovias, a AES aproximadamente 49,97% e o CLIC 0,99%. Posteriormente a Cemig adquiriu a participação da AES e passou a deter mais de 99% do capital social.[3]

Em 2010, a Cemig Telecom adquiriu 49% da Ativas Data Center, empresa de tecnologia da informação, prestadora de serviços de infraestrutura de hospedagem física e armazenamento de base de dados.[4]

A Cemig Telecom também controlava 49% da Axxiom, os outros 51% eram controlados pela Light, esta empresa fornece produtos e serviços de gestão de energia e automação de softwares.[5]

Em 2018, a Cemig Telecom tinha cerca de 6,3 mil km de cabos ópticos em redes metropolitanas e 11,6 mil km de cabos ópticos de longa distância. A empresa atendia cerca de 100 cidades em sete estados diferentes.[6]

Privatização[editar | editar código-fonte]

Em 2018, as empresas American Tower e Algar Telecom venceram um leilão de ativos da Cemig Telecom. O certame foi realizado na manhã do dia 8 de agosto, em Belo Horizonte. Do total de 17 empresas que se interessaram e acessaram o data room da Cemig, apenas Algar, American Tower e Claro se habilitaram a participar da disputa. A Claro, no entanto, decidiu não apresentar proposta.[6]

O lote 1 trazia a maior quantidade de ativos, sendo formado por redes de fibra em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, e foi adquirido pela American Tower, que fez uma proposta de R$ 571 milhões. O lote 2 com redes de fibra ótica em Fortaleza (CE), Salvador (BA), Recife(PE) e Goiânia (GO) foi arrematado pela Algar por R$ 77,89 milhões.[7]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.