Governo Itamar Franco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Governo Itamar Franco
Logomarca do Governo Itamar Franco
33º presidente do Brasil Brasil
Período 2 de outubro de 1992
a 1 de janeiro de 1995
Vice-presidente nenhum
Antecessor(a) Fernando Collor
Sucessor(a) Fernando Henrique Cardoso
Dados pessoais
Partido PRN, PMDB

O Governo Itamar Franco foi um período da História do Brasil que teve início no dia 2 de outubro de 1992, com o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello, até o dia 1º de janeiro de 1995, período no qual o país esteve sob o comando de Itamar Franco.[1] O país vivia um período conturbado, portanto o novo presidente procurou realizar uma gestão transparente, buscando apoio dos partidos políticos e procurando atender aos anseios da sociedade brasileira.[2] Sua equipe de governo era composta majoritariamente por mineiros, e, sendo ele também mineiro, seu governo ficou informalmente conhecido como República do Pão de Queijo. Defendeu o relançamento do Fusca, que ficou conhecido como Fusca do Itamar.

Início de mandato[editar | editar código-fonte]

Fernando Collor de Mello é acusado de corrupção e sofre um processo de impeachment pelo Congresso Nacional, se afastando do governo. Itamar assumiu interinamente a presidência em 2 de outubro de 1992, sendo formalmente aclamado em 29 de dezembro de 1992, quando o presidente Collor renuncia ao cargo.[3] [4] [3]

O Brasil estava no meio de uma grave crise econômica, com a inflação chegando a 1100% em 1992, e alcançando 2708,55% no ano seguinte (a maior da historia do Brasil). Itamar trocou de ministros da economia várias vezes, até que Fernando Henrique Cardoso assumisse o Ministério da Fazenda[5] .

Plebiscito de 1993[editar | editar código-fonte]

Em abril de 1993, cumprindo com o previsto na Constituição de 1988, o governo realiza um plebiscito para a escolha da forma e do sistema de governo no Brasil. Quase 30% dos votantes não compareceram ao plebiscito ou anularam o voto[6] . Dos que comparecem às urnas, 66% votaram a favor da república, contra 10% favoráveis à monarquia. O presidencialismo recebeu 55% dos votos, ao passo que o parlamentarismo (o sistema da preferência de Itamar Franco) obteve 25% dos votos. Em função dos resultados, foi mantido o regime republicano e presidencialista. A votação foi livre, a tentativa de ressurreição do forma de governo monárquica veio do deputado federal Antônio Henrique Bittencourt da Cunha Bueno (do Partido Social Democrático de São Paulo), membro da Assembleia Constituinte que aprovou a Constituição[5] [6] .

Plano Real[editar | editar código-fonte]

Medida provisória que criou a Unidade Real de Valor, iniciando o Plano Real.

Unidade Real de Valor (ou URV, sigla pela qual se popularizou) foi a parte escritural da atual moeda corrente do Brasil, cujo curso obrigatório se iniciou em fevereiro de 1994[7] . Foi um índice que procurou refletir a variação do poder aquisitivo da moeda, servindo apenas como unidade de conta e referência de valores. Teve curso juntamente com o Cruzeiro Real (CR$) até o dia 1º de julho de 1994, quando foi lançada a nova base monetária nacional, o Real (R$).

Instituída pela Medida Provisória nº 482 (posteriormente transformada na Lei nº 8.880[8] ), foi parte fundamental do Plano Real, contribuindo positivamente para a mudança de moeda, para a estabilização monetária e econômica, sem medidas de choque como confiscos e congelamentos.

O ministro da fazenda responsável em gerir a equipe de economistas que planejaram a entrada do Real como moeda corrente no Brasil e executou o processo foi Fernando Henrique Cardoso, futuramente eleito Presidente da República em outubro de 1994. Foi feita a partir de idealização do economista Edmar Bacha, que estabilizou a economia e acabou com a crise hiperinflacionária[5] .

Outras realizações[editar | editar código-fonte]

O Presidente Itamar Franco fez projetos de combate à miséria ao lado do sociólogo Betinho. Em 1994 apoia o então candidato Fernando Henrique Cardoso, o qual sai vitorioso nas urnas. Itamar Franco terminou o seu governo com 41% de aprovação popular.

Referências

  1. Portal da Presidência. Itamar Augusto Cautiero Franco. Visitado em 16 fev. 2011.
  2. Brasil Escola. Itamar Franco. Visitado em 16 fev. 2011.
  3. a b Relembre o impeachment e o Governo Collor Folha UOL. Visitado em 26 de janeiro de 2011.
  4. "Depoimento de motorista leva ao impeachment do presidente", Isto é, http://www.istoe.com.br/reportagens/161904_DEPOIMENTO+DE+MOTORISTA+LEVA+AO+IMPEACHMENT+DO+PRESIDENTE .
  5. a b c Emerson Santiago (19 de julho de 2012). Governo de Itamar Franco (em português) InfoEscola. Visitado em 28 de junho de 2012.
  6. a b Entre o parlamentarismo e a monarquia, o Brasil resolveu continuar presidencialista (em português) Veja.abril.com (15 de outubro de 2010). Visitado em 28 de junho de 2012.
  7. Do pau-brasil ao real Caderno História do Jornal Gazeta do Povo de 21 de julho de 2013
  8. Site Presidência. Legislação Brasileira (em Português). Visitado em 29/06/2009.
Ícone de esboço Este artigo sobre política é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.