Ingleses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ingleses
Darnley stage 3.jpg
Margaret Thatcher cropped.jpg
Kate Winslet March 18, 2014 (headshot).jpg
Leona Lewis 2014.jpg
Diana, Princess of Wales 1997 (2).jpg
GeorgianaofDevonshire.jpg
Naomi Campbell Cannes 2017 2.jpg
Lewis Hamilton 2016 Malaysia 2.jpg
Alfred the Great - Samuel Woodforde.jpg
Oliver Cromwell by Samuel Cooper.jpg
George Harrison 1974 (cropped).jpg
Shakespeare.jpg
Daniel Craig - Film Premiere "Spectre" 007 - on the Red Carpet in Berlin (22387409720) (cropped).jpg
Sir Isaac Newton (1643-1727).jpg
Idris Elba-4816 (cropped).jpg
David Beckham Nov 11 2007.jpg
Gordon Banks 2007.jpg
População total

c. 80 000 000 - 100 000 000 Mundo

Regiões com população significativa
 Reino Unido:
   37,6 milhões (Inglaterra e País de Gales)
 Estados Unidos:
   + 25 000 000
 Austrália:
   7 000 000
 Canadá:
   6 600 000
África do Sul:
   1 600 000
 Chile:
  700 000[1]
 Nova Zelândia:
   282 000
Línguas
Primariamente inglês
Religiões
anglicanos, protestantismo, ateus, católicos romanos e agnósticos. Grupos minoritários de wiccanos e outras tradições neopagãs, budistas, muçulmanos e judeus
Grupos étnicos relacionados
bretões, irlandeses, escoceses, galeses, dinamarqueses, neerlandeses, frísios, alemães.


Os ingleses são uma nação e grupo étnico celta-germânico da Europa setentrional. São geralmente associados à Inglaterra e à língua inglesa. A maioria dos ingleses vive na Inglaterra, maior subdivisão do Reino Unido.

Existem populações substanciais de descendentes de colonos e imigrantes ingleses nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, África do Sul e Nova Zelândia.

Estudo genético[editar | editar código-fonte]

No século V, a atual Inglaterra foi invadida pelos anglo-saxões, originários do norte da Alemanha e Dinamarca. Isso representou o fim do Império Romano na região. Por muito tempo, historiadores debateram sobre as consequências dessa invasão. Para alguns, os habitantes romano-britânicos foram dizimados pelos anglo-saxões, que repovoaram a região. Já para outros, os nativos sobreviveram e assimilaram a língua e a cultura dos invasores. Um estudo genético de 2015 analisou a ancestralidade dos britânicos e revelou que os ingleses do centro e do sul têm significativa contribuição anglo-saxã no seu DNA: de um máximo de 40%, podendo ser de um mínimo de 10%, com uma média estimada de 20%. Portanto, a teoria que os povos britânicos originais foram dizimados não é verdadeira, pois na realidade houve uma intensa miscigenação entre os nativos e os invasores.[2][3]

Assim, os ingleses atuais são descendentes principalmente dos povos de cultura celta originais, cuja presença nas Ilhas Britânicas remonta a 10 mil anos, quando do fim da última Era Glacial. Os invasores anglo-saxões também deixaram seu legado genético, mas em menor proporção do que se imaginava. Porém, impuseram sua língua e sua cultura. Por outro lado, outros povos que também invadiram a atual Inglaterra, como os romanos, viquingues e normandos, praticamente não deixaram nenhum legado genético, tratando-se de uma migração pequena e de elite, que não alterou o perfil genético das massas.[4]

O Homem de Cheddar[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Homem de Cheddar

Após um estudo genético em um fóssil humano de um homem que viveu na Inglaterra há 10 mil anos, encontrou-se que os primeiros britânicos modernos tinham pele de "escura a negra", olhos claros e cabelos escuros e anelados. Os atuais britânicos brancos são descendentes dessa população. Os cientistas acreditam que as populações que vivem na Europa ficaram com a pele mais clara ao longo do tempo porque a pele clara absorve mais luz solar, o que é necessário para produzir vitamina D, e isso ocorreu numa época de expansão da agricultura e de menor consumo da referida vitamina.[5]

Etnia[editar | editar código-fonte]

Sua formação étnica é o resultado da mistura dos seguintes povos similares:

  • Anglos, povo germânico ocidental, muito significativo na formação étnica da população;
  • Saxões, povo germânico ocidental, muito significativo na formação étnica da população;
  • Jutos, povo germânico ocidental, muito significativo na formação étnica da população;
  • Bretões, povo celta, muito significativo na formação étnica da população;
  • Normandos, povo germânico setentrional, significante na formação étnica da população;
  • Frísios, povo germânico ocidental, uma menor contribuição (menos do que 0,25%);
  • Viquingues, povo germânico setentrional, uma menor contribuição (menos do que 0,25%);
  • Francos ripuários, povo germânico ocidental, uma menor contribuição (menos do que 0,25%);
  • Romanos, povo latino, uma menor contribuição (menos do que 0,25%).

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura da Inglaterra

A cultura de Inglaterra é às vezes difícil de separar claramente da cultura do Reino Unido,[carece de fontes?] tão influente a cultura inglesa tem sido nas culturas das Ilhas Britânicas e, de outro lado, considerando a extensão à qual outras culturas influíram na vida em Inglaterra.

Referências

  1. [1]
  2. Wade, Nicholas (18 de março de 2015). «Study Reveals Genetic Path of Modern Britons». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  3. «People of the British Isles "» (PDF). Consultado em 25 de março de 2015. Arquivado do original (PDF) em 2 de abril de 2015 
  4. Knapton, Sarah (14 de março de 2016). «Britons still live in Anglo-Saxon tribal kingdoms, Oxford University finds». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  5. «First modern Britons had 'dark to black' skin, Cheddar Man DNA analysis reveals». the Guardian (em inglês). 7 de fevereiro de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2021