Azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Azul (desambiguação).
Azul
Coordenadas espetrais
Comprimento de onda 440–490 nm
Frequência ~680–610 THz
Coordenadas de cor
Tripleto hexadecimal #0000FF
sRGB (r, g, b) (0, 0, 255)
CMYK (c, m, y, k) (100, 100, 0, 0)
HSV (h, s, v) (240.º, 100%, 100%)

O azul é uma das três cores-luz primárias, e cor-pigmento secundária, resultado da sobreposição dos pigmentos ciano e magenta. Seu comprimento de onda é da ordem de 455 a 492 nanômetros do espectro de cores visíveis.

O azul costuma estar associado à frieza, depressão, monotonia. E, por isso mesmo, também à paz, à ordem, à harmonia [1]. Entre os matizes, é o menos expansivo e forte aos olhos, sendo a cor mais fria. Sinônimos: cerúleo, cárdeo, celeste, azulado, safira. Também há relação à estimulação da criatividade e tranquilidade [2]. É a cor favorita de 45% das pessoas do mundo, possuindo 111 tons diferentes nomeados <[3]. Principais tonalidades de azul: azul-bebê, azul-celeste, azul-cobalto, azul-marinho, turquesa.

Relações da cor[editar | editar código-fonte]

  • Há diversos organismos que se caracterizam pela tonalidade azul, por exemplo: a ararinha-azul, a gralha-azul ou a garrafa-azul.
  • Durante o dia, é a cor predominante no céu.
  • É a cor que aparece, junto ao branco, na bandeira da Grécia.
  • É uma das cores da bandeira da República Federativa do Brasil.
  • A baleia-azul é o maior mamífero existente na actualidade, mas não é propriamente desta cor.
  • Apesar de transparente, a água é representada de azul.

História[editar | editar código-fonte]

Evolução das cores do azul-escuro ao branco.

A produção de pigmentos artificiais de azul tem sido um desafio constante na história da humanidade. Em toda antiguidade, exceto na civilização egípcia, os registros arqueológicos históricos têm mostrado que esta cor estava ausente da percepção humana em todas as descrições de todas as atividades humanas nos artefatos literários, incluindo a Bíblia hebraica e na Odisseia [4]. Muito provavelmente, pela dificuldade de encontrá-lo, o azul foi em momentos diversos considerado uma cor destinada a temas nobres. Vermelho, preto e branco dominaram quase todas as representações artísticas até o início da Idade Média devido à facilidade com que as tintas podiam ser fabricadas, em comparação com a dificuldade de obter pigmento azul. É certo, no entanto, que os egípcios conheciam um pigmento dessa cor há mais de 5 mil anos, mas ele era misturado ao pigmento de uma pedra semipreciosa, o lápis-lazúli. Foi a dificuldade para chegar ao tom que fez com que os romanos durante a Antiguidade o associassem aos bárbaros, porque estes usavam uma planta europeia conhecida como Pastel ou Ísatis Tinctoria para tingir suas roupas de azul - até então ter roupas tingidas de azul era sinônimo de barbárie.

No começo da Idade Média, o vermelho era a cor da nobreza, enquanto o azul era dos servos. Os tecidos eram tingidos de azul com o pigmento extraído de uma planta chamada Ísatis, ou pastel-de-tintureiro. Para conseguir a tinta, era necessário deixar a planta fermentando em urina humana. Com o tempo, perceberam que o álcool acelerava o processo - por isso, tintureiros ingeriam bebidas alcoólicas com a desculpa de que a urina já sairia rica em álcool. A expressão em alemão blau werden, literalmente traduzida como "ficar azul", significa na Alemanha "ficar bêbado".

No século VI, a técnica para obtenção do pigmento chamado azul-ultramar, feita com o lápis-lazúli, ganhou a Europa - a pedra, no entanto, chegou a custar mais que o ouro. A descoberta do caminho marítimo para as Índias, no fim do século XV, levou para a Europa o pigmento conhecido como índigo indiano, obtido com uma planta oriental. A utilização foi proibida – uma tentativa de preservar o tom produzido na região com a ísatis – e dava até pena de morte.

O pigmento azul-da-prússia foi descoberto na Alemanha, numa experiência sobre oxidação do ferro em 1704. Custava um décimo do preço da tinta feita a partir do lápis-lazúli e fez sucesso entre os pintores da época. De lá para cá, a indústria química evoluiu e possibilitou a obtenção de centenas de pigmentos mais baratos. Isso foi um fator crucial para o surgimento no século XIX, do impressionismo de artistas como Monet, que davam grande valor à cor. Mas, como muitos pigmentos desse período não possuíam uma boa resistência, vários quadros da época sofreram uma prematura descoloração.

Referências

  1. «Significado da Cor Azul». Significados. Arquivado desde o original em 02/04/2016. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  2. Solange Lima. «Azul: cor da calma, tranquilidade e fé». Personare. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  3. Carol T. Moré (01/04/2015). «Azul: 50 curiosidades interessantíssimas que você não sabia sobre a cor». Follow The Colours. Arquivado desde o original em 13/10/2016. Consultado em 25 de outubro de 2016. 
  4. Carol T. Moré (03/03/2015). «Ninguém enxergava a cor azul até os tempos modernos». Follow The Colours. Arquivado desde o original em 26/03/2016. Consultado em 25 de outubro de 2016.