Rádio Sociedade da Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rádio Sociedade da Bahia
{{{alt}}}
Rádio Sociedade da Bahia S/A
Litoral Norte FM Ltda.
País Brasil
Cidade de concessão Salvador, BA (AM)
Lauro de Freitas, BA (FM)
Frequência(s) AM 740 kHz
FM 102.5 MHz
Sede Salvador, BA
Slogan A rádio da Bahia
Fundação 24 de março de 1924 (96 anos)
Fundador Agenor Augusto de Miranda
Cesário de Andrade
Arquimedes Gonçalves
Pertence a Grupo Record
Proprietário(s) Edir Macedo
Formato Comercial
Género Entretenimento, Jornalismo e Esportes
Faixa etária Público de 30 a 75 anos
Idioma (em português brasileiro)
Prefixo ZYH 446 (AM)
ZYC 357 (FM)
Prefixo(s) anterior(es) PRA 4
ZYC 40
Emissoras irmãs
Cobertura Estado da Bahia (AM)
Grande Salvador e áreas próximas (FM)
Coord. do transmissor AM
FM
Dados técnicos Potência: 100 kW (AM)
25 kW (FM)
Classe: A4
RDS: Sim
Agência reguladora ANATEL
Informação de licença AM: CDB, PDF
FM: CDB, PDF
Webcast Ouça ao vivo
Estúdio ao vivo
Aplicativo móvel iTunes Store: [1]
Google Play: [2]
Página oficial sociedadeonline.com
Tudo FM (FM)

Rádio Sociedade da Bahia é uma emissora de rádio brasileira sediada em Salvador, capital do estado da Bahia. Opera nas frequências AM 740 kHz e FM 102.5 MHz, esta última concessionada em Lauro de Freitas. Fundada em 24 de março de 1924 por Agenor Augusto de Miranda, Cesário de Andrade e Arquimedes Gonçalves, a emissora atualmente faz parte do Grupo Record. Seus estúdios estão localizados no bairro da Federação, enquanto seus transmissores para AM estão na cidade de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, e seus transmissores para FM no bairro Pernambués.

História[editar | editar código-fonte]

O dia 24 de março de 1924 passou para a história como início de atividades da Rádio Sociedade da Bahia, embora não haja nenhum registro sobre irradiações realizadas naquele dia. Porém, testemunhos orais e as comemorações de aniversário realizadas desde a década de 1930 oficializaram a data. O certo é que em 10 de abril do mesmo ano, através do posto receptor instalado na residência do Dr. Cesário de Andrade foram ouvidas, inicialmente, irradiações dos Estados Unidos e mais tarde os acordes da Banda da Real Nave Italia, através de um link providenciado pelo engenheiro Elba Dias.[1]

São as primeiras irradiações das quais existem registros concretos. A inauguração oficial da rádio, ocorreu em solenidade pública realizada no dia 27 de abril, com registro fotográfico publicado na revista Renascença. A cerimônia que contou com a presença do governador do estado e foi realizada na sede do Palacete Mercury, na Rua Chile, de propriedade do imigrante italiano Giovanno Mercury, bisavô da cantora Daniela Mercury e proprietário da Chapelaria Mercury, instalada no térreo do edifício. A Rádio Sociedade da Bahia tinha seus estúdios no primeiro andar de um pequeno prédio da Avenida Sete de Setembro, 254 (onde atualmente funciona uma agência do Banco do Brasil), no bairro São Pedro. Seu transmissor, na época com apenas 5 kW de potência, estava no bairro da Federação. Posteriormente, a emissora foi adquirida por Altamirando Requião, ex-deputado estadual e federal, e por Walfrides Ferreira, comerciante.[1]

Na década de 1930, a Radio Sociedade monta o seu departamento de Radio-Teatro e também o núcleo inicial do jornalismo, voltado quase que exclusivamente para esportes, em função da censura vigente e de medidas restritivas aos meios de comunicação adotadas pelo governo de Getúlio Vargas. Iniciou a transmissão de jogos realizados no Campo da Graça com narração de Roberto Machado Freitas, e posteriormente Ubaldo Câncio de Carvalho, então considerado pela imprensa escrita o melhor locutor esportivo do Norte e Nordeste. As transmissões eram realizadas através de uma linha telefônica, com grande comprometimento do sinal; o locutor não dispunha de cabine, ficava no campo sempre atento ao emaranhado de fios que poderiam interromper a sua transmissão.[1]

Também é nos anos 30 que a Rádio Sociedade passa a dispor de recursos extras de publicidade na sua receita, favorecida pelo Decreto-Lei 21.111 de 1932, que liberava e legitimava o espaço comercial para o veículo. A rádio deixa de ser uma sociedade e é adquirida pelo empresário Armando Correia da Rocha. A emissora passa a ter um transmissor de 10 kW, e muda-se provisoriamente para o bairro da Federação, e em 1934, transfere-se em definitivo para o Passeio Público, onde realizava eventos desde 1928. A nova direção estabelece novos rumos, priorizando uma programação comercial, voltada para o entretenimento, com ênfase na música popular, sem abrir mão totalmente do erudito, e em 1936, o tripé música, esportes e notícias torna-se o novo modelo da emissora.[1]

Em 1940, a rádio é vendida para os Diários Associados, liderado por Assis Chateaubriand. A presidência da emissora é assumida por Gileno Amado, enquanto Odorico Montenegro Tavares torna-se diretor geral. Seus estúdios são transferidos do Passeio Público para a Rua Portugal, 6, no bairro do Comércio, e posteriormente para a Rua Carlos Gomes, no prédio onde hoje funciona o Espaço Caixa Cultural. Com a chegada da Rádio Excelsior da Bahia, sua primeira concorrente, a Sociedade mudou sua programação para garantir a liderança de audiência. A rádio investe nos tradicionais programas de auditório da era de ouro do rádio, além das radionovelas, programas humorísticos e festivais de música. Em 1956, a emissora inaugura um novo transmissor de 50 kW, instalado no município de Simões Filho, e possibilitando a cobertura do todo o estado.[1]

Com o passar dos anos, a Rádio Sociedade tem suas operações complementadas com outros veículos criados pela cadeia Associada em Salvador, como a TV Itapoan e o jornal Estado da Bahia. Em 1970, Odorico Tavares assume a presidência da rádio, após a morte de Gileno Amado. Um ano depois, os estúdios da emissora passam a funcionar na atual sede da Federação, juntamente com a TV Itapoan. A programação da Rádio Sociedade, com programas populares, esportivos e jornalísticos continua a fazer sucesso, porém a crise dos Diários Associados, que teve início com a morte de Assis Chateaubriand em 1968 se acentua.[1]

Em 1976, David Raw assume o controle das empresas associadas na Bahia para estancar a crise do grupo. Porém, em 1980, os veículos são vendidos para o político Pedro Irujo, passando a fazer parte do Sistema Nordeste de Comunicação. A presidência da Rádio Sociedade é assumida por Heliete Rodrigues Irujo, e Luiz Pedro Irujo torna-se diretor geral. Em 1982, a emissora transfere seus transmissores para a Ilha de Itaparica, passando a operar com 100 kW de potência. Na programação, surge o tradicional Balanço Geral, apresentado por Raimundo Varela e com reportagens de Guilherme Santos. O programa posteriormente ganha uma versão televisiva, que hoje é destaque na maior parte das emissoras da RecordTV.[1]

Em 1997, a Rádio Sociedade e a TV Itapoan são vendidas para o líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, passando a fazer parte da Central Record de Comunicação (atual Grupo Record). A nova administração promove várias reformulações ao longo dos anos, como a criação de novos programas e a transmissão via internet.

Em 13 de fevereiro de 2013, os programas e jornadas esportivas da emissora passaram a ser retransmitidos através da Rede Aleluia Salvador, em FM 95.9 MHz, juntamente com a programação religiosa da emissora.[2] Em 11 de janeiro de 2016, a Rádio Sociedade passou a transmitir toda a sua programação no dial, através da frequência 102.5 MHz, substituindo a Tudo FM.[3]

Programas e comunicadores[editar | editar código-fonte]

  • A Noite é Nossa Relax
  • Balanço Geral (Raimundo Varela e João Kalil)
  • Bate Bola (Equipe esportiva)
  • By Night
  • Conexão Sociedade (Silvana Oliveira e Cris Cambuí)
  • Domingueira Sociedade (Mário Tito)
  • Futebol S/A (Cáscio Cardoso, Renato Gueudeville, Marcelo Azevedo, Tomaz Assmar e Alvinho Acioli)
  • Momentos Inesquecíveis
  • Seu Caminho (Matheus Ramos)
  • Show da Tarde (Mário Tito)
  • Show de Domingo (Walldo Silva)
  • Sociedade Urgente (Adelson Carvalho)
  • Sport+ (Equipe esportiva)
  • Sucessos de Sábado (Mário Tito)
  • Vamos Acordar (Walldo Silva)
Equipe esportiva
  • Espedito Magrini, Toni Silva e Fabrício Cunha, narradores;
  • Cáscio Cardoso e Pedro Sento Sé, comentaristas;
  • Manuel Messias, Wilton Matos, Catarina Matos e Marcos Valença, repórteres;
  • Flankel Lima, plantão esportivo

Referências

  1. a b c d e f g Cadena, Nelson. «História». Rádio Sociedade da Bahia. Consultado em 5 de março de 2018. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2010 
  2. Massaro, Carlos (23 de fevereiro de 2013). «Sociedade AM passa a contar com FM em Salvador». TudoRádio.com. Consultado em 5 de março de 2018 
  3. Starck, Daniel (23 de dezembro de 2015). «Extra: Grade da Rádio Sociedade será retransmitida de forma integral em FM». TudoRádio.com. Consultado em 5 de março de 2018 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]