Os Adoráveis Trapalhões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os Adoráveis Trapalhões, escrito por Luís Joly com reportagens de Paulo Franco, foi lançado em dezembro de 2007. Trata-se do primeiro livro-reportagem no país a contar o nascimento, evolução, bastidores e fim do grupo humorístico de maior sucesso no país, Os Trapalhões.

O nome do livro é o mesmo da primeira formação do grupo, criado em 1966 na extinta TV Excelsior, que tinha como integrantes Wanderley Cardoso, Ivon Cury, Ted Boy Marino, Vanusa e Renato Aragão, com participações de Dedé Santana e Roberto Guilherme no elenco de apoio. O programa foi criado por Wilton Franco. Nos anos 70, teve os programas Os Insociáveis na TV Record com Mussum e Os Trapalhões na Rede Tupi com Zacarias e Globo já com a formação mais famosa. A partir de 1988, "Os Trapalhões" passou a ter direção de Maurício Tavares e Wilton Franco e direção geral de Wilton Franco - e com redação final dele e de Renato Aragão - e a ser transmitido ao vivo, direto do Teatro Fênix. Com a morte de Zacarias dois anos mais tarde, o programa precisou ser reinventado. Com direção geral ainda a cargo de Wilton Franco e supervisão de criação de Chico Anysio, o humorístico "Os Trapalhões" era dividido em duas partes, com shows musicais e esquetes com Didi, Dedé e Mussum contracenando com comediantes convidados. Franco deixou a direção do programa em 1992, sendo substituído no ano seguinte por José Lavigne, não tendo mais o claquete de risos da plateia. Com a morte de Mussum dois anos mais tarde, o programa voltou ao ar com Renato Aragão e Dedé Santana e a direção passou a ser de Paulo Aragão, filho de Renato.

Entre os destaques do livro, está a polêmica separação do quarteto, em 1983, os especiais de 15 anos, 20 anos com o início do projeto Criança Esperança e 25 anos com programação especial, além de detalhes sobre a morte de Mussum em 1994 e Zacarias em 1990. O livro também ganhou polêmica por não contar com depoimentos de Renato Aragão, o líder do grupo. No livro, não teve a polêmica separação entre Renato Aragão e Dedé Santana, pois os dois trabalharam juntos em 1995.