Unistalda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Unistalda
"Capital do pau-ferro"
Unistalda.jpg

Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 28 de dezembro
Fundação 28 de dezembro de 1995 (21 anos)
Gentílico unistaldense
Lema A Capital do Pau-Ferro
Prefeito(a) José Amélio Ucha Ribeiro (PP)
(2017–2020)
Localização
Localização de Unistalda
Localização de Unistalda no Rio Grande do Sul
Unistalda está localizado em: Brasil
Unistalda
Localização de Unistalda no Brasil
29° 02' 49" S 55° 09' 00" O29° 02' 49" S 55° 09' 00" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Santiago IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santiago, Itacurubi, Maçambara, São Borja, São Francisco de Assis
Distância até a capital 495 km
Características geográficas
Área 602,389 km² [2]
População 2 489 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 4,13 hab./km²
Altitude 361 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,649 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 29 458,497 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 12 167,90 IBGE/2008[5]
Página oficial

Unistalda é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. O município foi batizado com esse nome em um homenagem a uma antiga moradora que se chamava Unistalda[carece de fontes?].

É conhecida como a cidade dos raios, devido à grande incidência de raios na região[carece de fontes?]. Estudiosos atribuem isto a um fenômeno que ocorre na natureza que é o encontro de correntes climáticas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º02'50" sul e a uma longitude 55º09'01" oeste, estando a uma altitude de 361 metros. Sua população, segundo o censo de 2010, é de 2.453 habitantes.

Unistalda possui a maior reserva de ávores de pau-ferro da América Latina[carece de fontes?].

História[editar | editar código-fonte]

O município de Unistalda, como a maior parte do Brasil, foi ocupado inicialmente por índios. Mais tarde, com o processo de colonização instaurado pelo império, vieram os padres jesuítas, espanhóis e portugueses.

No período de colonização jesuítica foi erguida na localidade uma pequena redução conhecida como "Carneirinho" e que foi reduto de muitas lutas, inclusive, acabou recebendo a denominação de "Degolas", pois, neste local, muitas cabeças foram decepadas durante a guerra do Paraguai[carece de fontes?].

Entre 1935 e 1936, começa a construção do batalhão Ferroviário e da estrada de ferro que liga Santiago a São Borja, comandada pelo general Horta Barbosa, surgindo, assim, timidamente a vila de Unistalda. O nome da vila de Unistalda foi uma homenagem à mãe de Horta Barbosa.

Em 1937, começou a organização e a demarcação de ruas e lotes da vila. Em 30 de maio de 1938, pelo ato 241, a vila passou a ser chamada de Unistalda. Em 1940, o Sr. Emiliano Trindade e sua esposa Ascelina Loureiro Trindade fizeram a doação ao município de Santiago de uma área destinada à construção da vila que estava surgindo, porém foi em 29 de agosto de 1940, pelo ato 365, que a mesma passou a integrar-se oficialmente, como 4° Distrito do município de Santiago-RS.

Com o tempo a vila foi povoando-se por pessoas de origens diferentes, que trouxeram valiosas contribuições para a localidade. Entre elas, estão os portugueses, italianos, poloneses e alemães.

Em 1940 chegava à vila de Unistalda o Sr. Batista Pessota, juntamente com sua família. Ele fixou residência e começou as atividades comerciais no ramo de ferraria e de ferragens. Por sua capacidade empreendedora e por suas iniciativas, conseguiu trazer para o distrito a primeira Escola Estadual. Foi o fundador e primeiro presidente do clube "Sociedade Recreativa Unistaldense" bem como ajudou a construir a igreja Sagrado Coração de Jesus. Por todo o seu empenho e sua contribuição em prol do desenvolvimento da comunidade, foi homenageado com a construção de uma praça que leva o seu nome, conforme determinou a Lei n.° 18, de 2 de abril de 1997.

Unistalda, como distrito em 1973, recebeu a energia elétrica, em 1974 foi construída a estrada com asfalto ligando Santiago-Unistalda-São Borja, e ficou conhecida como a "estrada trigo-soja" devido a sua localização geográfica e por ligar os países do Mercosul, facilitando dessa forma o escoamento dos produtos. Após 1974, chegou à localidade a telefonia e o posto de saúde. Recentemente foi construída a barragem de Unistalda, com capacidade para atender a população local.

Em 1995, um grupo de líderes comunitários organizou-se e formou uma Comissão de Emancipação para o distrito de Unistalda. Depois de várias tentativas em 28 de dezembro de 1995 conforme o Ato 01/95 Lei n.° 10.648, distrito de Unistalda foi elevado à categoria de cidade e passou a chamar-se Unistalda. Oficialmente o Município foi reconhecido em primeiro de janeiro de 1997.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativa populacional 2014 IBGE». Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  4. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 25 de março de 2014 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.