São Francisco de Assis (Rio Grande do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros termos de São Francisco, veja São Francisco.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Município de São Francisco de Assis
"São Chico"
Bandeira de São Francisco de Assis
Brasão de São Francisco de Assis
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de janeiro
Fundação 4 de janeiro de 1884 (132 anos)
Gentílico assisense
Prefeito(a) Horácio Benjamim da Silva Brasil (PP)
(2013–2016)
Localização
Localização de São Francisco de Assis
Localização de São Francisco de Assis no Rio Grande do Sul
São Francisco de Assis está localizado em: Brasil
São Francisco de Assis
Localização de São Francisco de Assis no Brasil
29° 33' 00" S 55° 07' 51" O29° 33' 00" S 55° 07' 51" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Sudoeste Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Campanha Ocidental IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santiago, Manoel Viana, Alegrete, Jaguari, Maçambara
Distância até a capital 434 km
Características geográficas
Área 2 508,464 km² [2]
População 19 254 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 7,68 hab./km²
Altitude 151 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,774 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 190 949,168 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 591,10 IBGE/2008[5]
Página oficial

São Francisco de Assis, também chamada de "querência do bugio" é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1627 - Em fins de abril ou início de maio foi fundada pelo padre Roque Gonzáles a Redução Jesuítica de Nossa Senhora da Candelária do Ibicui, a segunda do estado do Rio Grande do Sul, próximo da atual Praia do Jacaquá. Durou até 1832, quando os índios destruíram tudo.
  • 1632 - em 13 de Junho, foi fundada a da Redução Jesuítica São Thomé do Ibicuí, onde hoje é a conhecida "Gruta São Tomé". Os fundadores foram os padres Manuel Bertot, Luis Ernot, Romero, Cristóvão Mendoza e Paulo Benavides.
  • 1801 - Foi criado o Forte de São Francisco de Assis na sesmaria de Itajuru, à margem esquerda do rio Inhacundá.
  • 1805 - Foi instalada a Guarda de São Francisco de Assis, tendo como primeiro comandante o Capitão Victor Nogueira da Silva, que ainda possui descendentes em São Francisco de Assis.[carece de fontes?]
  • 1809 - Início do povoamento da sede, em torno do Forte da Capitania do Rio Grande de São Pedro do Sul, por índios e mestiços.[carece de fontes?]
  • 1834 - Chegada de famílias imigrantes alemãs, lideradas pelo genearca Heinrich Jacob Reichert (21 de fevereiro de 1797, Wollstein/Schlangenbad, Alemanha).[carece de fontes?]
  • 1923 - Revolução de 1923, palco de duros combates entre governistas (ximangos, da ideologia Positivista e Republicana) e revolucionários (Maragatos, da ideologia Federalista e liberal). O combate trouxe muitas consequências para a sociedade da época, não só para São Francisco Assis mas para todo o Rio Grande do Sul. Houve uma grande parada econômica devido a falta de mão-de-obra, na época composta quase exclusivamente por homens.[6]
  • 2000 - inicia a primeira FEICASSIS, feira do setor comercial da cidade.

A região passou pelas mãos de donos sucessivos. Era a terra dos tapes, guaranis, minuanos, guenos, carijós, arachanes, charruas, caaguas e guananás.

A ação das bandeiras predadoras devastaram as reduções dos tapes. Após sucessivos combates entre portugueses e espanhóis, e tratados estabelecidos, delimitou-se as fronteiras.

Aqui permaneceram os portugueses, que continuaram a criação de bovinos de corte, atividade que até hoje é predominante no município.

A primeira tentativa de povoamento da região foi feita pelos jesuítas, em 1627, quando o padre Roque Gonzales fundou a redução de Candelária do Ibicuí, que acabou fracassando, e concretizou-se somente no início do povoamento em 1809.

Crê-se que a primeira capela foi construída em 1810, tendo como padroeiro São Francisco de Assis.

Redução Jesuítica São Thomé[editar | editar código-fonte]

São Thomé hoje é uma fonte de água limpa, localizada na RS-240, a 12Km de São Francisco de Assis. É chamada de “gruta”, porém é somente uma vertente.

Nas proximidades deste local, foi fundada, no dia 13 de junho de 1632, domingo, a Redução Jesuítica São Thomé, a terceira deste nome, pelos padres Manuel Bertot e Luis Ernot, com o auxilio e apoio do Padre Pedro Romero. Segundo o relato do próprio fundador, Padre Bertot, no local e adjacências já havia uma aglomeração contando com quase 400 almas. Somente “lhes faltava igreja e cruz”.[7]

A posição geográfica da Redução era excelente, no alto de um verdejante planalto, com visão imensa. O próprio Padre Romero, em sua Carta Anua, de 1633, além de contar uma história trágico-cômica envolvendo um índio, que não mantinha monogamia à esposa, com conquistas entre outras índias, vendo-se, numa madrugada, atropelado e ferido por uma vaca brava, assim se expressa textualmente: “Em São Thomé, se embarca para ir à Redução dos Rios do Yapeju. Se o rio está baixo gastam-se no máximo quatro dias; se está crescido, dois ou menos”.[8]

Esta redução teve fim quando os habitantes dela, antes que os paulistas chegassem, receosos com aquelas incursões de bandeirantes, em 1838, levantaram acampamento, desscendo o Ibicuí em direção ao Rio Uruguai. Levaram o que puderam e destruiram o restante: Casas, igrejas, escolas..., só deixando cinzas atrás de sí.[9]

Thomé provém de Sumé ou Chumé, que quer dizer “homem branco, barbudo, vindo do Oriente, anunciador da Paz entre todas as tribos, que teria ensinado aos índios o plantio da mandioca e o uso da erva-mate.” Por isso que São Thomé é o patrono dos ervais.[10]

Imigração Alemã[editar | editar código-fonte]

O primeiro colonizador de origem germânica em São Francisco de Assis foi Joahnn Andreas Rossbach, que lutou na Guerra do Prata (1825-1828) como mercenário Brummer. Levando em conta que no mais tardar era 4 de maio de 1831 quando foi totalmente dissolvido o Esquadrão de Lanceiros, foi nesse ano que Rossbach por aqui chegou, porém há ainda muito maiores chances de ele ter chegado mesmo em 1828, quando mais de 1500 soldados foram dispensados.[11]

No início de 1834 chegam na capela de São Francisco de Assis as famílias Reichert (Haigert)e Funk, as duas primeiras famílias alemãs completas à migrar para o oeste do Rio Grande do Sul. A partir daí várias famílias alemãs se instalaram na cidade e arredores.

As cinco primeiras famílias alemãs a se instalarem na cidade foram:

1º – ROSSBACH (No mais tardar, 1828). 2º – REICHERT (Hoje Haigert)(1834). 3º – FUNK (1834, junto com Haigert). 4º – HEMANN (de Friederich Hemann, que foi testemunha da compra de um escravo em 11 de maio de 1846). 5º – VON MÜHLEN - hoje Müller - (Meados de 1848). Junto dos irmãos Jakob e Karl Jakob Von Mühlen, vinha toda a família Mayer e Mühlhausen.[12][13]

Em 1863 chegaram membros da família Brinker e Lambert. Os patriarcas eram Friedrich Wilhelm Brinker e Wilhelmine Elisabeth Mohr Lambert, que na época já tinham quatro filhos: Peter Christian, Wilhelm, Jakob e Luise, estes últimos dois nascidos em Santa Maria em 1863 durante a viagem. Anteriormente eram colonos na linha Kaffeeschneiss (Picada Café), da colônia Alemã de São Leopoldo. Anos depois, em finais de 1873 mudou-se definitivamente para São Francisco de Assis o alemão Peter Mohr Lambert, irmão de Wilhelmine Elisabeth. Ele há meses planejava a vinda para São Francisco junto da esposa de sobrenome Lauer com quem havia se casado anos antes, porém ela faleceu e ele veio, então, já viúvo, sozinho, no final daquele ano. A família Lambert Brinker foi a segunda família alemã a colonizar terras onde hoje é o segundo distrito de São Francisco de Assis, enquanto que a família Lambert foi a terceira do quarto distrito(as primeiras foram Mayer e Bruck) pois as terras de Peter Lambert estendiam-se até a entrada da serra, neste distrito, após o Rio Jaguarizinho. Às margens do Rio Jaguari Mirim, ambas Lambert e Brinker foram antecedidas pelas famílias Schlottfeldt, Küster, Rossbach, e Von Mühlen (da qual as famílias Lambert e Brinker adquiriram parte de suas terras). A colonização italiana, onde hoje é o Toroquá, só iniciou em 1891, mais de 25 anos após a chegada do casal Lambert Brinker e seus 4 filhos.

O município foi palco de dois movimentos revolucionários, em 1893 e 1923. Havia grande número de habitantes contra a permanência do regime imperial, tendo sido muito festejada a Proclamação da República.

Morte do Senador Salgado Filho[editar | editar código-fonte]

Um acontecimento ligado à São Francisco de Assis foi o da morte do então Senador Salgado Filho, que aconteceu quando o bimotor Lodestar que o levava rumo a um encontro com Getúlio Vargas, na fazenda do ex-presidente em São Borja, se chocou com uma colina, (Cerro dos Cortelini), no Rincão dos Dornelles, segundo distrito.

O piloto do avião era o Comandante Gustavo Ernesto de Carvalho Krämer, pioneiro da aviação nacional, sendo fundador da SAVAG (Sociedade Anonima Viação Aérea Gaúcha). O avião do acidente era um Lockheed Model 18 Lodestar, primeiro dos três avioes adquiridos da PANAIR, de prefixo PP-SAA, apelidado de “Cidade de São Pedro do Rio Grande”.[14]

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de São Francisco de Assis alicerçada no setor primário, destaca-se pela grande produção de grãos e geração de renda através da pecuária. Cerca de R$ 45 milhões são gerados através das diversas culturas, como soja cuja área plantada é de mais de 17 mil hectares, com produtividade de 2,4 ton/ha. Outras culturas são de milho (4.200 ha), arroz (4.700 ha), fumo (1.000 ha) e trigo (610 ha), conforme dados fornecidos pela Emater/RS. O comércio e a prestação de serviços, em pleno desenvolvimento, são outras fontes de renda, que geram receitas para o município de São Francisco de Assis, sendo que nos últimos anos têm mostrado um grande crescimento.[15]

Agroindústrias[editar | editar código-fonte]

Placa da Panificadora Lambert

O Programa de Desenvolvimento Agroindustrial de São Francisco de Assis foi instituído pelo Prefeito Ademar Dal Rosso Frescura em 2006 através de lei municipal nº 183/06, com o objetivo principal de inserir o produtor familiar no processo produtivo, através do incentivo à produção in natura e ao processamento agroindustrial de produtos de origem vegetal e animal. Hoje o município conta com 18 agroindústrias, distribuídas, em sua grande maioria, no interior do município:[16]

Clima[editar | editar código-fonte]

São Francisco de Assis está situada em uma região de clima sub-tropical. As temperaturas podem chegar a 38 °C no verão e atingir temperaturas negativas no inverno. O vento "minuano" tem força na região da depressão central e pampeana da cidade, onde alcançam altas velocidades pelas coxilhas, onde não há barreiras naturais, como arvores e acidentes geográficos grandes.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º33'01" sul e a uma longitude 55º07'52" oeste, estando a uma altitude de 151 metros. Sua população estimada em 2010 era de 19.258 assisenses, (menos de 1300 moradores que em 2004, quando havia 20.645 habitantes). Possui uma área de 2.503,9 km². A divisão municipal se dá em distritos (cinco), e, dentro destes, menores localidades, que geralmente levam o nome da família colonizadora do local ou de algum outro pioneiro.

Algumas localidades:[editar | editar código-fonte]

Barragem do Itú
Esquina dos Giodas
Paredão
Porteira do Toroquá
Rincão dos Trombini
Belluno
Esquina Silva
Passo do Banhado
Potreiro Grande
Rincão Ferrando
Benvegnú
Farinheiro
Passo do Goulart
Pranchada do Toroquá
Rincão Lambert
Boa Vista
Gruta do Monjolo
Passo do Leão
Quilombo
São Thomé
Buricaci
Inhandijú
Passo do Nagel
Recreio
Serrinha do Butiá
Cerro do Marco
Jacaquá
Passo do Haigert
Rincão Santa Rosa
Serrinha do Inhacevá
Cerro da Vigia
Jaguarizinho
Perseverança
Rincão das Luzes
Taperão
Cerro dos Cortelini (no
Rincão Dornelles)
Limoeiro
Picada dos Pereira
Rincão dos Benacchio
Toroquá
Cerro dos Hemann
Mato Grande
Picada do Padre
Rincão dos Dornelles
Vassoura
Cerro dos Telles
Mocambo
Picada dos Reser (Röse)
Rincão dos Machado
Vila Krämer
Encruzilhada
Monte Alegre
Pinheiro Bonito
Rincão dos Salbego
Vista Alegre
Engenho Velho
Parada Rica
Piquirí
Rincão dos Savaris
 

A cidade mais próxima é Nova Esperança do Sul.

Rincão dos Lambert[editar | editar código-fonte]

Paisagem no Rincão Lambert, com campos limpos e cerros ingrimes e altos

O Rincão dos Lambert é uma localidade do município que recebeu este nome em razão do grande número de membros da família Lambert habitarem o local. Friederich Bruck, alemão patriarca desta família, foi provavelmente o primeiro morador "oficial" da localidade, que se estabeleceu perto de onde hoje é a capela da localidade, onde alguns poucos descendentes da família Bruck ainda habitam. Friederich Bruck já vivia em São Francisco em junho de 1857, porém não se sabe quando mudou-se para o atual Rincão Lambert. Algum tempo depois, o imigrante alemão Heinrich Ernest Christian Behrens, ou "Ernest Behrens", nascido na Alemanha em 1841, e chegado no Brasil na segunda fase da imigração alemã adquiriu do também alemão Peter Mohr Lambert terreno no Rincão Lambert, terras vizinhas às de Friederich Bruck.

O local ficou conhecido como "Rincão dos Lambert" a partir de fins da década de 1970 devido ao grande número de descendentes dos irmãos Henrique "Niko", Augusto, Lautino "Laudio" e Barcello Von Mühlen Lambert, filhos do imigrante alemão Peter Mohr Lambert.

"Lambert" vem do alemão Land (terra) + Berht (abençoada, linda, etc..), que significa "Terra Abençoada", é um nome topônimo que homenageia algum lugar.[17]

O ponto mais alto está a 350 metros do nível do mar, no Cerro do Pimenta, já perto da divisa com a Picada do Padre. A igreja (Assembleia de Deus, evangélica) está localizada no nível dos 100 metros. Às margens do Arroio Inhacundá, no Rincão Lambert há 2 locais bem frequentado por banhistas. Um deles o Balneário Àrea Verde,que foi criado em 2009. A temperatura alta do verão é amenizada pelas águas sempre geladas do rio. Já no inverno, o Rincão Lambert apresenta temperaturas negativas, geada, e mais raramente, neve, sem acumulação, como ocorre também no Toroquá e Belluno.

Toroquá[editar | editar código-fonte]

Toroquá foi a primeiro sitio de colonização italiana em São Francisco de Assis, quando o local ainda pertencia a colonia de Jaguari. Uma história contada pelos moradores locais é de que um dia, um colono italiano havia perdido seu touro, e quando achou o animal em um dos cerros dali perto, não se conteve e gritou em italiano: "TORO QUÁ!", que significa "O Touro tá aqui!", dando assim origem ao nome da vila.

O primeiro barracão e lote de terra foi adquirido pelo imigrante Bortolo Bataglin, e o último foi adquirido, em 1905, pela família Marcon, de Vicenza, Itália.[18]

Encruzilhada[editar | editar código-fonte]

localidade no 4º Distrito de São Francisco de Assis. Tem este nome pois há um cruzamento formando uma encruzilhada, no local. Situa-se entre todos as principais localidades da região serrana do município, com boas estradas para o Rincão Lambert (a oeste), Belluno (a norte), e Toroquá (a Leste). Como em grande parte das localidades da cidade, tem capela, cemitério e um salão de festas onde ocorrem importantes, grandes e animadas festas e bailes.

Belluno[editar | editar código-fonte]

Belluno esta localizado no quarto distrito de São Francisco de Assis, é uma localidade colonizada por italianos, onde até hoje há descendentes que ainda cultuam as tradições italianas. Primeiramente se chamava "Depósito", tempos depois o local recebeu o atual nome por se assemelhar à região de Belluno, Veneto, Italia, local de onde vieram os primeiros colonos do local.

Os primeiros povoadores do local, considerados os fundadores de Belluno foram os irmãos Antonio Rosso e Domingos Rosso.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  6. Porto, Valdreani de Carvalho. São Francisco de Assis - Palco de um combate em 1923, pag.74
  7. http://wikimapia.org/24027319/pt/S%C3%A3o-Thom%C3%A9
  8. Francisco E. Haigert "São Francisco de Assis - Pioneiros", página 18
  9. Francisco E. Haigert "São Francisco de Assis - Pioneiros", capitulo "São Thomé"
  10. Francisco E. Haigert "São Francisco de Assis - Pioneiros", página 17
  11. Arquivo de pesquisa pessoal de Joe Lambert
  12. livro "Ancestrais Alemães - São Francisco de Assis", de Francisco E.V. Haigert
  13. Arquivo Pessoal de Joe D. Lambert
  14. http://velhaguardacarloskluwe.blogspot.com.br/2010/08/dois-homens-dois-aeroportos-iii-o.html
  15. http://www.saofranciscodeassis.rs.gov.br/index.php/economia.html
  16. http://www.saofranciscodeassis.rs.gov.br/index.php/agroindustrias.html
  17. http://wikimapia.org/#lat=-29.464061&lon=-55.012165&z=12&l=9&m=b&show=/24017931/pt/
  18. Francisco E. Haigert "São Francisco de Assis - Pioneiros", capitulo "Imigração Italiana"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.