Santo Antônio da Patrulha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Santo Antônio, veja Santo António.

Município de Santo Antônio da Patrulha
"Terra da cachaça, sonho e rapadura"
Igreja Matriz de Santo Antônio da Patrulha

Igreja Matriz de Santo Antônio da Patrulha
Bandeira de Santo Antônio da Patrulha
Brasão de Santo Antônio da Patrulha
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 3 de março
Fundação 3 de abril de 1811 (207 anos)
Gentílico patrulhense
Lema Hospitalidade - Justiça - Labor (trabalho)
Prefeito(a) Daiçon Maciel da Silva (PMDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Santo Antônio da Patrulha
Localização de Santo Antônio da Patrulha no Rio Grande do Sul
Santo Antônio da Patrulha está localizado em: Brasil
Santo Antônio da Patrulha
Localização de Santo Antônio da Patrulha no Brasil
29° 49' 04" S 50° 31' 12" O29° 49' 04" S 50° 31' 12" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Osório IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Rolante, Riozinho, Viamão, Capivari do Sul, Osório, Caraá, Taquara e Glorinha
Distância até a capital 73 km
Características geográficas
Área 1 049,807 km² [2]
População 42 333 hab. Estimativa do IBGE/2017[3]
Densidade 40,32 hab./km²
Altitude 131 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,717 elevado PNUD/2017 [4]
PIB R$ 1,079,790,371 mil (1 Bilhão de reais) IBGE/2017[5]
PIB per capita R$ 25 507 06 R$ IBGE/2017[5]

Santo Antônio da Patrulha é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul, pertencente à Região Metropolitana de Porto Alegre.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1760 foi elevada à condição de freguesia, em 1809 passa a vila e em 3 de abril de 1811 foi instalado o Município de Santo Antônio da Patrulha, que recebeu essa denominação em função das patrulhas instaladas em seu território objetivando a cobrança de impostos para a Coroa. É, ao lado de Porto Alegre, Rio Pardo e Rio Grande um dos quatro primeiros municípios do Estado.

As origens desse povoado remontam à própria história do Estado. Com a fundação da Colônia de Sacramento em 1680, cresce o interesse dos colonizadores portugueses em povoar e defender o território meridional do Brasil. Por volta de 1736 é aberta por Cristóvão Pereira de Abreu a Estrada dos Tropeiros. Devido ao contrabando de gado que passava por essa estrada, surgiu um "Registro" ou "Guarda", mais tarde chamada patrulha. Essa fiscalizava e cobrava impostos dos rebanhos que passavam por ali e seguiam para Sorocaba e Minas Gerais.

Esse aquartelamento, é responsável por parte do nome do município, que antes se chamava Guarda Velha de Viamão. No início de 1743, se estabelece efetivamente na atual sede do município com "roças e casas", Inácio José de Mendonça e Silva, que servia como soldado nessa "Guarda". Ele e sua esposa, Margarida Exaltação da Cruz são considerados os fundadores do município, pois resolveram construir em suas terras uma Capela onde hoje localiza-se a Pira, na Av. Borges de Medeiros. A Capela levara o nome de Santo Antônio, e, em volta dessa, começa a surgir um povoado.

Em 1760, foi inaugurada a Capela Curada de Santo Antônio da Guarda Velha de Viamão, e no seu entorno passou a organizar-se uma vida administrativa e social. Esse núcleo que atendia todo o Litoral Norte e parte da Serra aos poucos foi crescendo e em 1809 participou da divisão do Estado em quatro municípios.

A presença de casais açorianos em Santo Antônio da Patrulha deu-se por volta de 1760, sendo alguns fugidos de Rio Grande devido a invasão de espanhóis e outros avulsos. Mas só em 1771 que oficialmente o Governador da Capitania recebeu ordens de assentar casais açorianos em Santo Antônio da Patrulha. Recebiam - DATAS - pedaços de terra de tamanho variável. Segundo o Monsenhor Ruben Neis, foram 28 casais que se localizaram entre a sede do povoado (hoje a Vila de Santo Antônio da Patrulha) e as terras da Lagoa dos Barros. Alguns imigrantes abandonaram suas datas buscando terras em outras localidades, enquanto outros ilhéus ou descendentes os sucediam. A partir daí torna-se morfologicamente definido o primeiro núcleo de povoamento, que é hoje um núcleo histórico localizado na Cidade Alta.

Os Campos do Litoral Norte do Rio Grande do Sul favorecem a criação de rebanhos bovinos e equinos e, a partir de 1743, são distribuídas as primeiras sesmarias, geralmente a paulistas e lagunistas, nos Campos de Tramandaí, como era referido o Litoral Norte do Rio Grande do Sul na época.[6]

Governantes de Santo Antônio da Patrulha[editar | editar código-fonte]

Veja mais: Lista de governantes de Santo Antônio da Patrulha

Municípios originários de Santo Antônio da Patrulha[editar | editar código-fonte]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a 29º49'03" de latitude sul e 50º31'11" de longitude oeste, a uma altitude de 131 metros. Sua população estimada em 2013 era de 41.579 habitantes.

Possui uma área de 1069,3 km². É um município que conta com as águas do rio dos Sinos e da lagoa dos Barros.

Limites[editar | editar código-fonte]

Santo Antônio da Patrulha limita-se ao norte com Rolante e Riozinho, ao sul com Viamão e Capivari do Sul, a leste com Osório e Caraá e, a oeste com Taquara e Glorinha.

Ligações com outros municípios[editar | editar código-fonte]

Distante 73 km de Porto Alegre, através da BR-290 e da RS-030, proporcionam ligação com a capital. E através do município de Osório, com o centro do país, pela BR-101. Já pela RS-474 a ligação é com Rolante, Taquara e a serra gaúcha.

Distritos[editar | editar código-fonte]

O território municipal é divido administrativamente em seis distritos:

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Município de Santo Antônio é dividido por duas bacias hidrográficas. Na área plana, formada na grande planície lacustre, característica do Litoral Norte do Rio Grande do Sul, encontra-se a bacia do Rio Gravataí, cuja nascente localiza-se no banhado do Chicolomã, sendo alimentada por dois arroios que cortam a área urbana.

Originária no município de Caraá, a bacia do rio dos Sinos corta o município com suas águas sendo utilizadas para agricultura e pecuária.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

É composta de Campos e Matas. Várzeas e Serras fazem parte da paisagem da cidade. Também está localizado dentro do município a Coxilha das Lombas que deu o nome da comunidade de Lombas que em extensão territorial é a maior comunidade do município, fazendo divisas com dois municípios (Capivari do Sul e Viamão) e com outras três comunidades (Barrocadas, Tapumes e Chicolomã). Lombas tem como economia a pecuária e a agricultura familiar. Também ficou marcada em sua história, nos séculos XIX e XX as Tafonas de Mandiocas. A comunidade era grande produtora de farinha de mandioca e seus derivados na época.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município é caracterizada por uma temperatura média anual de 20 °C, sendo a média das temperaturas máximas de 23,8C, e a média das mínimas de 15,4 °C. A temperatura máxima absoluta observada foi de 38,4 °C e a mínima de 0 °C. Quanto ao regime de chuvas, o mês mais chuvoso é o mês de setembro, sendo abril e maio os meses de menor precipitação.

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Grupos formadores e sua origem:

  • Lusos, brasileiros e africanos: predominante no 1º, 2º e 6º distrito
  • Poloneses: predominante no 5º distrito
  • Alemães: predominam no 3º e 4º distrito
  • Italianos: inicialmente vieram para o atual município de Caará

Economia[editar | editar código-fonte]

Existem 1 283 empresas registradas com CGC no município, sendo que destas, 193 estão inscritas como indústria de transformação, com 2 988 empregados registrados, enquanto 595 registros de comércio atacadista ou varejista empregam 908 pessoas.

O setor agropecuário registra 2.939 estabelecimentos ocupando 8.507 pessoas numa área de 79.726 hectares.

A orizicultura é cultivada nas várzeas em escala extensiva e com alta tecnologia, sendo responsável por uma significativa parcela na geração de ICMS. Na região serrana, distribuída em minifúndios, desenvolvem-se outras culturas tais como o feijão, milho, fumo, cana de açúcar e mandioca.

Na pecuária, a criação de bovinos, devido a condições climáticas favoráveis, destaca-se como uma atividade economia importante. Existe, também, o incentivo a criação de ovelhas e galinhas, ainda que esta produção ainda tenha alcançado patamares significativos no município.

A indústria metal-mecânica alicerçou-se no município através da IMAP e da Masal, que provocaram a criação de uma série de outras pequenas indústrias que geram empregam e asseguram uma expressiva fatia da arrecadação de ICMS do município.

Outro setor forte é o setor de alimentício. A produção de produtos naturais como a rapadura e o melado, impulsionaram este importante setor, com a criação de inúmeras empresas e que hoje exportam seus produtos, que são consumidos em todo o Rio Grande do Sul e em várias unidades da Federação.

Também a produção de cachaça alcançou índices positivos, com a qualificação de culturas, métodos e trabalhadores, gerando um produto de alta qualidade e que é apreciado em vários mercados nacionais e internacionais.

Universidade Federal[editar | editar código-fonte]

Instalada em 2004 com curso de Pedagogia pelo módulo EaD, em 2008 a FURG instalou-se definitivamente no município através do Reuni, inaugurando assim o campus onde antes ficava a Escola Municipal Barão do Cahy, oferecendo dois cursos de graduação de Engenharia Agroindustrial.

Em 2010, uma grande área foi doada pelo Governo Municipal para que uma nova sede para a universidade possa ser construída.

No ano de 2013, a FURG recebeu R$10 milhões para ampliação do campus, construção de uma Casa do Estudante, áreas recreativas, laboratórios e oferta de 3 novos cursos: Engenharia da Computação, Engenharia Mecânica e Licenciatura em Ciências Exatas.[7]

Notas

  1. Emancipou-se de Santo Antônio da Patrulha em 1996
  2. Emancipou-se de Santo Antônio da Patrulha em 1857
  3. Emancipou-se de Santo Antônio da Patrulha em 1955
  4. Emancipou-se de Santo Antônio da Patrulha em 1886
  5. Emancipou-se de Santo Antônio da Patrulha em 1850

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (17 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2017. 
  3. «População Estimada 2016». Portal Cidades IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 22 de julho de 2017. 
  4. «Ranking IDH-M dos Municípios 2017». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2017. Consultado em 1 de maio de 2014. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2017» Verifique valor |url= (ajuda). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 1 de maio de 2017. 
  6. «História do Município». Santoantoniodapatrulha.rs.gov.br. Consultado em 3 de abril de 2012. 
  7. http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/vestibular/noticia/2013/04/furg-investe-r-10-milhoes-no-campus-de-santo-antonio-da-patrulha-4092710.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]