Maria Teresa (comediante)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maria Teresa
Nome completo Maria Teresa Fróes
Nascimento 13 de março de 1936
Bandeira de Cabreúva Cabreúva, São Paulo
Morte 14 de agosto de 1999 (63 anos)
Bandeira da Cidade de São Paulo São Paulo
Ocupação Humorista
IMDb: (inglês)

Maria Teresa Fróes (Cabreúva, 13 de março de 1936São Paulo, 14 de agosto de 1999) foi uma humorista brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi uma humorista do programa A Praça É Nossa entre maio de 1987 e julho de 1995, na qual interpretou Vamércia, com seu inconfundível bordão "Minha boca é um túmbalo!", hóspede do hotel, em que fazia fofocas com as personagens e Lady Grace Benedita, uma cantora que fingia falar inglês e só enrolava, falando palavras sem sentido em inglês, misturando com o português.

Sua carreira começou quando participou de radionovelas e passou por quase todas as redes nacionais de televisão do Brasil, onde apresentou e participou de vários programas. Foi contratada pela TV Excelsior, onde estreou um programa próprio, Maria Teresa Show. Fez muito sucesso interpretando a personagem "Marieta" em dupla com Murillo Amorim Correa, o "Vitório", tendo gravado sete LPs com histórias deste casal de italianos. Maria Teresa foi a comediante feminina que mais venceu prêmios, tendo ganho vários Troféus Imprensa e prêmios Roquete Pinto, o mais importante prêmio da TV brasileira na década de 60. Na década de 80, interpretou a personagem "Mãe Mundinha", famosa pelo bordão "Quem furunfou, furunfou, quem não furunfou, não furunfa mais", pelo qual ganhou o Troféu Imprensa de 1982. Naquele mesmo ano, Sílvio Santos gravou uma música de carnaval utilizando o bordão de Mãe Mundinha como refrão.

Na década de 70, foi várias vezes censurada e impedida de trabalhar pela ditadura militar, devido às críticas sociais de alguns de seus vários personagens, como o engraxate "Zé Galinha". Outro personagem seu que merece destaque é a velha "Teresoca", que interpretou em parceria com Adoniran Barbosa, o "Charutinho", no programa de rádio "História das Malocas", campeão de audiência da rádio Record na década de 50, e que produziu um LP com a dupla.

Sua carreira de sucesso foi coroada em 1993, quando chegou a ter um programa especial no SBT, chamado Maria Teresa Especial e participou de vários especiais do programa A Praça É Nossa. No dia 14 de agosto de 1999, morreu de doença de Parkinson.

Ícone de esboço Este artigo sobre humoristas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.