Venâncio Aires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o jornalista brasileiro, veja Venâncio de Oliveira Aires.
Município de Venâncio Aires
"Capital Nacional do Chimarrão"
Igreja Matriz de São Sebastião Mártir

Igreja Matriz de São Sebastião Mártir
Bandeira de Venâncio Aires
Brasão de Venâncio Aires
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 11 de maio
Fundação 11 de maio de 1891 (127 anos)
Gentílico venancio-airense
Prefeito(a) Giovane Wickert (PSB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Venâncio Aires
Localização de Venâncio Aires no Rio Grande do Sul
Venâncio Aires está localizado em: Brasil
Venâncio Aires
Localização de Venâncio Aires no Brasil
29° 36' 21" S 52° 11' 31" O29° 36' 21" S 52° 11' 31" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Oriental Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Santa Cruz do Sul IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Boqueirão do Leão, Santa Clara do Sul, Sério (N), Mato Leitão, Cruzeiro do Sul, Bom Retiro do Sul (L), General Câmara, Taquari, Passo do Sobrado, Vale Verde (S) e Santa Cruz do Sul (O)
Distância até a capital 130 km
Características geográficas
Área 773,239 km² [2]
População 69 859 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 90,35 hab./km²
Altitude 210 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,712 elevado PNUD/2013[4]
PIB R$ 1 197 002,789 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 17 829,52 IBGE/2008[5]

Venâncio Aires é um município brasileiro no centro do estado do Rio Grande do Sul. Emancipado de General Câmara em 1849 e instalado em 1891, seu nome é uma homenagem ao jornalista Venâncio de Oliveira Aires.

Em 2007 possuía 64 524 habitantes, 59,11% destes na zona urbana e 40,89% na zona rural, sendo o 30° município mais populoso do Rio Grande do Sul. Fala-se lá tanto o português como o alemão, em especial o dialeto hunsrückisch. É considerada a "capital nacional do chimarrão", devido à sua produção de erva-mate, sendo também um dos maiores produtores de fumo do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A região de Venâncio Aires era habitada, no século XVI, por índios, principalmente nos vales dos rios e arroios.[6] Os primeiros registros escritos de povoamento da região onde está Venâncio Aires datam de 1762, com a compra de terras do posseiro Francisco Machado Fagundes da Silveira.

O município de Venâncio Aires intensificou sua povoação a partir de 1800, com a chegada e fixação dos açorianos às margens do Rio Taquari e do Arroio Castelhano. Os colonos açorianos dedicavam-se, primeiramente, à pecuária, à exploração de madeira e à produção de erva-mate.

Em 1849, o município de Taquari se emancipou de Triunfo, levando, consigo, General Câmara (na época, Santo Amaro) e Venâncio Aires, nomeado Faxinal dos Tamancos. Entre os anos de 1853 e 1856, os primeiros imigrantes alemães chegaram à região, dedicando-se à agricultura e localizando-se no vale do Arroio Sampaio. Santo Amaro conquistou autonomia de Taquari em 1881. O Arroio Castelhano ganhou sua primeira ponte em 1878, o que foi importante para o escoamento de produtos para a região.

Em 8 de maio de 1884, a localidade de Faxinal dos Tamancos alcançou sete mil habitantes e se elevou a "Freguesia de São Sebastião Mártir". Neste ano, também se iniciou a construção de uma capela para o santo padroeiro, São Sebastião.

"Ato nº 371 de 30 de abril de 1891, o vice Governador do Estado resolve elevar a villa, a Freguesia de São Sebastião Mártir a condição de Distrito do município de Santo Amaro, com a denominação de Venâncio Aires".

Através desta declaração do então governador do Rio Grande do Sul Fernando Abbott, de 30 de abril de 1891, surgiu o município de Venâncio Aires, ainda que sua sede fosse uma vila. O nome originou-se como homenagem ao jornalista Venâncio de Oliveira Aires, que foi do estado de São Paulo viver no Rio Grande do Sul. A vila elevou-se à cidade no dia 11 de maio de 1891.

Em 1913, começou-se o planejamento das ruas do centro da cidade, em linhas retas. Em 1920, a iluminação pública passou a ser com lâmpadas. Surgiram os primeiros telefones na cidade e a população atingia 17 mil habitantes. Em 1924, a sociedade já possuía 48 grupos alemães. Em 1934, os negros entraram na comunidade venancio-airense.

Entre 1940 e 1960, o Porto de Mariante, na localidade de Mariante, transformou Venâncio em um centro comercial, impulsionando a economia. Em 1968, alcançou a liderança na produção de fumo, com uma colheita de 7 400 toneladas. Na década de 1970, iniciou-se o processo de industrialização do município, com continuação na década de 1980, fazendo com que o município chegasse às primeiras posições no cenário econômico do Rio Grande do Sul nos anos 1990. Em 2005, com a crise no agronegócio e prejuízos com a produção de erva-mate e fumo, foi feito o Seminário do Plano de Desenvolvimento Estratégico - Venâncio 2020, onde foram tracejadas as próximas metas para o desenvolvimento da cidade.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se na Mesorregião do Centro Oriental Rio-Grandense e na Microrregião de Santa Cruz do Sul, estando entre o Vale do Rio Pardo e o Vale do Taquari, pertencendo ao Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Rio Pardo[8] e à Diocese de Santa Cruz do Sul.

Atinge uma altitude média de 210 metros ao nível do mar. Encontra-se às margens da rodovia RSC-287 e distancia-se 130 quilômetros da capital estadual, Porto Alegre. Em 2007, possui uma população de 64.524 habitantes.[9]

Venâncio Aires ostenta o título de "Capital Nacional do Chimarrão".[10] Em comemoração a isso, a cidade sedia a Festa Nacional do Chimarrão (Fenachim), uma das mais completas do Rio Grande do Sul.[11] O município também foi durante muitos anos o maior produtor de fumo do Brasil,[12][13] mesmo que a "Capital Nacional do Fumo" seja a cidade vizinha de Santa Cruz do Sul.[14][15][16]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Locais de votação[17]
Zonas Locais Seções
1 91 172

A população total do município, segundo os Dados Preliminares do Censo 2007 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 64 524 habitantes, sendo o 30° município mais populoso do Rio Grande do Sul, apresentando uma densidade populacional de 83,4 habitantes por quilômetro quadrado. A população urbana, em 2006, representa 59,11% e a população rural corresponde a 40,89%.[18] O sexo feminino representa 50,13% da população, enquanto o sexo masculino corresponde a 49,87%[19] (na zona urbana o sexo feminino possui uma vantagem de 51,49% contra 48,51% da masculina; na zona rural, 51,84% da população sendo homens e 48,16% sendo mulheres), de modo que a população estimada neste ano era de 67.373 habitantes.

A parte urbana do município tem habitantes de etnia alemã, italiana, lusa, e afrodescendente. Já na região sul e sudeste é predominante a população lusa, e no oeste e no norte a população teutônica.[20]

O coeficiente de Gini, cálculo realizado para medir a desigualdade social, é de 0,48, visto que a mais imperfeita é um e a mais perfeita é zero. A taxa de fecundidade é de 2,0 filhos por mulher. A expectativa de vida é de 72,7 anos e o analfabetismo é de 7,1% entre a população. A mortalidade infantil apresenta um coeficiente de 15,5 mortes por mil recém-nascidos.[18]

Evolução no índice do ICMS[21]
Ano Índice
1999 0,627584
2000 0,678857
2001 0,685720
2002 0,644648
2003 0,668946
2004 0,704823

Venâncio apresenta um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) educacional de 0,884, considerado elevado. Com um IDH de 0,795, a saúde é nomeada média. A renda per capita, com um índice de desenvolvimento humano de 0,701 - médio. O índice de desenvolvimento humano geral do município é de 0,793 - médio - e está na posição 199ª no ranking de desenvolvimento humano do Rio Grande do Sul e 715ª no cenário brasileiro.

Quanto aos índices residenciais, o número total de residências é de 20 500. A rede de esgoto possui 180 quilômetros; a de água, 14 421; a rede de resíduos atende 22 158 domicílios e a de luz elétrica, 19 747 residências. Existem 8 073 telefones fixos instalados e 196 telefones públicos, chamados popularmente de orelhões.[22] Venâncio possui uma frota de 14 232 automóveis, 7.789 motocicletas, 1.004 caminhões, 661 caminhonetas, 54 micro-ônibus, 1 061 reboques, 167 ônibus e 18 tratores de rodas.[23]

Religião[editar | editar código-fonte]

Dentre os primeiros imigrantes, a maioria era católico ou luterano, sendo a relação entre estes harmoniosa, com locais de oração em comum. Todavia, a partir do final do século XIX, devido a uma campanha de doutrinação mais forte, separavam-se em locais distintos.[20]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Como outros municípios das chamadas Colônias Velhas (die Altkolonie) que formam as zonas de colonização alemã do estado do Rio Grande do Sul, uma porção significante da população de Venâncio Aires é bilíngue. Desde a sua fundação em tempos pioneiros, fala-se tanto a língua nacional, o português, quanto o dialeto alemão Riograndenser Hunsrückisch neste município, sendo que a vasta maioria de falantes teutófonos do estado fala esta variedade linguística regional.

Em 2012, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul declarou o Riograndenser Hunsrückisch patrimônio linguístico e bem cultural imaterial do Rio Grande do Sul.[24]

Símbolos oficiais[editar | editar código-fonte]

O Brasão de Venâncio Aires se caracteriza por ser um escudo talhado azul, representando a tranquilidade, uma coroa de torres na parte superior, uma cuia simbolizando o chimarrão, as mãos unidas significando a fraternidade, dois ramos de fumo em cada lateral e na parte inferior uma faixa dourada com o nome e a data de emancipação do município. A Bandeira de Venâncio Aires tem como característica o fundo branco simbolizando a paz e o tradicional brasão venancio-airense aplicado no centro. O Hino de Venâncio Aires possui letra e música de Sélita Dalmás.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

O município está às margens da rodovia RSC-287, com o qual se conecta com sua cidade polo, Santa Cruz do Sul, com a RSC-453, que liga-se com Lajeado e com a RSC-422, para Soledade. A sua Estação Rodoviária é o principal ponto de transporte de passageiros para outras localidades do Rio Grande do Sul e do Brasil.

O Aeroporto de Venâncio Aires possuía uma pista pavimentada de 1 200 metros e podia receber aviões de médio porte. Atualmente, um condomínio ocupa o lugar ao aeroporto.[25]

As águas do rio Taquari são navegáveis, sendo que, antigamente, havia o porto de Mariante. Atualmente, tal porto está desativado.

Esporte e lazer[editar | editar código-fonte]

Na atualidade, o principal destaque esportivo é a Assoeva (Associação Esportiva de Venâncio Aires), que, atualmente, disputa a Liga Nacional de Futsal, a principal competição do salonismo brasileiro. A equipe também é a atual vice-campeã nacional da LNF (Liga Nacional de Futsal) e campeã da Liga Gaúcha de Futsal Serie Ouro.

No futebol de campo, o principal clube esportivo de Venâncio Aires é o Esporte Clube Guarani, que, atualmente, disputa a segunda divisão gaúcha. No clube, surgiram o técnico Mano Menezes e o zagueiro Bolívar.

O Município ainda conta com um time de futebol americano: O Bulldogs FA. O time comandado pelo Head Coach Miguel Greiner sagrou-se campeão da II Copa RS organizada pela Federação Gaúcha de Futebol Americano, realizada no segundo semestre de 2017.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Dentre as rotas turísticas e pontos de lazer do município estão a Rota do Chimarrão, que percorre locais de produção e comércio de erva mate, além de igrejas fundadas no início do século XX. A dez quilômetros da cidade localiza-se a Cascata Chuveirão, cena do filme A Paixão de Jacobina, com local para camping e de propriedade de um morador local. No distrito de Vila Deodoro, há o Mirante Lauro Erdmann, e uma figueira de aproximadamente 300 anos e que ocupa uma área de 500m2 que atrai alguns visitantes.[26]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Venâncio Aires

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Rio Grande do Sul » Venâncio Aires » índice de desenvolvimento humano municipal - idhm». Atlas Brasil 2013 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2010. Consultado em 24 de abril de 2015 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. IBGE. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?codmun=432260. Acesso em 8 de março de 2016.
  7. «Histórico do município.» 
  8. «Fundação de Economia e Estatística.» 
  9. Dados preliminares da contagem da população - Censo 2007.
  10. «Conhecido como Capital Nacional do Chimarrão, Venâncio Aires (RS) é o maior produtor de tabaco do país». Canal Rural 
  11. «Sobre a Fenachim.» 
  12. «IBGE - Notícias.» 
  13. «Venâncio Aires deixa de ser o maior produtor de tabaco». Olá Jornal. 25 de Janeiro de 2017 
  14. «Uma terra para servir de modelo». Editora Gazeta 
  15. «Cidade gaúcha é capital do fumo no Brasil». Folha de S.Paulo 
  16. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros - Municípios do Estado do Rio Grande do Sul (PDF). [S.l.]: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1959. pp. 167–171 
  17. «Guia do Eleitor» 
  18. a b Atlas do Desenvolvimento Humano/PNUD.
  19. «Perfil de Venâncio Aires.» 
  20. a b Angélica Prediger (2016). A territorialização do alemão falando em comunidades de imigração boêmia no Brasil (Tese). Porto Alegre: Cadernos do IL. pp. 339–360 
  21. «Perfil econômico de Venâncio Aires.» 
  22. «Perfil de Venâncio Aires.» 
  23. «IBGE - Cidades.» 
  24. «Texto da Norma». www.al.rs.gov.br 
  25. «Município divulga lista dos 224 contemplados com apartamentos no condomínio Altos da Aviação - PMVA» 
  26. Natany Borges (20 de Janeiro de 2018). «Os roteiros turísticos da zona rural de Venâncio Aires». Gazeta do Sul. Cópia arquivada em 20 de Janeiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]