Partido Whig (Reino Unido)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido Whig
Whigs
Whiggery
Fundação 1678
Dissolução 1861
Ideologia Whigismo
Liberalismo clássico
Anticatolicismo (minoritário)
Sucessor Partido Liberal
Peelite
Cores       Azul

      Couro

      Laranja

Política do Reino Unido
Partidos políticos
Eleições

O Whig Party, era o partido que reunia as tendências liberais no Reino Unido, e contrapunha-se ao Tory Party, de linha conservadora.

Whig (ou whigs) é uma expressão de origem popular que se tornou termo corrente para designar o partido liberal no Reino Unido. Esta corrente liberal contribuiu para a formação do atual Partido Liberal Democrata - Liberal Democrats. Também está, embora não de forma exclusiva, na vertente do Partido Trabalhista - Labour Party. Está profundamente relacionado com o setor protestante (sobretudo calvinista - na sua forma presbiteriana) das sociedades escocesa e inglesa.

Historicamente, o Whig Party formou-se com base nas forças políticas escocesas e inglesas que lutavam a favor de um regime parlamentar e protestante e acabou por se tornar um dos dois partidos mais influentes no sistema parlamentar britânico até aos finais da Primeira Guerra Mundial, alternando com os tories a formação do governo britânico. Depois da Primeira Guerra, o partido Whig perdeu importância e foi praticamente substituído pelo Labour Party, na alternância de poder com os conservadores.

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

Whig é uma palavra de origem escocesa (tory é uma palavra de origem irlandesa) e deriva de whiggamore - que, em gaélico, significa "condutor de gado" -, termo usado para designar os escoceses ocidentais, que vinham ao porto de Leith para comprar milho.

No reinado de Carlos I, durante as Guerras dos Três Reinos (16391651), o termo foi usado, ironicamente, para se referir a uma facção radical dos covenanters escoceses, presbiterianos, que se autodenominavam "Partido Kirk" e eram contra a ordem episcopal do rei, na Escócia.[1] O termo era, então, frequentemente associado às classes mais baixas da sociedade escocesa.

Em 1648, a marcha sobre Edimburgo, para evitar a tomada de parte dos escoceses pelo rei Carlos I (contra as forças do parlamento britânico, na Guerra Civil Inglesa) ficou conhecida como a "marcha dos whiggamores". Em breve whiggamore seria encurtado para whig.[2]

O termo entrou no discurso político inglês durante a crise da Lei de Exclusão (1678-1681), quando da controvérsia sobre se o irmão de Carlos II - Jaime - poderia ou não suceder ao trono, após a morte de Carlos. "Whig" era então um termo ofensivo, aplicado àqueles que queriam excluir Jaime, com base no argumento de que ele era um católico romano. O fervoroso conservador Samuel Johnson frequentemente brincava dizendo que "o primeiro whig foi o Diabo".[3][4]


Referências

  1. Harris, Tim; Lane, Allen (2005). Restoration: Charles II and His Kingdoms 1660–1685. p. 241. e que pretendiam separar a Escócia da Inglaterra
  2. Herman, Arthur (2001), How the Scots Invented the Modern World: The True Story of How Western Europe's Poorest Nation Created Our World & Everything in It, ISBN 0-609-60635-2, New York: Crown Pub, p. 46 
  3. Newbould, Ian (1990). Whiggery and reform, 1830–41. p. 41.
  4. Review: Samuel Johnson the Statist. The Kenyon Review, vol. 22, nº 4 (Autumn, 1960), p. 679.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Black, Jeremy. Walpole in Power (2001)
  • Carswell; John. The Old Cause: Three Biographical Studies in Whiggism. 1954 Edição online
  • H. T. Dickinson; Walpole and the Whig Supremacy. (1973) Edição online
  • Elofson, Warren M. The Rockingham Connection and the Second Founding of the Whig Party 1768–1773 1996
  • Feiling, Keith; A History of the Tory Party, 1640–1714, 1924 Edição online
  • Feiling, Keith; The Second Tory Party, 1714–1832, 1938 Edição online
  • William Anthony Hay (2005). The Whig Revival: 1808–1830 (Studies in Modern History) (em inglês). [S.l.]: Palgreave Macmillan. ISBN 1-4039-1771-X 
  • Jones; J. R. The First Whigs: The Politics of the Exclusion Crisis, 1678–1683, 1961 Edição online
  • McCallum; Ronald Buchanan. The Liberal Party from Earl Grey to Asquith (1963)
  • Mitchell,L. G. Charles James Fox and the Disintegration of the Whig Party, 1782–1794, (1971)
  • Austin Mitchell. The Whigs in Opposition, 1815–1830 (Oxford U. Press, 1967). T
  • Plumb, J.H. Growth of Political Stability in England 1675–1725 (2001)
  • Reid; Loren Dudley. Charles James Fox: A Man for the People, 1969 Edição online
  • Trevelyan, George Otto. The Early History of Charles James Fox (1880) Edição online
  • Williams, Basil, and C. H. Stuart; The Whig Supremacy, 1714–1760, 1962 Edição online
  • Woodward; E. L. The Age of Reform, 1815–1870, 1938 Edição online