Taquari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o rio, veja Rio Taquari (Rio Grande do Sul).
Município de Taquari
"Taquari, Terra da Laranja"
Lagoa Armênia

Lagoa Armênia
Bandeira de Taquari
Brasão de Taquari
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de julho
Fundação 1849 (168 anos)
Gentílico taquariense
Lema "Viver bem é viver em Taquari"
CEP 95860-000
Prefeito(a) Emanuel Hassen de Jesus (PT)
(2017–2020)
Localização
Localização de Taquari
Localização de Taquari no Rio Grande do Sul
Taquari está localizado em: Brasil
Taquari
Localização de Taquari no Brasil
29° 48' 00" S 51° 51' 35" O29° 48' 00" S 51° 51' 35" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Oriental Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Lajeado-Estrela IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes General Câmara, Tabaí, Bom Retiro do Sul, Paverama, Triunfo e Venâncio Aires
Distância até a capital 96 km
Características geográficas
Área 349,968 km² [2]
População 26 135 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 74,68 hab./km²
Altitude 54 m
Clima Subtropical Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,794 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 371 660,437 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 13 983,24 IBGE/2008[5]
Página oficial

Taquari é um município brasileiro da região central do estado do Rio Grande do Sul.

Pertence à Mesorregião do Centro Oriental Rio-Grandense e à Microrregião de Lajeado-Estrela. É a cidade mãe do Vale do Taquari, que é o terceiro vale mais fértil do mundo.

A cidade se constituiu com a chegada de casais açorianos, por volta de 1764, sendo uma das mais antigas do estado. Recebeu também grandes influências oriundas dos negros africanos, dos alemães, bem como dos italianos, além de outros povos e culturas, porém, em menor número.

Seus dois feriados municipais são 19 de março, dia de São José, padroeiro da cidade, e 4 de julho, o aniversário de emancipação da cidade, que realizou-se em 1849.

História[editar | editar código-fonte]

A existência histórica da cidade de Taquari vem de um desdobramento natural e de uma expansão dos primeiros núcleos de povoamento no Rio Grande do Sul. A região inicialmente era ocupada pela tribo indígena dos Patos, que compunham uma nação indígena poderosa, culturalmente pacíficos e industriosos.

Desde o início, a região se apresentou como um ponto de atração e interesse de ocupação, devido a sua localização e a fertilidade das terras -até hoje características notórias, visto que a região é a terceira mais fértil do mundo, como citado anteriormente.

Colonização[editar | editar código-fonte]

Em 1760, o governo português ordena a fundação de uma povoação no local. Havia um grande interesse dos portugueses em povoar e desenvolver essa região, pois no contexto histórico no qual se encontra a realização da ocupação, o Continente (como era chamado o Rio Grande do Sul naqueles tempos) passava por conflitos entre luso-brasileiros, castelhanos e indígenas. Taquari estava numa posição estratégica de defesa à capital, que até então era Viamão. Para que fosse realizada a defesa das terras luso-americanas (a partir da ocupação), a Coroa decide enviar os açorianos, habitantes do arquipélago português dos Açores, que receberam do governo total assistência, através da demarcação de terras e entrega de títulos de propriedade. É interessante ressaltar que naquela época Taquari fora a única ocupação açoriana a receber assistência, tamanha era a importância da demarcação de terras naquele momento conturbado da história sul-riograndense.

Apesar de não ser aceito por todos, Taquari pode sim ser considerada a primeira cidade açoriana do estado, pois os açorianos que aqui chegaram, fixaram-se e colonizaram a terra, enquanto os demais andavam por vários lugares, sem se fixarem em nenhum ponto.

Os primeiros povoadores instalaram-se por volta do ano de 1760, após. O principal ponto de instalação era o Passo do Rio Tibiquary. Segundo o historiador Otelo Rosa, o primeiro habitante de Taquari foi o Tenente Francisco da Silva.

Até hoje não se afirma com exatidão a data de Taquari. Entretanto, sabe-se que foi no ano de 1764, através de José Custódio de Sá e Faria, que era o então governador da Capitania de São Pedro do Rio Grande, quando foi criada a Freguesia de Taquari. O documento que comprova as benemerências da administração de José Custódio é uma certidão passada pelo Juiz-Presidente e mais oficiais da Câmara do Continente de São Pedro, instalada na Vila de Viamão (então capital da capitania).

Por volta de 1764, contabilizavam-se em Taquari 60 casais de açorianos, alojados às margens do Rio Tibiquary.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

A palavra "Taquari" é de origem indígena. Ela vem de tacuara (taquara) e y (água, rio). Portanto, Taquari significa "o rio das taquaras", pois nas margens do Rio Taquari havia muitas taquareiras (taquaras), as quais os índios chamavam de tibiquary.

Emancipação[editar | editar código-fonte]

A criação do município de Taquari se deu no dia 4 de julho de 1849, onde a então Freguesia de Taquari se desmembra do município de Triunfo, e é elevado a Vila.

Abaixo, vemos transcrita a Lei Provincial nº 160, assinada pelo então Presidente da Província de São Pedro do Rio Grande, Francisco José de Sousa, que determina a criação do Município de Taquari:

"O Tenente-General Francisco José de Sousa Soares de Andréa, Presidente da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, faço saber a todos os seus habitantes, que a Assembleia Legislativa Provincial decretou e eu sanciono a lei seguinte:

Art. I – Fica elevada à vila, a Freguesia de Taquari, tendo por limites, provisoriamente, os que lhe forem marcados pelo Presidente da Província.

Art. II – Ficam revogadas as disposições em contrário. Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimento e execução da referida lei pertencer, que cumpram e a façam cumprir, tão inteiramente como nela se contém.

O Secretário desta Província faça imprimir, publicar e corre.

Palácio do Governo, na real e valorosa cidade de Porto Alegre, aos 4 dias do mês de julho de 1849, vigésimo oitavo da Independência e do Império.

Francisco José de Sousa Soares de Andréa"

Segundo informações, em 1849, Taquari tinha uma população pouco superior aos 6.500 habitantes.

Em 7 de setembro do mesmo ano são feitas as primeiras eleições para Vereadores. A primeira Câmara de Vereadores foi formada por Antônio dos Santos Praia (vereador mais votado), Manoel Fernandes da Silva, Antônio Caetano Pereira, Antênio de Azambuja Vilanova, Américo de Azevedo Vilana e João Ferreira Brandão.

Municípios emancipados[editar | editar código-fonte]

O município de Taquari, após emancipar-se em 1849, se tornou um dos maiores do Rio Grande do Sul em relação a área territorial. Como consequência, muitos municípios surgiram a partir de Taquari, emancipados direta ou indiretamente. Entre eles, podemos citar:

  • Estrela, que se tornou colônia de Taquari em 1856, até sua emancipação em 1876. A partir de Estrela surgiram, entre outras, as cidades de Lajeado, Colinas, Roca Sales, Imigrante e Teutônia, que chegou a ser colônia de Taquari, em 1858.
  • General Câmara, que se emancipou de Taquari em 1881, com o nome de Santo Amaro (usado até 1939). A partir de General Câmara surgiu a cidade de Venâncio Aires.
  • Bom Retiro do Sul, que se tornou distrito de Taquari em 1895, até sua emancipação em 1959. A partir de Bom Retiro do Sul surgiu a cidade de Fazenda Vilanova.
  • Paverama, que se tornou distrito de Taquari em 1958, até sua emancipação, em 1988.
  • Tabaí, que se emancipou de Taquari em 1995.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Está em uma latitude de 29°48'0"S e uma longitude de 51°51'35"W

Taquari é uma cidade localizada em área plana, com altitude média de apenas 54 metros. Entretanto, vale destacar algumas colinas:

  • Morro do Carapuça - Morro Pelado
  • Morro dos Garcia
  • Morro dos Kern

Bairros e localidades[editar | editar código-fonte]

  • Amoras[6]. O distrito possui cerca de 2 200 habitantes e está situado na região norte do município [7].
  • Sede ou Taquari[6]. O distrito possui cerca de 23 600 habitantes e está situado na região sul do município [8].

Política[editar | editar código-fonte]

Câmara municipal[editar | editar código-fonte]

Os vereadores eleitos nas eleições de 2012 (por ordem de votação), para o mandato 2013-2016 são:

  • Ademir Bica Fagundes - PDT;
  • Vânius Viana Nogueira - PDT;
  • Luis Henrique Quadros Porto - PT;
  • Paulo Cesar Nunes Garcia - PMDB;
  • Joao Batista Bastos Pereira - PSDB;
  • Rene D'Avila Marques - PSDB;
  • Ramon Kern de Jesus - PSD;
  • Leandro da Rosa - PT;
  • Aldo Gregory - PDT;

Prefeitura[editar | editar código-fonte]

Ver também: [[Prefeitos de Taquari]]
Lista parcial de prefeitos eleitos de Taquari
  • Celso Luiz Martins - PSDB (1989-1992)
  • Renato Baptista dos Santos - PP (1993-1996)
  • Namir Luiz Jantsch - PMDB (1997-2000)
  • Cláudio Laurindo dos Reis Martins - PSDB (2001-2005)
  • Renato Baptista dos Santos - PP (2006-2008)
  • Ivo dos Santos Lautert - PDT (2009-2012)
  • Emanuel Hassen de Jesus - PT (2013-2016)
  • Emanuel Hassen de Jesus - PT (2017-atualidade)

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte rodoviário[editar | editar código-fonte]

Trevo de Taquari

A cidade de Taquari possui como rodovia principal de acesso a RS 436, conhecida como Rodovia Aleixo Rocha da Silva. Foi inaugurada em 1969 pelo presidente Costa e Silva (cuja rodovia recebeu o nome de seu pai, Aleixo Rocha da Silva), possui ainda o acesso por Balsa pelo Rio Taquari, divisa com o município de General Camara. Possui um trecho urbano de aproximadamente 1 km, com uma ótima pista duplicada. Porém na área rural ainda possui cerca de 12 km de pista comum, recentemente restaurada.

O acesso à Rodovia Aleixo Rocha da Silva é feito pela RSC 287, que percorre desde o município de Tabaí até Santa Maria, passando por Santa Cruz do Sul. Essa ligação é feita através de um trevo - recentemente remodelado -, das quais possui na entrada de Taquari um belo pórtico, em forma de um arco todo ornamentado, tendo de um lado favo de mel e do outro uma laranja.

Transporte hidroviário[editar | editar código-fonte]

Quanto ao transporte hidroviário, Taquari é uma cidade privilegiada, pois possui o trecho mais navegável do Rio Taquari, de 31 km de extensão, até a foz, no Rio Jacuí (na cidade de Triunfo). Esse trecho, com 3,5 metros de profundidade em 90% do percurso, é navegável durante todo o ano.

Além disso, existe também uma barca que realiza diariamente a ligação entre os municípios de Taquari e General Câmara.

Por causa desse privilégio, a cidade de Taquari é a sede do estaleiro da ‘’’Navegação Aliança’’’, subsidiária da Trevisa Investimentos. A Navegação Aliança é um dos maiores fabricantes de barcos, e é possuidor da maior frota de barcos da Bacia do Sudeste, com uma frota de 16 barcos.

Transporte coletivo[editar | editar código-fonte]

O transporte coletivo urbano de Taquari é realizado pela Auto Viação Tibiquari, que possui duas linhas: a primeira ligando os bairros Rincão São José e Praia, passando pelo Centro; a segunda, circular, percorrendo a região leste da cidade, nos bairros Léo Alvim Faller, Parque do Meio, Prado, Coqueiros e Passo da Aldeia, passando pelo Centro.

O transporte coletivo intermunicipal é realizado principalmente pela Fátima Transportes e Turismo, importante empresa de ônibus da região, fazendo ligações rodoviárias das cidades de Taquari, Triunfo, Tabaí e Paverama, para cidades como Porto Alegre, São Leopoldo, Montenegro, Lajeado, Estrela, Bom Retiro do Sul, entre outras. A empresa também faz algumas rotas circulares no centro, bem como linhas pro interior da cidade e localidades adjacentes. No ano de 2011 foi adquirida pela Turis Silva Transportes e, desde então, tem tido a sua frota renovada e ampliada, e sua administração evoluída.

Religiosidade[editar | editar código-fonte]

A população taquariense é muito religiosa, demonstrando grande fé em seus respectivos credos. Por isso, esse assunto necessita de um capítulo a parte.

A população taquariense é predominantemente cristã, sendo boa parte católica ou protestante, além de espíritas kardecistas, umbandistas, etc.

Católicos[editar | editar código-fonte]

A fé católica ainda é a de maior concentração em Taquari. Podemos destacar:

Como dito anteriormente, São José é considerado o padroeiro de Taquari, visto que os primeiros açorianos, após fundarem a paróquia, receberam uma imagem de madeira do santo, doada pela Coroa Portuguesa. Hoje, a Igreja Matriz São José se localiza no coração da cidade. Construída em estilo barroco, demonstrando o destaque que a arquitetura taquariense possui, ela guarda no seu interior a imagem bi-centenária de São José.

Entre 10 e 19 de março é realizada a Festa de São José, organizada pela comunidade paroquial, com a participação de muitos católicos. A visita do estandarte às residências ainda se mantém, mesmo em menor número. É nessa época que o número de fiéis aumenta - muitas vezes sem a possibilidade de comportar a quantidade de pessoas que comparecem.

Se tornou importante na fé católica taquariense, desde 1988, quando duas crianças dizem ter visto a santa, na localidade do Rincão São José. Esse foi um fato marcante, visto que desde esse ano é realizada a Romaria de Nossa Senhora da Assunção, em um percurso de aproximadamente 3 km, até o Santuário da Assunção, um dos maiores templos católicos do estado. O evento, que acontece sempre no terceiro domingo de agosto, reúne milhares de pessoas, tanto taquarienses como visitantes de outras cidades.

Taquari é uma cidade conhecida também por seu turismo religioso, desde os anos 1990. a Festa de São José e a Romaria de Nossa Senhora do Assunção são os principais eventos - ambos com um grande envolvimento da comunidade.

Também podemos citar a Encenação da Via-Sacra, que é realizado desde 1977, por um grupo de teatro ligado à Igreja Católica, e desde 1998 faz parte do Calendário de Eventos do Estado. Nas ocasiões de Corpus Christi é realizado, junto das escolas do município, a montagem dos famosos Tapetes de Corpus Christi.

Evangélicos[editar | editar código-fonte]

Com grande crescimento nos últimos anos, o número de evangélicos aumentou consideravelmente em Taquari. Atualmente, cerca de 20% da população frequenta uma das igrejas da cidade:

Outros grupos religiosos[editar | editar código-fonte]

Cultura e Turismo[editar | editar código-fonte]

Em todos os seus 168 anos de história, a cultura sempre marcou a cidade de Taquari. Uma cidade conhecida pelos seus eventos culturais, onde podemos citar o carnaval de Taquari, que por muitos anos era destaque no carnaval gaúcho.

Taquari é considerada a capital da laranja, do limão, do mel e da madeira; é, atualmente, considerada o polo madeireiro do estado.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade integra a Rota Turística Vales e Montanhas, mais precisamente a Rota Vale do Taquari.

  • Lagoa Armênia

Taquari possui um dos mais belos cartões-postais de qualquer cidade: a Lagoa Armênia. Totalmente arborizada e com uma grande infra-estrutura, a lagoa é um ponto de encontro nos fins de tarde e nos finais de semana, para um chimarrão ou para passear com a família. No mês de dezembro, torna-se o local do maior evento da cidade: o Natal Açoriano em Terra Gaúcha.

  • Camping Municipal

Na encosta do Rio Taquari, essa área de lazer, dotada de regular infra-estrutura, recebe anualmente milhares de visitantes, tanto de Taquari como de outras cidades, para prestigiar o Rodeio Crioulo . Além disso, com sua bela área verde e com o belo Rio Taquari, é muito frequentada no verão, principalmente por banhistas.

Localiza-se na casa onde o antigo presidente Arthur da Costa e Silva e sua família moravam. É possível encontrar no museu pertences antigos da família, do próprio Presidente, bem como outras peças que fizeram parte desta micro-história brasileira e de Taquari.

  • Biblioteca Municipal

Localiza-se junto ao Museu Costa e Silva, citado acima.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Em termos de eventos anuais, Taquari possui lugar de destaque na região. O grande número e a qualidade dos mesmos faz com que Taquari tenha outro título: A Terra dos Eventos.

  • Rodeio Crioulo

Realizado no camping municipal (junto ao Rio Taquari), é promovido anualmente pelo Piquete Capitão Rodrigo, sempre no 2º final de semana de março. O evento atinge nível estadual.

  • Natal Açoriano em Terra Gaúcha

Sem dúvida, um dos mais belos eventos do Rio Grande do Sul. É realizado, desde 1992, do início de dezembro até o início de janeiro, com belíssimos eventos e grandes festas.

O destaque principal é para a Noite Principal, no terceiro sábado de dezembro. Às margens da Lagoa Armênia, é realizada uma encenação das origens das tradições gaúchas e açorianas, além do presépio vivo, pelo Grupo de Teatro do Instituto de Educação Pereira Coruja, pelo Grupo de Danças Raízes Latinas e Sul-Riograndenses e pelo Grupo de Danças Luso-Açorianas. Em dezembro 2015, uma das atrações foi o cantor e compositor Tonho Crocco.[9]

A noite também conta com um belo show pirotécnico, além de um grande show de música, como Família Lima Hugo e Tiago e Michel Teló, que já participaram do evento.

Carnaval[editar | editar código-fonte]

O carnaval taquariense já foi conhecido e admirado por todo o Rio Grande do Sul, com o título de melhor carnaval do Vale do Taquari e de melhor carnaval do interior. Fantasias produzidas pelos carnavalescos taquarienses já conquistaram vários prêmios no estado.

Os antigos carnavais de blocos, salões, cordões e rainhas são lembrados com saudade. Na história recente, destacamos as duas principais escolas de samba: Irmãos da Opa, fundada em 1957, e a Batutas da Orgia, fundada em 1964. Também há a presença de alguns clubes e blocos de carnaval, que desfilam juntamente das escolas de samba, além dos Bailes Carnavalescos, realizados em salões, como no Grêmio Recreativo Alvi-Negro.

Embora em decadência, o carnaval taquariense tenta se reerguer e voltar aos seus anos de glória no estado contando hoje com a presença das turmas ou blocos de carnaval além das duas escolas da cidade.

Algumas turmas de carnaval da cidade:

  • Kbaços
  • Mutchatchos De La Ceva
  • Tribo do Trago
  • Kmaradas
  • Os Confirmados
  • Barraca Armada
  • KIosqueiros
  • Sequelados 777
  • G-Mex
  • Los Mangueiras

Tradicionalismo[editar | editar código-fonte]

As tradições gaúchas são preservadas com muito orgulho pela comunidade taquariense. As comemorações da semana farroupilha são momentos importantes no cultivo das tradições, para os CTGs, piquetes e outros grupos folclóricos.

O primeiro CTG taquariense foi o CTG Pelego Branco, fundado em junho de 1956.

Além do Pelego Branco, também podemos citar:

  • CTG Estância do Mangueirão
  • CTG David Canabarro - Grupo Folclórico David Canabarro
  • Piquete Capitão Rodrigo
  • Piquete Andarilho dos Pampas
  • Piquete Querência de Taquari
  • Piquete Querência de Amoras
  • Piquete "Os Nativos"

Futebol[editar | editar código-fonte]

Embora há vários anos o futebol profissional em Taquari tenha sido extinto, por muitos anos a cidade possuiu um representante nos campeonatos estaduais de futebol.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Os jornais de circulação em Taquari são O Fato Novo, O Açoriano e O Taquaryense.

O Jornal O Taquaryense[10] é o segundo jornal mais antigo do Rio Grande do Sul, com circulação desde 31 de julho de 1898. Até hoje ele circula, sendo ainda impresso de modo tipográfico, diferentemente da A Gazeta de Alegrete (o mais antigo do RS), em uma máquina adquirida do jornal Correio do Povo. Sua importância é muito grande,[11] pois o jornal noticiou desde a Abolição da Escravatura e a Proclamação da República, até os fatos atuais, passando pelas Guerras Mundiais, o Regime Militar no Brasil, Redemocratização, entre outros.

A cidade de Taquari possui três emissoras de rádio: a Rádio Açoriana AM 1560 , a Rádio Fraternidade 98,9 FM (ligada a Fundação Fraternidade)., e a mais nova Rádio Taquari FM 98,1.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «O histórico de Taquari» (PDF). Consultado em 08 de fevereiro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Censo Demográfico 2000». Consultado em 08 de fevereiro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Censo Demográfico 2000». Consultado em 08 de fevereiro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. Tonho Crocco resgata sucessos da Ultramen em show na Lagoa Armênia
  10. «O Taquaryense» 
  11. «História do "O Taquaryense"» 

Referências Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • BECKER, Augusto. Taquari, Terra da Gente. 1ª edição, Taquari, 2001.
  • BECKER, Augusto. Taquari, Terra da Gente. 2ª edição, Taquari, 2002.
  • CARMO, Bruna Alves do. (2008). Os primeiros vereadores de Taquari. Jornal O Açoriano. 10.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]