Dedé Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2011). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dedé Santana
OMC
Dedé na cerimônia da Ordem do Mérito Cultural em 2018
Nome completo Manfried Sant'Anna
Outros nomes Dedé Santana, Dedé, Dedé Sant'Anna
Nascimento 29 de abril de 1936 (83 anos)
Niterói, RJ[1][2]
Nacionalidade brasileiro
Ocupação ator, apresentador, diretor de cinema, dublador, humorista e roteirista
Atividade 1944–presente
Parentesco Dino Santana (irmão)
Colé Santana (tio)
Cônjuge Ana Rosa (1958–1962)

Manfried Sant'Anna, mais conhecido como Dedé Santana OMC, (Niterói, 29 de abril de 1936) é um ator, apresentador, diretor, dublador, humorista e roteirista brasileiro, conhecido por ter integrado o grupo humorístico Os Trapalhões.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do palhaço Picolino (Oscar Santana) e da contorcionista Ondina Santana, Dedé foi criado por uma família, que é descendente de ciganos, entre artistas de circo.[4] É sobrinho do falecido ator e comediante Colé Santana.[5] Entrou no seu primeiro espectáculo circense apenas com três meses de vida, atuando com sua mãe. A peça era o famoso drama A Cabana do Pai Tomás. No picadeiro, Dedé foi palhaço, acrobata, trapezista, domador de elefantes e chegou até a fazer o "Globo da morte". Nesta fase, chegou a interpretar o palhaço Arrelia no próprio circo do palhaço, que ocupava-se gravavando seu programa, o Circo do Arrelia. Certa vez, Dedé que trabalhava numa confecção pela manhã e interpretava o palhaço na matinê à noite, chegou atrasado para o espetáculo e se esqueceu de pintar o rosto, levando o público ao delírio e ganhando o título de "Palhaço de Cara Limpa". Ele também chegou a trabalhar como engraxate, verdureiro, ajudante de mecânico e a estudar contabilidade.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O início da carreira artística foi extremamente dificil para Dedé. Quando jovem, veio para a Cidade do Rio de Janeiro tentar a sorte no cinema, chegando a passar fome em vários momentos.

Ficou aproximadamente seis meses dormindo nas calçadas de Copacabana durante o dia, e andando á noite para que a policia não o prendesse. Dedé suportou essas privações, pelo simples fato de não querer voltar para a casa derrotado. Como não conseguia entrar para o cinema, acabou por aceitar um emprego de faxineiro em um teatro.

Na primeira oportunidade passou a trabalhar como contra-regra. Certo dia, o ator principal de uma peça faltou e não havia ninguém para substituí-lo. Como Dedé havia comentado no teatro que já havia trabalhado em circo, o diretor propôs a ele que tentasse interpretar o personagem.

Em decorrência de seu talento, sua atuação foi considerada excelente, tornando-o ator fixo da peça. O espetáculo fez um enorme sucesso e Dedé foi agraciado com o prêmio de Melhor Comediante de Teatro em 1961. Nesse mesmo ano, iniciou sua carreira cinematográfica no filme Rio à Noite.

A convite do comediante Arnaud Rodrigues, resolveu entrar para a televisão, mais precisamente na extinta Rede Tupi. Dedé formou, com o ator e irmão Dino Santana, uma dupla, Maloca e Bonitão. No filme Na Onda do Iê-iê-iê, de 1966, já na companhia de Renato Aragão, Dedé e Didi vão à delegacia para salvar o personagem César Silva, vivido pelo cantor Silvio César, que estava preso injustamente e tinha que sair da cadeia para participar de um festival, o guarda reconheceu Dedé perguntando: "Você não é o Maloca da televisão? Me conta uma piada!", então Dedé ficou entretendo o guarda para que Didi abrisse o cadeado da prisão para a fuga do personagem César Silva.

Renato Aragão e Dedé Santana em cena no filme Ali Babá e os 40 ladrões, 1972. Arquivo Nacional.

Foi com Renato Aragão, que Dedé conheceu na Rede Excelsior, que iniciou o grupo de comediantes e humoristas que lhe viria a dar fama, Os Trapalhões. Como Dedé é de formação circense, ensinou muitas piruetas e movimentos de circo a Didi na época que eram uma dupla.

Ao lado de Mussum, Didi e Zacarias e de diversos artistas do elenco da Globo como Roberto Guilherme, Tião Macalé e Carlos Kurt, Dedé participou de várias edições do Criança Esperança, de 1986[6] até 1996. Criado e estreado em 1986, foi ao ar exibido ao vivo direto do antigo Teatro Fênix, durante o especial que comemorou os 20 anos de Os Trapalhões, em 28 de dezembro de 1986, na Rede Globo. Dedé também comemorou os 25 anos de Os Trapalhões com Mussum e os 30 anos de Os Trapalhões com Didi no Criança Esperança.

Após sofrer com a perda dos amigos e parceiros Zacarias, falecido em 1990, e Mussum, falecido em 1994, em 1995, Dedé e Didi são contratados por um Canal de Televisão de Portugal e levam a magia trapalhônica ao velho continente com o programa Os Trapalhões em Portugal. O programa ficou no ar por 4 anos, encerrando-se em 1998.

Integrante da Igreja Pentecostal Assembleia de Deus e da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra, Dedé diz ter se convertido depois que passou por uma série de problemas cardíacos, em 1995, e após seu filho ter se envolvido com drogas e trocado a vida de risco pela igreja.

Após o fim do seu contrato com a Globo em 1996, Dedé foi para a Rede Manchete em 1997, onde começou a fazer participações no programa Domingo Total, apresentado por Sérgio Mallandro, Otávio Mesquita e Virgínia Novick. Produzido pela TV Ômega, o programa era dividido em três partes, cada uma voltada a um tipo de público, e a Sergio cabia o comando do Festa do Mallandro. Junto com Mallandro, o irmão Dino Santana, e Tiririca, Dedé criou um novo grupo de comédia com o titulo de Os Trapalhaços (uma junção do nome "Os Trapalhões" com "Palhaços"). O quadro ganhou destaque na imprenssa virando carro chefe do programa e por pouco não virou um filme com o titulo de Tarzan, o rei da selva Amazônica com direção de Victor Lustosa. A nova turma do Dedé durou apenas um ano, pois a Manchete estava abrindo falência. Sérgio Mallandro seguiu para a CNT Gazeta com outro formato para o Festa do Mallandro, e como Dedé não era contratado da emissora, saiu junto com o Domingo Total.

Em 1998, Dedé volta a atuar com Sergio Mallandro na CNT e permaneceu com suas apresentações evangélicas por todo Brasil. No mesmo ano, apresentou o MTV Video Music Brasil ao lado de Didi Wagner. Já em 1999, Dedé foi contratado pela Rede Record e escalado para ser um dos professores do programa humorístico Escolinha do Barulho. Na época, ele também chegou a participar de um episódio da Turma do Pererê na TV Cultura.

Dedé deixou a sala de aula na Record e voltou para a Globo para comandar o programa Essa Gente Inocente e a convite do amigo Chico Anisio para atuar na Escolinha do Professor Raimundo onde ele interpretria um caipira paulista. Após algumas divergências, o personagem de Dedé nem chegou a aparecer na sala de aula, apesar do nome do trapalhão aparecer nos créditos de elenco do programa. No ano seguinte, teve participações e fez várias pontas no humorístico Zorra Total, chegando até a criar um personagem oriental com o nome de "Thudhiro" e tambem um vendedor de frutas atrapalhado.

Com o fim do novo contrato de Dedé com a Globo, Dedé se tornou figura constante em programas de outras emissoras como A Casa é Sua (Rede TV), Falando Francamente (SBT), Gordo a Go-Go (MTV) e Descontrole (Band) onde impressionou a todos com a sua disposição fisica em realizar suas cambalhotas ao vivo no palco.

O ano de 2004 marcou uma nova fase da carreira de Dedé. Após uma longa separação e diversos desentendimentos, (alguns devido a declarações que dava em entrevistas à imprensa), Dedé se reconciliou com o parceiro Renato Aragão como Didi, em uma participação no programa Criança Esperança daquele ano, exibido pela Globo. Na mesma época, á convite do amigo de infância e ex-empresário dos Trapalhões, Beto Carreiro, Dedé vai para o SBT e toma a frente do grupo "Comando Maluco", que ja mantinha um quadro fixo no humorístico A Praça é Nossa do comediante Carlos Alberto de Nóbrega, outro grande amigo de Dedé. Dedé passou a interpretar o General Berinjela, que depois passou a se chamar General Dedé.

Com o extremo sucesso do quadro, Silvio Santos decidiu transformar o quartel do Gerenal Dedé em um programa fixo. Surgia então em 2005, o programa Dedé e o Comando Maluco, com cenas gravadas no parque Beto Carrero World. O programa chegou a ser exibido no mesmo horário do programa A Turma do Didi e trocou diversas vezes de horário. De acordo com o Ibope, o programa de Dedé no SBT chegou a vencer A Turma do Didi. O programa foi cancelado em 2008 após o falecimento de Beto Carrero.

Depois de ter ficado 14 anos afastado da Rede Globo e após diversas negociações, em junho de 2008, Dedé voltou a trabalhar com o atual parceiro Renato Aragão, e o retorno deu-se no programa humorístico A Turma do Didi, da Rede Globo, onde Dedé foi recebido com muita festa por toda a equipe do programa, com a música "No Mundo da Lua", de autoria de Michael Sullivan e Paulo Massadas.

Dedé também voltou ao programa anual Criança Esperança da Rede Globo também no ano de 2008, ao lado dele, Renato Aragão, o Didi e do elenco de A Turma do Didi, cantando as músicas "No Mundo da Lua" e "Um Cientista Maluco".

Também fez parte do elenco do programa Aventuras do Didi, na Rede Globo.[7]

Em abril de 2011 foi homenageado em seu 75º aniversário, no "Circovolante - 3 Encontro de Palhaços", realizado em Mariana/MG.

Dedé inaugurou em julho de 2011, perto do Shopping São Gonçalo, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, o circo chamado de Circo do Dedé Santana, onde acontece espetáculos circenses.

Em abril de 2018, fez uma parceria com a Maurício de Sousa Produções para criar o circo da Turma da Mônica,[8] Dedé já havia trabalhado com Maurício de Sousa nos filmes Os Trapalhões no Reino da Fantasia (1985) e Os Trapalhões no Rabo do Cometa (1986).[9]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Dedé conheceu sua ex-esposa, Ana Rosa, em 1958 e, em menos de dois anos, casaram e tiveram um filho: Maurício, que morreu de leucemia em 1961, para desespero de Dedé e de Ana. Eles se separaram por alguns meses, porém se reconciliaram e Ana Rosa engravidou, e em abril de 1962 tiveram uma filha: Maria Leone, que lhes deu uma neta. Quando a filha era ainda criança, Dedé e Ana resolveram se separar definitivamente.

Em 1964, casou-se com Aimée Iório, filha dos atores Adélia e Átila Iório, com quem teve cinco filhos: Áttila, Aiede, Aiesca e Aimee Santana. O casal se separou em 1981.

Dedé também foi casado com a atriz e modelo Susana Mattos com quem fez par romântico no filme O Casamento dos Trapalhões. Os dois ficaram juntos de 1986 a 1988.

Em 1989, Dedé conheceu sua atual esposa, a gaúcha Christiane Bublitz, que foi a primeira rainha da Oktoberfest de Santa Cruz do Sul no ano de 1984. Com ela, tem três filhos: Marcos, Daynara e Yasmim Sant'Anna, que além de dançarina, segue os passos do pai na atuação.

O Trapalhão Dedé[editar | editar código-fonte]

Dedé ficou marcado como o mais sério dos Trapalhões (fato que ele mesmo admite em entrevistas sobre o seu personagem), por ser ele o que agia de maneira mais normal, talvez para que o personagem se diferenciasse um pouco dos seus três amigos exageradamente hilários. Por ser o mais inteligente, Dedé agia como o cérebro do grupo. Sempre tentava corrigir as trapalhadas de seus companheiros e se mostrava o mais impaciente e o mais facilmente aborrecível. Mas não era difícil vê-lo metido em situações bastante cômicas. Sua masculinidade era constantemente questionada e ironizada por Didi.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
2018 Treme Treme Alan Dedelon 3 episódios da terceira temporada[10]
2017 Os Trapalhões Dedé e outros personagens
2015 #PartiuShopping Leobino Sanfona Episódio: O Fiscal Gera[11]
2014 Didi e o Segredo dos Anjos Gonzales Telefilme[12]
2013 Didi, o Peregrino Dedé Telefilme[13]
2010–13 Aventuras do Didi Dedé e outros personagens
2008 Criança Esperança Apresentador Especial
2008–10 A Turma do Didi Dedé e outros personagens
2005–08 Dedé e o Comando Maluco General Dedé
2004 Criança Esperança Dedé Especial
2004–06 A Praça É Nossa General Dedé / General Berinjela
2003 Quem Te Viu, Quem Te Vê Pai de Duda Telefilme
MTV Video Music Brasil Apresentador Apresentou um dos prêmios da atração ao lado de Didi Wagner[14]
2000–02 Zorra Total Vários personagens Fez diversas pontas e participações no programa
1999 Escolinha do Barulho Professor Dedé
1998 A Turma do Pererê Motorista de ônibus Episódio especial de Páscoa
Festa do Mallandro Dedé e vários personagens Bloco exibido dentro do programa Domingo Total
1996 Você Decide Apresentador
Chico Total Dedé (participação especial) Quadro: "Café Bola Branca"
1995–98 Os Trapalhões em Portugal Dedé e outros personagens
1995 TV Colosso Especial Dedé Telefilme
1991 Escolinha do Professor Raimundo Professor Dedé Especial: "25 Anos de Trapalhões", em homenagem a Zacarias
O Dono do Mundo Ele mesmo Fez uma participação na novela ao lado de Didi e Mussum
1987 Viva o Gordo Dedé (participação especial) Quadro: "Araponga"
1985 Armação Ilimitada Crossover dos Trapalhões no episódio: "Nas Malhas da Rede"
1986–96 Criança Esperança Apresentador Especial
1983 Bairro Feliz Dedé
1978–79 Roberto Carlos Especial Ele mesmo Dois episódios
1976–95 Os Trapalhões Dedé e outros personagens
1973 Meu Adorável Mendigo
1972–74 Os Insociáveis Dedé
1969–70 Praça da Alegria Dedé
1966–68 Os Adoráveis Trapalhões Dedé
1965 Maloca e Bonitão Maloca Junto ao seu irmão Dino Santana (o Bonitão)
1964–65 Didi e Dedé Dedé

Cinema[editar | editar código-fonte]

Lista dos filmes protagonizados por Dedé Santana, que não fazem parte da fimografia do grupo "Os Trapalhões"
Ano Título Papel Notas Ref.
1936 Bonequinha de Seda Uma das primeiras grandes produções cinematográficas brasileiras [15]
1962 Rio à Noite Ele mesmo Documentário [16]
1964 Lana - Königin der Amazonen Batista (não creditado) Produção alemã filmada no Brasil, lançado em portugues com o titulo Lana, Rainha das Amazonas [17]
1968 A Espiã Que Entrou em Fria Ecumenico [18]
1969 2000 Anos de Confusão Maloca Também divide os créditos de argumento e produtor associado
1969 Deu a Louca no Cangaço Maloca
1969 Os Desempregados Maloca
1970 Se Meu Dólar Falsse Participação
1973 Sob o Domínio do Sexo
1986 As Sete Vampiras faxineiro
2011 Meu Pai é Figurante Jacinto
2016 O Shaolin do Sertão Seu Zé [19]
2018 A Repartição do Tempo Almeida [20][21]
2018 Antes que Eu me Esqueça Gregório [22]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1955/1956 - Very Good Carnaval
  • 1963 - A Panela Tá Fervendo
  • 2014 - Os Saltimbancos Trapalhões: O Musical [23]
  • 2017 - A Última Vida de um Gato[24]
  • 2018/2019 - Palhaços[25]
  • 2018 - Circo da Turma da Mônica - O Primeiro Circo do Novo Mundo[26]

Referências

  1. «Quiz: No aniversário de 75 anos, teste sua memória sobre Dedé Santana». 9 de maio de 2011. Consultado em 8 de março de 2012 
  2. «Hoje Evangélico, Dedé Santana visita Sousa/PB e diz: 'Eu tinha fama, dinheiro, mas eu era uma pessoa triste'». Folha do Sertão. 26 de setembro de 2011. Consultado em 8 de março de 2012. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2011 
  3. «Caminhão da prefeitura invade a casa de Dedé Santana». Portalct.com.br 
  4. «Dedé Santana - Memória Globo». Memória Globo. Consultado em 26 de abril de 2017 [ligação inativa]
  5. Naiara Rodrigues. «Dedé Santana admite ciúme quando só falam de Renato Aragão: 'Acho que também mereço respeito'». Extra. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  6. ESPERANÇA, Criança. Criança Esperança – Formato. Publicado no site memoriaglobo.com. Página visitada em 01 de março de 2016.
  7. «Os Trapalhões». Globo.com. Aturmadodidi.globo.com. Consultado em 22 de junho de 2011 
  8. Mauricio de Sousa se junta a Dedé Santana e cria o Circo da Turma da Mônica
  9. Os Trapalhões e eu
  10. Bittencourt, Carla (5 de junho de 2018). «Dedé Santana e Batoré participam da terceira temporada de 'Treme treme'». Telinha. Extra. Consultado em 10 de junho de 2019 
  11. «Temporada 1 › Episódio 24». multishow.globo.com 
  12. Bittencourt, Carla (18 de novembro de 2014). «Dedé Santana vive um mexicano falso em especial de fim de ano». Telinha. Extra. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  13. Clara Passi (23 de maio de 2014). «Magoado, Dedé Santana diz: 'Fui deixado de lado'». O Globo. Consultado em 23 de maio de 2014 
  14. «Dedé Santana faz aparição rápida na TV». Gazeta Online. 31 de agosto de 2003 
  15. «Filmografia - LANA, RAINHA DAS AMAZONAS». Filmografia. Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de junho de 2019 
  16. «Filmografia - RIO À NOITE». Filmografia. Cinemateca Brasileira. Consultado em 10 de junho de 2019 
  17. «Filmografia - LANA, RAINHA DAS AMAZONAS». Filmografia. Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de junho de 2019 
  18. «Filmografia - A ESPIÃ QUE ENTROU EM FRIA». Filmografia. Cinemateca Brasileira. Consultado em 10 de junho de 2019 
  19. Prado, Verônica. «Filme cearense 'O Shaolin do Sertão' tem estreia prevista para novembro». G1 CE. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  20. «O2 Play - A Repartição do Tempo». O2 Play. 27 de outubro de 2015. Consultado em 11 de junho de 2019 
  21. «Primeiro longa de Santiago Dellape é 'sabatinado' no teatro da Caixa do DF». G1 DF. Consultado em 11 de junho de 2019 
  22. «Dedé Santana estreia filme em que não interpreta um trapalhão pela primeira vez». Época - Globo. Consultado em 17 de outubro de 2017 [ligação inativa] 
  23. Louise Soares (19 de outubro de 2014). «Estreando no teatro aos 78 anos, Dedé Santana quer atuar em filme sério». F5 - televisão. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  24. «Dedé Santana está em cartaz em BH com a peça 'A Última Vida de um Gato'». G1.com. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  25. «Alexandre Borges dirige 'Palhaços', peça com Dedé Santana». Guia Folha. 16 de março de 2018 
  26. «Com Dedé Santana, Circo da Turma da Mônica estreia em julho em São Paulo» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]