Rádio Record

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rádio Record
{{{alt}}}
Rádio e Televisão Record S/A
País  Brasil
Frequência(s)
  • AM 1000 kHz
  • OC 6150 kHz (49m - inativo)
  • OC 9595 kHz (31m - inativo)
  • OC 11965 kHz (25m - inativo)
  • OC 15135 kHz (16m - inativo)
Sede
Slogan O novo som do Brasil
Fundação 23 de outubro de 1928 (88 anos)
Fundador Álvaro Liberato de Macedo
Pertence a Grupo Record
Proprietário Edir Macedo
Antigo proprietário
Sócio(s)
  • Edir Macedo (90%)
  • Ester Bezerra (10%)
Audiência RMSP: 5° lugar[1]
Formato Emissora comercial
Género
Faixa etária Público de 30 a 65 anos
Idioma Português
Prefixo
  • ZYK 522 (AM)
  • ZYE 950 (OC 49m)
  • ZYE 951 (OC 31m)
  • ZYE 952 (OC 25m)
  • ZYE 953 (OC 19m)
Prefixo(s) anterior(es)
  • PRAR
  • PRB 9
Nome(s) anterior(es) Rádio Sociedade Record
Emissoras irmãs TV Record São Paulo
Cobertura 344 municípios do estado de São Paulo
Potência 200 kW
Webcast Ouvir o sinal online
Sítio oficial radiorecord.com.br [ligação inativa]

Rádio Record é uma emissora de rádio brasileira sediada em São Paulo, capital do estado brasileiro homônimo. Opera no dial AM, na frequência 1000 kHz. A emissora pertence ao Grupo Record, de propriedade do pastor e empresário Edir Macedo, dono também da Rede Record. Sua programação atualmente é voltada aos programas populares, porém é basicamente musical. Seus estúdios localizam-se no templo da Igreja Universal do Reino de Deus de Santo Amaro, e sua antena de transmissão está no bairro de Guarapiranga.

História[editar | editar código-fonte]

A Rádio Record foi fundada em 23 de outubro de 1928 por Álvaro Liberato de Macedo, dono da loja de Discos Record, com o nome de Rádio Sociedade Record, e logo depois foi comprada à Paulo Machado de Carvalho em 13 de junho de 1931, já com o seu atual nome, PRB-9 Rádio Record.

Nesta época São Paulo exigia a deposição do então presidente Getúlio Vargas, e as rádios paulistas, especialmente a Record, se transformavam em poderosas armas. No mês de julho, teve início o movimento que ficou conhecido como a Revolução Constitucionalista de 1932, que tinha como a principal exigência a convocação de eleições para a formação de uma assembleia constituinte: "O país necessitava de uma nova Constituição."

A cidade de São Paulo logo foi cercada e isolada por tropas federais, Ela então utilizou emissoras de rádio para divulgar os acontecimentos a outras partes do país. Em 23 de maio de 1932, antes das manifestações, o primeiro passo dos estudantes foi a invasão dos estúdios da Record, chegando até a sala de Paulo Machado de Carvalho, e ordenando que colocasse no ar a leitura de um abaixo-assinado. A rádio teve que aderir a causa na marra. E assim foi dito no ar:

Logo leram pela Record o nome de um dos que assinavam o manifesto contra Getúlio. Em 9 de julho de 1932, a revolução, planejada desde abril de 1931, por fim explodiu. No mesmo dia, através dos acordes do dobrado "Paris Belfort" que ficou como a marcha da Revolução Constitucionalista de 32, fizeram que César Ladeira eloquentemente levasse ao ar mensagens patrióticas, que aclamavam o espírito paulista contra os getulistas. Guilherme de Almeida escreveu poesias para que o locutor declamasse. Por conta da revolução, Ladeira ficou conhecido como "A Voz da Revolução", e a Rádio Record, como "A Voz de São Paulo". Em 1º de outubro de 1932, todos os jornais, inclusive os de Assis Chateaubriand, anunciaram:

"(...)As tropas brasileiras ganharam dos paulistas. Perdemos nas armas, mas nas letras ganhamos, porque em 1932 Getúlio Vargas acabou por aceitar as normas paulistas para modificar a Constituição Nacional."

Com a transmissão de programas produzidos por nomes como Blota Júnior, Otávio Gabus Mendes, Osvaldo Moles, Thalma de Oliveira e Sonia Ribeiro, e espetáculos musicais com um numeroso elenco fixo que reunia Isaurinha Garcia, Inezita Barroso, Neide Fraga, Carlos Galindo e outros, alcança a liderança em São Paulo entre os anos 1940 e 1950. Nesse período, surge o seu slogan mais marcante: "Rádio Record, a maior".

Sob a direção de Chico Paes de Barros, retoma o primeiro lugar de audiência durante as décadas de 1970 e 1980, com uma programação de linha popular, ancorada por grandes comunicadores como Zé Béttio, Gil Gomes e Eli Corrêa.

Já naquela época, a programação da rádio funcionava 24 horas por dia. A abertura se iniciava às 05:00 horas com os seguintes apresentadores: Zé Béttio - Edição Diurna (músicas sertanejas), Gil Gomes (repórter policial), Silvio Santos (entretenimento), Barros de Alencar (entretenimento), Eli Corrêa (MPB), Zancopé Simões (na década de 70, que ficou conhecido como "Amigo número 1 dos Caminhoneiros), Calé (MPB, notícias sobre estradas e caminhoneiros), Zé Béttio - Edição Noturna (músicas sertanejas), Osvaldo Bettio (músicas sertanejas), Arlindo Béttio (músicas sertanejas), etc

Em parceria com a Rádio Gazeta, foi uma das pioneiras na transmissão de jogos de futebol em "dobradinha" cuja equipe nessa época era comandada pelo Pai da Matéria Osmar Santos. Anteriormente, Osvaldo Maciel comandou a equipe esportiva da emissora e também posteriormente à saída do Osmar.

A exemplo da TV Record, entra em grave crise financeira no final da década de 1980, perdendo seus comunicadores para outras estações e o primeiro lugar em audiência para a Rádio Globo, posteriormente o segundo para a Rádio Capital e o terceiro e quarto para as rádios Bandeirantes e Jovem Pan. Em março de 1990, o controle acionário da rádio, assim como o da TV, passa para a Edir Macedo.

A nova administração mantém a linha popular de programação até 2001, quando demite seus comunicadores e implanta uma programação quase que inteiramente religiosa. Só seguiram na emissora a equipe esportiva, comandada por Fiori Gigliotti, na Record desde 1995, e o radialista Paulinho Boa Pessoa, hoje na Capital. A mudança de público-alvo derruba a rádio para o oitavo lugar na audiência, e em alguns horários, tornou-se mera retransmissora da Rádio São Paulo.

Tal postura mudou a partir de 2004, e aos poucos a Rádio Record volta a ser uma rádio "comercial". Em julho de 2006, uma nova diretoria (Cássio Lima, diretor geral e Roberto Foster, diretor comercial) assume a emissora paulistana e eleva a rádio para a terceira colocação entre as emissoras do segmento popular de São Paulo. Famosos comunicadores assumiram postos na emissora, como Paulo Barbosa (ex-Capital), Gil Gomes, Kaká Siqueira (ex-Tupi), Leão Lobo, Lilian Loy e João Ferreira. Na equipe esportiva, Juarez Soares e Paulo Morsa. Além disso, ganhou um novo website, com a transmissão ao vivo da emissora pela internet.

A partir do dia 2 de Março de 2009, com a estreia de Zé Nello Marques, a rádio passa a usar novamente o slogan A Voz de São Paulo, símbolo da revolução constitucionalista de 1932.

Em 1º de abril de 2009, a Rádio Record anuncia a contratação do radialista Paulo Barbosa, vindo da Rádio Capital. Sua estreia acontece no dia seguinte. Barboza faz parte da lista dos grandes comunicadores do rádio brasileiro que a direção planeja contratar. Com esta e outras contratações que tem realizado desde 2007, a emissora paulistana resgata e define sua tradição popular.

No dia 4 de janeiro de 2009, as transmissões esportivas do AM 1000 passam a ser feitas pela equipe de Eder Luiz, em conjunto com a Rádio Transamérica - 100,1 FM. Em 2010, perde o quinto e o sexto lugar paras as também populares Tupi AM e Iguatemi.

Anunciada para o segundo semestre de 2011, a Rede Record de Rádio dá seu primeiro passo em 8 de junho de 2010, com a transformação da Nova AM, 990 kHz do Rio de Janeiro, em Rádio Record Rio de Janeiro[2].

Em 11 de julho de 2011, a Rádio Record ganha uma nova emissora em Santa Catarina. É a Rádio Record Santa Catarina AM 1470, que tem sede na cidade de Florianópolis, estado de Santa Catarina. É uma empresa do Grupo Petrelli de Comunicação. As emissoras da Rádio Record em outros estados são:

No mês de julho de 2011, a matriz de São Paulo deixa de ter comunicadores, demitindo a maioria deles, e rompendo a parceria com Eder Luiz para retransmissão de futebol da Rede Transamérica[3]. Com isso, a programação passa a ser essencialmente de módulo musical, sem locução ao vivo. Os únicos locutores que ficam ao vivo são de rádios da Igreja Universal do Reino de Deus (Rádio São Paulo e Rede Aleluia), além de retransmitir áudio de alguns horários da IURD TV. A Rádio Record, que a princípio seria integração de emissoras para retransmissão da programação paulista, agora nada mais é que uma "padronização de nome" (Rio de Janeiro e Campos geram conteúdos próprios musicais e esporadicamente programas ao vivo e religiosos; Florianópolis retransmite basicamente a programação da Record News Florianópolis e RIC TV Record, além de gerar conteúdo próprio). Em janeiro de 2012, retorna a programação popular aos poucos, mas essencialmente sua programação é musical.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]