Liberdade política

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Liberdade política (também conhecida como autonomia política ou ação política) é um conceito central na história ocidental e do pensamento político e uma das características mais importantes (reais ou ideais) das sociedades democráticas.[1] Ela foi descrita como uma relação livre de opressão[2] ou coerção;[3] a ausência de condições incapacitantes para o indivíduo e para o cumprimento de condições propícias;[4] ou a ausência de condições vividas de compulsão, por exemplo, compulsão econômica, em uma sociedade.[5] Embora a liberdade política seja muitas vezes interpretada negativamente, como a liberdade de restrições externas irracionais sobre a ação,[6] também pode se referir ao exercício positivo de direitos, capacidades e possibilidades de ação, e o exercício de direitos sociais ou de grupos.[7] O conceito também pode incluir a liberdade de restrições "internas" sobre a ação política ou da fala (por exemplo, conformidade social, de consistência, ou de comportamento "inautêntico").[8] O conceito de liberdade política está intimamente ligado com os conceitos de liberdades civis e direitos humanos, que nas sociedades democráticas são normalmente oferecidas a proteção legal do Estado.

Referências

  1. Arendt, Hannah. "What is Freedom?", Between Past and Future: Eight Exercises in Political Thought, (Nova Iorque: Penguin, 1993).
  2. Marion Young, Iris. "Five Faces of Oppression", Justice and the Politics of Difference" (Princeton University press, 1990), 39-65.
  3. Sandel, Michael. Justice: What's the Right Thing to Do? (Farrar, Straus and Giroux, 2010).
  4. Sen, Amartya. Development as Freedom (Anchor Books, 2000).
  5. Marx, Karl, "Trabalho alienado" em Early Writings.
  6. Berlin, Isaiah, Liberty (Oxford 2004).
  7. Taylor, Charles, "What's Wrong With Negative Liberty?", Philosophy and the Human Sciences: Philosophical Papers (Cambridge, 1985), 211-29.
  8. Waldo Emerson, Ralph. "Self-Reliance"; Nikolas Kompridis, "Struggling Over the Meaning of Recognition: A Matter of Identity, Justice or Freedom?" em European Journal of Political Theory Julho de 2007 vol. 6 nº. 3 277-289.