Sercomtel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sercomtel
Sociedade de Economia Mista
Slogan Soluções completas
Atividade Telecomunicações
Fundação 6 de julho de 1968 (51 anos)
Sede Londrina,  Paraná
Proprietário(s) Copel (45%) Prefeitura de Londrina (44,14%), Itaú Leasing (7,08%) outros (3,78)
Pessoas-chave Hans Jurgen Muller (presidente)
Produtos Telefonia fixa, telefonia móvel, Internet
Website oficial www.sercomtel.com.br

A Sercomtel é uma empresa de telecomunicações com sede em Londrina, Paraná. Opera telefonia fixa e celular, GSM e 3G, além de longa distância pelo código 43 e banda larga, internet rápida e de alta velocidade. É a única operadora pública do país.

Área de atuação[editar | editar código-fonte]

A operadora está presente em cidades do Norte, Noroeste e Sul paranaense, como concessionária ou em telefonia fixa na condição de autorizada. Em Maringá e região e em Curitiba e região, a empresa oferece seus serviços de telecomunicações em parceria com a sócia Copel (Companhia Paranaense de Energia).

História[editar | editar código-fonte]

Por iniciativa do prefeito de Londrina, Hosken de Novaes, a câmara de vereadores aprovou a criação de uma operadora de telefonia para os londrinenses. Aprovado em outubro de 1964, tornou-se a Lei nº 934 e criou, assim, o Serviço de Comunicações Telefônicas de Londrina – SERCOMTEL, como um departamento da prefeitura. Todavia, pouco depois, em 1º de janeiro de 1966, a Lei 1.058 converteu a Sercomtel em uma Autarquia Municipal, inaugurada oficialmente no dia 6 de julho de 1968.

Foi a quarta empresa de telefonia a integrar o sistema de Discagem Direta à Distância (DDD), com o estabelecimento da central de trânsito da Telepar, em 8 de março de 1971, sendo as outras três cidades São Paulo, Curitiba e Porto Alegre.

Em 1973 houve a primeira expansão telefônica, que viabilizou 5.200 novos terminais. Mas outra já estava a caminho, a segunda expansão, que colocou em funcionamento mais 10.400 linhas, o que iria representar, em sua instalação, um excepcional incremento. De fato, com as novas linhas, Londrina passava a ter 22.800 terminais, isto em apenas oito anos depois da inauguração da autarquia.

Fachada atual da Sercomtel
Fachada da Sercomtel Celular

Em 1985, a empresa anunciou a terceira expansão, garantindo ainda mais acesso aos serviços de telefonia à população londrinense e de distritos vizinhos. Essa expansão contou com três fases, sendo a última concluída no final de 1989 e início de 1990.

Nessa época, Londrina passou a contar com 70.997 terminais telefônicos, atingindo a média de 19,45 aparelhos para cada 100 habitantes, média excepcional e a mais elevada do País naquele momento.

Foi nesse tempo também, que novos serviços foram colocados à disposição dos usuários, como o DLC – Discagem Local a Cobrar, implantado em 1989, além dos chamados Serviços Suplementares CPA: atendimento simultâneo ou chamada em espera, bloqueio controlado de chamadas originadas, consulta, conferência e transferência, discagem abreviada, linha executiva, memória ou chamada registrada, não perturbe, transferência de chamada em caso de linha ocupada, transferência de chamada em caso de não-atendimento e transferência temporária de chamadas – siga-me.

Réplica da cabine inglesa, instalada pela Sercomtel

Em 1992, trouxe o serviço móvel celular para Londrina, que tornou-se a primeira cidade do interior e a quarta do Brasil a receber o serviço, ativado em caráter experimental no dia 26 de novembro do mesmo ano. Também foi a primeira operadora de telefonia do Brasil a comercializar Internet, cujo lançamento data de 5 de março de 1996 e em Londrina, foi a segunda empresa a lançar o serviço - quatro meses antes da Sercomtel, o provedor de acesso LDA Palm começou a vender o produto. É que na época, em 1995, não existia ainda uma definição de autorização para que as operadoras comercializassem Internet.

Em meados da década de 1990 a foi transformada em sociedade anônima de economia mista, deixando de ser uma autarquia municipal.

Em 1998, a Copel torna-se acionista ao adquirir 45% das ações e em 1999, as duas empresas criam outro provedor, o Onda, passando a ser o maior provedor do Estado, cobrindo, em 1999, dez cidades.

Em 2001, seu provedor voltou a operar sozinho em Londrina usando o nome anterior, Internet by Sercomtel.

Com as mudanças operadas no setor de telecomunicações no final da década de 1990, a Sercomtel teve que redefinir a sua estrutura empresarial, seguindo as novas normas relativas à telefonia celular e optando pelo modelo de cisão, que dividia a empresa em duas: Sercomtel S.A. – Telecomunicações, congregando a telefonia fixa e outros serviços; e a Sercomtel Celular S.A., respondendo pela telefonia celular, Banda A, nos municípios de Londrina e Tamarana.

Orelhões da Sercomtel na região central de Londrina

Em 2003, a Sercomtel Celular colocou em operação a sua rede GSM e, cinco anos depois, entra em operação comercial a rede de terceira geração (3G) da empresa. Nessa época, a operadora fixa também inicia a sua política de expansão, passando a oferecer serviços em várias cidades do norte-paranaense, como Cambé, Ibiporã, Arapongas, Rolândia, Apucarana e Maringá, esta última feita em parceria com a Copel, uma das suas acionistas.

Em 2009, a expansão ganhou ainda mais força devido a autorização concedida pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para que esta pudesse oferecer seus serviços de telefonia fixa em todo o Estado do Paraná. Um ano depois, a Sercomtel Celular e o Grupo Wertt lançaram o freakom, um serviço inédito no mundo que permite aos clientes da operadora fazerem ligações gratuitas de um minuto após ouvir anúncio publicitário.

Também em 2010, lançou o primeiro serviço de internet rápida para linhas fixas pré-pagas do país, batizado de internet e-conômica. Em dezembro de 2011, a Sercomtel Celular ganha a licitação de radiofrequência promovida pela Anatel que permitirá à companhia operar a telefonia móvel em 97 municípios na região 43 (Norte do Paraná). Em março de 2012, a Sercomtel Fixa começou a operar em Curitiba e mais 16 cidades da região metropolitana, em parceria com a sócia Copel. Em 2012, a operadora lançou a sua televisão por assinatura via satélite por DTH e com tecnologia HD[1]

Em 2015, foi avaliada como uma das melhores operadoras nos serviços de telefonia fixa e telefonia móvel pré-paga[2].

Produtos[editar | editar código-fonte]

  • Telefonia fixa e móvel (GSM e 3.5G), na modalidade pós e pré-paga.
  • Acesso à Internet banda larga (ADSL), 3.5G, discada e plano pré-pago de banda larga popular.

Patrocínios[editar | editar código-fonte]

A empresa sempre apoiou financeiramente equipes de desportos, como o voleibol Londrina/Sercomtel[3], o futsal Londrina/Sercomtel [4], o handebol Unopar Londrina/Sercomtel[5], o atletismo FEL/Sercomtel/Caixa[6] e o Paraná Soccer Technical Center[7]. Atualmente, patrocina o Londrina Esporte Clube[8].

Diretoria[editar | editar código-fonte]

  • Diretor Presidente: Hans Jurgen Muller [9][10]
  • Diretora Administrativa: Eloiza Pinheiro
  • Diretor Comercial: Nilso Paulo da Silva
  • Diretora Financeira: Rosângela de Oliveira[10]
  • Diretor de Engenharia e Operações: Flávio Borsato

Presidentes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • Hans Muller (2017 - Atualmente)
  • Luiz Carlos Idaty (2016 - 2017)
  • Guilherme Casado (gestão: maio a dezembro de 2016) [11]
  • Christian Schneider (gestão: 2013 a maio de 2016) [12]
  • Kentaro Takahara (gestão: 2012)[13]
  • Roberto Coutinho Mendes (gestão: agosto a dezembro de 2011)[14]
  • Fernando Lopes Kireeff (gestão: fevereiro de 2009 a agosto de 2011) [15]
  • Mário Jorge de Oliveira Tavares (gestão: janeiro a fevereiro de 2009) [16]
  • Gabriel Ribeiro de Campos (gestão: abril de 2006 a dezembro de 2008) [17]
  • João Batista Rezende (gestão: 2003 a abril de 2006) [18]
  • Francisco Roberto Pereira (gestão: 2001 a 2002) [19]
  • Rubens Pavan (gestão: 1997 a 2000) [20]
  • Gilbert Garcia de Souza (gestão: fevereiro a dezembro de 1996) [21]
  • Assad Jannani (gestão: 1993 a janeiro de 1996) [22]
  • Jackson Proença Testa (gestão: agosto de 1990 a dezembro de 1992) [23]
  • Luiz Carlos Bellinetti (gestão: janeiro de 1989 a julho de 1990) [24]
  • Nivaldo Gotti (gestão: fevereiro de 1983 a dezembro de 1988) [25]
  • Nilo Dequêch (gestão: fevereiro de 1983) [24]
  • Carlos Klamas (gestão: agosto de 1978 a fevereiro de 1983) [26]
  • Aldyr Dias Vianna (gestão: maio a agosto de 1978) [24]
  • Robert Prochet (gestão: fevereiro de 1977 a maio de 1978) [24]
  • João Gilberto Santos (gestão: agosto de 1971 a janeiro de 1977) [24]
  • Flávio Braun Garcia (gestão: fevereiro de 1969 a agosto de 1971) [27]
  • Theobaldo Cioci Navolar (gestão: 1968) [28]

Crise[editar | editar código-fonte]

Desde 2017, a Sercomtel vem enfrentando uma crise em suas contas, com prejuízos milionários ao longo dos anos, sendo que só em 2016, a dívida era de mais de 200 milhões[29] Em dezembro de 2017, o presidente da empresa, Hans Muller, se encontro com o presidente da Anatel. Na conversa, a possibilidade de a agência liberar a venda de terrenos pela concessionária para fazer fluxo de caixa. A concessionária defende a alienação dos bens, alegando que a empresa nunca foi da União.[30] A Anatel, já havia instaurado processos para a apuração, em caráter definitivo, da capacidade econômico-financeira de a concessionária cumprir sua obrigação de prestar o serviço de telefonia fixa de forma contínua, bem como de prestar o Serviço Móvel Pessoal (SMP) e de Comunicação Multimídia (SCM), de modo a atender à regulamentação setorial.[30] Para contornar a crise e evitar a perda da concessão o prefeito da cidade Marcelo Belinati acredita que a solução só será possível com a ajuda da Copel, sócia da Sercomtel. Segundo ele, a estatal irá contratar uma empresa multinacional de consultoria para apresentar soluções ou pedida de perdão de ICMS.[29] Apesar disso, a Copel demora em analisar os desinvestimentos na empresa. [31]

Referências

  1. Teletime News. «Sercomtel lançará serviço via DTH em dezembro». 20/09/2011. Consultado em 17 de outubro de 2011. Arquivado do original em 26 de outubro de 2011 
  2. Tagiaroli, Guilherme (29 de março de 2016). «As operadoras com melhor (e pior) avaliação em telefonia fixa, móvel e banda larga». As operadoras com melhor (e pior) avaliação em telefonia fixa, móvel e banda larga. Gizmodo Brasil. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  3. SUPERLIGA MASCULINA 10/11: CIMED PERDE BRUNO E É DERROTADA PELO LONDRINA/SERCOMTEL[ligação inativa] Confederação Brasileiro de Voleibol - acessado em 13 de setembro de 2016
  4. União, Jornal (23 de março de 2010). «Futsal - equipe Sercomtel/Londrina apresenta reforço para a temporada 2010». Jornal União 
  5. Unopar/Londrina/Sercomtel e Coca-Cola/Copel/Unipar/Cianorte abrem finais com goleadas Paraná Handebol - acessado em 13 de setembro de 2016
  6. Pódio é a meta no Brasileiro Juvenil BR Consórcios - acessado em 13 de setembro de 2016
  7. PSTC também terá o patrocínio da Sercomtel Paçoca com Cebola - acessado em 13 de setembro de 2016
  8. «Sercomtel garante o repasse de 300 mil ao Londrina Esporte Clube - Sercomtel Londrina - Esportes - Bonde. O seu portal». Bonde. O seu portal 
  9. «Prefeito eleito de Londrina anuncia sete nomes do novo secretariado». G1. Globo.com. 28 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  10. a b Albuquerque, Dayane (17 de janeiro de 2017). «Nova diretoria da Sercomtel Telecomunicações é empossada». Prefeitura do Município de Londrina. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  11. Tarobá, TV. «Novo presidente da Sercomtel será apresentado nesta segunda-feira». www.tarobalondrina.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2017 
  12. «Christian Schneider será o novo presidente da Sercomtel». www.minhaoperadora.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  13. «Kentaro Takahara assume a presidência da Sercomtel na próxima semana». Converge Comunicações. 10 de agosto de 2012 
  14. «SERCOMTEL FIXA COMEÇA A OPERAR EM ASTORGA - PORTAL CAMBÉ». PORTAL CAMBÉ. 15 de dezembro de 2011 
  15. http://www.webee.com.br. «Sercomtel de Londrina realiza jantar em Apucarana pelos 03 anos na cidade - Notícias - AN Notícias». www.annoticias.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  16. «Saiba quem será o novo presidente da Sercomtel - Bondenews - Bonde. O seu portal». Bonde. O seu portal 
  17. «Novo presidente da Sercomtel assume o cargo nesta segunda-feira». COMPUTERWORLD. 10 de abril de 2006 
  18. «Nedson anuncia novo presidente da Sercomtel». Bonde. 1 de novembro de 2011. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  19. «Sercomtel iniciará serviço interurbano - Economia - Estadão». Estadão 
  20. «Folha de S.Paulo - Empresa pede prova de "vileza' na venda - 24/06/98». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  21. «Ex-prefeitos e vereadores são punidos pelo TC | Notícias, Política | Tribuna PR - Paraná Online». Tribuna PR - Paraná Online. 24 de agosto de 2002 
  22. «Folha de S.Paulo - Telefônica de Londrina quer disputar celular - 18/9/1995». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  23. «Social - Oswaldo Militão - Folha de Londrina - O Jornal do Paraná - Brasil». Folha de Londrina 
  24. a b c d e Feldman, Estélio (1998). Sercomtel: 30 Anos de História. Londrina: [s.n.] 73 páginas 
  25. «Tancredo Neves, ACM e o Sercomtel - Folha de Londrina - O Jornal do Paraná - Brasil». Folha de Londrina 
  26. «Morre, ao 79 anos, Carlos Klamas - Londrina - Bondenews - Bonde. O seu portal». Bonde. O seu portal 
  27. «Flavio Braun Garcia». www.josepedriali.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  28. «A VIRADA DO TELEFONE». docplayer.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  29. a b Marconi, Guilherme. «Sercomtel em crise». Folha de Londrina. Consultado em 2 de julho de 2018 
  30. a b «Conselheiras criticam demora em análise de desinvestimento da Copel - Economia - Estadão». Estadão 
  31. «Conselheiras criticam demora em análise de desinvestimento da Copel - Economia - Estadão». Estadão 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]