População economicamente ativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A população economicamente ativa (PEA) é definida pela soma da população ocupada (PO) e da população desocupada (PD) no âmbito de uma determinada pesquisa (censo, pesquisa domiciliar, etc.):

A população economicamente inativa (PEI) ou população não economicamente ativa (PNEA) é o restante da população em idade ativa (PIA):

Já a taxa de atividade (TA) é a razão entre a PEA e a PIA, normalmente expressa em porcento.

A PEA, PEI e TA são muito usadas em estudos sobre mercado de trabalho, emprego e rendimento; são importantes componentes da taxa de desemprego.

Ativos[editar | editar código-fonte]

A população ocupada (PO) são as pessoas que exerceram trabalho, remunerado ou sem remuneração, ou que tinham trabalho remunerado do qual estavam temporariamente afastadas, incluindo:

  • Empregados - pessoas que trabalham para um empregador ou mais, cumprindo uma jornada de trabalho, recebendo em contrapartida uma remuneração em dinheiro ou outra forma de pagamento (moradia, alimentação, vestuário, etc.). Incluem-se entre as pessoas empregadas aquelas que prestam serviço militar obrigatório e os clérigos. Os empregados são classificados segundo a existência ou não de carteira de trabalho assinada.
  • Conta Própria - aqueles que exploram uma atividade econômica ou exercem uma profissão ou ofício e não têm empregados.
  • Empregadores - aqueles que exploram uma atividade econômica ou exercem uma profissão ou ofício, com um ou mais empregados.
  • Não Remunerados - pessoas que exercem uma ocupação econômica, sem remuneração, pelo menos 15 horas na semana, ajudando a um membro da unidade domiciliar em sua atividade econômica ou ajudando cooperativas, ou, ainda, como aprendiz ou estagiário. Não é considerado trabalho a atividade não remunerada em instituições religiosas ou beneficentes, bem como o trabalho para próprio consumo do lar ou do próprio indivíduo. [1]

Já a população deocupada (PD) são aquelas sem trabalho, mas que estavam disponíveis para assumir um trabalho e que tomaram alguma providência efetiva para conseguir trabalho.[2] Ou seja, PD são pessoas que não têm trabalho, mas estão dispostas a trabalhar, e que, para isso, tomam alguma providência efetiva (consultando pessoas, jornais, etc.).

Inativos[editar | editar código-fonte]

A população economicamente inativa (PEI) ou população não economicamente ativa (PNEA) é formada pelas pessoas incapacitadas para o trabalho (incapacitados), que desistiram de buscar trabalho (desalentados), ou que não querem trabalhar; inclui os estudantes e as pessoas que cuidam de afazeres domésticos.[3] O IBGE considera "desalentado" aquele que está desempregado e há mais de um mês não busca emprego; são pessoas em idade ativa que já não buscam trabalho, uma vez que já o fizeram e não obtiveram sucesso.

Taxa de atividade[editar | editar código-fonte]

A taxa de atividade (TA), medida em percentual (%), é calculada dividindo-se a população economicamente ativa (PEA) pela população em idade ativa (PIA), multiplicado por 100:[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FEIJO, C. A. "Estatísticas da força de trabalho" In: Para entender a conjuntura econômica. 1 ed. Barueri: Editora Manole Ltda, 2008, v.1, p. 87-128
  2. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Notas Metodológicas. Vol. 1. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Acesso em 9 de julho de 2015.
  3. Bruschini, M. "Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos". Cadernos de Pesquisa vol.37 no.132 São Paulo Sept./Dec. 2007 ISSN 0100-1574
  4. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de atividade - População de 10 anos ou mais de idade. Séries Históricas e Estatísticas. Acesso em 9 de julho de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]