Governo Lula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Governo Lula
 Brasil
{{{alt}}}
Tipo Governo federal
Legislatura 51ª Legislatura da Câmara dos Deputados

1 de janeiro de 2003 - 31 de janeiro de 2003

52ª Legislatura da Câmara dos Deputados 1 de fevereiro de 2003 - 31 de janeiro de 2007

53ª Legislatura da Câmara dos Deputados 1 de fevereiro de 2007 - 31 de janeiro de 2010

54ª Legislatura da Câmara dos Deputados 1 de fevereiro de 2010 - 31 de dezembro de 2010

51ª Legislatura do Senado Federal 1 de Janeiro de 2003 - 31 de janeiro de 2003

52ª Legislatura do Senado Federal 1 de fevereiro de 2003 - 31 de janeiro de 2007

53ª Legislatura do Senado Federal 1 de fevereiro de 2007 - 31 de janeiro de 2010

54ª Legislatura do Senado Federal 1 de fevereiro de 2010 - 31 de dezembro de 2010

Vice-presidente José Alencar
35.º Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Eleição Eleição de 2002
e Eleição de 2006
Mandato
Período 2003 - 2011
Início 1° de janeiro de 2003
Fim 1° de janeiro de 2011
Composição
Partido PT
Sítio oficial
Portal Brasil
Histórico
Fleche-defaut-gauche-gris-32.png FHC Coat of arms of Brazil.svg Dilma Fleche-defaut-droite-gris-32.png

O Governo Lula (20032011) corresponde ao período da história política brasileira que se inicia com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência, em 1 de janeiro de 2003, em sua quarta candidatura para este cargo e após derrotar o candidato do PSDB José Serra, com 61,27% dos votos válidos, em segundo turno.[1] Lula foi o primeiro ex-operário a se tornar presidente do Brasil, governou o país em dois mandatos (2003 até 2006, e de 2007 até 2011).[2] Em outubro de 2006, Lula se reelegeu para a presidência, derrotando no segundo turno o candidato do PSDB Geraldo Alckmin, obtendo mais de 60% dos votos válidos contra 39,17% de seu adversário.[3] Sua estada na presidência foi concluída em 31 de dezembro de 2010. O Governo Lula terminou com aprovação recorde da população, com número superior a 80% de avaliação positiva.[4][5][6]

Teve como principais marcas a manutenção da estabilidade econômica, a retomada do crescimento do País e a redução da pobreza e da desigualdade social.[7] O governo Lula registrou crescimento de 32,62% do PIB (média de 4%) e 23,05% da renda per capita (média de 2,8%).[8]. Lula assumiu com a inflação em 12,53% e entregou a 5,90%.[9]

Uma das plataformas de campanha de Lula foi a necessidade de reformas constitucionais.[10] Uma reforma relevante ocorrida no Governo Lula foi a aprovação da Emenda Constitucional 45, de 2004, que ficou conhecida como "Reforma do Judiciário".[11] O governo Lula também se notabilizou pela busca do país em sediar grandes eventos esportivos. Os Jogos Pan-Americanos de 2007 ocorreram durante o seu mandato. Assim como a escolha do Brasil ser sede da Copa do Mundo FIFA de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016. As decisões geraram polêmica quanto aos prejuízos[12][13][14] e legados[15][16][17] de cada evento.

Em 2009, penúltimo ano do Governo Lula, estudo anual realizado pela ONG Transparência Internacional informou que o Brasil ocupa a 75ª posição, num ranking de 180 países, sobre percepção de corrupção. O estudo deu ao Brasil nota 3,7, o que indica problemas de corrupção, segundo a entidade.[18] O Brasil piorou no ranking entre 2002 (nota 4,0, em 45º no ranking) e 2009 (nota 3,7, em 75º no ranking).[19] Em 2008, o Índice de Democracia, elaborado anualmente pela revista inglesa The Economist, classificou o Brasil como o 41º país mais democrático do mundo.[20]

Carta ao Povo Brasileiro

Ver artigo principal: Carta aos Brasileiros (Lula)

Ainda durante campanha eleitoral, Lula redigiu a Carta ao Povo Brasileiro onde assegurou que, em caso de sua vitória, a sua agremiação, o PT, respeitaria os contratos nacionais e internacionais. A carta foi lida no dia 22 de junho de 2002 durante encontro sobre o programa de governo do partido.[21]

Posse presidencial

Ao lado do ex-vice-presidente José Alencar, Lula sobe a rampa do Palácio do Planalto na cerimônia de posse do seu segundo mandato.

Luís Inácio Lula da Silva tomou posse no dia 1 de janeiro de 2003, sendo eleito em presidente em 2002, foi o segundo presidente brasileiro a tomar posse nesta data, o terceiro presidente eleito desde o fim da ditadura militar e o primeiro ex-operário de orientação socialista, a assumir a Presidência da República.[22][23]

A posse do segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da República Federativa do Brasil aconteceu no dia 1 de janeiro de 2007. Ele foi empossado novamente com o vice-presidente, José Alencar. A cerimônia começou pouco depois das 16 horas (horário local), no plenário do Congresso Nacional, em Brasília, e foi presidido pelo então presidente do Senado, Renan Calheiros. Como na posse do primeiro mandato, o presidente reeleito e o vice-presidente leram e assinaram o termo de posse, e em seguida foi ouvido o hino nacional na execução da banda dos fuzileiros navais.[24]

Política interna

Economia

Henrique Meirelles, presidente do Banco Central desde o início do Governo Lula.

A gestão Lula iniciou dando seguimento à política econômica do governo anterior, FHC.[25] Para tanto, nomeou Henrique Meirelles, deputado federal eleito pelo PSDB de Goiás em 2002, para a direção do Banco Central do Brasil dando um forte sinal para o mercado - principalmente o Internacional, em que Meirelles é bastante conhecido por ter sido presidente do Bank Boston - de que não haveria mudanças bruscas na condução da política econômica em seu governo.[26] Nomeou o médico sanitarista e ex-prefeito de Ribeirão Preto Antônio Palocci, pertencente aos quadros do Partido dos Trabalhadores, como Ministro da Fazenda. Após seguidas denúncias contra Palocci feitas pela mídia, no caso conhecido como "Escândalo da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo", este pediu demissão (em 27 de agosto de 2009, o STF arquivou a denúncia feita contra Palocci).[27] O seu substituto foi o economista e professor universitário Guido Mantega, que assumiu o ministério em 27 de março de 2006.

O Governo Lula caracterizou-se pela baixa inflação, que ficou controlada[28], redução do desemprego e constantes recordes da balança comercial.[29] Na gestão do presidente Lula observou-se o recorde na produção da indústria automobilística em 2005, e o maior crescimento real do salário mínimo.[30]

Em 2010, Alan Mulally, presidente mundial da Ford afirmou que graças aos programas de incentivo do Governo Lula foi possível ao país sair de forma efetiva da crise mundial.[31] Durante a crise a retração do PIB foi de apenas 0,2%, mostrando um resultado melhor que as grandes economias do mundo obtiveram.[28]

A terceira edição do relatório produzido pela escola mundial de negócios Insead, em parceria com a Confederação da Indústria Indiana (CII), realizado em 2010, mostrou que o Brasil está na 68ª posição no ranking mundial de inovação de 2010, que classifica as economias de Islândia, Suécia e Hong Kong como as três mais inovadoras do mundo. Dentre os países latino-americanos, o país ficou apenas no 7º posto, perdendo para nações como Costa Rica, Chile e Uruguai. A pesquisa classificou 132 países a partir de 60 indicadores diferentes, tais como patentes por milhão de habitantes, investimentos em pesquisa e desenvolvimento, usuários de internet banda larga e celulares por 100 pessoas e prazo médio para se abrir um negócio no país. O estudo também mede o impacto da inovação para o bem-estar social, incluindo dados de gastos com educação, PIB per capita e o índice Gini de desigualdade social.[32]

No ano de 2010, o total de arrecadação de impostos foi de R$ 805,7 bilhões, o que representou o maior valor da história do País, segundo informação divulgada pela Secretaria da Receita Federal.[33]

Durante a gestão de Lula, a liquidação do pagamento das dívidas com o FMI contraídas em governos anteriores foram antecipadas. Esta ação resultou em melhor prestígio internacional e maior atenção do mercado financeiro para investir no Brasil.[34] A dívida externa brasileira, passou de US$ 214,93 bilhões no ano de 2003, para em dezembro de 2010, US$ 255,664 bilhões.[35] Em dezembro de 2010, o valor referente ao estoque da dívida pública mobiliária federal interna (DPMFI) atingiu nível recorde, depois de subir para R$ 1,603 trilhão ante o valor de R$ 1,574 trilhão de novembro do mesmo ano.[36]

Prédio do Banco Central em Brasília.

O Governo Lula terminou com um valor total de 288,575 bilhões de dólares em reservas internacionais em 31 de dezembro de 2010, o que representou recorde histórico.[37] No início do governo, as reservas totalizavam US$ 37,65 bilhões.[37][38][39] A taxa de juros SELIC saiu de 25% ao ano em 2003, quando Lula tomou posse, para 8,75% ao ano em julho de 2009 (no segundo mandato de Lula), a mais baixa da história.[40]

O Brasil sofreu pouco com a crise econômica de 2008-2009, e isso foi reconhecido internacionalmente por outros países.[41][42] De acordo com estudos da fundação da Alemanha Bertelsmann publicados em 2010, o Brasil foi um dos países que melhor reagiram perante a crise.[43] Segundo os relatórios publicados, a fundação elogia os programas sociais do país e o controle austero sobre as instituições financeiras, e revela que o país alcançou posições econômicas melhores.[43]

Inflação

Nos oito anos do Governo Lula, a taxa de inflação oficial do país, representada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em sete oportunidades dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).[44] A exceção ficou por conta justamente do primeiro ano da gestão, em 2003, quando o IPCA, mesmo mostrando uma alta menor, de 9,30%, ante a taxa de 12,53% de 2002, ficou acima da meta ajustada de 8,5% anunciada pelo Banco Central.[45]

Em 2004, depois de o CMN estipular uma meta de inflação acumulada de 5,5% para aquele ano, com tolerância de 2,5 pontos porcentuais para baixo ou para cima, o IPCA atingiu uma taxa final de 7,60%, bem próxima do teto estabelecido.[46] Em 2005, a inflação oficial do País fechou o período com uma alta acumulada de 5,69%, dentro da meta de 4,5%, com tolerância de 2,5 pontos para cima ou para baixo.[46]

A partir de 2006, o CMN manteve o ponto central da meta inflacionária do Brasil em 4,5%, mas reduziu as margens para 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo.[47] Foi exatamente nesse ano que o IPCA atingiu a marca de 3,14%, a menor taxa desde o início de implantação das metas, em 1999.[47]

Em 2007 e 2008, a inflação acumulada avançou para os níveis de 4,46% e de 5,90%, respectivamente, mas ainda continuaram dentro do intervalo perseguido pelo Banco Central.[48] Em 2009, em virtude principalmente da alta menor no preços dos alimentos, o IPCA acumulado desacelerou para a marca de 4,31%.[48] No último ano do governo Lula, a inflação apresentou importante aceleração, registrando alta de 5,91%.[49] Apesar de ainda ter ficado dentro da meta do CMN, de 4,5%, com tolerância de 2 pontos para cima ou para baixo, o IPCA foi o maior desde 2004.[49]

Produto Interno Bruto

O PIB no Governo Lula apresentou expansão média de 4% ao ano, entre 2003 e 2010.[50] O desempenho superou o do governo anterior, Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), que mostrou expansão média do PIB de 2,3% ao ano.[50] O número médio dos oito anos ficou, porém, abaixo da média de crescimento da economia brasileira do período republicano, de 4,55%, e colocou o Governo Lula na 19ª posição em ranking de 29 presidentes, conforme estudo do economista Reinaldo Gonçalves, professor da UFRJ.[51] Quando se divide o período por dois mandatos, a média foi de 3,5%, no primeiro (2003-2006), e de 4,5%, no segundo (2007-2010).[51]

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anuncia o Programa de Aceleração de Crescimento em 2007.

O resultado médio melhor da segunda metade do Governo Lula foi beneficiado especialmente pelo número do último ano de mandato, já que a economia brasileira apresentou, em 2010, expressiva expansão de 7,5% ante 2009, o maior crescimento desde 1986, quando o PIB também cresceu 7,5%, segundo o IBGE.[52]

Lula iniciou o governo com uma expansão modesta, de 1,1% em 2003.[53] Teve seu melhor resultado justamente em 2010, após uma retração de 0,6% registrada no ano anterior.[53] O segundo melhor resultado do PIB brasileiro nos oito anos de governo foi em 2007, com expansão de 6,1%.[53] Em 2004, a economia cresceu 5,7%; em 2005, 3,2%; em 2006, 4%; e, em 2008, 5,2%.[53]

Em 2007, o PIB nacional cresceu 5,4%, contra 3,8% no ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento desde 2004, quando houve crescimento de 5,7%. O PIB per capita cresceu 4% e houve uma expansão da economia do país da ordem de 6,2% no mesmo período. A agropecuária foi o setor econômico que mais cresceu, com expansão de 5,3%. O setor industrial teve uma expansão de 4,9%, o setor de serviços, 4,7% e a construção civil, 5%.[54][55][56]

O consumo familiar teve uma alta de 6,5% devido, segundo o IBGE, ao crescimento da massa salarial real dos trabalhadores em 3,6% e ao aumento de 28,8% no crédito dos bancos para pessoas físicas. Em contrapartida, a despesa da administração pública teve um aumento de 3,1%.[55] A partir da criação da Secretaria Nacional dos Portos, no dia 7 de maio de 2007, o governo passou a ter 24 ministérios, mais quinze secretarias e órgãos com status de ministério.

Em 2008, quando o aquecimento da demanda e da atividade econômica nacional já geravam preocupações para o cumprimento das metas de inflação e obrigavam o Banco Central a apertar a política monetária por meio do aumento da taxa básica de juros, a crise financeira mundial originada nos Estados Unidos atingiu o Brasil no último trimestre de 2008, levando o governo a implantar entre 2008 e 2009 um conjunto de medidas para conter os efeitos negativos no sistema financeiro.[57][58] Como o primeiro semestre ainda havia apresentado um desempenho econômico forte, o PIB nacional terminou 2008 com uma taxa de expansão ainda relevante de 5,1%.[59]

Desemprego

De acordo com o IBGE, em dezembro de 2010, a taxa de desemprego atingiu 5,3% da população economicamente ativa (PEA), o que representou o menor resultado da série histórica, iniciada em 2002 pelo instituto.[60] Em dezembro de 2002, o desemprego representava 10,5% da PEA.[60] Em 2003, no mesmo mês, a taxa ficou em 10,9%.[60] Em dezembro de 2004, atingiu 9,6% da PEA e, no mesmo mês dos anos seguintes, a taxa sempre mostrou números menores: 8,4% (2005 e 2006); 7,5% (2007); 6,8% (2008 e 2009).[60] O desemprego médio do último ano do Governo Lula foi de 6,7%, também o menor da série histórica.[61] Em 2009, essa mesma taxa era de 8,9%.[61]

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o volume de vagas criadas em 2010 foi o melhor do Governo Lula na geração de emprego com carteira de trabalho assinada e também representou resultado histórico.[62] Descontadas as demissões de 2010, foram criados 2.524.678 postos de trabalho formal.[62] No acumulado de oito anos da era Lula, o Ministério do Trabalho contabilizou a criação de 15.048.311 novas vagas com carteira assinada, já descontadas as demissões.[62]

Política social

Em 2010, o Bird afirmou que o país avançou na redução da pobreza e distribuição de renda.[63] Segundo a entidade, apesar da desigualdade social ser ainda elevada, conseguiu-se reduzir a taxa de pobreza de 41% em 1990 para 25,6% em 2006, graças aos avanços perpetrados pelos governos Collor, Itamar, FHC e Lula.[63] Alguns dos motivos para a redução teriam sido a inflação baixa e os programas de transferência de renda.[63]

Logotipo e slogan, Brasil, um país de todos, utilizados no governo Lula.

A desigualdade entre os mais ricos e os mais pobres teria aumentado entre 2001 e 2003, conforme publicação do O Globo em fevereiro de 2005.[64] Após a posse de Lula, porém, um relatório do IBGE, do fim de novembro de 2007, afirmou que o governo do presidente Lula estaria fazendo do Brasil um país menos desigual. Com base no PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), a FGV divulgou estudo mostrando percentuais comparando desde o ano em que Lula tomou posse.[65]

Entre 2002 e 2007, o Brasil, embora tenha melhorado seu IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de 0,790 para 0,813, caiu da 63º posição para a 75ª posição no ranking dos países do mundo.[66] O estudo é divulgado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), que esclareceu o recuo do País para 75ª posição com dois fatores: a entrada de novos países no levantamento e a atualização de dados, que beneficiaram países como a Rússia.[66][67] Países considerados de "Alto Desenvolvimento Humano" são aqueles com IDH superior a 0,800.[67] No levantamento referente a 2007, uma nova categoria de países foi incluída no ranking: o IDH "Muito Elevado", com número superior a 0,900.[68]

No levantamento referente a 2010, último ano do Governo Lula, o Brasil ficou ainda na distante 73ª posição entre 169 países.[69] Por conta de mudanças na metodologia, os organizadores do levantamento enfatizaram que o IDH de 2010 não pode ser comparado ao IDH de anos anteriores, que utilizavam uma metodologia diferente.[69] Conforme o relatório, o IDH do Brasil apresenta "tendência de crescimento sustentado ao longo dos anos".[69]

Com relação à mortalidade infantil, o governo Lula seguiu a tendência de queda, que se observa desde 1930 no Brasil.[70] Entre 1996 e 2000 a redução foi de 20,5%, entre 2000 e 2004 a redução foi de 15,9%.[71]

Bolsa Família

Ver artigo principal: Bolsa Família
Cartão utilizado pelos beneficiários do Bolsa Família.

Um programa social bastante conhecido do governo Lula é o Bolsa Família,[72] criado por meio da Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004, e regulamentado pelo Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004.[73] A finalidade do programa, que atende cerca de 12,4 milhões de habitantes, é a transferência direta de renda do governo para famílias pobres (renda mensal por pessoa entre R$ 69,01 e R$ 137,00) e em extrema miséria (renda mensal por pessoa de até R$ 69,00).[74] O programa foi uma reformulação e ampliação do programa Bolsa Escola do governo FHC, que tinha uma abrangência de 5,1 milhões de famílias.[75] Existem preocupações de que o programa seja uma forma de comprar votos, de que não há controle rígido contra fraudes e de que se corre o risco de tornar-se uma fonte de renda permanente para os beneficiados.[72] Apesar disso, o Bolsa Família também é elogiado por especialistas pelo fato de ser um complemento financeiro para amenizar a fome das famílias em situação financeira precária.[72] É apontado também como um dos fatores que propiciaram às famílias das classes mais pobres o consumo maior de produtos,[76] o que beneficia a economia do país.[72]

O Bolsa Família foi considerado um dos principais programas de combate à pobreza do mundo, tendo sido nomeado como "um esquema anti-pobreza inventado na América Latina (que) está ganhando adeptos mundo afora" pela britânica The Economist. Ainda de acordo com a publicação, os governos de todo o mundo estão de olho no programa..[77][78] O jornal francês Le Monde reportou: "O programa Bolsa Família amplia, sobretudo, o acesso à educação, a qual representa a melhor arma, no Brasil ou em qualquer lugar do planeta, contra a pobreza."[79]

Fome Zero

Ver artigo principal: Fome Zero
Logo do programa Fome Zero.
Ao assumir a Presidência da República, Lula disse que em sua gestão queria ver todo brasileiro fazer “três refeições por dia”. Essa diretriz levou o governo petista a implantar, em fevereiro de 2003, o Programa Fome Zero (PFZ) como plano orientador das políticas direcionadas aos segmentos sociais que estariam vivendo abaixo de um padrão socialmente aceitável.
— Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo[80]

O programa Fome Zero começou como uma tentativa do Presidente da República de mobilizar as massas em favor das pessoas mais necessitadas no Brasil.[81] O programa fez com que os olhos dos governos internacionais se voltassem para o Brasil, sendo Luiz Inácio muito elogiado por organismos internacionais.[82] A meta era uma tarefa ousada de erradicar a fome em quatro anos e reduzir a subnutrição até 2015.[82] Por uma série de razões, não foi realizada a contento e foi substituído pelo Bolsa Família.[83]

O Fome Zero foi citado pelos críticos como um dos principais fracassos da administração Lula, conforme o Jornal do Brasil.[84] Foi, entretanto, elogiado pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que, em 2010, durante participação no III Fórum da Aliança de Civilizações, disse que o programa, ao lado do Bolsa Família, trouxe "uma grande diferença" para o Brasil.[85]

Primeiro Emprego

O Governo Lula lançou, em 2003, o programa Primeiro Emprego, bandeira de campanha da eleição de Lula em 2002.[83] Porém, o programa não deslanchou: foi extinto em 2006, tendo conseguido empregar menos de 15 mil jovens, quando o plano inicial era 260 mil vagas por ano.[83] Em 2007, o programa, que dava vantagens a empresas que oferecessem vagas a jovens de 16 a 24 anos, foi excluído do projeto do PPA (Plano Plurianual) 2008-2011.[83] Como o PPA orienta os Orçamentos a cada quadriênio, isso significava o fim da verba para o Primeiro Emprego a partir de 2008.[83] Em 2009, o Governo estudou ressuscitar o programa, porém não houve um consenso sobre o assunto.[86]

Combate à escravidão

O combate à escravidão e ao trabalho degradante foram fortificados do governo do presidente Lula.[87] Quando Lula assumiu, FHC tinha deixado um Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, uma base sobre a qual o governo Lula poderia trabalhar.[88] O resultado foi que, entre 1995 a 2002 houve o resgate de 5.893 pessoas do trabalho escravo e entre 2003 a 2009, o Brasil resgatou 32.986 mil pessoas da condição de trabalho escravo, a maioria no Governo Lula.[87][89] Porém, as punições ao trabalho escravo no Brasil, algumas vezes, se restringem a idenizações trabalhistas, como as assumidadas pelo Grupo Votorantim,[90] mas já há evolução e condenações contra tal crime.[91][92] Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), até hoje houve no país apenas uma condenação com efetivo cumprimento de pena de prisão, sendo aplicadas normalmente apenas multas, indenizações às vítimas e bloqueio de ficha de empresas para o recebimento de financiamentos.[93][94]

Saúde

Na Saúde, o Governo Lula também vinha atuando com investimentos considerados insuficientes para as necessidades do país. Representantes do Ministério da Saúde afirmaram no final de 2009, que o país estava abaixo do mínimo necessário para os padrões universais de saúde. Segundo o departamento de Economia do Ministério da Saúde, o percentual da despesa alocada em Saúde em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) no Brasil estava muito abaixo de outros países. A média nos sistemas universais, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) era de 6,5% do PIB. No Brasil, em 2007, a despesa pública com Saúde ficou em torno de 3,5% do PIB. Naquele ano, os gastos com bens e serviços de Saúde no Brasil foram de R$ 224,5 bilhões, ou 8,4% do PIB, sendo 4,8% dos gastos de famílias e 3,5% do PIB do governo. Segundo o Ministério da Saúde, os gastos públicos do país no setor (41,6%) estavam abaixo da média da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que era de 72%.[95]

Segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no final de 2009, as famílias brasileiras gastavam dez vezes mais com medicamentos do que o governo do país. O Ministério da Saúde afirmava, contudo, que havia gastos excessivos das famílias com medicamentos, devido ao consumo sem prescrição médica. Segundo pesquisadores do IBGE, mesmo com o governo tendo aumentado os gastos com o setor, a participação pública ainda era pequena, em comparação por exemplo com o México e outros países com o mesmo tipo de perfil, cujos gastos públicos com a Saúde eram em média 70%, sendo 30% das famílias.[96]

Em 2009 o país investiu 7,5% do PIB em Saúde enquanto outros países, como os Estados Unidos, investiram o dobro (15,3%). O então Ministro da Saúde, José Gomes Temporão criticou os recursos destinados ao seu Ministério. Segundo o ministro, os R$ 66,9 bilhões previstos para 2010 no Orçamento da União, não atendiam às demandas da sua Pasta.[97]

Política educacional

Na área do ensino superior, o ProUni (Programa Universidade Para Todos) foi, segundo as declarações do MEC, o maior programa de bolsas de estudo da história da educação brasileira.[98] De 2005 a 2009, o ProUni ofereceu quase 600 mil bolsas de estudo em aproximadamente 1,5 mil instituições de ensino em todo o país, que receberam para isto o benefício da isenção de tributos.[99] Entre os beneficiados com bolsas, 46% eram autodeclarados afrodescendentes.[100]

O programa inclui iniciativas como a concessão de um auxílio de R$ 300,00 para alunos com bolsa integral matriculados em cursos com carga horária de pelo menos seis horas diárias (Bolsa-Permanência). Os bolsistas ProUni também têm prioridade no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) do MEC e um convênio firmado com a Caixa Econômica Federal (CEF) para oferta de estágios entre beneficiados pelo programa.
Fernando Haddad em 2011. Durante seu mandato como ministro, houve a criação do PIBID e do SiSU, assim como a implementação do ProUni e a reformulação e ampliação do FIES e do Enem.

O governo também criou onze universidades públicas federais até setembro de 2009, superando o marco do presidente Juscelino Kubitschek.[101] Em janeiro de 2010 a Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) era a décima terceira universidade criada, com perspectiva de início de aulas para agosto de 2010,[102], com sua primeira turma de 200 alunos entre brasileiros, paraguaios, uruguaios e argentinos; uma universidade que contará com um investimento para construção dos edifícios no montante de 550 milhões, uma construção portentosa prevista para findar em 2014, com o projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer.[103][104] Até agosto de 2010, as universidades federais ofereciam 113 mil vagas gratuitas e apresentavam que os investimentos teriam passado de 20 bilhões para 60 bilhões durante o governo Lula, prometendo um aumento das vagas para 250 mil até 2014.[105][106] Contudo, o programa é criticado por professores e estudiosos de instituições de ensino federais. Algumas universidades se encontrariam em processo de sucateamento [107][108] por falta de repasse de recursos federais e pela falta de autonomia das universidades.[109], um anseio que foi parcialmente almejado em junho de 2010, próximo ao final do Governo Lula, com a assinatura do Decreto 7.233, que resultaria na esperança por melhoria na autonomia e gestão dos recursos a partir de 2011, no Governo da Dilma.[110]

O investimento em educação, realizado no Governo Lula, vem sendo considerado insuficiente, perante especialistas e entidades do setor. O percentual de gastos na educação superior federal, em 2005, estava estagnado em 0,6% do PIB.[111] Em 2008 alcançou 4,7% do PIB.[carece de fontes?] Porém, considera-se que o ideal seria um investimento entre 8 e 12% do PIB, face ao déficit educacional brasileiro atual, algo pouco visto na história brasileira.[112]

Segundo Roberto Leher, Professor da Faculdade de Educação da UFRJ, coordenador do GT Universidade e Sociedade do CLACSO, em matéria publicada em 2005 pela Revista Adusp, aponta que a universidade no Governo Lula foi uma continuidade das agendas do Banco Mundial, do BID e da Cepal, de modo a conformar a universidade pública em um setor mercantil balizado pelos valores neoliberais, que dificilmente mereceria o conceito de pública[111]

Analisando as medidas implementadas até o momento é possível constatar que as políticas dos organismos internacionais seguem guiando os cérebros do governo Lula da Silva. Com efeito, a modernização do MEC coincide no fundamental com as agendas do Banco Mundial, do BID e da Cepal para as instituições de educação superior públicas: racionalização do acesso não por medidas universais, mas por cotas; programas de estímulo à docência por meio de gratificações por produtividade; avaliação padronizada da “qualidade” (Exame Nacional d e Desempenho) inspirada na teoria do capital humano; vinculação entre os planos de desenvolvimento institucional (estabelecidos com a participação empresarial), avaliação (Sinaes) e financiamento (financiamento por meio de contratos); direcionamento do “mercado educativo” da instituição para o âmbito regional, e associação linear e estreita entre eficiência a cadêmica e pragmatismo universitário. Em suma, o Banco difunde um posicionamento ideológico de modo a conformar a universidade pública em um setor mercantil balizado pelos valores neoliberais. A assimilação desses elementos que compõem a matriz da concepção do Banco Mundial no Anteprojeto desenha uma instituição que dificilmente mereceria o conceito de “pública”, inviabilizando a liberdade acadêmica, concebida como um obstáculo à eficiência das instituições. No equilíbrio de poder entre a autoridade “acadêmica” e a autoridade da universidade-empresa prevalece esta última.

Ao final do Governo Lula, o Brasil apresentava índices de repetência superiores a todos os países usados na comparação, 18,5%, ainda que mais baixos que os índices de 1999 de 24% e também apresentava baixos índices de conclusão da educação básica, apontou o relatório "Monitoramento de Educação para Todos 2010", lançado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).[113] A repetência na educação primária no Brasil é ainda três vezes maior que a taxa apresentada pela América Latina (5,6%).[113] O relatório apresenta que o Brasil está distante em relação ao cumprimento de metas sobre acesso e qualidade de ensino estabelecidos pela organização.[113] O país ocupa a 88ª posição em um ranking de 128 países.[113] Entre as quatro principais metas estabelecidas pela UNESCO, o Brasil tem um bom desempenho na alfabetização, no acesso ao ensino fundamental e na igualdade de gênero.[113] O país ocupa a 88ª posição em um ranking de 128 países.[113] Mas tem um baixo desempenho quando se analisa o percentual de alunos que conseguem passar do 5º ano do ensino fundamental.[113][114]

Apesar das reformas efetuadas em 2009 no Exame Nacional do Ensino Médio, já naquele ano o governo exibiu fragilidades na segurança das provas que iriam em boa parte substituir os vestibulares em várias universidades, com ocorrência de fraude que provocou o adiamento das provas; em novembro de 2010 novas falhas se sucedem, fazendo com que a Justiça Federal suspendesse o Exame; em ambos os casos o Enem transformou-se em inquéritos da Polícia Federal, sendo que em 2010 o MEC chegou a ameaçar de processo os estudantes que exibiram as falhas do sistema.[115][116]

Política ambiental

Marina Silva, então Ministra do Meio Ambiente, discursa durante o lançamento do Plano Amazônia Sustentável em 2008.
Carlos Minc em 2009, então Ministro do Meio Ambiente do Governo Lula.

Marina Silva (PT-AC) resistiu até 2008, e deixou o Ministério do Meio Ambiente por enfrentar oposição à sua agenda dentro do governo, pedindo demissão.[117]

Porém, ações governamentais como fiscalização das áreas desmatadas, racionalização do uso do solo, criação de reservas florestais e controle de crédito para produtores irregulares fizeram a Amazônia possuir a menor taxa de desmatamento em 21 anos.[118]

Entre 2009 e 2010 o Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) relatou desmatados 6.451 km², com previsão pelo padrão dos desmatamentos consolidados de 7.134 km² no primeiro ano de governo da Dilma.[119][120] O desmatamento de mata atlântica entre 2002 e 2008 foi de 2,7 mil km²[121] Em 1991 tinham sido desmatados 11,1 mil km², que por sua vez já havia sido uma vitória daquele governo que reduzira a média entre 1978 e 88 de 20,3 mil km²[122]

O Governo Lula também aprovou a Política Nacional de Mudanças Climáticas com metas de reduções de emissões de gases do efeito estufa.[123]

Os êxitos atuais na redução do desmatamento de nossas florestas dão credibilidade à nossa disposição de reduzi-lo em 80% até 2020. Os países amazônicos estão trabalhando para definir uma posição comum sobre a mudança do clima. Queremos uma Amazônia protegida, mas soberana, sob o controle dos países que a integram.
— Lula, em 2009[124]

Infraestrutura

Em janeiro de 2007, foi lançado o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), um conjunto de medidas que visava à aceleração do ritmo de crescimento da economia brasileira, com previsão de investimentos de mais de 500 bilhões de reais para os quatro anos do segundo mandato do presidente, além de uma série de mudanças administrativas e legislativas.[125]

Lula em visita à obra de transposição do rio São Francisco, em Cabrobó, Pernambuco, em 2009.

Mesmo com o PAC, os investimentos em infraestrutura vinham sendo considerados insuficientes para as necessidades de crescimento do Brasil, segundo análises e cálculos. Segundo dados do economista Raul Velloso, calculados com base no IBGE, as taxas de investimentos diretos da União estavam longe das registradas na década de 70. De acordo com Velloso, a taxa de investimentos da União em 2009 chegou a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB), sem considerar estatais, enquanto que em 1976, no governo Geisel, os investimentos da União eram 1,9% do PIB, também excluindo as estatais. Entre 2003 e 2009, a taxa de investimento da União oscilou entre 0,2% - uma das mais baixas desde 1970 - e 0,6%, estimativa para 2009. O economista José Roberto Afonso cita que o investimento público subiu nos últimos anos do Governo Lula, sobretudo em 2009, com uma maior execução das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Afirma, porém, que a alta foi insuficiente para compensar a perda no setor privado e também em relação a décadas anteriores.[126]

O PAC, no entanto, vinha apresentando problemas de execução(atrasos). O próprio presidente Lula citou o atraso na Rodovia Trans-nordestina.[127] Apesar de os balanços do PAC preverem, por exemplo, investimentos em rodovias de R$ 45,5 bilhões em quatro anos, nos últimos três, as Leis Orçamentárias Anuais (Loas) tinham autorizado somente R$ 21,6 bilhões para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o que equivale a 47,6% do previsto. Apenas R$ 7,4 bilhões foram efetivamente pagos. Esse valor representava 16,41% dos recursos anunciados pela União para construção, adequação, duplicação e recuperação de trechos de rodovias em todo o país, e 34,58% dos recursos autorizados no orçamento para os projetos.[128] Segundo dados baseados no site Contas Abertas, das 12 520 obras do PAC em todo o país, pouco mais de 1 200 foram feitas, ou 9,8% do total.[129]

No final do segundo mandato de Lula, um dos setores que mais causou preocupação foi o de aviação civil, principalmente por conta dos preparativos para a Copa de 2014. A agência reguladora do setor (ANAC) estava naquela época, com cargos estratégicos vagos, o que dificultava a tomada de decisões importantes. Esta deficiência na gestão da ANAC vinha desde a crise no setor de aeronavegação brasileiro ocorrida no final de 2006, que ficou conhecida como "apagão aéreo".[130]

O governo Lula foi responsável pela concessão de cerca de 2,6 mil quilômetros de rodovias federais, que foram a leilão em 9 de outubro de 2007.[131][132] O vencedor do leilão para explorar por 25 anos pedágios nas rodovias foi o grupo espanhol OHL.[132] Houve também a privatização de 720 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul para a Vale do Rio Doce pelo valor de R$ 1,4 bilhão.[132] Entre outras privatizações do governo Lula, estão a da Hidrelétrica Santo Antônio, Usina Hidrelétrica de Jirau e a linha de transmissão Porto VelhoAraraquara.[132]

Segurança

No âmbito geral, o país continua com sérios problemas no quesito Segurança. Um dos grandes problemas é a entrada de drogas e armas no país através das fronteiras, portos e aeroportos, que alimenta a criminalidade.

Outra situação grave da atualidade é a do Sistema Carcerário Brasileiro. A situação chegou a ponto de ser instalada uma CPI. Em 2008, as investigações mostravam superlotação das prisões, a falta de acesso dos presos à educação e ao trabalho, e situações desumanas nos presídios. Durante oito meses, a CPI visitou 60 estabelecimentos em 17 estados e no Distrito Federal. O deputado Domingos Dutra (PT-MA), relator da CPI, pediu o indiciamento de cerca de 40 autoridades em todo o país e a responsabilização dos culpados, de alguma forma, pelo caos no sistema carcerário. De acordo com o relator, estima-se que o custo médio de um preso hoje no Brasil seja de R$ 1.300 a R$1.600 por mês. A criação de uma vaga no sistema carcerário tem o custo de R$ 22 mil. "Nós estamos pagando um valor absurdo e a culpa não é nem do preso, nem do carcereiro e nem de Jesus Cristo. A culpa é das autoridades brasileiras que sempre trataram o preso com descaso, como lixos humanos", afirmou o relator.[133]

Em 2007, o Governo Lula, tentando realizar melhorias na área, lançou o Pronasci (Programa Nacional de Segurança com Cidadania), que tem como objetivo auxiliar os Estados na qualificação e capacitação das forças policiais. Somente no final dos 8 anos do Governo Lula, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) começou a analisar mudanças no sistema carcerário e o CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) do Senado, mudanças no Código de Processo Penal, que, no entanto, foram criticadas pela possibilidade de tornar a Justiça mais lenta do que já é na atualidade.[134]

Habitação

Ver artigo principal: Minha Casa, Minha Vida
Lula discursa em Diadema, São Paulo, em 2005, durante a entrega de um conjunto habitacional.

O déficit habitacional do Brasil, hoje, chega a 7,2 milhões de moradias. O déficit habitacional do Brasil é um sério problema atual, de responsabilidade governamental, que vem levando à favelização das cidades brasileiras, principalmente em grandes metrópoles, o que causa transtornos e dificuldades em áreas variadas, como segurança, saúde, organização das cidades e outros aspectos. A falta de habitações populares baratas é um dos principais motivos que levam a população à favelizar diversas áreas.[135] Em 2009, estimava-se que São Paulo, a maior cidade brasileira, possuía, sozinha, 1,3 milhão de favelados morando em cerca de 1600 favelas.[136] Para tentar amenizar o problema, o Governo Lula lançou, em abril de 2009, já perto do final do mandato de 8 anos, o plano "Minha Casa, Minha Vida". O programa visa construir 1 milhão de casas, reduzindo em 14% o déficit habitacional do país do momento.

Telecomunicações

Iniciado em 2003, o Programa Computador para Todos possuía, em 2008, dezoito fabricantes cadastrados para produzir computadores de baixo custo a partir de lei estabelecida. Este foi um dos fatores que ajudaram algumas empresas a aumentar sua produção, de 250 mil unidades vendidas em 2005, para 2,8 milhões em 2009.[137] Outro fator a ser considerados neste crescimento, foi a maior facilidade de financiamento oferecido pelos varejistas. Este programa é um dos facilitadores da inclusão digital no país.[138] Porém, o país ainda possui 104,7 milhões de pessoas sem acesso à Internet, segundo pesquisa de 2009 do IBGE. Enquanto no Brasil o porcentual de pessoas (10 anos ou mais de idade) com acesso à rede é de 34,8%, na América do Norte chega a 74% e, na Europa, a 52%. O número de pessoas com computadores em seus domicílios vem crescendo e em 2009 atingiu o nível de 36%.[139]

Em 25 de novembro de 2009, a ANATEL anunciou a criação de uma comissão técnica para estudar as possibilidades da ocorrência de um caladão, motivada pelos alertas feitos pelos meios de comunicação de que a demanda se tornaria maior do que a oferta.[140][141] Ainda no mesmo dia, a Abrafix negou a possibilidade de isto ocorrer.[142] Uma reunião com técnicos de empresas de telefonia celular foi marcada para dezembro, apesar do controle que a agência já exercia, liberando a venda de novos planos somente após a comprovação por parte das empresas de que há capacidade de redes o bastante para isto.[143]

Outro problema no setor é a própria atuação da ANATEL, que é criticada. Muitos consumidores só conseguem a resolução de seus problemas apelando para Brasília, devido à omissão da Agência, que é considerada não-transparente e ineficiente. Segundo o ouvidor da agência, Aristóteles dos Santos, "após dez anos de criação, a Anatel, por não cumprir ou não fazer cumprir integralmente os propósitos que justificaram a sua criação, vive, a nosso ver, uma relevante crise existencial". O ouvidor também acusa a Anatel de se omitir nos problemas de falta de competitividade e na falta de ação para baixar os preços da internet banda larga. Diz ele que "com baixos investimentos, as concessionárias dominam esse outro mercado regional praticamente sem concorrência. Cobra altos preços e tarifas elevadas dos usuários pelos acessos que operam em velocidades limitadas”. Aristóteles aponta ainda, em seu relatório, a falta de um plano para a telefonia rural, dizendo que a Anatel não pode se esquivar desta discussão.[140][141]

Lula lançou em 2008 um programa denominado Banda Larga nas Escolas para ampliar o acesso de internet de alta velocidade nas escolas públicas.[144][145]

Política externa

Lula e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

No plano internacional, o Brasil sob a administração de Lula exerceu uma posição de destaque no grupo de países emergentes frente aos mais ricos no G20 [146], destacando-se no caso da iraniana Sakineh Ashtiani, que havia sido condenada à morte por apedrejamento; destacou-se como sendo membro ativo no Conselho de Direitos Humanos; nas operações de paz no Haiti; e na Comissão de Construção da Paz na Guiné-Bissau em 2010.[147] Mais de um ano do mandato foi utilizado pelo presidente na visita a mais de 200 países, para, de acordo com Daniel Castelán, reduzir as resistências ao fortalecimento do país no cenário internacional, já que algumas demandas brasileiras ficam mais difíceis com países opondo-se.[148]

Entre 2005 e 2009, Cuba recebeu cerca de 33,5 milhões de reais em ajuda humanitária do governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.[149][150] No mesmo período, o Brasil também forneceu ajuda humanitária ao Território Palestino, com o destino de 19 milhões de reais (ou 12%) dos recursos.[149][150]

América do Sul e BRICS

Ver artigos principais: Mercosul, Unasul e BRICS
Chefes de Estado da Comunidade Sul-Americana de Nações em Brasília, em setembro de 2005.

Um dos grandes feitos do governo Lula foi a integração da América do Sul através da expansão do Mercosul.[151]

O Mercosul representou o primeiro processo de integração sul-americano, e também latino-americano, a obter resultados concretos e a abrir alternativas regionais para uma melhor inserção internacional dos países do cone sul, nos quadros de uma ordem mundial emergente.
— Paulo G. Fagundes Vizentini[151]

Governo Lula promoveu a abertura de novas rotas comerciais com países os quais o Brasil pouco se relacionava: China, Índia, Rússia e África do Sul, entre outras bem como uma associação entre o Mercosul e a União Européia e da valorização das organizações internacionais (especialmente a ONU).

Em termos práticos, o governo brasileiro suplantou certa passividade anterior e buscou alianças fora do hemisfério, como forma de ampliar seu poder de influência no âmbito internacional a partir da mencionada postura ativa e pragmática. Como principal prioridade da agenda percebe-se a reconstrução do Mercosul e a integração sul-americana, criando um espaço para a liderança brasileira. Além disso, a solidariedade com a África também é central, pois associa princípios éticos e interesse nacional. A intenção de aprofundar as relações (e estabelecer uma "parceria estratégica") com potências emergentes como China, Índia, Rússia e África do Sul, entre outras, ao lado do estabelecimento de uma associação entre o Mercosul e a União Européia e da valorização das organizações internacionais (especialmente a ONU), ao lado das vantagens econômicas que propicia, sinalizam a intenção de contribuir para o estabelecimento de um sistema internacional multipolar. O princípio de democratização das relações internacionais foi invocado explicitamente.
— Paulo G. Fagundes Vizentini[151]

Porém, o governo Lula tomou decisões controversas em matéria de política externa. Uma delas foi o reconhecimento da China como economia de mercado[152], o que derrubou diversas barreiras comerciais impostas aos produtos chineses, facilitando sua entrada no mercado brasileiro [153][154], e como a balança comercial era favorável às importações de produtos chineses, haveria prejuízo a produção nacional de alguns setores, visto que o produto chinês chega ao mercado brasileiro bem mais barato e esta tendência se seguiu até o Governo Dilma.[155] Contudo o movimento não surtiu o efeito desejado, que era o apoio da China[156] por um assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas[157], já que o Japão, que era apoiado pelos Estados Unidos, também queria um assento permanente e isso seria inaceitável para os chineses.[158] O Governo Lula também acumula algumas derrotas em suas tentativas na criação de um bloco econômico compreendido por países subdesenvolvidos e emergentes. O Governo Lula patrocinou uma missão de paz no Haiti, almejando crédito com a ONU. Cerca de 1200 militares brasileiros desembarcaram no Haiti em uma missão pacífica visando a reestruturação do estado haitiano.[159]

Missão no Haiti

Ver artigo principal: MINUSTAH
Soldado brasileiro patrulha o acampamento Jean Marie Vincent em Porto Príncipe, Haiti.

Sobre a ocupação no Haiti, a organização sindical Batay Ouvriye (Batalha Operária) denuncia que as forças de ocupação se prestaram a reprimir trabalhadores que protestaram contra as multinacionais que se instalaram no país.[160] Segundo o dirigente sindical Didier Dominique, considera que a intervenção no Haiti passará a história como uma mancha na biografia de governantes que se elegeram com o apoio de movimentos populares, como o presidente Lula[161]:

"estão disputando a instalação de fábricas numa zona franca, para aproveitar a mão-de-obra mais barata das Américas (...) quando o povo se rebelou contra a fome, morreram sete pessoas e várias ficaram feridas, em decorrência da repressão militar".[161]

O Governo Brasileiro também fez a doação de 172 milhões de dólares para o Haiti reconstruir seu país depois do Sismo do Haiti de 2010 que devastou o país.[162]

Disputas comerciais e políticas

Em 2010, o Governo Lula obteve vitória no caso dos subsídios para os produtores de algodão dos Estados Unidos.[163] A Organização Mundial do Comércio concedeu o direito do Brasil retaliar com impostos de importação diversos produtos de origem norte-americana devido aos gastos de Washington para financiar a produção de algodão, o que prejudicava o setor no Brasil.[163][164] Todavia, o Brasil permitiu maiores negociações com os Estados Unidos com o objetivo de acabar com a disputa.[165]

O governo Lula também acumula algumas derrotas no campo internacional: depois de investir 3,5 bilhões de dólares na Bolívia, a Petrobrás teve suas usinas nacionalizadas por Evo Morales, sem a devida resposta diplomática.[166] Cedeu também ao Paraguai, quando o recém aleito presidente Fernando Hugo decidiu não mais cumprir o contrato assinado com o Brasil, a respeito da energia elétrica de Itaipú. Com isto, o Brasil triplicou a quantia que paga ao vizinho pela energia elétrica com a qual o Paraguai abastece a região sudeste brasileira. O novo acordo de setembro de 2009 ajustaria de US$ 120 milhões para US$ 360 milhões.[167][168][169] O acordo permite também que o Paraguai venda energia ao mercado brasileiro sem a mediação da estatal Eletrobrás.[170]

Popularidade

Lula encerrou seu governo com a maior aprovação da história. Nos últimos meses de sua gestão, sua popularidade chegou ao auge. 83% dos entrevistados avaliaram a gestão como ótima ou boa, contra 13% que consideraram-a regular e 4%, ruim ou péssimo, conforme o Datafolha.[171] Alguns meses antes, em julho de 2010, conforme outra pesquisa do Datafolha, a popularidade de Lula atingiu seu melhor valor desde 2003, sendo também a melhor popularidade entre todos os presidentes pesquisados a partir de 1990.[172] 78% dos pesquisados apontaram o governo como ótimo ou bom.[173]

Sob influência do impacto da crise financeira global, que trouxe aumento do desemprego no país no primeiro bimestre de 2009, a aprovação do governo Lula, que em dezembro de 2008 havia batido novo recorde, ao atingir, segundo a Pesquisa Datafolha, a marca de 70% de avaliação de "ótimo" ou "bom",[172] sofreu queda em março de 2009, para 65%.[174] Foi a primeira redução observada no segundo mandato do presidente.[175]

A queda na avaliação positiva foi bastante efêmera, já que, logo no mês de maio de 2009, pesquisas voltaram a trazer crescimento na aprovação do governo, também em consequência da estabilidade do Brasil frente à crise econômica internacional.[176] Na Pesquisa Datafolha publicada em 31 de maio do mesmo ano, a avaliação positiva voltou ao patamar de novembro, quando a taxa de aprovação do governo chegou ao recorde de 70%.[174]

Controvérsias

A partir de 2004, o governo Lula enfrentou crises políticas, no que foi denominado Escândalo dos Bingos. Nele Waldomiro Diniz, assessor de José Dirceu aparece na divulgação de uma fita gravada pelo empresário e bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, extorquindo o bicheiro para arrecadar fundos para a campanha eleitoral do Partido dos Trabalhadores e do Partido Socialista Brasileiro no Rio de Janeiro. Em troca Waldomiro prometia ajudar Augusto Ramos numa concorrência pública. O Ministério Público apresentou a denúncia acolhida pela Justiça Federal por conduta criminosa em negociações para renovação do contrato entre a Caixa Econômica Federal em 2003. Sendo inicialmente exigido por uma "consultoria" 15 milhões de reais, que foram fechados em 6 milhões de reais.[177][178][179]

Em 2005 o assessor do Deputado Estadual do Ceará José Nobre Guimarães, irmão de José Genoíno, hoje Deputado Federal, foi preso com 440 mil reais na cueca. Guimarães negou relação com tal dinheiro, mas admitiu que recebeu R$ 250 mil, não oficializados pela Justiça Eleitoral, para serem gastos na campanha de Cirilo (candidato a prefeito no Ceará). O Diretório Nacional do PT negou oficialmente o repasse. O Conselho de Ética da Assembléia recomendou a cassação do mandato de Guimarães, contudo Guimarães, líder do PT no Ceará, se manteve no cargo por 23 votos contra 16.[180]

Escândalo do Mensalão

Ver artigo principal: Escândalo do mensalão
José Dirceu foi o Ministro-chefe da Casa Civil do governo Lula. Ele foi afastado depois de Roberto Jefferson acusá-lo de ser o coordenador de um esquema ilegal de pagamentos mensais para congressistas. Em 2012, foi condenado a 10 anos e 10 meses de detenção.

As crises políticas tiveram seu ápice em julho de 2005 quando denunciaram o esquema de compra de votos de deputados no Congresso e o financiamento de campanhas por "Caixa 2". Conhecido como o "Escândalo do Mensalão", foi o momento mais crítico da gestão Luiz Inácio Lula da Silva e considerado o pior escândalo de seu governo e resultou na cassação do mandato de José Dirceu em dezembro de 2005, detentor do principal posto de coordenação política do país naquele momento, sendo tratado pela imprensa como o verdadeiro homem forte da administração federal, a quem caberia as decisões.[181] E os desdobramentos das investigações se estenderam até 2008 na Operação Satiagraha.[182]

Em 2011, já depois do fim dos dois mandatos do presidente Lula, reportagem de capa da Revista Época trouxe a informação de que um relatório final da Polícia Federal confirmou a existência do mensalão.[183] O documento de 332 páginas foi a mais importante peça produzida pelo governo federal para averiguar o esquema de desvio de dinheiro público e uso para a compra de apoio político no Congresso durante o Governo Lula.[184] A reportagem da Revista Época foi contestada uma semana depois pela revista CartaCapital, que destacou que não havia "uma única linha no texto" da PF que confirmava a existência do esquema de pagamentos mensais a parlamentares da base governista em troca de apoio a projetos do governo no Congresso Nacional.[185]

Até o final do primeiro mandato de Lula, outras denúncias de escândalos foram sendo descobertas, como o caso da quebra de sigilo de um caseiro, que levou a demissão do ministro Antonio Palocci, além de a tentativa de compra de um dossiê por parte de agentes da campanha do PT de São Paulo.

Em fevereiro de 2011, o Ministério Público Federal entrou com ação contra o ex-presidente Lula por improbidade administrativa.[186] A acusação é de que ele e o ex-ministro da Previdência Social Amir Francisco Lando teriam usado a máquina pública para promoção pessoal e a fim de favorecer o Banco BMG.[186] As supostas irregularidades ocorreram entre outubro e dezembro de 2004.[186][187]

Crise do setor aéreo

Ver artigo principal: Crise no setor aéreo brasileiro

A crise no setor aéreo brasileiro ou "apagão aéreo", como divulgado pela imprensa em 2006, foi uma série de colapsos no transporte aéreo que foram deflagrados após o acidente do voo Gol 1907 em 29 de setembro de 2006. Apagão é um nome adotado no Brasil para referir-se a graves falhas estruturais em algum setor. Durante mais de um ano a situação no transporte aéreo de passageiros no Brasil passou por dificuldades, ocasionando inclusive a queda do ministro da Defesa do governo Lula, Waldir Pires.[188][189][190][191][192]

Escândalo dos cartões corporativos

Deputados do PSOL pedem investigação do chamado "escândalo dos cartões corporativos".

No início de 2008, começava uma nova crise: a crise do uso de cartões corporativos.[193] As denúncias levaram à demissão da Ministra da Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, que foi a recordista de gastos com o cartão em 2007.[194] O ministro dos Esportes Orlando Silva devolveu aos cofres públicos mais de R$ 30 mil, evitando uma demissão.[195] A denúncia que gerou um pedido de abertura de CPI por parte do Congresso foi a utilização de um cartão corporativo de um segurança da filha de Lula, Lurian Cordeiro Lula da Silva, com gasto de R$ 55 mil entre abril e dezembro de 2007.[196] Fernando Henrique Cardoso criticou a proposta dos governistas de iniciarem as investigações a partir dos gastos feitos na sua gestão alegando que isso é um jogo político. A acusação que existe é no governo atual e criticou os saques em dinheiro feitos com o cartão corporativo.[197] A investigação, no entanto, contou com a abrangência desde o período de governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso.[198]

A imprensa revelou que o Palácio do Planalto montou um dossiê que detalhava gastos da família de FHC e que os documentos estariam sendo usados para intimidar a oposição na CPI, mas a Casa Civil negou a existência do dossiê.[199] Meses depois, sob críticas da oposição, a CPI dos Cartões Corporativos isentou todos os ministros do governo Lula acusados de irregularidades no uso dos cartões e não mencionou a montagem do dossiê com gastos do ex-presidente FHC.[200]

Caso Erenice Guerra

Ver artigo principal: Caso Erenice Guerra

Em setembro de 2010, em pleno período eleitoral e embasada por depoimento de Fábio Baracat, empresário do setor de transportes, a revista Veja acusou Israel Guerra, filho da então ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, de participar de um esquema de tráfico de influência, em que ele cobraria propina de 6% para facilitar, por seu intermédio, negócios com o governo.[201] Conforme relatório da Controladoria Geral da União, sua irmã Maria Euriza Carvalho, quando assessora jurídica da EPE, contratou sem licitação, um escritório de advocacia que tinha como sócio o outro irmão da ministra, Antonio Alves de Carvalho.[202] Fato este publicado pelo Jornal O Estado de S. Paulo[203] e pela revista Veja com o título Esquema da família de Erenice Guerra age também no Ministério de Minas e Energia.[204]

O sócio responsável pelo escritório, Márcio Luiz Silva, integrou a coordenação jurídica da campanha da candidata do PT à presidência Dilma Rousseff, que venceu a eleição em outubro de 2010.[205]

Em virtude das acusações, Erenice deixou à disposição sigilo fiscal, bancário e telefônico seu e de pessoas de sua família disponíveis para consulta.[206] O próprio Baracat, entretanto, publicou nota de esclarecimento desmentindo as acusações da revista.[207]

Erenice rebateu as acusações da revista por meio de uma nota oficial em papel timbrado da presidência onde acusou o adversário de Dilma Rousseff nas eleições presidenciais de 2010, José Serra, como responsável pelas acusações.[208] Na agressiva nota oficial, Erenice chamou José Serra de "um candidato aético e já derrotado".[208][209]

Passaportes diplomáticos

Lula solicitou passaportes diplomáticos para seus filhos durante os últimos dias de seu mandato, "em caráter excepcional" e "em função de interesse do país". Os filhos de Lula poderiam receber o documento se fossem dependentes até os 21 anos, o que não é o caso dos filhos de Lula que tinham 25 e 39 anos na aquisição.[210] Apesar da aparente violação decreto 5.978/2006, que regulamenta a emissão de passaportes diplomáticos, não houve a devolução dos passaportes [211] e Chanceler alega que pode dar o benefício em "caráter excepcional." [212]

Ver também

Referências

  1. «Raio-X das eleições». UOL Eleições 2010. Consultado em 5 de junho de 2011 
  2. «Após três eleições, Lula chega à Presidência da República». Folha poder. 27 de outubro de 2002. Consultado em 5 de junho de 2011 
  3. «Com 100% das urnas apuradas, Lula é reeleito com 60,83%». Terra notícias. 30 de outubro de 2006. Consultado em 5 de junho de 2011 
  4. «Lula encerra governo com aprovação recorde, mostra CNI-Ibope». Correio Braziliense. 16 de dezembro de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011 
  5. «Aprovação de Lula chega a 83%, diz Datafolha». R7 Brasil. 19 de dezembro de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2010 
  6. «Lula encerra governo com aprovação recorde de 87% da população». R7 Brasil. 29 de dezembro de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2011 
  7. «O país que ele construiu». IstoÉ Dinheiro. 29 de dezembro de 2010. Consultado em 26 de junho de 2011 [ligação inativa]
  8. «GDP growth (annual %) | Data». data.worldbank.org (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2017 
  9. «Inflação e Dívida Pública». R7. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  10. Karenine Miracelly Rocha da Cunha. «Agora é Lula: Enquadramentos do Governo do PT pelo Jornal Nacional» (PDF). Universidade Estadual Paulista 
  11. Andre Domingues Figaro (2005). Comentários à Reforma do Judiciário: Emenda Constitucional 45. [S.l.]: Premier Máxima. ISBN 8598290238 
  12. «Lula admite que Pan 07 custará "muito" ao país». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  13. «Um ano depois da Copa, oito dos 12 estádios têm prejuízo». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  14. «Organizar Olimpíada dá prejuízo, menos para o COI». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  15. «Gasto público com o Pan aumenta 684% em 5 anos». Folha de SP. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  16. «Arenas da Copa do Mundo se revelam 'elefantes brancos'». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  17. «Um ano depois, Olimpíada do Rio continua polêmica». Folha de São Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  18. «Brasil ocupa 75º lugar em ranking de corrupção, diz ONG». Estadão Política. 17 de novembro de 2009. Consultado em 16 de julho de 2011 
  19. «Brasil fica em 72º em ranking mundial de corrupção, diz ONG». G1 corrupção. 26 de junho de 2007. Consultado em 16 de julho de 2011 
  20. «Brasil é "democracia falha"». Gazeta do Povo. 3 de maio de 2009. Consultado em 16 de julho de 2011 
  21. «Folha Online - Brasil - Leia íntegra da carta de Lula para acalmar o mercado financeiro - 24/06/2002». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de junho de 2019 
  22. «Lula toma posse em cerimônia com 'jeito de povo'». BBC Brasil. 1 de janeiro de 2003. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  23. «Lula assume o país diante de 200 mil pessoas. Posse foi marcada por festa popular». Revista Época. 1 de janeiro de 2003. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  24. «Cerimônia da posse de Lula começa com desfile em carro aberto». Alagoas 24 Horas. 1° de janeiro de 2007. Consultado em 26 de julho de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  25. Flávio Vilela Vieira; Michele Polline Veríssimo. «Crescimento econômico em economias emergentes selecionadas: Brasil, Rússia, Índia, China (BRIC) e África do Sul» (PDF). Universidade Federal de Uberlândia. Consultado em 21 de julho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2016 
  26. «Lula mantém Meirelles no BC e evita terrorismo de Serra». Conversa Afiada. 1 de abril de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011 
  27. «Por cinco votos a quatro, STF arquiva denúncia contra deputado Antonio Palocci». Supremo Tribunal Federal. 27 de agosto de 2009. Consultado em 5 de junho de 2011 
  28. a b «Por que as eleições no Brasil importam no cenário internacional». BBC Brasil. O Globo País. 28 de setembro de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011 
  29. «Apesar da crise». Litoral Virtual. 22 de agosto de 2005. Consultado em 5 de junho de 2011 
  30. «SALÁRIO MÍNIMO» (PDF). Ministério do Trabalho e Emprego. 24 de janeiro de 2006. Consultado em 5 de junho de 2011 
  31. «Ford planeja novo automóvel popular para crescer no Brasil». Brasil Econômico. 24 de agosto de 2010. Consultado em 5 de junho de 2011 
  32. «Brasil cai 18 posições em ranking global de inovação». BBC Brasil. 5 de março de 2010. Consultado em 16 de julho de 2011 
  33. «Arrecadação federal sobe para R$ 805 bilhões em 2010 e bate recorde». G1. 20 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  34. «Análise Conjuntural Do Governo Luiz Inácio Lula Da Silva – 2003 - 2010: Algumas Alterações No Cenário Brasileiro». Artigonal. 13 de março de 2010. Consultado em 13 de junho de 2011 
  35. «Setor Externo». Banco Central do Brasil. Abril de 2011. Consultado em 13 de junho de 2011 
  36. «Dívida pública interna fecha 2010 em R$ 1,6 trilhão». Valor Online. UOL Notícias. 1 de fevereiro de 2011. Consultado em 13 de junho de 2011 
  37. a b «Reservas internacionais encerram 2010 em US$ 288,5 bilhões». Valor Online. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 18 de junho de 2011. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2011 
  38. Banco Central do Brasil (15 de maio de 2012). «Reservas internacionais » Dados diários». Consultado em 17 de maio de 2012 
  39. «Reservas internacionais fecham 2010 em nível recorde». Veja. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 18 de junho de 2011 
  40. «A evolução da taxa Selic». Estadão. 29 de abril de 2009. Consultado em 18 de junho de 2011 
  41. «"Esse é o cara!", diz Obama sobre Lula». BBC Brasil. Terra. 2 de abril de 2009. Consultado em 18 de junho de 2011 
  42. «Para os Estados Unidos, o Brasil é hoje parte da solução». Estadão. 14 de março de 2009. Consultado em 18 de junho de 2011 
  43. a b «Brasil foi um dos países que melhor reagiram à crise, diz estudo alemão». BBC Brasil. 23 de abril de 2010. Consultado em 18 de junho de 2011 
  44. «Histórico de Metas para a Inflação no Brasil» (PDF). Banco Central do Brasil. Consultado em 7 de junho de 2011 
  45. «Meta de inflação ajustada para este ano é de 8,5%, anuncia o BC». Estadão Cidades. 21 de janeiro de 2003. Consultado em 7 de junho de 2011 
  46. a b «Definição das metas para a inflação em 2004 e 2005». Ministério da Fazenda. 24 de junho de 2003. Consultado em 7 de junho de 2011. Arquivado do original em 16 de julho de 2010 
  47. a b Geraldo Biasoto Junior; et al. (2009). Panorama das economias Internacional e Brasileira: dinâmica e impactos da crise global. [S.l.]: Fundap. ISBN 9788572851152 
  48. a b «Inflação oficial fecha ano em 4,31%, a menor taxa desde 2006». G1. 13 de janeiro de 2010. Consultado em 7 de junho de 2011. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2010 
  49. a b «Inflação oficial fecha 2010 com alta de 5,91%, maior nível em 6 anos». Estadão Economia&Negócios. 7 de janeiro de 2011. Consultado em 7 de junho de 2011 
  50. a b «Governo Lula teve crescimento médio de 4% do PIB e superou FHC». Brasil Atual. 3 de março de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  51. a b «Lula fica na 19ª posição entre presidentes do país». Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 4 de março de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 [ligação inativa]
  52. «Economia brasileira cresce 7,5% em 2010, maior avanço em 24 anos». Estadão Economia&Negócios. 3 de março de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  53. a b c d «Economia brasileira cresce 7,5% em 2010, maior alta em 24 anos». UOL. 3 de março de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  54. «Economia brasileira cresce 5,4% em 2007, maior taxa desde 2004, diz IBGE». Folha mercado. 12 de março de 2008. Consultado em 14 de julho de 2011 
  55. a b «Economia brasileira cresce 5,4% em 2007, aponta IBGE». UOL Economia. 12 de março de 2008. Consultado em 16 de novembro de 2014 
  56. «Agropecuária foi o setor que mais cresceu em 2007». UOL Economia. 12 de março de 2008. Consultado em 16 de novembro de 2014 
  57. «BC intervém e dólar à vista reduz alta para R$ 2,45». UOL Economia. 8 de outubro de 2008. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  58. «Veja as medidas já anunciadas no Brasil para combater os efeitos da crise». Folha de S.Paulo. 15 de setembro de 2009. Consultado em 18 de novembro de 2014 
  59. «PIB cresce 5,1% em 2008, apesar de cair no 4º trimestre». Estadão Economia&Negócios. Consultado em 14 de julho de 2011 
  60. a b c d «Desocupação fica em 5,3% em dezembro e fecha 2010 numa média de 6,7%». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  61. a b «Taxa de desemprego em 2010 é a menor da série do IBGE». Valor. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 [ligação inativa]
  62. a b c «Geração de emprego formal em 2010 bate recorde e soma 2,52 milhões». Estadão Economia&Negócios. 18 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de junho de 2011 
  63. a b c «Bird vê 'avanços dramáticos' em redução da pobreza no Brasil». BBC Brasil. 20 de abril de 2010. Consultado em 18 de junho de 2011 
  64. «Desigualdade na berlinda» (PDF). O Globo. Fundação Getúlio Vargas. 28 de fevereiro de 2005. Consultado em 5 de agosto de 2011 
  65. «Um país menos desigual». O Globo. Assessoria de Imprensa da Universidade Federal de Campina Grande. 19 de setembro. Consultado em 5 de agosto de 2011  Verifique data em: |data= (ajuda)
  66. a b «Renda cai e Brasil continua em 63º no IDH». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 7 de setembro de 2005. Consultado em 24 de junho de 2011 
  67. a b «IDH do Brasil melhora, e país ocupa a 75ª posição em ranking». G1. 5 de outubro de 2009. Consultado em 24 de junho de 2011 
  68. «Brasil fica em 75º lugar no ranking do IDH». UOL. 5 de outubro de 2009. Consultado em 24 de junho de 2011 
  69. a b c «Brasil ocupa 73ª posição entre 169 países no IDH 2010». G1. 4 de novembro de 2010. Consultado em 24 de junho de 2011 
  70. «Evolução e Perspectivas da Mortalidade Infantil no Brasil» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1999. Consultado em 5 de julho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 20 de junho de 2009 
  71. Ministério da Saúde. «Informações e Análises». Portal da Saúde. Consultado em 5 de agosto de 2011. Arquivado do original em 23 de maio de 2009 
  72. a b c d «Happy families - An anti-poverty scheme invented in Latin America is winning converts worldwide» (em inglês). The Economist. Take Brazil's Bolsa Família (“Family Fund”) anti-poverty scheme, the largest of its kind in the world. [...] The scheme has also helped to push the rate of economic growth in the poor north-east above the national average. This has helped to reduce income inequality in Brazil. Although only 30% of Alagoas's labour force of 1.3m has a formal job, more than 1.5m of its people had a mobile phone last year. 
  73. «Bolsa Família». Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Consultado em 5 de julho de 2011 
  74. «Presidente Lula reajusta faixa de renda dos beneficiários do Bolsa Família». Folha poder. 17 de abril de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  75. «FH deu bolsa a 5 milhões e Lula a 7 milhões». O Globo país. 11 de fevereiro de 2011. Consultado em 5 de julho de 2011 
  76. «Todas as classes consumiram mais no primeiro trimestre, aponta pesquisa». Folha mercado. 13 de maio de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  77. «Bolsa Família ganha adeptos no mundo inteiro, diz revista 'Economist'. BBC Brasil.com, in UOL: Economia: Últimas Noticias, 08/02/2008 - 15h20» 
  78. «Happy families: An anti-poverty scheme invented in Latin America is winning converts worldwide. The Americas: Brazil in The Economist print edition, MACEIÓ: Feb 7th 2008» 
  79. Jean-Pierre Langellier (18 de setembro de 2008). «Au Brésil, une bourse pour aller à l'école». Le Monde 
  80. Centro Internacional de Políticas para Crescimento Inclusivo. «Direito ou Privilégio: o programa Bolsa Família e o significado local» (PDF). Consultado em 5 de agosto de 2011. Arquivado do original (PDF) em 11 de dezembro de 2009 
  81. «Um terceiro mandato?». Editora Plêiade. Consultado em 6 de agosto de 2011 
  82. a b Projeto Fome Zero. «Report of the Joint FAO/IDB/WB/Transition Team Working Group» (em inglês). Consultado em 5 de agosto de 2011. Arquivado do original em 25 de outubro de 2011 
  83. a b c d e «Após fracasso, governo sepulta Primeiro Emprego». Folha mercado. 31 de agosto de 2007. Consultado em 5 de julho de 2011 
  84. «Lula chora ao descer a rampa do Planalto e encerrar governo». Jornal do Brasil. 1 de janeiro de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2011 
  85. «Secretário-geral da ONU elogia Fome Zero e Bolsa Família». Portal Terra. 27 de maio de 2010. Consultado em 7 de agosto de 2011 
  86. «Programa Primeiro Emprego pode voltar de cara nova». O Globo economia. 6 de dezembro de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  87. a b «Clipping: Governo Lula libertou 32 mil pessoas do trabalho escravo». Portal Vermelho. Repórter Brasil. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2011 
  88. «Brasil - Trabalho escravo: um problema que persiste». ADITAL. 12 de agosto de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  89. «Lula prometerá acabar com o trabalho escravo e infantil até 2015». O Globo economia. 9 de junho de 2009. Consultado em 5 de julho de 2011 
  90. «Exploração do trabalho no Brasil, escândalo no "espetáculo do crescimento" de Lula». Movimento Negação da Negação. 13 de setembro de 2009. Consultado em 19 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  91. «MPF/TO pede condenação de empresário por trabalho escravo - 8/4/2011». Turminha do MPF. 8 de abril de 2011. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  92. «Clipping: MPF consegue condenação de empresário por trabalho escravo em fazendas de cana». Gazeta Web. Repórter Brasil. 25 de novembro de 2010. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2010 
  93. «Fatos em Foco, com Hamilton Octavio de Souza». Correio do Brasil. 12 de maio de 2009. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  94. «Clipping: Brasil do século XXI - Trabalho escravo sem punição». O Globo. Repórter Brasil. 20 de setembro de 2006. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 24 de maio de 2008 
  95. «Brasil está aquém do necessário para sistemas universais de saúde, admite ministério». Folha cotidiano. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  96. «Famílias gastam 10 vezes mais com remédios do que o governo no Brasil». Folha cotidiano. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  97. «Orçamento da saúde não atende às demandas do ministério, diz Temporão». Folha poder. 28 de janeiro de 2010. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  98. «A Interação Aluno ProUni e o Posto Antares da Biblioteca PUC Minas: Um Estudo de Usuários.» (PDF). Diálogo Científico. Consultado em 19 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  99. http://revista.brasil.gov.br/reportagens/prouni-leva-mais-alunos-de-baixa-renda-as-universidades/prouni-leva-mais-alunos-de-baixa-renda-as-universidades[ligação inativa]
  100. a b «ProUni leva mais alunos de baixa renda às universidades». Revista Brasilis. Consultado em 19 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  101. «Lula é o presidente que criou mais universidades no Brasil». Hora Popular. 18 de setembro de 2009. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2012 
  102. «Em ano eleitoral, governo federal cria universidade e compara ações para área de educação». Folha poder. 12 de janeiro de 2010. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  103. «Unila». Salseiro. 30 de março de 2011. Consultado em 20 de agosto de 2011. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  104. «A universidade de R$ 550 milhões». Época. 17 de março de 2011. Consultado em 20 de agosto de 2011 
  105. «Número de vagas nas universidades deve aumentar». Nota 10. 30 de agosto de 2010. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  106. «País vai dobrar número de vagas em universidades e institutos federais até 2014». Presidência da República Federativa do Brasil. 19 de agosto de 2011. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  107. «Especialistas defendem que pesquisas devem ter objetivos sociais». Universidade de Brasília. 23 de novembro de 2010. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 8 de maio de 2015 
  108. «Professor com doutorado ganha menos do que professora primária». Folha Online. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  109. «Diretoria Executiva da Andifes participa de reunião com o ministro Fernando Haddad». Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de Santa Catarina. 5 de maio de 2008. Consultado em 21 de agosto de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  110. «Universidades Federais conseguem mais autonomia». Brasilianas. 28 de julho de 2010. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  111. a b c Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo (Maio de 2005). «Lula 2 anos depois: Governo neoconservador» (PDF). São Paulo. Revista Adusp (34): 51-54. ISSN 1807-3306 Verifique |issn= (ajuda). Consultado em 5 de agosto de 2011. Arquivado do original (PDF) em 2 de dezembro de 2010 
  112. «Investimento em educação chega a 4,7% do PIB, mas movimentos sociais consideram valor baixo». O Globo Educação. 16 de março de 2010. Consultado em 6 de julho de 2011 
  113. a b c d e f g Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (2010). «Monitoramento dos Objetivos de Educação para Todos no Brasil» (PDF). Consultado em 5 de agosto de 2011 
  114. «Relatório da Unesco diz que Brasil tem baixos índices na educação básica». Folha saber. 19 de janeiro de 2010. Consultado em 6 de julho de 2011 
  115. «Segunda chamada para o Enem». Veja. 14 de outubro de 2009. Consultado em 6 de julho de 2011. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2013 
  116. «MEC ameaça processar alunos por comentários no Twitter». Folha saber. 7 de novembro de 2010. Consultado em 6 de julho de 2011 
  117. «Marina Silva deixa ministério. Carlos Minc e Jorge Viana são cotados para substituí-la». O Globo país. 14 de maio de 2008. Consultado em 13 de julho de 2011 
  118. «SAIBA MAIS-Histórico do desmatamento da Amazônia». Reuters Brasil. 12 de novembro de 2009. Consultado em 13 de julho de 2011 
  119. «Imazon: mais 7 mil km² da Amazônia devem ser devastados em 1 ano». Terra. 15 de julho de 2011. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  120. «Risco de desmatamento» (PDF). Amazônia. Consultado em 19 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  121. «Governo brasileiro divulga dados sobre desmatamento na Mata Atlântica e projeta ações para 2011». Presidência da República Federativa do Brasil. 1 de dezembro de 2010. Consultado em 19 de julho de 2011 
  122. Philip M. Fearnside, Pesquisador do Departamento de Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, in Queimada e desmatamento - Citação: Sabemos que a taxa de desmatamento da Amazônia Legal como um todo diminuiu significativamente entre 1987 e 1991. A taxa anual de 11,1 km² em 1991 foi apenas a metade da média anual de 20,3 mil km² entre 1978 e 1988.
  123. «Lula sanciona lei de mudanças climáticas com vetos». Folha ambiente. 29 de dezembro de 2009. Consultado em 13 de julho de 2011 
  124. «Deu no Financial Times». Agência de Notícias Brasil-Árabe. 6 de novembro de 2009. Consultado em 30 de agosto de 2011. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2009 
  125. «Conheça as principais medidas do Programa de Aceleração do Crescimento». UOL Economia. 22 de janeiro de 2007. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  126. «Dados oficiais mostram que governo Geisel investiu mais do que gestão de Lula». O Globo país. 8 de março de 2010. Consultado em 15 de julho de 2011 
  127. «'Eu não estou contente com o que fizemos até agora', diz Lula durante lançamento do PAC-2». O Globo país. 29 de março de 2010. Consultado em 15 de julho de 2011 
  128. «PAC-2 vai ser lançado nesta segunda-feira, mesmo com PAC-1 atrasado». O Globo país. 29 de março de 2010. Consultado em 15 de julho de 2011 
  129. «Líder do PSDB contesta balanço do PAC». O Globo país. 4 de fevereiro de 2010. Consultado em 15 de julho de 2011 
  130. «Anac tem 3 diretorias vagas e não pode tomar decisões importantes, prejudicando setor aéreo». O Globo economia. 3 de abril de 2010. Consultado em 14 de julho de 2011 
  131. «Lula critica privatização no dia de leilão de rodovias». Estadão Economia. 9 de outubro de 2007. Consultado em 18 de junho de 2011 
  132. a b c d «Enfim, Lula privatizou...». Época. 11 de outubro de 2007. Consultado em 18 de junho de 2011 
  133. «CPI do Sistema Carcerário vai pedir indiciamento de 40 autoridades, afirma relator». O Globo país. 24 de junho de 2008. Consultado em 15 de julho de 2011 
  134. «Reforma do Código de Processo Penal ameaça tornar Justiça mais lenta». O Globo país. 18 de março de 2010. Consultado em 15 de julho de 2011 
  135. «Candidatos prometem fiscalização e plano de habitação para conter favelas». O Globo país. 1 de setembro de 2008. Consultado em 16 de julho de 2011 
  136. «São Paulo tem menos favela e mais favelado». Estadão São Paulo. 17 de outubro de 2009. Consultado em 16 de julho de 2011 
  137. «Computador para Todos impulsiona Insigne». Baguete. 15 de março de 2010. Consultado em 16 de julho de 2011 
  138. «Acesso à internet em casa bate conexões em lan houses no Brasil». Época Negócios. 6 de abril de 2010. Consultado em 16 de julho de 2011 
  139. «IBGE: acesso à internet cresce, mas ainda é desigual». Época Negócios. 11 de dezembro de 2009. Consultado em 16 de julho de 2011 
  140. a b «Sardenberg: Anatel analisa alertas de possível 'caladão'». Abril. 25 de novembro de 2009. Consultado em 4 de setembro de 2011. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  141. a b «Comissão da Anatel vai trabalhar para evitar apagão na telefonia». PC World. 25 de novembro de 2009. Consultado em 4 de setembro de 2011 [ligação inativa]
  142. «Associação das operadoras nega risco de 'caladão' no Brasil». PC World. 25 de novembro de 2009. Consultado em 4 de setembro de 2011 [ligação inativa]
  143. «Anatel fará reunião para avaliar aumento da demanda». G1. 25 de novembro de 2009. Consultado em 4 de setembro de 2011 
  144. «Programa Banda Larga nas Escolas». MEC - Governo Federal. Consultado em 3 jun. 2012 
  145. «Banda larga vai chegar a 100% das escolas públicas urbanas até final de 2011». Olhar Digital. 2 fev. 2011. Consultado em 2 jun. 2012 
  146. «Brasil-FMI: a política externa financeira do governo Lula» (PDF). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original (PDF) em 11 de janeiro de 2012 
  147. por Lucas D’Nillo S. Sousa; Mudanças na política externa brasileira em direitos humanos
  148. «Cómo Lula posicionó a Brasil en el mundo» (em espanhol). La nación. 21 de setembro de 2009. Consultado em 19 de novembro de 2011. Con más de 385 días en el exterior, Lula ya lleva más de un año de su mandato fuera de Brasil. Desde su asunción, el presidente brasileño ya visitó más de 200 países (incluyendo repeticiones)[...]. [...] "No se trata de altruismo, sino de disminuir las resistencias al fortalecimiento de Brasil en el escenario internacional -dice Castelán-, ya que algunas demandas brasileñas[...] ganan peso cuando no sufren oposición de otros países. Por eso, la política africana y con países menores sirve para que menos países se opongan a Brasil". 
  149. a b IPEA (2010). Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional: 2005-2009 (PDF). Brasília: [s.n.] 
  150. a b «Cuba é o principal destino da ajuda humanitária brasileira». Veja Brasil. 12 de janeiro de 2011. Consultado em 8 de julho de 2011 
  151. a b c Paulo G. Fagundes Vizentini (Agosto–Dezembro de 2007). «O Brasil, o Mercosul e a integração da América do Sul». Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas. 1 (1). ISSN 1984-1639. Consultado em 5 de agosto de 2011. Arquivado do original (PDF) em 2 de dezembro de 2013 
  152. Visitas oficiais do Governo Lula[ligação inativa] - maio de 2009 - Citação: Na segunda-feira (18), a comitiva do presidente Lula chega a Pequim, na China. A pauta com o presidente Hu Jintao é a mais complexa das três: inclui não apenas o comércio e o investimento bilateral, mas também questões políticas. China e Brasil concordam sobre a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas, mas o governo brasileiro quer ainda o apoio da China em sua batalha por um assento permanente na instituição. Além disso, os investimentos da China no Brasil estariam "abaixo do potencial" e, segundo um diplomata, o assunto também será tratado no encontro presidencial. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento (com base em números do Banco Central), em 2008 os chineses investiram US$ 38 milhões no Brasil. No mês passado, a China ultrapassou os Estados Unidos como principal destino das exportações brasileiras. Mas as importações da China ainda são mais fortes. A balança comercial entre os dois países é favorável à China em US$ 3,6 bilhões.
  153. China se torna principal parceiro comercial do Brasil em 2009
  154. Ajustes na balança comercial 2009 colocam China como principal parceiro comercial do Brasil - Publicação da lista consolidada de parceiros comerciais do Brasil em 2009
  155. China, uma parceira estratégica que preocupa o Brasil publicado em 2011 - Citação: Para o membro fundador da Comissão de Defesa da Indústria Brasileira (Cdib), Manolo Canosa, o principal problema para os fabricantes brasileiros é que o produto chinês entra no mercado em condições muito mais competitivas. Segundo o empresário Roberto Barth, também membro da Cdib, a invasão de produtos chineses a preços baixos nas prateleiras verde-amarelas já está acarretando o fechamento de fábricas. “Essa importação, que tem acontecido de forma desleal, vem causando um grande dano. Alguns setores definham visivelmente, mostrando já uma desindustrialização”.
  156. Brasil satisfeito com apoio da China e Rússia à reivindicação de integrar Conselho de Segurança da ONU - Publicado em 2008-05-16
  157. Itamaraty - Reforma da ONU Arquivado em 20 de junho de 2012, no Wayback Machine. - Citação: A aspiração brasileira por um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas decorre da percepção de que os países em desenvolvimento devem ter um papel no Conselho à altura de sua importância política e econômica e de que o Brasil possui as credenciais e a capacidade necessária para contribuir de forma contínua para a manutenção da paz e segurança internacionais.
  158. Revista Brasileira de Política Internacional, Vol. 48 n° 2 Brasília July/Dec. 2005 - ISSN 0034-7329 - Citação: A dificuldade em ampliá-lo não decorreria apenas da insuficiência de meios brasileiros, mas, no todo, da contraposição nacional a todos os demais aspirantes: Alemanha Itália; Índia Paquistão; Japão China
  159. «Reunião de ministros da América Latina discute missão de paz no Haiti». BBC Brasil. Folha. 3 de setembro de 2007. Consultado em 8 de julho de 2011 
  160. «2005: Un año terminándose en represión y terror sobre las masas populares» (em espanhol). Batay Ouvriye. 2 de janeiro de 2006. Consultado em 8 de julho de 2011. [...] los militares de la MINUSTAH ametrallaron literalmente la población. [...] Varias personas fueron heridas, las fuerzas de ocupación habiendo ametrallado las pobres casas de cartón y hasta las iglesias. 
  161. a b «Retirada das tropas do Haiti». Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos. 8 de agosto de 2008. Consultado em 8 de julho de 2011 
  162. «Brasil doa US$ 172 milhões para a reconstrução do Haiti». BBC Brasil. O Globo mundo. 31 de março de 2010. Consultado em 8 de julho de 2011 
  163. a b «EUA perdem caso de algodão proposto pelo Brasil». Reuters Brasil. 2 de junho de 2008. Consultado em 8 de julho de 2011 
  164. «Lista de retaliação aos EUA inclui trigo, algodão e metanol». O Globo. 8 de março de 2010. Consultado em 8 de julho de 2011 
  165. «Brasil critica protecionismo e cobra conclusão de Doha». O Globo. 8 de abril de 2010. Consultado em 8 de julho de 2011 
  166. «Bolívia ocupa Petrobras e nacionaliza exploração de petróleo e gás». Folha mundo. 1 maio de 2006. Consultado em 8 de julho de 2011 
  167. «O NOVO ACORDO BRASIL-PARAGUAI E A RENEGOCIAÇÃO DO TRATADO DE ITAIPÚ» (PDF). Konrad Adenauer Stiftung. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  168. «Unasul e Itaipu criam polêmicas nas votações da Câmara». Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino. 15 de março de 2011. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  169. «Comissão do Senado aprova triplicar valor pago por energia de Itaipu». G1 Política. 28 de abril de 2011. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  170. «Brasil anuncia acordo com Paraguai e pagará mais por energia de Itaipu». Veja Economia. 25 de julho de 2009. Consultado em 8 de julho de 2011 
  171. «Acima das expectativas, Lula encerra mandato com melhor avaliação da história». Datafolha. 20 de dezembro de 2010. Consultado em 27 de Maio de 2019 
  172. a b «Taxa de aprovação a Lula bate novo recorde e alcança 70%, diz Datafolha». Folha poder. 5 de dezembro de 2008. Consultado em 14 de julho de 2011 
  173. «Governo Lula é aprovado por 78% da população». R7 Brasil. 2 de julho de 2010. Consultado em 14 de julho de 2011. Arquivado do original em 7 de novembro de 2014 
  174. a b «Aprovação a Lula volta a patamar recorde». Folha poder. 31 de maio de 2009. Consultado em 14 de julho de 2011 
  175. «Datafolha: aprovação de Lula cai pela primeira vez no segundo mandato, de 70% para 65%». O Globo país. 1 de junho de 2009. Consultado em 14 de julho de 2011 
  176. «Avaliação positiva do presidente Lula volta a subir em maio para 81,5% após recuo». Folha poder. Consultado em 14 de julho de 2011 
  177. «Ministério Público Federal - 28/01/2011 - Valdomiro Diniz e mais sete viram réus por extorsão e corrupção no caso GTech». Consultado em 8 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2012 
  178. «O protagonista do escândalo que abriu o festival de horrores». Consultado em 8 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 29 de março de 2012 
  179. «CPI FARÁ ACAREAÇÃO ENTRE WALDOMIRO DINIZ E CARLINHOS CACHOEIRA». Consultado em 8 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 18 de dezembro de 2014 
  180. Irmão de Genoino escapa de ter mandato cassado no CE
  181. Biografia - José Dirceu - UOL Educação
  182. Operação da PF prende Celso Pitta, Naji Nahas e Daniel Dantas
  183. «Relatório da PF confirma mensalão no governo Lula». Estadão. MSN. 2 de abril de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011 
  184. «Relatório da PF confirma denúncia do mensalão». Folha poder. 2 de abril de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011 
  185. «A verdade sobre o relatório da PF». Carta Capital. 10 de abril de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011 
  186. a b c MP propõem ação de improbidade e quer bloquear bens de Lula[ligação inativa] - Citação: a estratégia de beneficiar o BMG era tão "escancarada" que a instituição bancária privada ultrapassou a Caixa Econômica na época na concessão daquele tipo de empréstimo. "A má-fé ao ato de produzir e enviar as correspondências com a finalidade de se promover e de favorecer instituição financeira (...) qualifica a ilegalidade praticada, revelando a indiscutível imoralidade na conduta das autoridades" (procuradora da República Luciana Loureiro Oliveira na denúncia)
  187. «Ministério Público Federal entra com ação contra Lula por improbidade administrativa». R7 Notícias. 22 de fevereiro de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011. Arquivado do original em 27 de julho de 2011 
  188. Investimento em infraestrutura dos aeroportos pode vir com mudanças na lei
  189. Controladores de tráfego aéreo se organizam e ameaçam greve branca
  190. Corte de recursos e falta de planejamento provocou crise no setor aéreo, aponta relatório do TCU[ligação inativa]
  191. Lula agradece aos controladores paz no feriado[ligação inativa]
  192. Falha no Airbus da TAM ocorreu dois segundos antes do pouso
  193. Gazeta do Povo, in Entenda a crise dos cartões corporativos Arquivado em 18 de dezembro de 2014, no Wayback Machine. publicado em março de 2008
  194. «Ministra também abusou nas diárias de viagens». Época. 1 de fevereiro de 2008. Consultado em 13 de julho de 2011 
  195. «Ministro dos Esportes devolve R$ 30,8 mil utilizados em cartão corporativo». O Globo país. 2 de fevereiro de 2008. Consultado em 13 de julho de 2011 
  196. Veja, Edição 2047, in A república dos cartões Arquivado em 23 de dezembro de 2011, no Wayback Machine. - publicado em fevereiro de 2008 - Citação: A única filha do presidente, Lurian Cordeiro da Silva, mora com o marido e dois filhos em um condomínio em Florianópolis. Para protegê-la, o governo alugou uma casa na cidade. O imóvel funciona como centro de operações de uma equipe formada por meia dúzia de agentes que se revezam na tarefa de proteger Lurian e sua família. Com essa finalidade, entre abril e dezembro do ano passado, João Roberto Fernandes Júnior, servidor lotado no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, gastou 55 000 reais com um cartão corporativo do governo.
  197. Folha Online, in FHC defende cartão corporativo e punição para quem cometer irregularidades - publicado em 2008
  198. Altamiro Borges, publica a defesa de Luis Nassif sobre os "cartões corporativos, in Cartão corporativo e “mídia esgoto” - publicado em 2008, Citação: O “jornalismo esgoto” e descaradamente tucano também não deu manchetes aos dados da CGU sobre os gastos do governo FHC com suprimento de fundos (que envolvem os cartões corporativos). Eles foram de R$ 213,6 milhões, em 2001, e de R$ 233,2 milhões, em 2002. No governo Lula, eles foram reduzidos e mantêm-se, nos últimos cinco anos, a média anual de R$ 143,5 milhões. Segundo a CGU, as despesas só superaram este patamar em 2007, atingindo R$ 176,9 milhões, devido às despesas da Abin na segurança dos jogos Pan-americanos, à realização de dois censos do IBGE e à intensificação das operações da Polícia Federal. Elas representaram 82,4% do aumento dos gastos com cartões.
  199. «Entenda o caso envolvendo os cartões corporativos do governo». Folha poder. 28 de março de 2008. Consultado em 13 de julho de 2011 
  200. «Sob críticas da oposição, CPI aprova relatório que não pede indiciamento nem cita dossiê». Folha poder. 5 de junho de 2008. Consultado em 13 de julho de 2011 
  201. «Filho de Erenice Guerra comanda esquema de lobby no Planalto». Veja. 11 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  202. [Relatório da CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO, Assunto: Contratação da Empresa Trajano e Silva Advogados Associados, por inexigibilidade de licitação, pela Empresa de Pesquisa Energética – Contrato nº EPE 025/2009.]
  203. Família de Erenice também operou no Ministério de Minas e Energia
  204. «Cópia arquivada». Consultado em 25 de maio de 2012. Arquivado do original em 16 de setembro de 2010 
  205. «Após deixar governo, irmã de Erenice passou a usar escritório contratado sem licitação». Folha poder. 13 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  206. «Erenice Guerra rebate reportagem e põe sigilos à disposição». Estadão política. 11 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  207. «Empresário divulga nota desmentindo reportagem da revista 'Veja'». G1 Política. 11 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  208. a b «Brasil: Erenice acusa José Serra de estar por trás das acusações». Band News. 14 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 [ligação inativa]
  209. «Nota de Erenice desagrada a Lula». Estadão. Jornal de Londrina. 16 de setembro de 2010. Consultado em 13 de julho de 2011 
  210. «Itamaraty dá passaporte diplomático a filhos de Lula». Folha poder. 6 de janeiro de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011 
  211. «Após promessa, filho de Lula não devolve passaporte». Folha poder. 8 de fevereiro de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011 
  212. Chanceler pode dar o benefício, alega Itamaraty

Ligações externas