Santa Maria (Rio Grande do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a cidade gaúcha. Para a santa, veja Maria (mãe de Jesus). Para outros significados, veja Santa Maria (desambiguação).
Município de Santa Maria
"SM"
"Cidade Universitária"
"Cidade-Cultura"
"Capital dos Blindados"
"Coração do Rio Grande do Sul"
De cima para baixo, da esquerda para a direita: O planetário da Universidade Federal de Santa Maria, o Theatro Treze de Maio, a sede da 6ª Brigada de Infantaria Blindada, a Catedral de Santa Maria, e um panorama do centro da cidade

De cima para baixo, da esquerda para a direita: O planetário da Universidade Federal de Santa Maria, o Theatro Treze de Maio, a sede da 6ª Brigada de Infantaria Blindada, a Catedral de Santa Maria, e um panorama do centro da cidade
Bandeira de Santa Maria
Brasão de Santa Maria
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário Emancipação Política: 17 de maio de 1858
Fundação novembro de 1797
Gentílico santa-mariense
Lema Santa Maria cidade coração do Rio Grande do Sul
Prefeito(a) Jorge Pozzobom (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Santa Maria
Localização de Santa Maria no Rio Grande do Sul
Santa Maria está localizado em: Brasil
Santa Maria
Localização de Santa Maria no Brasil
29° 41' 02" S 53° 48' 25" O29° 41' 02" S 53° 48' 25" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Santa Maria IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Itaara, Julio de Castilhos, São Martinho da Serra, São Gabriel, São Sepé, Silveira Martins, Restinga Seca, Formigueiro, São Pedro do Sul e Dilermando de Aguiar
Distância até a capital 290 km
Características geográficas
Área 1 779,556 km² (BR: 832º)[2]
População 278 445 hab. IBGE/2017[3]
Densidade 156,47 hab./km²
Altitude 115 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,784 elevado PNUD/2010[4]
PIB R$ 3 855 271,743 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 200,16 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura http://www.santamaria.rs.gov.br
Câmara http://www.camara-sm.rs.gov.br

Santa Maria é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Com 278 445 habitantes em 2017, segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),[3] é considerada uma cidade média e de grande influência na região central do estado. É a 5ª cidade mais populosa do Rio Grande do Sul e, isoladamente, a maior de sua região.

Localizada numa região com uma população original indígena, a história da cidade remonta a um acampamento estabelecido em 1797 por uma comissão portuguesa e espanhola encarregada de delimitar o território de ambos impérios, a cidade sendo oficialmente fundada em 6 de Abril de 1876. A região contém também importantes sítios paleontológicos.

Santa Maria é considerada cidade universitária, graças à Universidade Federal de Santa Maria, criada por José Mariano da Rocha Filho.

História[editar | editar código-fonte]

Período colonial[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes conhecidos da região atualmente ocupada pelo município de Santa Maria foram os índios minuanos e tapes.[6]

A cidade foi criada a partir de acampamentos de uma comissão demarcadora de limites entre terras de domínio espanhol e português, como determinados pelo Tratado Preliminar de Restituições Recíprocas de 1777, que passavam pela região. Devido a discordâncias entre as partes espanhola e portuguesa, a comissão se dividiu, e uma das partes montou os acampamentos onde hoje está localizada a Praça Saldanha Marinho, em 1797, fundando extraoficialmente o que seria a cidade de Santa Maria.[7]

Foram levantados ranchos e galpões pelos oficiais que lá se estabeleceram, e indígenas acabaram sendo atraídos ao local por fatores econômicos e sociais, cujo astrônomo da comissão, o sargento-mor Joaquim Feliz da Fonseca Manso, contribuiu ao assentamento. Foi erguida também uma capela provisória. As terras pertenciam à sesmaria do tenente Jerônimo de Almeida, cedidas ao padres Ambrósio José de Freitas. O primeiro a mapear a região foi o engenheiro da comissão demarcadora, o coronel Francisco das Chagas Santos. A comissão foi desmembrada em 1801, desarmando a capela e abandonando o assentamento e seu novo povoado. A atual Rua do Acampamento deve seu nome a esse acampamento original da comissão demarcadora.[7]

Em 1810 o povoado contava com 800 habitantes, integrando a região de Cachoeira do Sul. No mesmo ano foi construída uma capela em terras doadas por estancieiros locais, e o povoado viria a ser incorporado como freguesia de Cachoeira em 27 de julho de 1812.[7]

Período imperial[editar | editar código-fonte]

Em 1828 um batalhão de soldados alemães a serviço do Brasil chegou à região, incrementando significativamente sua população. Na dissolução do batalhão, a maior parte de seus membros permaneceu lá, e Santa Maria contava, em 1831, com 3100 habitantes. Em 1837, tornava-se Freguesia de Santa Maria da Bôca do Monte, e em 1838 foi fundada a primeira escola pública.[7] Durante a Revolução Farroupilha (1835-1845), chegaram imigrantes alemães, provenientes de São Leopoldo, buscando se afastar dos combates.[8]

Alguma batalhas foram travadas na região, a exemplo de um confronto entre o Barão de Caxias e os farrapos em 11 de novembro de 1840, na região da Porteirinha. O crescimento do povoado retoma com o final da revolução.[7]

A freguesia foi elevada à categoria de vila em 17 de maio 1858, e à cidade em 6 de abril de 1876. Em 7 de maio de 1878 foi criada a Comarca de Santa Maria. A última Câmara Municipal durante o império elegeu entre os vereadores, João Daudt de Oliveira, o império sendo dissolvido em 1889 com a fundação da república, ao que Daudt propôs que a Câmera aceitasse o novo governo, o que foi aprovado por unanimidade.[7]

Período republicano e atualidade[editar | editar código-fonte]

A cidade passou por algumas turbulências durante o período republicano. Durante a revolução de 1893, a cidade foi tomada por um batalhão de revolucionários, e durante a revolução de 1923, Clarestino Bento atacou o quartel da região, sem sucesso, e com baixa de 4 homens e 7 feridos, sendo o último confronto com mortes da revolução. Em 1926, soldados do 5o Regimento de Artilharia Montada e do 7o Regimento de Infantaria rebelarem-se sob a liderança de seus tenentes, disparando com canhões sobre a cidade e atacando o 1o Regimento de Cavalaria com cerca de 700 homens. A Brigada Militar entrou em confronto com os rebeldes, o que durou cerca de dois dias, que derrotou as forças rebeldes. O dia ficaria conhecido na cidade como "Dia do Bombardeiro".[7]

Atualidade

Obelisco em homenagem ao centenário de Santa Maria, na Avenida Rio Branco, uma das principais da cidade

A cidade conserva prédios históricos de valor, como a Catedral de Nossa Senhora da Conceição, o Theatro Treze de Maio, a Catedral do Mediador da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, o Clube Caixeiral de Santa Maria, o Banco Nacional do Commercio, a Sociedade União dos Caixeiros Viajantes e a Vila Belga.

Santa Maria sedia a Universidade Federal de Santa Maria, que no primeiro semestre de 2018 contava mais de 30 mil alunos em seus cursos de graduação e pós-graduação.[9] Por ter uma grande quantidade de instituições de ensino, recebeu a alcunha de "Cidade Cultura", já nos tempos da fundação da UFSM.[10]

Santa Maria também é denominado o município "Coração do Rio Grande" devido a sua localização geográfica.[11]

No dia 27 de janeiro de 2013, Santa Maria tornou-se conhecida internacionalmente em decorrência de uma grande tragédia que abalou a cidade. Um incêndio na boate Kiss, localizada na Rua dos Andradas, Bairro Centro, matou 242 pessoas e deixou mais de 600 feridos. Na boate, acontecia uma festa de universitários do curso de Agronomia, Medicina Veterinária, Pedagogia, Zootecnia, Tecnologia em Alimentos e Agronegócios e o incêndio começou devido a um show pirotécnico promovido pela banda que tocava naquela noite. Faíscas teriam atingido o teto da boate, que possuía material de isolamento acústico, que é altamente combustível. A maioria das vítimas morreu por asfixia ou pisoteamento, devido ao grande número de pessoas dentro da boate na hora da tragédia. Testemunhas dizem que alguns seguranças da boate haviam impedido a saída de pessoas por não terem pago a comanda. Essa tragédia foi considerada a segunda maior tragédia causada por incêndio, em número de mortos, na história do Brasil e o processo de julgamento dos envolvidos continua em andamento.[12]

Em 2013, a prefeitura assinou um convênio com a Caixa Econômica Federal para a obra de implantação de um trem turístico.[13][14]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Também conhecida como Santa Maria da Boca do Monte, pois situa-se em uma região cercada por morros.[15] Quando há vento Norte, é muito forte, chegando a 100 km/h.[16] Sua população estimada em 2017 era de 278 445 habitantes.[3]

  • Altitude média: 115 metros acima do nível do mar[17]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Santa Maria é um município dividido em 10 distritos que, com exceção do 1º Distrito (Sede) — dividido em 41 bairros —, não têm subdivisões, ou seja, possuem um único bairro, homônimo ao distrito a que pertence.[18][19] Para fins administrativos o distrito da Sede é distribuído em Regiões Administrativas, um conjunto de bairros unidos de acordo com localização e características, e, os demais distritos, cada um, possui uma subprefeitura.[19][20]

Clima[editar | editar código-fonte]

  • Clima: subtropical úmido;
  • Temperatura média compensada anual: 19 °C;[21]
  • Precipitação pluviométrica média: 1 845 milímetros (mm).[21]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1984 e a partir de 1988, a menor temperatura registrada em Santa Maria foi de -2,9 °C em 14 de julho de 2000,[22] e a maior atingiu 40,2 °C em 7 de fevereiro de 2014 e 18 de dezembro de 1995.[23] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 183,9 mm (milímetros) em 16 de abril de 1984.[24] Novembro de 2009 foi o mês de maior precipitação, com 480,9 mm.[25]

Dados climatológicos para Santa Maria
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 39,3 40,2 39 36,6 33,2 31 32 34 36,6 37,8 40 40,2 40,2
Temperatura máxima média (°C) 30,9 29,9 29,1 25,7 22 19,7 19 21,4 22,1 25,2 27,8 30,3 25,3
Temperatura média compensada (°C) 24,9 24 22,9 19,4 16 14,2 13,4 15,1 16,4 19,4 21,6 24,1 19,3
Temperatura mínima média (°C) 19,8 19,4 18,5 15 12 10,3 9,4 10,5 11,9 14,8 16,4 18,6 14,7
Temperatura mínima recorde (°C) 9,4 9,4 5,9 3 0,1 -2,6 -2,9 -1,2 0,2 3,4 5,8 7,2 -2,9
Precipitação (mm) 166,3 139,6 127,7 170,1 154,4 149,1 159 111,2 158,5 173,3 132,7 154,3 1 796,2
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 9 9 8 9 8 9 10 8 8 10 7 8 95
Umidade relativa compensada (%) 72,3 76,8 78,5 81,3 83,3 83,7 81,8 78,9 78,5 76,3 70,6 68,7 77,6
Horas de sol 244,3 199,8 210,3 175,2 154,1 121,8 136,6 154 158,1 180,5 219,2 250 2 203,9
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[21] recordes de temperatura de 1961 a 1984 e a partir de 1988)[22][23]

Economia[editar | editar código-fonte]

Santa Maria, por sua posição geográfica central e por situar-se na metade sul do estado, foi, desde os tempos do império, historicamente estratégica na questão dos conflitos com os "países do prata". Por esse motivo, por várias décadas os investimentos concentrados no local foram referentes à segurança nacional.

Assim formaram-se uma estrutura e uma vocação econômica do município voltada para a prestação de serviços, posteriormente acentuada com o estabelecimento dos serviços públicos estatais e federais e com o desenvolvimento do comércio.

As bases econômicas do município são evidenciadas pelos empregos ofertados. Os dados disponíveis[onde?] revelam alta importância do setor terciário, destacando-se o comércio, os serviços públicos, incluindo os da Universidade Federal de Santa Maria, e os militares.

A grande massa e fluxo monetário na cidade de Santa Maria depende fundamentalmente do serviço público. Santa Maria destaca-se na região, no estado e no país como cidade portadora das seguintes funções relacionadas à prestação de serviços: comercial, educacional, médico hospitalar, rodoviário e militar policial.

Estas funções urbanas terciárias absorvem mais de 80% da população ativa da cidade, principalmente o setor ocupado em atividade comercial e educacional. Ainda no aspecto funcional da cidade, aparece em segundo lugar o setor primário (agropecuário) e em terceiro lugar, o setor secundário, que no geral são indústrias de pequeno e médio porte, voltadas principalmente para o beneficiamento de produtos agrícolas, metalurgia, mobiliários, calçados, laticínios, etc.

A cidade destaca-se por ser a segunda cidade do Rio Grande do Sul em números de pessoas ricas, sendo a segunda cidade do estado com maior número de pessoas das classes A e B (28 do país). Conforme pesquisa da Fundação Getúlio Vargas.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Royal Plaza Shopping, o 2º maior shopping da região e um dos principais centros comerciais de Santa Maria.

No sistema urbano do Rio Grande do Sul (dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Santa Maria é a 5ª maior cidade do estado em população, depois de Porto Alegre, Caxias do Sul, Pelotas e Canoas.

O município possui grande poder de atração populacional, o que o transformou em importante centro regional e forte centro de polarização.

Abaixo uma lista com a estimativa de população por bairros, para 2032, segundo dados do Escritório de Santa Maria.[26]

Região Administrativa Bairro Pop. 2010 Dens. Demog. (mil hab/km²) 2010 Pop. 2032 (est) Cresc. Pop. 2010-2032 (% est.)
Centro Urbano Nossa Sra. Medianeira 9.030 4,74 9.722 7,67 %
Nonoai 4.168 6,87 4.315 3,53 %
Nossa Sra. de Lourdes 5.993 4,08 6.528 8,92 %
Nossa Sra. de Fátima 8.836 10,46 8.938 1,16 %
Bonfim 7.157 13,02 7.224 0,93 %
Centro 17.847 9,39 18.308 2,58 %
Nossa Sra. do Rosário 6.769 7,95 6.975 3,05 %
Centro-Leste Cerrito 1.127 0,24 4.022 256,84 %
São José 5.697 1,21 7.402 29,94 %
Pé-de-Plátano 2.200 0,53 4.706 113,91 %
Diácono João Luiz Pozzobom 3.152 0,41 7.773 146,62 %
Centro-Oeste Uglione 1.808 2,67 2.055 13,64 %
Duque de Caxias 3.339 5,27 3.492 4,6 %
Patronato 2.575 2,18 3.005 16,69 %
Noal 7.582 6,05 7.885 4,00 %
Passo d'Areia 6.995 2,68 7.963 13,84 %
Leste Camobi 21.822 1,07 29.217 33,89 %
Nordeste Nossa Sra. do Perpétuo Socorro 4.656 4,23 5.056 8,59 %
Menino Jesus 5.410 8,97 5.556 2,7 %
Presidente João Goulart 6.252 3,46 6.908 10,50 %
Itararé 7.300 3,15 8.142 11,53 %
Campestre do Menino Deus 2.697 0,31 5.819 115,74 %
KM 3 2.504 0,74 4.146 65,58 %

Religião[editar | editar código-fonte]

Basílica de Nossa Senhora Medianeira, para onde se dirige a Romaria da Medianeira, em Santa Maria

A maior parte da população santamariense é pertencente à Igreja Católica Romana.[27] Celebra-se na cidade a tradicional Romaria de Nossa Senhora Medianeira - em 2017 reuniram-se 300 mil pessoas.[28] A importância da Diocese de Santa Maria foi reconhecida pela Santa Sé, sendo esta elevada à condição de arquidiocese, em 2011.[29]

No entanto, nos últimos anos houve um considerável crescimento do número de protestantes no município, tanto do ramo tradicional, tendo destaque para a comunidade luterana, batista, metodista e anglicana (sede da Diocese Anglicana Sul-Ocidental) e do ramo pentecostal, destacando-se a Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Assembleia de Deus, Igreja Deus é Amor, Igreja Internacional da Graça de Deus, entre outras. Há representação de Mórmons (A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias), Testemunhas de Jeová, Adventistas do Sétimo Dia, e da Ciência Cristã.

A doutrina espírita é difundida pelos centros espíritas ligados à Federação Espírita do Rio Grande do Sul e pela Aliança Espírita Santa-Mariense. Encontra-se na cidade a tradicional Sinagoga Yitzhak Rabin e um certo número de muçulmanos descendentes de imigrantes palestinos. Nas religiões orientais dá-se destaque para o budismo tibetano. A cidade possui ainda um número considerável de centros de cultos afro-brasileiros, em especial da Umbanda, tendo Santa Maria 3.500 centros de cultos africanos de portas abertas.

Imigração[editar | editar código-fonte]

Com relação à distribuição por nacionalidades, quase a totalidade da população de Santa Maria é brasileira. Dos 260 715 brasileiros, 260 558 eram natos, e 157 naturalizados. Segundo dados do Censo de 2010 somente 316 pessoas eram consideradas estrangeiras.[26]

Com relação ao estado de origem, 97,3% dos residentes (167 445 pessoas) nasceram no Estado do Rio Grande do Sul. Destes, 93 586 eram naturais do município. Isto significa que a imigração de Santa Maria procede de populações relativamente próximas, dentro do Estado, dado que somente 2,7% (7 101) não é natural do Rio Grande do Sul.[26]

Em 2010, era esperado um futuro incremento de população em Santa Maria proveniente do seu entorno mais próximo.[26]

Panorama da região central da cidade de Santa Maria a partir do Morro Itararé.


Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Pórtico de entrada da Universidade Federal de Santa Maria

Ensino inicial, fundamental e médio[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Santa Maria possuía 157 instituições de ensino inicial, fundamental ou médio, reunindo 56 014 alunos. Destes, 24 193 encontram-se nas 39 instituições estaduais, 18 642 nas municipais, e 13 179 nas particulares. A cidade conta ainda com três colégios técnicos com 2 829 alunos matriculados em 2011, e com 8 instituições de ensino técnico profissionalizante. Além destas, há ainda 907 alunos matriculados nos 2 colégios militares da cidade, e 262 alunos em duas instituições de ensino especial.[32] Dentre as instituições estaduais, a maior é a Escola Estadual Olavo Bilac,[32] a mais antiga das escolas públicas da cidade, fundada em 1901.[33] Os prédios atuais da escola foram erguidos na década de 30.[34]

Ensino superior[editar | editar código-fonte]

A cidade possui 8 instituições de ensino superior (IES),[35] sendo a maior delas a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), fundada em 1960 por José Mariano da Rocha Filho[36] e que abrigava, em 2017, cerca de 29 mil estudantes.[37] Outras IES incluem a Universidade Franciscana (UFN), segunda maior da cidade, a Faculdade Integrada de Santa Maria (FISMA), a Faculdade Interativa COC, uma unidade da Universidade Luterana do Brasil, a Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES), a Faculdade Palotina de Santa Maria (FAPAS), a Faculdade de Direito de Santa Maria (FADISMA), CESUMAR EAD e uma unidade da Universidade LA SALLE EAD. Em municípios vizinhos, estão entre as IES a Antonio Meneghetti Faculdade (AMF), situada em área de litígio entre Restinga Seca e São João do Polêsine, há 5 km do bairro da Palma, limite leste de Santa Maria.[38]

Ao todo, 2 384 professores lecionavam em 191 cursos de graduação, 178 de especialização, 32 de mestrado, e 12 de doutorado em 2013. No mesmo ano estavam presentes na cidade 377 grupos de pesquisa espalhados em 714 laboratórios, a maioria deles na UFSM e na UFN. Haviam ainda 13 empresas juniores e 10 grupos de PET. O acervo de livros das bibliotecas das instituições era de 896 073 em 2013.[35]

Ciência[editar | editar código-fonte]

A cidade de Santa Maria conta com o Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O centro realiza pesquisas nas áreas de geoprocessamentos, astronomia, oceanográfica, inclusive antártica e juntamente com a Defesa Civil realiza trabalhos sobre Desastres Naturais.[39] As pesquisas na área de Meteorologia são realizadas através de um convênio com a Universidade Federal de Santa Maria pelos docentes e alunos do Curso de Meteorologia desta Universidade, sendo as principais áreas de estudo de escala sinótica e previsão do tempo, meteorologia de mesoescala e tempestades severas, clima regional e micrometeorologia.[40]

Paleontologia[editar | editar código-fonte]

Santa Maria (Rio Grande do Sul) (Sítios Paleontológicos de Santa Maria)
Red pog.svg
1
Red pog.svg
2
Red pog.svg
3
Red pog.svg
4
Red pog.svg
5
Red pog.svg
6
Red pog.svg
7
Red pog.svg
8
Red pog.svg
9
Red pog.svg
10
Red pog.svg
11
Red pog.svg
12
Red pog.svg
13
Red pog.svg
14
Red pog.svg
15
Red pog.svg
16
Red pog.svg
17
Red pog.svg
18
Red pog.svg
19
Red pog.svg
20
Bandeira do Rio Grande do Sul.svg Sítios Paleontológicos de Santa Maria:

1)Arroio Cancela. 2)Cabeceira do Raimundo. 3)Arroio Passo das Tropas. 4)Olaria Campus UFSM. 5)Colégio Militar. 6)Largo Padre Cargnin. 7)Cerrito I. 8)Cerrito II. 9)Cerrito III. 10)Sanga da Alemoa. 11)Jazigo 5. 12)Sanga do Armário. 13)Vila dos Sargentos. 14)Cidade dos Meninos. 15)Vila Kennedy. 16)Vila Caturrita. 17)Bela Vista. 18)Jardim Berleze. 19)Esc. Xavier da Rocha. 20)Silva Jardim.

Filhote de exaeretodon coletado por Sergio Kaminski no Sítio Paleontológico Arroio Cancela

A cidade é o berço da paleontologia no Rio Grande do Sul e no Brasil. Os Sítios Paleontológicos de Santa Maria são internacionalmente conhecidos.[41] Em 1902, foi coletado um Rincossauro em Santa Maria que viria a ser o primeiro fóssil da América do Sul. O paleontólogo Llewellyn Ivor Price é natural de Santa Maria e foi um dos primeiros paleontólogos do Brasil. Price coletou o estauricossauro, o primeiro dinossauro brasileiro.[42] A cidade está sobre um enorme depósito de fósseis. Possui mais de vinte sítios paleontológicos.[43]

Em outubro de 2009, começou a distribuição gratuita de mil exemplares do livro "Vertebrados Fósseis de Santa Maria e Região". O livro será entregue a instituições, escolas e bibliotecas de Santa Maria, com a finalidade de difundir o ensino deste assunto na região. O livro foi publicado pela câmara de vereadores da cidade.[44]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Dentre os museus e outros espaços de memória estão:

  1. Museu Comunitário Treze de Maio
  2. Museu Vicente Pallotti
  3. Museu Ferroviário de Santa Maria
  4. Museu Sacro de Santa Maria
  5. Museu Mallet
  6. Museu de Astronomia - Planetário
  7. Museu Histórico-Cultural das Irmãs Franciscanas
  8. Museu de Arte de Santa Maria
  9. Museu Educativo Gama D'Eça
  10. Acervo Histórico do I.E.E. Olavo Bilac
  11. Casa de Memória Edmundo Cardoso
  12. Casa-Museu João Luiz Pozzobon
  13. Centro Histórico Coronel Pillar
  14. Memorial de Imigração e cultura Japonesa do Rio Grande do Sul
  15. Memorial do Colégio Manoel Ribas

Mídia[editar | editar código-fonte]

Santa Maria é sede de dois canais de televisão que transmitem programação local (RBS TV Santa Maria (Afiliada á Rede Globo) e TV Pampa Centro (Afiliada á Rede TV!), além de estações retransmissoras da RecordTV RS, TV Bandeirantes Porto Alegre, SBT RS e TVE RS (Afiliada à TV Brasil e TV Cultura), cujo sinal vêm diretamente de Porto Alegre. Possui também um jornal de circulação regional, o Diário de Santa Maria, tendo possuído outro até 2017, A Razão, e várias estações de rádio, como a Santamariense, Imembuí, Guarathan, Universidade, Medianeira, Medianeira FM, Atlântida FM, Rádio Gaúcha e também da rádio de ondas curtas Trans Mundial, que transmite para todo o Brasil a partir de estúdios na cidade de São Paulo.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O Esporte Clube Internacional de Santa Maria surgiu da ideia de se criar um clube de futebol que pudesse fazer frente ao Riograndense Futebol Clube, que, na época, era uma potência com reconhecimento em toda a região e no Estado, e que representava a comunidade ferroviária da cidade. Nascia assim, a rivalidade das duas torcidas e o clássico Rio-Nal. O mascote do Riograndense Futebol Clube é o Periquito e o Esporte Clube Internacional de Santa Maria possui o "Dinorubro", em homenagem ao primeiro dinossauro brasileiro, que foi encontrado na cidade. Existiu um terceiro clube na cidade, o Guarany Atlântico, clube de origem ferroviária como o Riograndense que foi fundado em 1933 e que foi extinto no início da década de 1970.

Unidades Militares[editar | editar código-fonte]

Energia[editar | editar código-fonte]

Santa Maria, conta com duas subestações de distribuição de energia, SE Santa Maria 1 na tensão 138kV e SE Santa Maria 3 em 230kV. As linhas de transmissão que abastecem a cidade são Dona Francisca - SE Santa Maria 3 - SE São Vicente e SE Jacuí - SE Santa Maria 1 - SE Alegrete.[45] As linhas de transmissão são da CEEE e a distribuição é feita pela RGE Sul. A capacidade de distribuição da SE Santa Maria 3 será aumentada em 166MVA, através de leilão da ANEEL.[46][47] A SE Santa Maria 1 foi reformada em 2014 pela CCEE[48] A SE Santa Maria 3 será ligada à SE Livramento 3 em 2015[49] Além da AES Sul há outras distribuidoras de energia com menor expressividade no município.

Política e administração[editar | editar código-fonte]

Desde 1889, a cidade era governada por intendentes - membros da comissão Intendencial de Santa Maria nomeados pelo governo do Estado - até a primeira prefeitura, de Manuel Ribas em 1930, após a Revolução de 1930. Desde então, foram eleitos 16 intendentes e 25 prefeitos, Manuel Ribas o único a atuar como ambos.[50] Na legislatura 2016-2020, o prefeito é Jorge Pozzobom, eleito com uma margem de pouco mais de duzentos votos.[51] Já a câmara de vereadores teve sua primeira eleição em em 15 de abril de 1858, e os eleitos assumiram o cargo dia 17 de maio do mesmo ano.[52]

Cidades Irmãs[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Santa Maria (Rio Grande do Sul)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage



Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b c «Estimativa populacional 2017 IBGE». Consultado em 11 de Janeiro de 2018 
  4. «Ranking IDHM Municípios 2000». Consultado em 5 de abril de 2016 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. HJOBRASIL. História da cidade de Santa Maria. Disponível em http://www.hjobrasil.com/ordem.asp?secao=3&categoria=699&subcategoria=1366&id=4992. Acesso em 7 de fevereiro de 2013.
  7. a b c d e f g Enciclopédia dos Municípios Brasileiros - Municípios do Estado do Rio Grande do Sul (PDF). [S.l.]: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1959. pp. 175–184 
  8. PORTO, Aurélio. O Trabalho alemão no Rio Grande do Sul, Graf, Santa Terezinha, Porto Alegre, 1934, p.138.
  9. «UFSM em Números». Consultado em 24 de julho de 2018 
  10. «Santa Maria é a Cidade Cultura?». A Razão. 16 de maio de 2015. 10 
  11. «Santa Maria, o Coração do Rio Grande do Sul». Governo do Brasil. 21 de fevereiro de 2014. Devido a sua localização geográfica, Santa Maria também é conhecida como o município coração do Rio Grande. 
  12. TRUDA, F. G1-Rio Grande do Sul. Bombeiros prestam depoimento sobre incêndio em Santa Maria. Disponível em http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2013/02/bombeiros-prestam-depoimento-sobre-incendio-em-santa-maria.html. Acesso em 7 de fevereiro de 2013.
  13. «PMSM - Prefeitura assina convênio para Trem Turístico e dá grande passo para se tornar polo turístico». www.santamaria.rs.gov.br 
  14. «Santa Maria/RS – Dada partida para trem turístico» 
  15. «Santa Maria tem tradição militar; conheça a história da cidade». Fantástico. 27 de janeiro de 2013 
  16. «Vento de mais de 100km/h provoca estragos em Santa Maria». ClicRBS. 16 de agosto de 2011 
  17. «Rio Grande do Norte». Embrapa. 2000. Consultado em 27 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011 
  18. «Mapa do Município» (PDF). Instituto de Planejamento de Santa Maria. 2016 
  19. a b «Mapa Urbano Base» (PDF). Instituto de Planejamento de Santa Maria. 2016 
  20. «Lei Orgânica do Município» (PDF). Prefeitura Municipal de Santa Maria. 2004. Art. 103 
  21. a b c «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 17 de maio de 2018 
  22. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (ºC) - Santa Maria». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  23. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (ºC) - Santa Maria». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  24. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Santa Maria». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  25. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Santa Maria». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  26. a b c d Prefeitura Municipal de Santa Maria, Escritório da Cidade. Censo 2010.
  27. «População residente por religião». IBGE. Consultado em 24 de julho de 2018 
  28. Gabriela Fogliarini (12 de novembro de 2017). «Milhares de fiéis participam da romaria de Nossa Senhora Medianeira em Santa Maria». G1 
  29. Dom Canísio Klaus (15 de abril de 2011). «Nova Província Eclesiástica: Arquidiocese de Santa Maria». Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Na manhã do dia 13 de abril, Bento XVI publicou o Decreto de criação de três novas arquidioceses no Rio Grande do Sul, todas elas desmembradas da Arquidiocese de Porto Alegre. Uma destas arquidioceses é Santa Maria, da qual Santa Cruz passa a fazer parte. 
  30. IBGE. Censo demográfico de 2010. Acessado em 28 de novembro de 2012.
  31. Santa Maria. Livro guia de utilidade pública. Edição especial do sesquicentenário de Santa Maria. 42ª edição.
  32. a b «Instituições de Ensino Inicial, Fundamental e Médio». Santa Maria em Dados 
  33. Luiz Fernando Zanoello; Marco Aurélio Acosta (Setembro de 2010). A trajetória da educação física do instituto estadual de educação Olavo Bilac. Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte V ed. Itajaí 
  34. Luiza Segabinazzi Pacheco (2011). Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac - 110 Anos Preservação e Historicidade (PDF) (Dissertação). Santa Maria: Universidade federal de Santa Maria 
  35. a b «Instituições de Ensino Superior». Santa Maria em Dados 
  36. Eugenia Mariano da Rocha; Maria Izabel Mariano da Rocha. «Mariano da Rocha - Vida e Obra». Universidade Federal de Santa Maria 
  37. «UFSM em Números». Universidade Federal de Santa Maria. Cópia arquivada em 24 de Dezembro de 2017 
  38. Ministério da Educação. «Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados». Consultado em 10 de abril de 2013 
  39. «Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais» 
  40. «Curso de Meteorologia da UFSM» 
  41. «Conheça a rota paleontológica do Rio Grande do Sul». Governo do Brasil. 15 de dezembro de 2014. [...] foi descoberto em Santa Maria no ano de 1902. Desde então, a região atrai grande atenção de paleontólogos do mundo inteiro. 
  42. «Llewellyn Ivor Price». CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Cópia arquivada em 24 de julho de 2018 
  43. «Rota Paleontológica» (PDF). Secretaria Municipal de Turismo 
  44. «Vertebrados Fósseis de Santa Maria e Região.» 
  45. «CEEE - Companhia Estadual de Energia Elétrica - Rio Grande do Sul /». www.ceee.com.br 
  46. http://www.aneel.gov.br/area.cfm?idArea=54
  47. «EUA pedem para Síria e Irã cessarem apoio ao Hezbollah - Internacional - Estadão» 
  48. «Diário de Santa Maria». Diário de Santa Maria 
  49. http://www.aneel.gov.br/area.cfm?idArea=54&idPerfil=5&idiomaAtual=0
  50. «1) Aspectos Gerais - 1.3) História do Município - Santa Maria em Dados» 
  51. «Por 226 votos, Pozzobom, do PSDB, é eleito prefeito de Santa Maria». G1. 30 de outubro de 2016 
  52. «História». Câmara Municipal de Vereadores de Santa Maria. 27 de maio de 2016 
  53. a b c d e f g h i j k l «Lei Municipal 5737/2012». Consultado em 15 de Janeiro de 2018 
  54. «Lei Municipal nº 6195/2018». Consultado em 15 de Janeiro de 2018 
  55. «Lei Municipal 5895/2014». Consultado em 15 de Janeiro de 2018 
  56. «Lei Municipal 5896/2014». Consultado em 15 de Janeiro de 2018 
  57. a b «Lei Municipal 5768/2013». Consultado em 15 de Janeiro de 2018