Sapiranga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Sapiranga
"Cidade das Rosas"
"Capital do Voo Livre"
Centro de Sapiranga com a torre da Igreja Evangélica ao fundo

Centro de Sapiranga com a torre da Igreja Evangélica ao fundo
Bandeira de Sapiranga
Brasão de Sapiranga
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 28 de fevereiro de 1955 (62 anos)
Gentílico sapiranguense
CEP 93800-000
Prefeito(a) Corinha Molling (PP)
(2017–2020)
Localização
Localização de Sapiranga
Localização de Sapiranga no Rio Grande do Sul
Sapiranga está localizado em: Brasil
Sapiranga
Localização de Sapiranga no Brasil
29° 38' 16" S 51° 00' 25" O29° 38' 16" S 51° 00' 25" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Porto Alegre
Municípios limítrofes Novo Hamburgo, Campo Bom, Araricá, Dois Irmãos, Nova Hartz e Morro Reuter
Distância até a capital 60 km
Características geográficas
Área 137,519 km² [2]
População 85 979 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 625,22 hab./km²
Altitude 36 m
Clima Subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,806 muito elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 992 933,636 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 848,19 IBGE/2008[5]
Página oficial
Disambig grey.svg Nota: Para o jogador de futebol, veja Cláudio Adão Weiss. Para a área de proteção, veja Reserva Sapiranga.

Sapiranga é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

Localiza-se na Região Metropolitana de Porto Alegre e conta com 79.152 habitantes, em uma área de 138,314 quilômetros quadrados.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A FERROVIA E O NOME DA CIDADE

A partir de 1890, Sapiranga deixa de ser parte do 4.º Distrito de São Leopoldo para ser vila e sede do 5.º distrito, pelo Ato Intendencial n.º 154. Em 1899, iniciou-se a construção da Ferrovia Novo Hamburgo-Taquara, inaugurada em 1903, ampliando o transporte que até então era feito por lanchões, barcos, cavalos, mulas e carretas.

Com a ferrovia, Sapiranga recebeu um novo impulso e, ao longo da estrada de ferro, se formaram os povoados, como Araricá e Campo Vicente.

Nesta época também surgiria o nome que daria origem à atual denominação do município. Havia abundância na região de uma fruta chamada araçá-pyranga (termo indígena para a fruta), denominação que originaria o nome do município de Sapiranga (Sapyranga, no início), em uma corruptela dos moradores que acabariam pronunciandoa fruta como "a-ça-piranga". Esta fruta ainda existe em quantidade significativa nos capões do Kraemer-Eck. A denominação de Sapyranga, inclusive, segundo historiadores, teria surgido pela primeira vez nessa região.

História[editar | editar código-fonte]

Imigração alemã[editar | editar código-fonte]

Ficheiro:Alemães2.jpg
Chegada dos alemães ao Vale dos Sinos

Antes da emancipação, Sapiranga era o quinto distrito de São Leopoldo. Existia a denominação tradicional do mundo luso, o Padre Eterno.

Os primeiros imigrantes alemães desembarcaram no Porto das Telhas, em São Leopoldo, no dia 25 de julho de 1824. Desde então, iniciou-se a história dos municípios que rodeiam o Vale dos Sinos. Esses imigrantes receberam lotes de terra, onde puderam dar início à sua habitação.

A partir da colonização alemã, iniciaram-se as modificações na estrutura do Rio Grande do Sul e do Brasil. Além disso, os colonos alemães implantaram uma nova filosofia de vida, onde o homem compartilhava seu trabalho braçal com toda a família. Dessa maneira, havia uma grande união entre os imigrantes, pois os mesmos estavam expostos às atividades de subsistência. Os vizinhos ajudavam-se em determinadas funções.

A cultura alemã, na agricultura, culinária, indústria, comércio, entre outros, foi se desenvolvendo desde os primórdios da história do município e se mantém até os dias de hoje. Por muito tempo a língua alemã, apesar de não ser a língua oficial, foi muito mais corrente do que o português na cidade. As gerações mais antigas não falavam ou entendiam o português e, nas escolas, o alemão era ensinado como segunda língua às novas gerações. A língua portuguesa efetivamente foi tomando lugar na década de 1970, devido à intensa migração de operários oriundos de outras regiões do estado (que não conheciam a língua alemã )chegando em busca de vagas nas indústrias exportadoras de calçados.

Os Mucker[editar | editar código-fonte]

Um dos momentos mais conturbados da história de Sapiranga se deu no final do século XIX. Jacobina Mentz e seu marido, João Maurer, fundaram uma seita religiosa no Morro ferrabráz. Muckers, em alemão significa falso santo[carece de fontes?].

Jacobina e João Jorge Maurer se conheceram em Hamburgo Velho, na metade do século XIX. Casaram-se e mudaram-se para Leoner-Hof (como era denominada Sapiranga). Jacobina sofria de ataques epilépticos, desde criança, o que fazia com que ela fosse vista como vítima de um transtorno do sistema nervoso, agravados por leituras de natureza religiosa.

Além disso, Jacobina auxiliava o marido no curandeirismo. Naquela época, os médicos eram escassos. Então, as pessoas apelavam para os curandeiros. Aos poucos, Jacobina misturava a religião com o atendimento aos doentes, através de leituras de passagens bíblicas para os pacientes. Logo, ela tornava-se famosa por suas meditações milagrosas.

Os adversários de Jacobina, preocupados com os acontecimentos no Ferrabraz, realizaram um abaixo-assinado, levando a imprensa da época a tomar partido contra Jacobina.

Em pouco tempo surgiram diversos conflitos entre esses dois grupos, acarretando em violência e mortes. Em 28 de junho de 1874, forças policiais atacaram os Mucker, que venceram o conflito. Isso contribuiu para a crença da divindade de Jacobina. Após outro ataque falho, Jacobina conseguiu fugir e se esconder no Ferrabraz. O fim do conflito se deu em 2 de agosto do mesmo ano, quando um traidor (Pedro Serrano)levou as forças policiais até o esconderijo de Jacobina Mentz, que foi morta junto da maioria dos Mucker.

Transporte ferroviário[editar | editar código-fonte]

Em 15 de agosto de 1903, foi concluída a construção da estrada de ferro que ia de Novo Hamburgo a Taquara. Foi a primeira estrada de ferro do Estado do Rio Grande do Sul, tendo sua obra iniciada em 26 de novembro de 1871. Novo Hamburgo e Taquara eram as duas estações principais, com sete estações secundárias e três paradas.

Uma das intenções da criação da estrada era a ligação da capital aos principais centros econômicos do Estado (considerando que sua extensão vinha de Porto Alegre até Taquara). Um desses centros era São Leopoldo e entre as áreas pertencentes a esse município e colonizada por alemães constava Sapiranga.

A segunda intenção da criação da estrada era a questão militar, devido à preocupação em relação à defesa do território que dependia da rápida movimentação das tropas do exército.

Vale ressaltar que a urbanização desencadeou-se devido à estrada de ferro. Porém, na década de 1960, quando foi inaugurada a estrada de rodagem estadual, o local, que tinha como principal meio de deslocamento a estrada de ferro, passava a usar também a rodovia RS-239. Em 1964, a estrada de ferro foi desativada.

Emancipação de Sapiranga[editar | editar código-fonte]

Em 1933, a partir do surgimento de novas fábricas, houve a ampliação do mercado de trabalho sapiranguense. Com isso, a população triplicou. Esses e vários outros motivos contribuíram para o crescimento da idéia de emancipação. Assim, as lideranças partiram para passos concretos, através da criação de uma Comissão de Emancipação. Também foi criado um Conselho Deliberativo composto de todos os presidentes de partidos políticos da região.

O número de habitantes ainda era insuficiente (inferior a 12.000) para se emancipar. Então, a organização apelou aos habitantes dos distritos de Picada Hartz e Campo Vicente (pertencentes a Taquara). Assim, Sapiranga cumpria com todas as exigências previstas em lei para se emancipar. Em 15 de dezembro de 1954, lei número 2.529, Sapiranga passa a ser município.

A primeira eleição, para prefeito, vice-prefeito e vereadores, realizou-se no dia 20 de fevereiro de 1955. O primeiro prefeito eleito foi Edwin Kuwer, com seu vice Waldemar Carlos Jaeger.

Os vereadores eleitos foram: Manuel Bailet Candemil, Anita Lydia Wingert, Adolfo Evaldo Lindenmeyer, Arthur Ernesto Petry, Bertholdo Hauser, Armindo Otto Schwarz e Leopoldo Luiz Sefrin. A posse dos vereadores ocorreu em 26 de fevereiro de 1955 e a posse do prefeito e vice ocorreu em 28 de fevereiro do mesmo ano.

Economia[editar | editar código-fonte]

As principais atividades econômicos do município são as indústrias de calçados, metalurgia e extrativismo vegetal, sendo sede de grandes indústrias como a Paquetá no ramo de calçados e Altero e Ferrabraz no setor da metalurgia.

Os principais produtos do setor primário são: acácia negra, batata inglesa, arroz, aipim e hortifruticultura. O setor secundário conta com calçados, metalurgia e componentes. No setor terciário, temos gêneros alimentícios, vestuário e eletrodomésticos. A indústria, comércio e serviços em 2004 mostrou 2.828 estabelecimentos.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Cidade das Rosas[editar | editar código-fonte]

As rosas sempre foram cultivadas no município, da emancipação até os dias de hoje. Essa denominação possui duas explicações. Uma delas originou-se de uma visita que o Diretor do Serviço Estadual de Turismo do Estado do Rio Grande do Sul, Osvaldo Goidanich. Ele surpreendido com a quantidade de roseiras que eram cultivadas, sugeriu que fosse chamada de Cidade das Rosas.

Uma Rosa

Outra explicação surgiu da ideia do professor e jornalista Muniz Pacheco, através de um artigo no jornal "O Ferrabraz", no dia 24 de novembro de 1960, onde ele destaca as rosas como um aspecto embelezador dos canteiros da cidade, assim denominando-a de Cidade das Rosas. Com a oficialização da Festa das Rosas, em novembro de 1964, o título "Cidade das Rosas" foi reforçado pelos sapiranguenses e pelos turistas.

A Festa das Rosas[editar | editar código-fonte]

A partir de 1966, a Festa das Rosas se realizou nos anos pares e permaneceu até o ano de 1986, quando ocorreu uma pausa de 11 anos. Em 1997, ela foi retomada, se realizando anualmente até os dias de hoje, no Parque Municipal do Imigrante.

Sempre é feita a escolha de uma Rainha e duas princesas, símbolos da beleza da cidade e receptoras dos visitantes que prestigiam a festa. Paralelamente, em evento de porte semelhante, as indústrias de calçados(eixo econômico da cidade)elegem a Rainha dos Operários, representante da beleza da classe trabalhadora. Além disso, shows de bandas e talentos locais são valorizados no evento. A rosa é a atração principal e é encontrada em todos os lugares da festa para tornar especial o principal evento do município.

Com a volta da Festa das Rosas, o cultivo de roseiras e a tradição dos jardins floridos refletiu mais fortemente na comunidade. Da mesma maneira, a administração municipal preservou e ainda preserva essa característica de Sapiranga, mantendo sempre o colorido nos canteiros que embelezam e diferenciam a Cidade das Rosas.

Casa tombada[editar | editar código-fonte]

A casa construída em 1845 pelo imigrante alemão Johan Schmidt, permanece até hoje, constituindo-se numa das casas mais antigas de Sapiranga.

Construída em técnica enxaimel, com estrutura de madeira e vãos preenchidos com barro socado, amontoando-se certas porções até completá-las. Postes, linhas, barrotes e caibros, com encaixes feitos a martelo e talhadeira e fixados com tacos de madeira formavam a estrutura da residência. O telhado era feito de tabuinhas engatadas em ripas. Quando as tabuinhas apodrecem, são trocadas por telhas de folhas de zinco e por telhas de barro.

Voar livre[editar | editar código-fonte]

Pista de voo livre situada no Morro Ferrabraz

O voo livre iniciou sua história no município de Sapiranga no ano de 1974. No início, o esporte era considerado de alto risco, devido ao grande número de acidentes, vários fatais. Com o passar do tempo, a segurança dos equipamentos foi sendo aprimorada e hoje dificilmente os pilotos correm riscos de vida. Basta o voador ter consciência da necessidade de uma boa preparação física, psíquica e um bom equipamento de voo. Além disso, é importante um bom clima para o voo ser tranquilo.

A Associação Gaúcha de Voo Livre (AGVL) foi fundada em 28 de agosto de 1978 e é responsável pelo recebimento de pilotos de vários estados do Brasil, inclusive de outros países.

A cidade possui também um aeroclube, de indicativo SSBZ, porém este está desativado.

Balneários e cursos d'água[editar | editar código-fonte]

Em sua porção norte, no distrito de São Jacó, o município de Sapiranga é banhado pela Bacia do Rio Feitoria, em trecho de serra contando com várias cataratas e cachoeiras em seu território. Há vários balneários ao longo do Rio Feitoria e seus afluentes, bem como pontos de interesse turístico como a Cascata dos Deberofski, na localidade de Picada Verão.

O Morro Ferrabraz[editar | editar código-fonte]

Localizado ao norte de Sapiranga, o Morro Ferrabraz é formado por rochas de origem vulcânica e sedimentar. O terreno constitui-se de uma grande elevação, onde predomina a erosão. Sua altitude varia de 581 metros a 634 metros acima do nível do mar, sendo que no centro da cidade a altitude não passa de 50 metros.

Com a necessidade de preservação do Morro Ferrabraz, a lei municipal número 1400/87 colocou-o como patrimônio natural, área especial de interesse histórico e turístico.

Hoje em dia, o Morro é um centro turístico com prática de voo livre. Asas-delta e paragliders decolam das rampas em busca de emoção. Além disso, o local é propício para a prática de mountain bike. Também na encosta do Ferrabraz foi demarcado o sítio histórico dos Mucker.

Caminhos de Jacobina[editar | editar código-fonte]

O roteiro Caminhos de Jacobina foi criado com a intenção de ajudar as pessoas a conhecer mais sobre o episódio dos Muckers. Episódio esse que inspirou o autor Luiz Carlos Barreto no filme A Paixão de Jacobina. O roteiro tem os seguintes pontos:

  • Cemitério no bairro Amaral Ribeiro - Mantém os túmulos de quatro moradores de Sapiranga, mortos no conflito com os Mucker(Anti-Mucker), na década de 1870. Os Mucker foram enterrados em valas e cobertos com espessa camada de sal para que seus corpos se decompusessem o mais rapidamente possível. Portanto não existe Mucker enterrado nos cemitérios de Sapiranga, pois não eram considerados santos e merecedores de tal honraria. A arte funerária e as inscrições nas lápides do século XIX mostram traços culturais e religiosos da comunidade.
  • Estátua do Cel. Genuíno Sampaio - Estátua erguida por colonos próximo à residência de Jacobina, no ano de 1931 por iniciativa de um morador local, Reinaldo Scherer.[6] Em 1874, nesse local, travaram-se duas batalhas entre os soldados do Coronel Genuíno Sampaio e o grupo de Jacobina.
  • Cruz de Jacobina - Neste local, Jacobina e alguns do seu grupo se abrigaram para fugir do confronto com seus perseguidores. A cruz foi colocada no início do século XX, aproximadamente em 1910, depois da visita de um dos remanescentes do confronto. Acredita-se que neste local Jacobina tenha sido assassinada.

http://www.uel.br/eventos/eneimagem/anais2011/trabalhos/pdf/Daniel%20Luciano%20Gevehr.pdf

  • Locação "A Paixão de Jacobina" - A propriedade serviu como locação para o filme "A Paixão de Jacobina". Possui uma casa em estilo enxaimel, com mais de cem anos e reproduções dos personagens do filme, uma cozinha em estilo enxaimel, um galpão onde foi filmada a cena final e a trilha da Três Quedas com acesso a cascatas onde se pode tomar banho.

Línguas[editar | editar código-fonte]

A língua alemã faz parte da fundação e da história do município e da região colonial a qual pertence, antigamente chamada de Altkolonie, ou seja região das colônias velhas. Nas últimas décadas a língua nacional, o português, definitivamente tomou o lugar do idioma alemão na vida pública, i.e. nas escolas, na igreja, nas publicações; muito embora ele que continue sendo praticado principalmente na esfera privada, doméstica, em círculos de familiares e amigos/as, na sua variante regional chamada Riograndenser Hunsrückisch.

Religiões[editar | editar código-fonte]

Suas duas principais religiões e a Religião Católica e a Evangélica (principalmente luteranos)

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. [1], GEVEHR, D, L., 2011, pag.763.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]