A Praça É Nossa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Praça É Nossa
Informação geral
Formato programa de auditório
Gênero Humorístico
Duração Até 60 minutos
Criador(es) Manuel de Nóbrega
Carlos Alberto de Nóbrega
Baseado em A Praça da Alegria, de Manuel de Nóbrega
Desenvolvedor(es) SBT
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Marcelo de Nóbrega
Produtor(es) Edimilson Gatti
Moacir Firmino
Karen Di Tullio
Natália Lima
Produtor(es) executivo(s) Adela Soriano Gimenez
Apresentador(es) Carlos Alberto de Nóbrega
Elenco Carlos Alberto de Nóbrega
Alexandre Porpetone
Charles Gutemberg
e grande elenco
Tema de abertura "A Praça", de Carlos Imperial (instrumental)
Exibição
Emissora original SBT
Formato de exibição 480i (SDTV) (1987-2011)
1080i (HDTV) (desde 2011)
Transmissão original 7 de maio de 1987 (35 anos) – presente
Temporadas 32
Episódios 1.600
Cronologia
Praça da Alegria
Programas relacionados

A Praça É Nossa é um programa de televisão humorístico brasileiro transmitido pelo SBT.

Uma primeira versão do programa foi concebida em 1956,[1] sob o nome A Praça da Alegria (1956- 1978), criada por Manuel de Nóbrega. Possuía um cenário simples e simultaneamente muito prático: um senhor sentado num banco de uma praça, por onde iam passando vários personagens. A versão estreou na televisão em 1956 no canal TV Paulista,[2] sendo comandado por seu criador até o começo dos anos 70. Até então, a atração já passou pela TV Record[3][4] e TV Rio,[5] até o falecimento de Manuel da Nóbrega em 1976. Após um tempo fora do ar, voltou a ser exibida em 1977-1978 pela Rede Globo,[6] desta vez apresentada por Luís Carlos Miele.[7][8]

Em 1987, o programa foi recriado na Rede Bandeirantes com o título Praça Brasil, apresentado pelo filho de Manuel, Carlos Alberto de Nóbrega. Após apenas quatro episódios, Carlos Alberto se transferiu para o SBT, onde montou um novo programa no mesmo formato, com o nome A Praça É Nossa.[9] Na emissora de Silvio Santos, o humorístico estreou em 7 de maio de 1987,[10] permanecendo até o presente momento.

A cidade de Peruíbe, no litoral de São Paulo, foi escolhida para a edição especial em 2004, a única gravada ao ar livre, no carnaval.

Passagem pela Globo[editar | editar código-fonte]

Em 1977, um ano após a morte de Manuel de Nóbrega, a Rede Globo voltou a exibir o programa, como forma de homenagear seu criador.

O primeiro Praça da Alegria teve direção de Mário Lúcio Vaz, e os seguintes foram dirigidos por Carlos Alberto Loffler. Carlos Alberto de Nóbrega, filho de Manuel de Nóbrega, era o responsável pela redação final do programa.[11]

O tema de abertura da Praça da Alegria era o mesmo das versões anteriores: A Praça, composta por Carlos Imperial e gravada por Ronnie Von.[12] Os versos da música parecem ter sido escritos para proclamar a longevidade do programa: “A mesma praça/o mesmo banco/as mesmas flores/no mesmo jardim”.

Agora, quem ocupava seu banco era Luís Carlos Miele,[13] que contracenava com os personagens antológicos do programa, que ainda, conservavam intacto seu apelo popular como Pacífico: figura alucinada que contava histórias mirabolantes e bordões nonsenses como “Ô cride!”. Bizantina Escatamáquia Pinto, mais conhecida como Velha Surda (Rony Rios): uma senhora meio míope e surda que importunava o humilde Apolônio (Viana Júnior), confundindo tudo o que ele dizia. Já passaram pela praça, como por exemplo: Catifunda (Zilda Cardoso), uma ladra carismática que não tinha vergonha de contar suas histórias (trambiques), enquanto fumava um charuto e reclamava da concorrência desleal dos “colegas de profissão”, o leitor mal-humorado e semi-analfabeto interpretado por Walter D'Ávila, o garoto vestido à moda marinheiro (Simplício) que atormentava o homem da praça com suas perguntas impertinentes e seus gritos de “Ó, home!”, Cremilda, a dondoca vivida por Consuelo Leandro que se gabava das impressionantes façanhas do seu “marido Oscar”, um ricaço poderoso e o Mendigo Nobre de Jorge Loredo e Borges de Barros, que, apesar de maltrapilho, agia como um lorde. Em um dos quadros, Jô Soares aparecia no papel do alemão que, por não dominar direito o português, travava uma conversa cheia de duplo sentido com Carlos Alberto de Nóbrega.

No final de 1977 e em janeiro de 1978, além dos humoristas cariocas que contracenavam com Miéle, também os paulistas e pernambucanos passaram a participar do programa. No banco de São Paulo, o homem da praça era Carlos Alberto de Nóbrega; em Pernambuco, Aldemar Paiva.

A Praça da Alegria repetiu na TV Globo o sucesso dos tempos de Manuel de Nóbrega, mas saiu da programação em 1978. A partir de 1987, sob o comando de Carlos Alberto de Nóbrega, o programa estreou na Rede Bandeirantes, sob o nome de Praça Brasil, mas durou por pouco tempo. Depois, voltou a ser exibido pelo SBT, com o nome de A Praça é Nossa.

O programa[editar | editar código-fonte]

O apresentador do programa, Carlos Alberto de Nóbrega.

A estreia de A Praça é Nossa no SBT aconteceu no dia 7 de maio de 1987. Anteriormente, de 1956 a 1970, a atração passou pela Record e TV Rio até sair do ar nos anos 70. em 1977, a Globo voltou a exibir A Praça da Alegria, que a partir de 1987, seria chamada de Praça Brasil na Bandeirantes e de A Praça é Nossa no SBT.

Ao conquistar todas as faixas etárias e classes sociais, A Praça É Nossa sempre se destacou pela diversificação em seu humor. Foram produzidos mais de mil programas inéditos. Sem contar que já desfilaram pelo banco da praça mais das, entre humoristas e comediantes, que protagonizaram o respeitável número de 250 personagens. Atualmente o programa conta com mais de 20 personagens, mesclando experientes e jovens. Entre eles estão João Plenário (Saulo Laranjeira), Nina e Sangue (ambos interpretados por Marlei Cevada), Saidera (Giovani Braz), Cucurucho (Pereira França Neto), os grupos Café com Bobagem e Os Malandros (Jefferson Farias, Duca Pantaleão e Mané Marreco), Matheus Ceará, as imitações de Alexandre Porpetone, entre outros.

A Praça É Nossa ainda ficou conhecida por receber diversas personalidades de áreas distintas em seus quadros, tais como o rei Pelé[14], os craques Zico[15] e Raí, o polêmico Clodovil, o intelectual e médico Enéas Carneiro, o campeão Popó, os medalhas de ouro do vôlei Maurício, Tande, Pampa e Giovane; as musas do basquete Magic Paula e Hortência; o então deputado federal Luiz Inácio Lula da Silva, Padre Antônio Maria, Gugu Liberato, Dercy Gonçalves,[16] os cantores Daniel, Fagner, Fábio Jr., Leonardo, Agnaldo Rayol, Zezé di Camargo e Luciano, Claudinho & Buchecha; as cantoras Kelly Key, Roberta Miranda e Gil; Celso Portiolli, Dedé Santana, os jornalistas Carlos Nascimento[17][18] e Bóris Casoy; e bandas como Jota Quest, Charlie Brown Jr., Falamansa, Família Lima, Fat Family, além do dono da estação Silvio Santos, entre muitos outros.

Há mais de 30 anos Carlos Alberto de Nóbrega comanda a atração, que também conta com a performance de Marcelo de Nóbrega, seu filho, que começou como ator e hoje dirige o programa e interpreta o Explicadinho.[19]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Stand Up Comedy

Em 2010 o programa inovou ao ser o primeiro programa de TV do Brasil a dar espaço a artistas de stand up regularmente.

Teatro[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2015 foi lançado por Marcelo de Nóbrega o show Proibidão da Praça, versão teatral do programa composto por piadas feitas no humorístico que não vão ao ar por serem consideradas impróprias para a TV. O Proibidão estreou no Teatro Pikadeiro Fun House, em São Paulo, fazendo uma curta temporada, e desde então viaja pelo país todo. Atualmente o elenco do show é composto por Matheus Ceará, Giovani Braz e Eros Prado.

Personalidades que passaram pelo programa[editar | editar código-fonte]

Desde os tempos de Manuel de Nóbrega, A Praça É Nossa se destaca por revelar novos talentos do humor. E agora, com um espírito de garimpeiro, Carlos Alberto encontra várias preciosidades do humor. Ao longo de sua história no SBT, o programa A Praça é Nossa contou com estrelas do humor brasileiro que marcaram época e deixaram saudades, como Ronald Golias[20], responsável pelos personagens Pacífico, Bronco, Profeta e Professor Bartolomeu. Além de Maria Teresa,[21] que interpretou por anos A Fofoqueira e Lady Grace Benedita. E o ator Jorge Lafond, que eternizou a personagem Vera Verão.[22]

E mais artistas que já se foram, mas ainda permanecem na memória de muita gente, como: Nhô Moraes (Emílio Fingoli); O Homem do Bumbo (Lilico); Lindeza com sua gravata Cocada (Roni Cócegas);[23] O Homem de Itu (Simplício); A Mulher do Oscar e Lola, a Repórter (Consuelo Leandro); A Velha Surda, Seu Explicadinho e Philadelpho (Roni Rios);[24] Louco e Caipira (Clayton Silva), O Homem do Telefone (Canarinho) entre outros.

Alguns destes humoristas conseguem valorizar muito bem as piadas escritas pelos redatores do programa. Já outros possuem talento para escrever os próprios textos e também tiram muitas risadas do público. Mas uma coisa é fato: inúmeros humoristas já foram revelados pela Praça. Com o passar dos anos, foram aparecendo vários novos personagens e novos quadros na praça tais como: Seu Memê, Batman e Robin, Ceará, Bigode, Nina entre outros. Em 2017 estreou o personagem "Doutora Camomila", interpretado por Dalila de Nóbrega, neta de Carlos Alberto.[25]

Direção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Eugênio Bucci, ao comentar em 2002 sobre diversos programas humorísticos da TV brasileira para a Folha de S.Paulo, disse que "a qualidade do humor na TV segue baixa e estreita."[26]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado Ref.
2016 Troféu Internet de 2016 Melhor Humorístico A Praça é Nossa Venceu
Troféu Imprensa de 2016 Venceu
2017 Troféu Internet de 2017 Venceu
Troféu Imprensa de 2017 Venceu
2018 Troféu Internet de 2018 Venceu
Troféu Imprensa de 2018 Venceu
Prêmio Contigo! Online 2018 Venceu [27]
2019 Troféu Internet de 2019 Venceu
Prêmio Contigo! Online 2019 Venceu [28]
2020 Prêmio Contigo! Online 2020 Venceu [29]

Referências

  1. Tatiana Cavalcanti (29 de setembro de 2020). «Carlos Alberto de Nóbrega recorda início da TV e diz que escreverá livro sobre sua vida». Diario de Cuiabá. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  2. Elmo Francfort Ankerkrone (26 de setembro de 2003). «TV no banco da 'Praça'». Sampa Online. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  3. Flavio Ricco (16 de setembro de 2020). «Carlos Alberto de Nóbrega escreve autobiografia na pandemia». Portal R7. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  4. FolhaOnline (26 de setembro de 2003). «Acervo da Record tem imagens raras dos anos 60». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  5. «Praça é Nossa é alegria mas tem problema». Jornal O Vale. 13 de dezembro de 2019. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  6. Thell de Castro (1 de maio de 2021). «Durou pouco, mas Globo teve Praça muito antes do SBT». TV História. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  7. Cristina Padiglione (25 de junho de 2020). «Carlos Alberto admite ciúme de Miele pelo banco da 'Praça' e dispensa filho de sucedê-lo». TelePadi. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  8. «Morre o ator e diretor Luiz Carlos Miele aos 77 anos». Portal R7. 14 de outubro de 2015. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  9. Thell de Castro (10 de maio de 2015). «Em 1987, Silvio Santos tomou Praça da Band duas semanas após estreia.». Noticias da TV. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  10. Ronaldo Marques (23 de agosto de 2018). «Primeira A Praça É Nossa foi um divisor de águas na vida de Carlos Alberto de Nóbrega». Portal SBT. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  11. Globo.Com (16 de junho de 2020). «Praça da Alegria - Memória Globo». Consultado em 8 de outubro de 2021 
  12. Marcelo Duarte (19 de abril de 2017). «"A Praça", a música de maior sucesso da carreira de Ronnie Von, completa 50 anos». Guia dos Curiosos. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  13. Felipe Pinheiro (4 de setembro de 2015). «Miele lembra que fez "A Praça": "Já tive preconceito com humor popular"». UOL Televisão. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  14. André Carlos Zorzi (27 de fevereiro de 2019). «Pelé: relembre a carreira do craque como ator em filmes e novelas». Portal Terra. Consultado em 9 de outubro de 2021 
  15. José Eustáquio Jr (9 de junho de 2016). «O Dia na História (09/06/1989): Com Zico e Fernando Collor, A Praça é Nossa comemora edição nº 100». SBTPedia. Consultado em 9 de outubro de 2021 
  16. Tatiana Amin (14 de setembro de 2006). «Dercy Gonçalves vai para A Praça é Nossa». O Fuxico. Consultado em 9 de outubro de 2021 
  17. Wandreza Fernandes (27 de setembro de 2012). «Carlos Nascimento encontra o Repórter Português no "A Praça é Nossa"». Portal AreaVip. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  18. Tatiana Amin (18 de março de 2006). «Carlos Nascimento participa da Praça é Nossa». O Fuxico. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  19. «Nos mínimos detalhes: Confira Explicadinho, o inconveniente, em ação!». Portal SBT. 27 de fevereiro de 2019. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  20. Armando Antenore (19 de maio de 1995). «Para SBT, Golias ainda incomoda rival». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  21. Redação (16 de agosto de 1999). «Morre Maria Teresa, de "A Praça É Nossa"». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  22. Folha Online (11 de janeiro de 2003). «Programa "A Praça é Nossa" faz homenagem a Jorge Lafond». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  23. Redação Folha (26 de julho de 1999). «Morre humorista Roni Cócegas, aos 59 anos, em São Paulo». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  24. Folha Online (17 de maio de 2001). «Morre de câncer aos 64 anos o ator Roni Rios». Folha de São Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  25. Paulo Pacheco (11 de junho de 2017). «Neta de Carlos Alberto fez "Praça" a convite do avô e escondida do pai». UOL TV e Famosos. Consultado em 8 de outubro de 2021 
  26. Eugênio Bucci (29 de setembro de 2002). «Um humor casseta, sem dúvida». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  27. «Prêmio CONTIGO! Online 2018: Melhor programa humorístico - 'A Praça é Nossa'». Contigo. Revista Contigo. 2 de março de 2019. Consultado em 2 de março de 2019 
  28. «Prêmio Contigo! Online 2019 - Veja a lista completa dos vencedores». contigo. Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  29. «PRÊMIO CONTIGO! 2020: Veja a lista completa dos vencedores». contigo. Consultado em 22 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]