Saltar para o conteúdo

Avião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Avião

Airbus A380, o maior avião comercial do mundo
Classificação Aeronave
Indústria Aeronáutica
Aplicação Transporte aéreo
Fonte de energia Combustível para aviação
Automotor Sim
Inventor Irmãos Wright[1]
Inventado em 1903 (121 anos)
Exemplos Avião comercial, cargueiro, correio, militar, supersônico, etc

Um avião ou aeroplano é uma aeronave de asa fixa que é impulsionada pelo empuxo de um motor a jato, hélice ou motor de foguete. Os aviões vêm em uma variedade de tamanhos, formatos e configurações de asas. O amplo espectro de usos dos aviões inclui recreação, transporte de mercadorias e pessoas, militar e experimental.

Em todo o mundo, a aviação comercial transporta mais de quatro bilhões de passageiros anualmente em companhias aéreas[2] e transporta mais de 200 bilhões de toneladas-quilômetros de carga anualmente, o que representa menos de 1% do movimento de carga mundial.[3] A maioria dos aviões é pilotada por um piloto a bordo da aeronave, mas alguns são projetados para serem controlados remotamente ou por computador, como os drones.

Os irmãos Wright inventaram e pilotaram o primeiro avião em 1903, reconhecido como "o primeiro vôo sustentado e controlado com motor mais pesado que o ar".[1] Eles se basearam nas obras de George Cayley datadas de 1799, quando ele estabeleceu o conceito do avião moderno (e mais tarde construiu e voou modelos e planadores de transporte de passageiros de sucesso)[4] e no trabalho do pioneiro alemão da aviação humana Otto Lilienthal, que, entre 1867 e 1896, também estudou voos mais pesados ​​que o ar. As tentativas de voo de Lilienthal em 1891 são vistas como o início do voo humano.[5]

Após seu uso limitado na Primeira Guerra Mundial, a tecnologia aeronáutica continuou a se desenvolver. Os aviões estiveram presentes em todas as principais batalhas da Segunda Guerra Mundial. O primeiro avião a jato foi o alemão Heinkel He 178 em 1939. O primeiro avião a jato comercial, o de Havilland Comet, foi lançado em 1952. O Boeing 707, o primeiro jato comercial de grande sucesso, esteve em serviço comercial por mais de 50 anos, de 1958 a 2013.

A palavra deriva do francês aéroplane, que vem do grego ἀήρ (aēr), "ar"[6] e também Latim planus, "nível",[7] ou grego πλάνος (planos), "errante".[8][9] "Aéroplane" originalmente se referia apenas à asa, pois é um plano que se move no ar.[10]

Ver artigo principal: História da aviação

Muitas histórias da antiguidade envolvem voar, como a lenda grega de Ícaro e Dédalo, e a Vimana em antigos épicos indianos. Por volta de 400 a.C., na Grécia Antiga, Arquitas tinha a reputação de ter projetado e construído o primeiro dispositivo voador artificial e autopropelido, um modelo em forma de pássaro impulsionado por um jato do que provavelmente era vapor, que teria voado cerca de 200 metros de altura.[11][12] Esta máquina pode ter sido suspensa durante o seu voo.[13][14]

Algumas das primeiras tentativas registradas com planadores foram as do poeta andaluz e de língua árabe do século IX , Abas ibne Firnas, e do monge inglês do século XI, Eilmer de Malmesbury; ambos os experimentos feriram seus pilotos.[15] Leonardo da Vinci pesquisou o desenho das asas dos pássaros e projetou uma aeronave movida pelo homem em seu Códice sobre os Voos dos Pássaros (1502), observando pela primeira vez a distinção entre o centro de massa e o centro de pressão dos pássaros voadores.

Le Bris e seu planador, Albatros II, fotografado por Nadar, 1868
Otto Lilienthal em pleno voo, Berlim, c. 1895

Em 1799, o inglês George Cayley apresentou o conceito do avião moderno como uma máquina voadora de asa fixa com sistemas separados de sustentação, propulsão e controle.[16][17] Cayley estava construindo e pilotando modelos de aeronaves de asa fixa já em 1803 e construiu um planador para transporte de passageiros de sucesso em 1853.[4] Em 1856, o francês Jean-Marie Le Bris fez o primeiro voo motorizado, ao ter seu planador "L'Albatros artificiel" puxado por um cavalo na praia.[18] Depois, o russo Alexander F. Mozhaisky também fez alguns designs inovadores. Em 1883, o estadunidense John J. Montgomery fez um vôo controlado em planador.[19] Outros aviadores que realizaram voos semelhantes naquela época foram Otto Lilienthal, Percy Pilcher e Octave Chanute.

Sir Hiram Maxim construiu uma nave que pesava 3,5 toneladas, com 34 metros de envergadura e que era movida por dois motores a vapor de 360 cavalos (270 kW) acionando duas hélices. Em 1894, sua máquina foi testada com trilhos suspensos para evitar que subisse. O teste mostrou que ele tinha sustentação suficiente para decolar. A nave era incontrolável e presume-se que Maxim percebeu isso porque posteriormente abandonou o trabalho nela.[20]

Entre 1867 e 1896, o alemão pioneiro da aviação humana Otto Lilienthal desenvolveu voos mais pesados que o ar. Ele foi a primeira pessoa a fazer voos planados bem documentados, repetidos e bem-sucedidos. O trabalho de Lilienthal levou-o a desenvolver o conceito de asa moderna,[21][22] suas tentativas de voo em 1891 são vistas como o início do voo humano,[23] o "Lilienthal Normalsegelapparat" é considerado o primeiro avião em série a produção e seu trabalho inspiraram fortemente os irmãos Wright.[24]

Na década de 1890, Lawrence Hargrave conduziu pesquisas sobre estruturas de asas e desenvolveu uma pipa que levantava o peso de um homem. Seus designs de pipa foram amplamente adotados. Embora ele também tenha desenvolvido um tipo de motor rotativo de aeronave, ele não criou e pilotou uma aeronave motorizada de asa fixa.[25]

Primeiros voos motorizados

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Era pioneira da aviação
Desenhos patenteados de Éole de Clément Ader

O francês Clément Ader construiu a sua primeira de três máquinas voadoras em 1886, a Éole. Era um projeto semelhante a um morcego, movido por uma máquina a vapor leve de sua própria invenção, com quatro cilindros desenvolvendo 20 cavalos (15 kW), acionando uma hélice de quatro pás. O motor não pesava mais do que 4 quilogramas por kilowatt. As asas tinham envergadura de 14 metros. O peso total foi 300 quilogramas. Em 9 de outubro de 1890, Ader tentou pilotar o Éole. Os historiadores da aviação dão crédito a este esforço como uma decolagem motorizada e um salto descontrolado de aproximadamente 50 metros a uma altura de aproximadamente 200 milímetros.[26][27] Não foi documentado que as duas máquinas subsequentes de Ader tenham alcançado voo.[28]

Wright Flyer dos estadunidenses Irmãos Wright em 1903

Os voos dos estadunidenses irmãos Wright em 1903 são reconhecidos pela Fédération Aéronautique Internationale (FAI), o órgão que estabelece padrões e mantém registros para a aeronáutica, como "o primeiro voo sustentado e controlado com motor mais pesado que o ar".[1]

14-bis de Santos Dumont entre 1906 e 1907

Em 1906, o brasileiro Alberto Santos-Dumont fez o que se dizia ser o primeiro voo de avião sem catapulta[29] e estabeleceu o primeiro recorde mundial reconhecido pelo Aéro-Club de France ao voar 220 metros em menos de 22 segundos.[30] Este voo também foi certificado pela FAI.[31][32]

Um dos primeiros projetos de aeronave que reuniu a configuração moderna do trator monoplano foi o projeto Blériot VIII de 1908. Ele tinha superfícies de cauda móveis controlando tanto a guinada quanto a inclinação, uma forma de controle de rotação fornecida pelo empenamento das asas ou por ailerons e controlada por seu piloto com um joystick e uma barra de leme. Foi um importante antecessor de sua aeronave posterior de travessia do Canal da Mancha por um Blériot XI no verão de 1909.[33]

A Primeira Guerra Mundial serviu de teste para o uso do avião como arma. Os aviões demonstraram o seu potencial como plataformas móveis de observação e depois provaram ser máquinas de guerra capazes de causar baixas ao inimigo. A primeira vitória aérea conhecida com um caça sincronizado armado com metralhadora ocorreu em 1915, pelo alemão Kurt Wintgens da Luftstreitkräfte. Ases de lutadores apareceram; o maior (em número de vitórias em Combates Aéreos) foi Manfred von Richthofen, também conhecido como o Barão Vermelho.

Após a Primeira Guerra Mundial, a tecnologia aeronáutica continuou a se desenvolver. Alcock e Brown cruzaram o Atlântico sem escalas pela primeira vez em 1919. Os primeiros voos comerciais internacionais ocorreram entre os Estados Unidos e o Canadá em 1919.[34]

Os aviões estiveram presentes em todas as grandes batalhas da Segunda Guerra Mundial. Eles foram um componente essencial das estratégias militares do período, como a Blitzkrieg alemã, a Batalha da Grã-Bretanha e as campanhas de porta-aviões estadunidenses e japoneses da Guerra do Pacífico.[35]

Desenvolvimento de aviões a jato

[editar | editar código-fonte]
O avião de transporte supersônico Concorde

O primeiro avião a jato funcional foi o alemão Heinkel He 178, testado em 1939. Em 1943, o Messerschmitt Me 262, o primeiro caça a jato operacional, entrou em serviço na Luftwaffe alemã. O primeiro avião a jato comercial, o de Havilland Comet, foi lançado em 1952.[36] O Boeing 707, o primeiro jato comercial de grande sucesso, esteve em serviço comercial por mais de 50 anos, de 1958 a 2010. O Boeing 747 foi o maior avião de passageiros do mundo desde 1970 até ser superado pelo Airbus A380 em 2005.[37]

Os voos supersônicos de aviões comerciais, incluindo os do Concorde, foram limitados a voos sobre a água em velocidade supersônica por causa de seu estrondo sônico, que é proibido na maioria das áreas terrestres populosas. O alto custo de operação por passageiro-milha e um acidente mortal em 2000 induziram os operadores do Concorde a retirá-lo de serviço.[38][39]

Sustentação

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Asa (aviação)
Boeing 747 da Air New Zealand levanta voo do Aeroporto Internacional de Christchurch, Nova Zelândia.
Um Cessna 172, um avião monomotor.

Um avião alça voo devido às reações aerodinâmicas que acontecem quando ar passa em alta velocidade pela asa. Quando isto acontece, ele é forçado a passar por baixo e por cima desta ao mesmo tempo. O comprimento da asa é maior na parte superior graças a uma curvatura e, em razão disto, o ar em velocidade não possui pressão suficiente para retornar ao perfil desta curvatura, gerando uma zona de baixa pressão na parte superior posterior da asa. Estando a pressão na parte inferior bem maior, em razão desta face não possuir um perfil curvado, mas mais próximo de uma reta, a asa se vale da diferença de impacto gasoso do ar atmosférico (maior em baixo, menor em cima) para adquirir sustentação.

Algumas explicações invocam uma interpretação errada a partir do Princípio de Bernoulli, afirmando que o fluxo de ar na parte de cima de uma asa é mais rápido que na parte de baixo. A verdade é que ambos os fluxos possuem velocidades praticamente iguais, porém com direções diferentes. Ensaios exaustivamente repetidos mostram que uma molécula de ar que flui na parte inferior de uma asa a percorre muito mais rápido que uma mesma molécula na parte superior, obviamente pelo fato lógico de se deslocar numa trajetória mais direta e não curva, como acontece na superfície superior. Embora muito presente em quase todas as explicações sobre aerodinâmica, a teoria do ar mais rápido em cima da asa é uma explicação errada e ilógica, pois não há fonte energética que acelere o ar acima de uma asa. Trata-se apenas de uma questão de perfil de asa e aerodinâmica. É claro que o efeito do impacto das moléculas de ar de forma mais drástica na parte inferior da asa permite que esta, livre e em suas condições normais, tenda sempre à subir, nunca a descer.

Os aviões necessitam de uma velocidade elevada para que a diferença entre a pressão do ar sob e sobre a asa seja suficiente para a sustentação da aeronave. Devido a essas altas velocidades, um avião precisa percorrer uma certa distância em solo antes de alcançar a velocidade suficiente para a decolagem, o que justifica a necessidade de uma pista de pouso e decolagem em terreno longo e plano para a atingir. Para aeronaves maiores e mais pesadas, maior terá de ser o comprimento da pista e a velocidade necessária para a decolagem, dado o maior esforço necessário. A pista também atende ao propósito inverso: permite que a aeronave toque o solo em alta velocidade e tenha espaço para frenar com segurança, transitando suavemente entre veículo aéreo para terrestre novamente.

Tipos de aviões

[editar | editar código-fonte]
Ver também : Lista de aviões

Quanto ao número motores, os aviões classificam-se em monomotores, bimotores, trimotores, quadrimotores. Alguns modelos, como o Antonov 225 e o experimental Hughes H-4 têm seis e oito motores, respectivamente. Quanto à velocidade, os aviões pode ser subsônicos e supersônicos.

Quanto ao tipo de motores e propulsão, os aviões podem ser a hélice acionada por um motor de combustão interna, turboélice, a jato e hélice acionada por motor elétrico. Entre o século XIX e o século XX realizaram-se algumas experiências com aeronaves a vapor.[40]

Antonov An-22, o maior turboélice da história.

Aviões a hélice acionada por motor de combustão interna

[editar | editar código-fonte]

Antes dos adventos do turbojato e turboélice, que se difundiram a partir da década de 1940,[41] os aviões utilizavam motores de combustão interna para acionar diretamente o eixo da hélice, criando o empuxo necessário para a movimentação da aeronave, como o Junkers Ju 49.

Aviões turboélice

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Turboélice

Aviões turboélices são aqueles que fazem uso de motores à reação (jato) para impulsionar uma turbina ligada ao eixo da hélice. Em particular os turboélices são relativamente silenciosos, mas possuem velocidades, capacidade de carga e alcance menores do que os similares a jato. Porém, são sensivelmente mais baratos e econômicos do que os aviões a jato, o que os torna a melhor opção para pessoas que desejem possuir um avião próprio ou para pequenas companhias de transporte de passageiros e/ou carga.

Aviões a jato

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Avião a jato
Um Fokker 70 da KLM em operação de aterrissagem. Observe a parte traseira do motor, que inverte o sentido da propulsão. Desse modo, o avião é empurrado para trás, com o intuito de pará-lo.
Jato anfíbio Beriev Be-200.

O primeiro avião com um propulsor a jato, denominado termojato, foi o Coandă-1910, criado pelo romeno Henri Coandă. Aviões a jato possuem muito mais força e criam um impulso muito maior do que aviões que fazem uso de turbo-hélices. Como consequência, podem carregar muito mais peso e possuem maior velocidade do que turbo-hélices. Um porém é a grande quantidade de som criada pelo motor a reação; isto torna aviões a jato uma fonte de poluição sonora.

Grandes widebodies (fuselagem larga), como o Airbus A340 e o Boeing 777, podem carregar centenas de passageiros e várias toneladas de carga, podendo percorrer uma distância de até 16 mil quilómetros - pouco mais de um terço da circunferência terrestre.

Aviões a jato possuem altas velocidades de cruzeiro (700 a 900 km/h) e velocidades de decolagem e pouso (150 a 250 km/h). Numa operação de aterrissagem, devido à alta velocidade, o avião a jato faz grande uso dos flaps para permitir uma aproximação em velocidade mais baixa (pois estes aumentam a superfície das asas e consequentemente a sustentação), e do reverso, equipamento que inverte o sentido do fluxo de ar com o intuito de diminuir a velocidade da aeronave após tocar o solo.

A evolução dos aviões turbojato são os que utilizam motores turbofan. Em um turbojato, todo o ar comprimido mistura-se ao combustível, é comprimido na câmara de combustão e aciona uma turbina que gera todo o empuxo. Em um turbofan, os gases a alta pressão produzidos pelo motor a reação são usados também para acionar um segundo compressor, que impulsiona o ar pressurizado diretamente para o bocal de saída, gerando um empuxo adicional pela velocidade do ar expelido.[42]

Aviões a eletricidade

[editar | editar código-fonte]

Os aviões movidos a eletricidade utilizam motores elétricos que impulsionam hélices que geram o empuxo. Entre os dispositivos desenvolvidos para armazenar e fornecer a eletricidade necessária, estão as células solares, que convertem a luz solar diretamente em eletricidade, as células de combustível, que extraem seus reagentes de uma fonte externa, e as baterias, que podem reter uma carga elétrica significativa, embora seu peso ainda limite a autonomia. Aeronaves totalmente elétricas, que utilizam a energia de baterias ou células de combustível, operam sem emitir poluentes.[43] O modelo experimental Solar Impulse utiliza células solares para gerar a energia elétrica para seus motores. A aeronave híbrida elétrica emprega motor de combustão interna para acionar um conjunto gerador/motor elétrico, o que possibilita um aumento da autonomia.[44][45]

Aviões supersônicos

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Avião supersônico
O Bell X-1 de 1947, a primeira aeronave supersônica.
O Tupolev Tu-144 de 1968, o maior avião supersônico já construído.
Dois F-22 de 1997 da Lockheed Martin, em voo.

Aviões supersónicos, como o Concorde e caças militares, fazem uso de motores especiais, que geram potência necessária para quebrar a barreira do som. Além disso, o desenho do avião supersónico apresenta certas diferenças com o desenho de aviões subsónicos, devido à compressão do ar em altas velocidades não só asa, também à fuselagem tem desenho diferente em relação aos aviões subsônicos além da clara necessidade de reduzir o arrasto do aparelho com o ar.

Nos caças, a área das asas são reduzidas, visando o menor arrasto (que permite alcançar velocidades extremas), necessitando de uma velocidade muito maior para compensar essa perda de sustentação. A velocidade de decolagem de certos caças chega à 220 km/h.

Em porta-aviões, usa-se uma espécie de catapulta linear, movida à pressão do vapor proveniente do próprio motor da embarcação. Essa catapulta fica abaixo da pista, ficando visível apenas um gancho no chão da pista, que encaixa no trem de pouso dianteiro da aeronave e a impulsiona fazendo-a atingir a velocidade necessária para decolagem em uma pista curta. À primeira vista, a parte visível desse sistema se assemelha a um trilho. No pouso a velocidade é igualmente alta. Então o caça faz o uso de um gancho de retenção (localizado na parte traseira do avião), que prende-se à cabos de aço esticados na pista, ajudando a parar rapidamente.

O voo em velocidade supersónica gera mais poluição sonora devido à onda de choque. Isto limita os voos supersónicos a áreas de baixíssima ou nenhuma densidade populacional. Quando passam numa área de maior densidade populacional, os aviões supersónicos são obrigados a voar em velocidade subsónica. Algumas aeronaves são capazes de voar em velocidades hipersónicas, geralmente, velocidades que superam cinco vezes a velocidade do som. O corpo sustentante é um exemplo deste tipo de aeronave.

Projeto e construção

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Engenharia aeronáutica
Cabine de comando de um Boeing 747.
Corte de um Airbus A300.

Pequenos aviões, para um ou no máximo dois passageiros, podem ser construídos em casa, por aviadores que possuem muito conhecimento técnico na área de física e aerodinâmica. Outros aviadores com menos conhecimentos fazem seus aviões usando kits de pequenas aeronaves, com peças pré-fabricadas, e montando a aeronave em casa.

Aviões produzidos desta maneira, porém, são os menos conhecidos. Dada a sua delicadeza, aviões construídos para exploração econômica de sua operação precisam passar por um processo minucioso e demorado de planejamento, por motivos de segurança impostos pelo órgão de aviação ou de transportes do país à companhia construtora. Isto pode durar até quatro anos, em pequenos turbo-hélices, a 12 anos, em aviões com o porte do A380. A Federal Aviation Administration, por exemplo, exige que a asa fixada à fuselagem consiga gerar seis vezes mais força de sustentação em relação ao seu peso (força exercida pela força de gravidade na aeronave).

Neste processo, estabelecem-se em primeiro lugar os objetivos da aeronave. Uma vez completos, a empresa construtora usa um grande número de desenhos e equações, tudo calculado em teoria, estimando o comportamento da aeronave. Os computadores são atualmente muito utilizados por companhias construtoras de aviões como um meio de desenho e planejamento do avião. Pequenos protótipos, ou certas partes do avião são, então, testados em túneis de vento, para verificar a aerodinâmica da aeronave.

Quando o avião é aprovado neste processo, constrói-se um número limitado destes aviões, para o testar como um todo no solo. Atenção especial é dada aos motores e às asas.

Depois de aprovado, pelo processo acima indicado, a companhia construtora é autorizada por um órgão competente de aviação ou transportes em geral a fazer um primeiro voo. Quando o comportamento da aeronave não apresenta suspeitas de falhas, os voos de teste continuam até que o avião tenha cumprido todos os requisitos necessários. Então, o órgão público competente de aviação ou transportes do país aprova o projeto do avião e a companhia passa à produção em massa da aeronave.

Nos Estados Unidos, este órgão é a Federal Aviation Administration (FAA), e na União Europeia, a Joint Aviation Authorities (JAA) e a European Aviation Safety Agency (EASA). Estas três são as entidades de regulamentação de aeronaves mais importantes do mundo. No Canadá, o órgão público encarregado de regulamentar e autorizar a produção em massa de aeronaves é o Transport Canada Civil Aviation (TCCA). No Brasil, o órgão é a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

No caso do comércio internacional de aviões, uma licença do órgão público de aviação ou transportes do país onde a aeronave está a ser comercializada também é necessária. Por exemplo, aeronaves da Airbus precisam ser certificadas pela FAA para serem vendidas nos Estados Unidos, enquanto aeronaves da Boeing precisam ser aprovadas pela JAA para serem comercializadas na União Europeia.

Produção industrializada

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Indústria aeroespacial
Linha de montagem do caça Hawker Hurricane, na Grã-Bretanha, em 1942. Em plena Segunda Guerra Mundial, a montagem era feita também por mulheres.

São relativamente poucas as companhias que produzem aviões em larga escala. Porém, a produção de um avião por uma dada companhia é um processo que envolve outras dezenas, ou talvez centenas, de outras empresas e fábricas, que produzem partes determinadas da aeronave. Por exemplo, uma empresa pode ser responsável pela produção do trem de pouso, enquanto outra é responsável pelo radar, e outra ainda pelo motor ou reator. A produção de tais peças não se limita a apenas algumas cidades de um dado país; no caso de grandes companhias de manufatura de aeronaves, tais peças podem vir de diversas partes do mundo.

Uma vez fabricadas, as peças são enviadas para a fábrica principal da companhia aérea, onde está localizada a linha de produção. As diferentes peças juntam-se umas às outras, no final, produzindo a aeronave. No caso de grandes aviões, podem existir linhas de produção dedicadas especialmente à montagem de certas partes de grande porte da aeronave, como as asas e a fuselagem.

Quando pronto, um avião passa por uma rigorosa inspeção, em busca de falhas e defeitos, e sendo aprovado nesta inspeção, o avião é testado por um piloto, em um voo de teste, de forma a assegurar que os controles da aeronave estejam em ordem. Com este teste final, o avião está pronto para receber os "retoques finais" (configuração interna, pintura, etc), e pronto a ser enviado aos seus clientes.

Um avião é composto basicamente de corpo principal e asas, a relação do comprimento do corpo para a envergadura das asas varia de acordo com a aeronave, em geral, aeronaves mais rápidas costumam ter um maior comprimento em relação a envergadura, os primeiros aviões eram construídos basicamente de madeira. Após a Segunda Guerra Mundial se popularizaram as aeronaves feitas de metal. Mais recentemente também foi adicionado compósito ao material das aeronaves.

O corpo da aeronave é composto basicamente de:

Ver artigo principal: Asa (aviação)
Componentes da asa principal de um avião: 1: Winglet; 2: Aileron de baixa velocidade; 3: Aileron de alta velocidade; 4: Flap; 5: Flap Krueger; 6: Slats; 7: Flap interno; 8: Flap externo; 9: Spoiler; 10: Spoiler de freio.

As asas geralmente se expandem lateralmente, são as asas que proveem a sustentação e o controle do avião no ar. Aviões costumam ter asas rígidas mas flexíveis, para melhor suportarem as turbulências. Também existem aeronaves cujas asas são de geometria variável, que alteram o ângulo em relação à fuselagem (ângulo de enflechamento). São geralmente utilizadas em aviões supersônicos, diminuindo o arrasto em altas velocidades, com um maior ângulo de enflechamento, e aumentando a sustentação em baixas velocidades – como no pouso e decolagem – com um menor ângulo de enflechamento.[46]

  • Aerofólio — O aerofólio é o formato do corte da asa, variam de acordo com o tipo e o propósito do avião, o formato mais comum de aerofólio em aviões é o Clark Y.
  • Asa principal — Provê a sustentação da aeronave, além se servir de suportes para partes auxiliares como motor, trem de pouso, flaps, spoilers, etc.
    • Flap — São dispositivos hipersustentadores que ficam na parte de trás das asas principais para aumentarem a sustentação da asa.
    • Flap Krueger — superfície montada na parte inferior da asa. É articulado no bordo de ataque, aumentando a curvatura da asa e a sua sustentação. Seu efeito é similar ao dos slats.[47]
    • Spoiler — Posicionam-se na parte de cima da asa principal, serve para diminuir a sustentação do avião.
    • Componente posicionado na ponta da asa principal, serve para diminuir o arrasto induzido.
    • Slat — Dispositivo de sustentação auxiliar do bordo de ataque da asa, se move para frente para permitir a passagem de ar.
Ver artigo principal: Empenagem
Empenagem de um Airbus A340.

Apesar de darem sustentação, as asas não garantem sozinhas a estabilidade do avião, a empenagem é o conjunto de asas auxiliares geralmente composto por estabilizadores e lemes que ficam na cauda para auxiliar a navegação do avião na estabilidade vertical e horizontal.

Alguns aviões possuem uma asa principal o grande suficiente para não precisarem de estabilizadores ou lemes, algumas outras, possuem estabilizadores na parte da frente das aeronaves, nesse caso, dá o nome dessas peças de canards.

Ver artigos principais: Acidente aéreo e Segurança aérea
Bombeiros entre os destroços do acidente do Voo TAM 3054, em São Paulo, Brasil.

Estatísticas mostram que o risco de um acidente aéreo é muito pequeno. É mais provável sofrer um acidente indo até ao aeroporto de carro do que durante o voo. Por que, entretanto, tantas pessoas demonstram medo só de entrar em um avião? Talvez isso se deva ao fato de, no caso de um acidente, o risco de mortalidade em acidentes aéreos ser extremamente alto, no caso deste dado acidente ocorrer em pleno voo. Erros mínimos e/ou tempo adverso podem causar sérios acidentes, especialmente nos dois momentos críticos de um voo, as operações de pouso e decolagem, dada a delicadeza de tais operações. Aviões por vezes são alvos de terroristas ou outros atos criminosos causados por terceiros, fazendo com que muitos tenham medo de voar por temerem serem vítimas de tais ocorrências, embora a parcela de acidentes aéreos causados por ataques terroristas ou outros atos criminosos causados por terceiros em um dado período seja pequena em comparação ao número total de acidentes no mesmo período.[vago]

A maioria dos acidentes em aviões ocorre devido a falha humana durante o voo, devido ao erro dos pilotos ou de algum órgão de controle (torre de controle, por exemplo). Em seguida, a falha mecânica é a maior causa de acidentes aéreos, que também pode envolver um componente humano (como por exemplo, negligência da companhia aérea em realizar a manutenção adequada dos aviões). Tempo adverso é a terceira maior causa de acidentes.[carece de fontes?]

Referências

  1. a b c FAI News: 100 Years Ago, the Dream of Icarus Became Reality Arquivado em janeiro 13, 2011, no Wayback Machine posted 17 de dezembro de 2003. Acessado em 5 de janeiro de 2007.
  2. «Global air traffic hits new record». Channel News Asia (em inglês). 18 de janeiro de 2018. Consultado em 28 de maio de 2022. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2021 
  3. Crabtree, Tom; Hoang, Tom; Tom, Russell (2016). «World Air Cargo Forecast: 2016–2017» (PDF). Boeing Aircraft. Consultado em 12 de maio de 2018 
  4. a b "Cayley, Sir George: Encyclopædia Britannica 2007". Encyclopædia Britannica Online, 25 August 2007.
  5. Otto-Lilienthal-Museum. «Otto-Lilienthal-Museum Anklam». Lilienthal-museum.de. Consultado em 4 de março de 2022 
  6. ἀήρ, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon, on Perseus
  7. "aeroplane", Merriam-Webster Online Dictionary.
  8. πλάνος, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon, on Perseus
  9. aeroplane, Oxford Dictionaries
  10. "aeroplane, Oxford English Dictionary online.
  11. Aulus Gellius, "Attic Nights", Book X, 12.9 at LacusCurtius
  12. «Archytas of Tarentum, Technology Museum of Thessaloniki, Macedonia, Greece». Tmth.edu.gr. Consultado em 30 de maio de 2013. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2008 
  13. «Modern rocketry». Pressconnects.com. Consultado em 30 de maio de 2013 [ligação inativa] 
  14. «Automata history». Automata.co.uk. Consultado em 30 de maio de 2013. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2002 
  15. White, Lynn. "Eilmer of Malmesbury, an Eleventh Century Aviator: A Case Study of Technological Innovation, Its Context and Tradition". Technology and Culture, Volume 2, Issue 2, 1961, pp. 97–111 (97–99 resp. 100–101).
  16. «Aviation History». Consultado em 26 de julho de 2009 
  17. «Sir George Cayley (British Inventor and Scientist)». Britannica. Consultado em 26 de julho de 2009 
  18. E. Hendrickson III, Kenneth. The Encyclopedia of the Industrial Revolution in World History, Volume 3. [S.l.: s.n.] 10 páginas 
  19. The Journal of San Diego History, julho de 1968, Vol. 14, No. 3
  20. Beril, Becker (1967). Dreams and Realities of the Conquest of the Skies. New York: Atheneum. pp. 124–125
  21. Otto-Lilienthal-Museum. «Otto-Lilienthal-Museum Anklam». Lilienthal-museum.de. Consultado em 4 de março de 2022 
  22. «The Lilienthal glider project». Das DLR. Consultado em 8 de agosto de 2023. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2020 
  23. Otto-Lilienthal-Museum. «Otto-Lilienthal-Museum Anklam». Lilienthal-museum.de. Consultado em 4 de março de 2022 
  24. Crouch 1989, pp. 226–228.
  25. Inglis, Amirah. «Hargrave, Lawrence (1850–1915)». Australian Dictionary of Biography. 9. [S.l.]: Melbourne University Press 
  26. Gibbs-Smith, Charles H. (3 de abril de 1959). «Hops and Flights: A roll call of early powered take-offs». Flight. 75 (2619): 468. Consultado em 24 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de março de 2012 
  27. «European Aeronautic Defence and Space Company EADS N.V.: Eole/Clément Ader». Consultado em 20 de outubro de 2007. Arquivado do original em 20 de outubro de 2007 
  28. Gibbs-Smith, Charles Harvard (1968). Clément Ader: His Flight-Claims and His Place in History. Col: Aeronautical engineers. London: Her Majesty's Stationery Office. 214 páginas 
  29. «Bernardo Malfitano - AirShowFan.com». airshowfan.com. Consultado em 1 de abril de 2015. Arquivado do original em 30 de março de 2013 
  30. Jones, Ernest. "Santos Dumont in France 1906–1916: The Very Earliest Early Birds". Arquivado em 2016-03-16 no Wayback Machine earlyaviators.com, 25 de dezembro de 2006. Acessado em 17 de agosto de 2009.
  31. Les vols du 14bis relatés au fil des éditions du journal l'illustration de 1906. The wording is: "cette prouesse est le premier vol au monde homologué par l'Aéro-Club de France et la toute jeune Fédération Aéronautique Internationale (FAI)."
  32. Santos-Dumont: Pionnier de l'aviation, dandy de la Belle Epoque.
  33. Crouch, Tom (1982). Bleriot XI, The Story of a Classic Aircraft. [S.l.]: Smithsonian Institution Press. pp. 21 e 22. ISBN 0-87474-345-1 
  34. C. Brunco, Leonard (1993). On the Move: A Chronology of Advances in Transportation. [S.l.]: Gale Research. 192 páginas 
  35. Museu Nacional do Ar e Espaço (ed.). «World War II Aviation». Consultado em 19 de maio de 2024 
  36. Museus Nacionais da Escócia (ed.). «The de Havilland Comet was the world's first commercial passenger jet aircraft». Consultado em 19 de maio de 2024 
  37. Oldham, Jennifer (18 de março de 2007). «Airbus set for U.S. debut of world's largest passenger jet». Los Angeles Times. Consultado em 21 de dezembro de 2010 
  38. «Concorde grounded for good» (em inglês). 10 de abril de 2003. Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  39. Filseth, Trevor (4 de dezembro de 2021). «Why Don't Concordes Fly Anymore?». The National Interest (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2021 
  40. Stephen Pope (13 de setembro de 2012). «A Steam-Powered Airplane, Anyone?». flyingmag.com (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2022 
  41. Flightglobal arquive (em inglês)
  42. «Turbofan Thrust». Nasa. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  43. Casarin, Ricardo (9 de novembro de 2021). «Embraer anuncia família de aeronaves com propulsão de energia renovável». Portal Solar. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  44. Ortega, Ronald (14 de agosto de 2021). «Pegasus: The Hybrid Aircraft with more than 2,000 Kilometers of Autonomy». Green Racing News (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2023 
  45. Ribeiro, Felipe (28 de maio de 2021). «O que é um avião híbrido-elétrico?». Canaltech. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  46. Como funcionam os aviões com asas de geometria variável
  47. «Krueger Flaps»  SKYbrary [en]
  • Blatner, David. The Flying Book: Everything You've Ever Wondered About Flying On Airplanes. ISBN 0-8027-7691-4

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons