Novo Hamburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o clube de futebol, veja Esporte Clube Novo Hamburgo.
Município de Novo Hamburgo
"Capital Nacional do Calçado"
Vista parcial do Centro de Novo Hamburgo, com destaque ao Monumento dos Sapateiros

Vista parcial do Centro de Novo Hamburgo, com destaque ao Monumento dos Sapateiros
Bandeira de Novo Hamburgo
Brasão de Novo Hamburgo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 5 de abril
Fundação 5 de abril de 1927 (91 anos)
Gentílico hamburguense
Prefeito(a) Fatima Cristina Caxinhas Daudt (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Novo Hamburgo
Localização de Novo Hamburgo no Rio Grande do Sul
Novo Hamburgo está localizado em: Brasil
Novo Hamburgo
Localização de Novo Hamburgo no Brasil
29° 40' 40" S 51° 07' 51" O29° 40' 40" S 51° 07' 51" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Porto Alegre
Municípios limítrofes Araricá, Campo Bom, Dois Irmãos, Estância Velha, Gravataí, Ivoti, Sapiranga, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Taquara
Distância até a capital 42 km
Características geográficas
Área 223,606 km² (BR: 3990º)[2]
População 246 452 hab. estimativa IBGE/2018[3]
Densidade 1 102,17 hab./km²
Altitude 57 m
Clima Subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,809 muito elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 4 499 416 mil (BR: 104º) – IBGE/2009[5]
PIB per capita R$ 17 456,78 IBGE/2009[5]

Novo Hamburgo é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade é uma referência à cidade alemã de Hamburgo.

História[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada de primeiros europeus à região, no século XVI, a mesma era habitada por índios carijós. As primeiras povoações permanentes de Novo Hamburgo datam do século XVIII, quando portugueses, sendo maioritariamente imigrantes açorianos se instalaram na parte noroeste da cidade, no bairro hoje conhecido como Rincão dos Ilhéus, ou simplesmente Rincão. Em 25 de Julho de 1824, os imigrantes alemães começaram a chegar à Colônia de São Leopoldo e logo desenvolveram uma próspera sociedade rural na região do Vale dos Sinos. Pouco depois, começaram a aparecer pequenos núcleos urbanos nas colônias. Um deles ficava na área de Hamburgerberg (que hoje é o bairro Hamburgo Velho), a partir de onde se originou a Novo Hamburgo atual. A falta de recursos para concluir a estrada de ferro Porto Alegre-Hamburgerberg, em 1876, fez com que os ingleses que a construíam erguessem uma estação onde a obra parou, denominando-a New Hamburg-Novo Hamburgo.[6] O local, até então um descampado, começou a atrair moradores e comércio, dando início à cidade.

O movimento emancipacionista começou a se delinear no início dos anos 1920. A Liga Pró-vilamento, formada em 1926 por várias importantes personalidades da cidade, foi recebida pelo governador do estado e, em 5 de abril de 1927, houve a emancipação do município. Guilherme Ludwig foi eleito para o cargo de vice-intendente, sendo Leopoldo Petry o primeiro intendente de Novo Hamburgo.

Tendo a cidade se emancipado de São Leopoldo, sua industrialização se acelerou, tornando-se um dos polos econômicos do Vale do Sinos. Por muito tempo, a indústria foi praticamente formada apenas pela cadeia coureiro-calçadista, com várias empresas de destaque. Entre os pioneiros se destacam Nicolau Becker, criador do primeiro curtume da cidade, Guilherme Ludwig, Pedro Adams Filho, Augusto Jung, Pedro Alles e Artur Haas. A cidade é conhecida como "Capital Nacional do Calçado".

O crescimento trazido pelo calçado atraiu inúmeros imigrantes, inchando a cidade a partir da década de 1960 e originando a maior parte dos problemas sociais, dada a incapacidade dos governantes de acomodar a todos adequadamente. Embora a crise dos anos 1990 tenha estancado o crescimento populacional hamburguense, agudizou os problemas mais graves da cidade como favelização, transporte insuficiente e deficiências na infraestrutura. Atualmente, a cidade possui um dos edifícios mais altos do Rio Grande do Sul, o Residencial Sunset, situado no alto do bairro Hamburgo Velho, com 28 andares, assim como o Porto Brasil, no bairro Vila Rosa, também com 28 andares.

A preponderância coureiro-calçadista, com forte caráter exportador, na economia permaneceu até o início da década de 1990, quando uma forte crise econômica na região, a partir do governo de Fernando Collor de Mello, forçou uma diversificação econômica. A situação foi agravada com a concorrência chinesa nos mercados internacionais e, a partir do ano de 1998, pela valorização do real que levou ao fechamento de diversos curtumes e fábricas de calçados e à demissão de milhares de pessoas.

Meios de Comunicação[editar | editar código-fonte]

  • Rádio ABC: Rádio do Grupo Sinos que abrange.
  • Rádio Horizonte FM: A primeira rádio comunitária de Novo Hamburgo.
  • Radio da Lomba na freqüência 87.9 FM.
  • Rádio União FM: Fundada em 1980.
  • FishTV: Emissora que opera pelo canal 58 da GVT TV.
  • TV Novo Hamburgo: É um canal comunitário local transmitido pelo canal 14 da NET de Novo Hamburgo.
  • TV Feevale: É um canal universitário que opera pelo canal 15 da NET de Novo Hamburgo.
  • Net Cidade Novo Hamburgo: opera pelo canal 20 da NET de Novo Hamburgo.
  • Jornal NH: É um jornal do Grupo Editorial Sinos.
  • TV Câmara de Novo Hamburgo: Um canal público pertencente a Câmara Municipal de Novo Hamburgo que opera no canal 16 da NET Novo Hamburgo.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de Novo Hamburgo nasceu e desenvolveu com a indústria do calçado. Foi uma fase muito rápida, persistente e organizada, sendo reconhecida como a Capital Nacional do Calçado. Por causa disso, surgiu o chamado setor coureiro-calçadista formado por curtumes, indústrias químicas, componentes para calçados, indústria metalúrgica e componentes eletrônicos. Aparecendo ainda o setor de plástico e o metal-mecânico que começam a fazer parte na economia do município.

Hoje Novo Hamburgo inicia a desfrutar uma nova fase de diversificação industrial, acompanhada com especial atenção pela administração municipal. Como incentivo fiscais com a instalação de novas indústrias, facilitando sua implantação e abrindo a porta para novas atividades. O município já inclui indústrias de farmácia, vestuário, cosméticos, móveis, eletrodomésticos, gráficas de última geração, informática, química, construção civil, carrocerias, alimentos, entre outras.

Devido a atividade industrial e comercial conta com a administração da Associação Comercial, Industrial e de Serviços e Câmara de Diretores Lojistas, com participação efetiva junto aos governos estadual e federal.

A Feira Internacional de Calçados e Artefatos de Couro é considerada uma das importantes feiras do setor calçadista em Novo Hamburgo. Se realiza anualmente desde 1963 e, além de divulgar a cidade internacionalmente, esta promovendo o potencial da indústria calçadista na região do Vale dos Sinos. O parque de exposições da feira tem oito pavilhões climatizados, construídos numa área de 25 000 metros quadrados com salão de convenções e palestras, lancherias, hotel, restaurante panorâmico e quadras de tênis. (J.A.C.)

Comércio e serviços[editar | editar código-fonte]

Novo Hamburgo é considerado como maior polo comercial do Vale dos Sinos e possui, no setor de serviços, uma de suas principais atividades econômicas. Conta com uma atividade comercial com mais de 5 600 estabelecimentos.

Possui um shopping center (Companhia Zaffari) com aproximadamente de cem lojas e um diversificado mix de produtos. A diversidade de empresas atuando na área de prestadores de serviços também é grande, alcançado o número de 7 739. Para prestar um serviço com eficácia e segundo as exigências do comércio internacional, existem, em Novo Hamburgo, serviços de apoio tais como agentes de carga, despachantes, corretoras, transportadoras, escritórios de empresas de navegação, agentes de exportação, exportadoras e tradings com a presença de importantes bancos ou instituições financeiras. (2.8.90)

Esportes[editar | editar código-fonte]

Na década de 1980 recebeu a alcunha de "capital nacional do skate", destacando muitos atletas, pistas e empresas direcionadas ao esporte. Também é a terra do Esporte Clube Novo Hamburgo, um dos mais tradicionais clubes de futebol do interior do estado do Rio Grande do Sul, e da Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo que se destaca em várias modalidades esportivas, principalmente o vôlei, o punhobol e a patinação artística. Atualmente também pode contar com a prática de rugby, sendo o maior expoente do município o Brummers Rugby Clube, equipe que disputou a segunda divisão do campeonato brasileiro da modalidade em 2014, conhecida como Taça Tupi.

É a cidade natal de Alisson Becker, goleiro que fez parte da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2018.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Novo Hamburgo está situado no Vale do Rio dos Sinos, a cerca de quarenta quilômetros da capital do estado e pertence à Região Metropolitana de Porto Alegre.

O município, banhado pelo Rio dos Sinos, compreende uma área de 223 km² e sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 246 452[3] habitantes.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Novo Hamburgo é subtropical, com temperatura média anual de 19 °C. Mesmo que muito rara, precipitações de neve já foram registradas na cidade em 1975, 1984, 1994, 2000 e 2006.

Dados climatológicos para Novo Hamburgo
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 29,3 28,4 26,3 23,4 20,4 19,3 19,5 20,8 22,7 25 27,4 26,6 24,1
Temperatura média (°C) 24,5 23,9 21,8 18,9 16 14,8 14,9 16,1 17,9 20 22,2 21,8 19,4
Temperatura mínima média (°C) 19,8 19,4 17,4 14,4 11,7 10,4 10,4 11,5 13,1 15,1 17 17,1 14,8
Precipitação (mm) 126 124 128 110 107 131 123 126 143 124 106 119 1 467
Fonte: Climate-Data.org[7]

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de bairros de Novo Hamburgo

Os bairros da zona urbana cidade são [8] Boa Saúde, Boa Vista, Canudos, Centro, Diehl, Guarani, Hamburgo Velho, Ideal, Industrial, Liberdade, Jardim Mauá, Operário, Ouro Branco, Pátria Nova, Petrópolis, Primavera, Rio Branco, Rincão, Rondônia, Roselândia , Santo Afonso, São Jorge, São José, Vila Nova e Vila Rosa. Em 2007 foi criado um novo bairro na Zona Norte da cidade, chamado Alpes do Vale, que engloba um loteamento homônimo, uma pedreira e o Santuário das Mães.

O distrito rural de Lomba Grande abrange cerca de 156 km² contendo cerca de 2/3 da área territorial do município. É também considerada a área com maior potencial turístico de Novo Hamburgo.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Idiomas minoritários

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

A principal via de acesso a Novo Hamburgo é a BR-116. A cidade também conta com a rodovia RS-239, que faz a ligação de Novo Hamburgo a Riozinho.

A expansão da linha 1 do Metrô de Porto Alegre (Trensurb), liga as cidades de São Leopoldo a Novo Hamburgo. O novo trecho, com 9,3 quilômetros de extensão, foi construído em elevada. Existem quatro novas estações que estão prontas desde o início do segundo semestre de 2013: Para o Rio dos Sinos, localizada em São Leopoldo; e as outras quatro - Santo Afonso; Industrial; Fenac e Novo Hamburgo - no município de Novo Hamburgo.

As principais instituições de ensino de Novo Hamburgo são:

  • Universidade Feevale
  • Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Escola de Educação Básica Feevale - Escola de Aplicação
  • Fundação Liberato Salzano Vieira da Cunha
  • Colégio Marista Pio XII
  • Instituição Evangélica Novo Hamburgo
  • Colégio Santa Catarina
  • Escola Sagrado Coração de Jesus
  • Colégio Sinodal da Paz
  • Colégio Adventista de Novo Hamburgo
  • Colégio Estadual 25 de Julho
  • Escola Estadual Doutor Wolfram Metzler
  • Escola Estadual Alvino Henrique Weber
  • Colégio Estadual Senador Alberto Pasqualini
  • Colégio Estadual Borges de Medeiros
  • Colégio Estadual Ignácio Plangg
  • CIEP-NH (Col. Estadual Seno Frederico Ludwig)
  • Colégio Estadual Osvaldo Aranha
  • Escola Estadual Otávio Rosa
  • Escola Estadual Especial Keli Meise Machado
  • Colégio Cenecista Felipe Tiago Gomes
  • Escola Estadual Ayrton Senna do Brasil
  • Escola Estadual Frederica Schutz Pacheco

Cultura[editar | editar código-fonte]

Patrimônio histórico[editar | editar código-fonte]

No centro histórico, localizado no bairro Hamburgo Velho, encontra-se ainda algumas edificações construídas na técnica enxaimel, como o atual Museu Comunitário Casa Schmitt-Presser (primeiro exemplar da técnica tombado pelo IPHAN no Brasil), a Casa Kayser e a Casa Ody (trata-se de uma réplica da original, já demolida).

Igreja Protestante de Confissão Luterana no Brasil- Três Reis Magos

Existem ainda as obras do arquiteto alemão Ernst Seubert, posteriores a esta etapa construtiva. Entre as conhecidas, estão a Igreja dos Reis Magos (IECLB), a Igreja Nossa Senhora da Piedade, a antiga Padaria Reiss, a Casa Schmitt ("Casa Rosa"), entre outras. Destacam-se ainda, o prédio neoclássico da Fundação Scheffel, o art déco do antigo Bar Olá Maracanã, no encontro das Ruas General Daltro Filho e Maurício Cardoso, a Casa Pittanti, entre outras.

Ligando o Centro Histórico ao atual Centro da cidade, existe um corredor histórico-cultural. Trata-se da Rua General Osório, ao longo da qual encontram-se dezenas de prédios históricos de diversas épocas. Destacam-se neste corredor, o prédio do Colégio Santa Catarina, o prédio da antiga Sociedade Frohsin (atualmente GSFM), projetado pelo arquiteto alemão Theo Wiederspahn, as casas das famílias Richter, Klein, Momberger, Snel, Grünn; o antigo Posto Engel, entre outras. Esta rua é reconhecida pelo Plano Diretor do Município como área de interesse histórico-cultural.

No bairro Centro, destacam-se a Catedral Basílica São Luís Gonzaga e a Igreja Evangélica Luterana da Ascensão, ambas construções historicistas da década de 1950. A segunda segue o estilo neogótico, com formas puras do gótico original, algo já incomum para esta época tão recente.

Igreja Protestante de Confissão Luterana no Brasil- Comunidade da Ascensão

Existem, ainda, dezenas de casas ecléticas distribuídas pelos eixos históricos, porém estas não são reconhecidas oficialmente.

A cidade apresenta ainda alguns interessantes exemplares do modernismo, principalmente residências construídas a partir das décadas de 1950-1960.

No bairro rural de Lomba Grande, existe significativo patrimônio, ainda não reconhecido e devidamente inventariado. A Rua João Aloísio Allgayer, no entanto, também é considerada um corredor de interesse cultural no Plano Diretor.

Além dos imóveis tombados, existe um Inventário do Patrimônio Cultural, cuja manutenção segue diretrizes da Comissão de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural. Apesar da estrutura, a preservação do patrimônio na cidade ainda enfrenta muitas deficiências.

Religiões em Novo Hamburgo[editar | editar código-fonte]

A principal religião em Novo Hamburgo é a católica com mais de 60% da população. Logo atrás vem os evangélicos com mais de 30%.

Tombamento federal[editar | editar código-fonte]

Tombamentos municipais[editar | editar código-fonte]

Os seguintes bens encontram-se tombados pela municipalidade, a partir de 2006:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. a b «Estimativa populacional 2018 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 16 de setembro de 2018. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 7 de setembro de 2012. 
  6. Zavaschi, Olyr (4 de abril de 2009). «Nasce Novo Hamburgo». Zero Hora: 58 
  7. «CLIMA: NOVO HAMBURGO». Climate-Data.org. Consultado em 9 de janeiro de 2016.. Cópia arquivada em 16 de julho de 2015 
  8. Página da Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]