Rádio Guaíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rádio Guaíba
{{{alt}}}
Rádio Guaíba Ltda.
País  Brasil
Frequência(s) AM 720 kHz
FM 101.3 MHz
OC 6000 kHz (49m)
OC 11785 kHz (25m)
Sede Bandeira de Porto Alegre (RS).svg Porto Alegre, RS
Edifício Hudson - Rua Caldas Júnior, 219 - Centro
MAPA
Slogan Informação com credibilidade
A rádio paixão maior do povo brasileiro (jornadas esportivas)
Fundação 30 de abril de 1957 (60 anos)
Fundador Breno Caldas
Pertence a Grupo Record
Proprietário(s) Edir Macedo
Antigo(s) proprietário(s) Breno Caldas (1957-1984)
Renato Bastos Ribeiro (1984-2007)
Sócio(s) Edir Macedo (90%)
Ester Bezerra (10%)
Formato Emissora comercial
Género Jornalismo e Esportes
Faixa etária Público de 30 a 75 anos
Idioma (português brasileiro)
Prefixo ZYK 276 (AM)
ZYD 571 (FM)
ZYE 852 (OC)
Prefixo(s) anterior(es) ZYU 58
Emissoras irmãs RecordTV RS
Cobertura Todo Estado do Rio Grande do Sul (AM)
Grande Porto Alegre e áreas próximas (FM)
Nacional (via satélite/OC)
Coord. do transmissor AM
FM
Potência 100 kW (AM)
24 kW (FM)
10 kW (OC - 49m)
7,5 kW (OC - 25m)
Classe E3
RDS Não
Webcast Ouça ao vivo
Aplicativo móvel iTunes Store: [1]
Google Play: [2]
Página oficial radioguaiba.com.br

Rádio Guaíba é uma emissora de rádio brasileira sediada em Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Opera em AM na frequência 720 kHz e em FM, na frequência 101.3 MHz, além de ondas curtas de 6000 kHz e 11785 kHz. Seus estúdios ficam localizados no Centro Histórico de Porto Alegre, no Edifício Hudson, que também é sede do Correio do Povo. Seus transmissores para AM estão na Ilha da Pintada, no Arquipélago do Delta do Jacuí, e seus transmissores para FM estão no Morro da Polícia, junto aos da RecordTV RS.

História[editar | editar código-fonte]

Às 12 horas do dia 30 de abril de 1957, inicialmente com 10 quilowatts em ondas médias e dois transmissores de ondas curtas, a ZYU 58 Rádio Guaíba de Porto Alegre entra no ar. Sua inauguração oficial acontece no Theatro São Pedro com a apresentação da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, da pianista Yara Bernette, do Coro Orfeônico da Sociedade Aliança de Novo Hamburgo e recital de Tito Schipa.

Desde o início, o programa da Guaíba que mais se destacou foi o Correspondente Renner, que por 53 anos ficou no ar e por 46 foi narrado por Milton Ferreti Jung. Além dele, só narraram a síntese Mendes Ribeiro, Ronald Pinto e Ênio Berwanger. A primeira locutora feminina a apresentar o tradicional noticiário foi Maria Luiza Benitez.

O nascimento e o auge[editar | editar código-fonte]

Logomarca da Rádio Guaíba, usada até 2007

Em 1957, mostra aos gaúchos os primeiros sinais emitidos do espaço pela nave espacial Sputnik, lançada pela URSS. Nesse mesmo ano faz sua primeira transmissão esportiva - o início do Gauchão, no Estádio Olímpico.

Estúdio Cristal, localizado na Rua Caldas Júnior.

A Rádio Guaíba foi a única do Rio Grande do Sul a cobrir a Copa do Mundo FIFA de 1958, realizada na Suécia. Apesar de no seu início não ter programação esportiva, esta foi incluída à emissora. Depois da cobertura histórica do mundial, na qual o Brasil ganhou seu primeiro título, a Guaíba se fixou com sucesso no segmento esportivo.

Mas foi em 1961 que a Rádio Guaíba mostrou para quê veio. Neste ano, a Rádio transmitiu o discurso de Leonel Brizola durante a Campanha da Legalidade e implantou uma rede no qual o sinal da rádio era reemitido em antenas FM e captado e retransmitido através das AMs do Interior gaúcho e também de outros estados Brasil afora. Era formada a "Rede da Legalidade", embrião do que seria a atual Rede Guaíba SAT (com a diferença que a rede atual é emitida através de sinal via satélite e a rede da época, em frequência modulada através de distribuição antena por antena, o sistema mais moderno da época em formação de rede, mesmo que os conceitos de rede de rádio no Brasil ainda nem existissem), com o mesmo foco de 50 anos atrás: informação e utilidade pública.

Liderou o mercado a partir da Legalidade até meados da década de 80, quando toda a Empresa Jornalistica Caldas Júnior viveu um momento difícil. Durante muitos anos, o esporte da Guaíba foi líder absoluto de audiência no território gaúcho. A solidificação da concorrência aconteceu exatamente no período turbulento de meados dos anos 80, quando toda a Caldas Júnior viveu dias difíceis, perdendo muitos de seus profissionais para outras emissoras.

A venda[editar | editar código-fonte]

Em 1984, com a falência da Companhia Jornalística Caldas Júnior, a rádio e os outros componentes da massa falida do grupo foram vendidos à Renato Bastos Ribeiro, que fundou o Sistema Guaíba-Correio do Povo de Comunicação.

Em 1986 começa a reformulação da Rádio Guaíba, já sob novo comando. Para essa reformulação foram contratados jornalistas nas áreas geral e esportiva e adquiridos equipamentos avançados. Nos anos 1990 foram feitas outras mudanças: era contratado o narrador Haroldo de Souza e dava largada a Rede Guaíba SAT, integrando a emissora ao país todo. O padrão de programação e qualidade da emissora, consolidado durante décadas, continuou durante a nova gestão.

Luiz Carlos Reche tornou-se o diretor de esportes da Rádio em 1999.

Novo comando: Grupo Record[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a família Ribeiro aceitou uma proposta de compra do complexo, que envolvia TV, jornal e a rádio, pelo Grupo Record.[1]

Logomarca da Rádio Guaíba de 2007 a 2012

Em agosto de 2007, o jornalista Rogério Mendelski, então na Rádio Pampa, foi contratado e passou a comandar o programa Bom Dia, pela manhã. Porém, no mês seguinte, Flávio Alcaraz Gomes deixa a emissora, pois sentiu-se desprezado pela nova direção da emissora ao ter seu horário diminuído com a chegada de Mendelski.[2]

Em 2010, o Departamento de Esportes da emissora adotou um sistema em que, em jogos da dupla Gre-Nal fora do Rio Grande do Sul, o narrador da jornada narra a partida direto do estúdio da emissora (o chamado off tube). No entanto, ocasionalmente, em jogos importantes, o narrador era enviado junto com o repórter. A partir da chegada de Nando Gross a chefia de esportes da emissora, apenas em jogos não envolvendo a dupla Gre-Nal é utilizado o off tube.

Em 30 de abril de 2010, foi ao ar pela última vez o Correspondente Guaíba, tradicional programa noticioso da emissora. Um ano depois, atendendo a pedidos dos ouvintes, o noticioso voltou ao ar, sob o patrocínio do Banco Renner.[3]

Em junho de 2010, a Rádio Guaíba cobriu a sua 14ª Copa do Mundo, na África do Sul. Foram enviados para a cobertura o narrador Haroldo de Souza e os repórteres Luiz Carlos Reche, Flávio Dal Pizzol e Rodrigo Oliveira. Também colaborou o enviado do jornal Correio do Povo, Hiltor Mombach. No Mundial, a Guaíba transmitia direto de Johanesburgo o programa de debates Ganhando o Jogo. Além disso, a emissora transmitiu todos os jogos do Brasil direto dos estádios Soccer City, Ellis Park, Moses Mabhida e Nelson Mandela Bay, nas cidades de Johanesburgo, Durban e Port Elizabeth.

Em 16 de agosto, a emissora passou a transmitir também em FM, substituindo a sua co-irmã Guaíba FM nos 101.3 MHz. A festa de lançamento da nova frequência, chamada de "Dia da Virada", contou com a presença da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, do presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, Giovani Cherini, e do prefeito de Porto Alegre, José Fortunati.[4] Em novembro, seu principal narrador, Haroldo de Souza, deixa a emissora para integrar a Rádio Bandeirantes Porto Alegre. Após a saída de Haroldo, a Guaíba repõe com as contratações dos narradores Mário Lima e Marcos Couto. Também foi contratado o comentarista João Carlos Belmonte.

Em 29 de março de 2011, a Rádio Guaíba lançou o seu aplicativo para iPhone, iPod e iPad. Já em 24 de setembro de 2013, foi a vez da Rádio Guaíba lançar o seu aplicativo para os Smartfones e tablets do sistema operacional Android.

Em 2 de janeiro de 2014, a emissora passa a transmitir a programação da Igreja Universal do Reino de Deus nas madrugadas, entre meia-noite e 4h,porém tem entradas ao vivo com a atualização das notícias da hora durante o período de veiculação.[5] A mesma prática já vinha sendo adotada nas outras duas rádios do grupo, a Rádio Record de São Paulo e a Rádio Sociedade de Salvador.

Devido a uma irregularidade na troca societária em 2006, antes da venda do Sistema para a Record, a emissora ficou fora do ar durante as 24 horas da terça-feira, 13 de maio de 2014, atendendo a uma portaria do Ministério das Comunicações. No período, a Guaíba aproveitou o corte para uma manutenção e qualificação em seus transmissores.[6]

A Guaíba não cobriu a Copa do Mundo FIFA de 2014 que foi realizada no Brasil (que seria a 15ª) não se afiliando-se a alguma emissora detentora dos direitos e realizou debates sobre os principais lances dos jogos do mundial e realizou uma cobertura jornalística dos acontecimentos relacionados ao evento na capital gaúcha.

Em 8 de setembro de 2014, a Rádio Guaíba estreou a sua nova programação com o objetivo de refinar e modernizar o padrão de linguagem da rádio, alinhando o conteúdo às necessidades dos ouvintes focando no jornalismo e no esporte. Entre as novidades, estão o novo formato do Correspondente Banco Renner em suas 4 edições, estreias de novos programas e a volta de programas tradicionais como Agora e Jornal da Noite. Em dezembro de 2015, o Badesul passou a patrocinar o Correspondente Guaíba acrescendo o nome do banco no noticioso.

A tradição nos esportes[editar | editar código-fonte]

A Rádio Guaíba é a única rádio do Sul do Brasil que transmitiu todas as Copas do Mundo vencidas pela Seleção Brasileira entre 1958 e 2010. Por isso, possuiu por muitos anos o slogan "A rádio de todas as Copas".

A equipe esportiva da Guaíba é uma das mais tradicionais do país. Nomes como Flávio Alcaraz Gomes, Pedro Carneiro Pereira, Mendes Ribeiro, Milton Ferreti Jung, Lupi Martins, João Carlos Belmonte, Edegar Schmidt ajudaram a construir nos anos 50, 60 e 70, um capítulo da história do rádio esportivo do Rio Grande do Sul.

Após a venda para Renato Bastos Ribeiro, iniciou-se uma nova fase da equipe esportiva, tendo o repórter Luiz Carlos Reche como o seu principal nome. Reche assumiu a Chefia de Esportes da emissora em 1999. Nessa nova fase, foi muito importante também a figura do narrador Haroldo de Souza, contratado da Rádio Gaúcha em 1992. Haroldo permaneceu como o principal narrador da Guaíba até 2010, quando foi para a Rádio Bandeirantes. Na década de 90, outros nomes de destacaram pelo Departamento de Esportes da emissora, como o narrador Orestes de Andrade, o comentarista Luiz Fernando Siqueira,os repórteres Flávio Dal Pizzol e Daniel Oliveira e o plantão esportivo Rogério Böhlke.

No dia 5 de fevereiro de 2014, Luiz Carlos Reche se despede da emissora depois de 28 anos e transfere-se para o Rádio Bandeirantes. Para a vaga do radialista, a Rádio Guaíba contrata o jornalista Nando Gross, que estava na Rádio Gaúcha, para ser o novo chefe de esportes. Nesse mesmo ano, pela primeira vez desde 1958, a emissora não transmitiu a Copa do Mundo FIFA.

Equipe[editar | editar código-fonte]

Estúdio Cristal, da Rádio Guaíba, localizado na Rua Caldas Júnior, Centro de Porto Alegre

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Jornalistas e apresentadores
  • Maria Luiza Benitez
  • Rogério Mendelski
  • Fernanda Bagatini
  • Gabriel Jacobsen
  • Felipe Vieira
  • Juremir Machado da Silva
  • Taline Oppitz
  • Cristiano Silva
  • Carlos Guimarães
  • Ananda Müller
  • Nando Gross
  • Sinara Félix
  • Lila Vieira
  • Camila Diesel
  • João Müller
  • Jurandir Soares
  • Abraão Winogron
  • Eduardo Paganella
Repórteres
  • Ananda Müller
  • Bibiana Borba
  • Bibiana Dihl
  • Camila Diesel
  • Cristiano Soares
  • Daiane Vivatti
  • Dico Reis
  • Eduardo Paganella
  • Fábio Marçal (Brasília)
  • Gabriel Jacobsen
  • Guilherme Kepler
  • Jerônimo Pires
  • Lucas Rivas
  • Mauren Xavier
  • Samantha Klein
  • Vitória Famer
  • Voltaire Porto
Produtores
  • Otto Bede
  • Diego Oyarzabal
  • Jéssica Moraes
  • Fernanda Freyman
Editores
  • Erington Szekir Júnior (manhã)
  • Sinara Félix (tarde e noite)
Noticiaristas
  • Maria Luiza Benitez (manhã)
  • Fernanda Bagatini (fim da manhã e início da tarde)
  • Eduardo Paganella (tarde)
  • Lila Vieira (fins de tarde e início de noite)
  • Sinara Félix (noite)
  • Erington Szekir Júnior (locutor folguista e domingos)
  • Samantha Klein (locutora folguista e sábados)
Chefia de reportagem
  • Fernanda Bagatini (manhã)
  • Ricardo Pont (tarde)
  • Erington Szekir Júnior (noite)

Esportes[editar | editar código-fonte]

  • Marco Antônio Pereira, Orestes de Andrade e Rafael Pfeiffer, narradores;
  • Nando Gross, Carlos Guimarães e Cristiano Oliveira, comentaristas;
  • Cristiano Silva, Geison Lisboa, Felipe Nabinger, Rafael Pfeiffer, Rafael Serra, Gutiéri Sanchez e Ananda Müller, repórteres;
  • Eurico Quadros,plantão;
  • Cristiano Silva, Geison Lisboa, Olídio Volpato, Eduardo Paganella, Bernardo Bercht e João Vitor Ferreira, apresentação;
  • Carlos Guimarães, coordenação;
  • Vivian Leal, João Vitor Ferreira,Eurico Quadros e Léo Silveira Jorge, produção

Membros antigos[editar | editar código-fonte]

† - Falecido quando membro

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.