Paramotor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Paramotor também conhecido como Parafly é considerado uma adaptação do parapente.[1]

Os parapentes para voar necessitam uma velocidade de vento que supera os 20 km/h dependendo do tipo de vela, esta velocidade se consegue graças ao vento o ao vento que se gera ao correr nas costas.

No paramotor essa velocidade de vento se gera graças a força que proporciona o motor que levam as costas no momento que se supera a velocidade necessária para se levantar. Enquanto que em um parapente se requer uma certa altura para poder voar, com o paramotor se pode levantar voo praticamente de qualquer lugar plano.

Existem vários tipos de motores para o paramotor, sendo desde pequenos motores para pessoas de pouco peso (55 kg aproximadamente de impulso) a motores mais poderosos para realizar voos em dupla (piloto e acompanhante, de uns 120 a 150 kg aproximadamente de impulso). Os mais usados atualmente são motores de 2 tempos, porque para implementar com motores de 4 tempos ficaria pesado demais e ainda há desenvolvimento para um paramotor elétrico.

A maioria dos motores são de origem européia e as marcas dedicadas a este esporte os instalam em chassis com variação de tipo e peso de hélice e o tipo de alcance de andadeiras. de anclaje del arnés. Também é possível adaptar motores de karting obtendo-se muitos bons resultados.

O parapente utilizado pode ser o mesmo que se utiliza para voos livres (sem motor) ainda que, cada vez mais, as fábricas indicam velas especias para o voo motorizado, com maiores reforços e incluindo características diferentes, como é o caso dos parepentes com pefís "reflex". A vela geralmente é de origem européia, israelense ou brasileiras; muitas marcas ralizam a produção na Ásia.

Existem vários tipos de vela segundo as características e habilidades do piloto (mais o menos fácil, mais ou menos rápidas) e sempre se deve utilizar uma talla de vela adequada ao peso do piloto e/o acompanhante mais todo o equipamento.

Record mundial[editar | editar código-fonte]

O granadino Ramón Morillas bateu o recorde do mundo de travessia de paramotor, ao completar um voo de 1.105 kilómetros entre Jerez de la Frontera e Lanzarote, em 23 de abril de 2007, informaram os organizadores da expedição[carece de fontes?].

O recorde anterior também estava em poder de Morillas, com 951 kilómetros, entre Lepe e a localidade francesa de Roquefort, desde junho de 2006.


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre esporte/desporto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.