Constituição brasileira de 1988

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Constituição do Brasil)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Constituição do Brasil
Uma das edições originais da Constituição de 1988, exposta no Museu do Supremo Tribunal Federal (STF)
Ratificado 5 de outubro de 1988 (30 anos)
Local Brasília
 Brasil
Autores Congresso Nacional do Brasil
Propósito Constituição nacional.

Aprovada pela Assembleia Nacional Constituinte em 22 de setembro de 1988 e promulgada em 5 de outubro de 1988,[1] a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é a lei fundamental e suprema do Brasil, servindo de parâmetro de validade a todas as demais espécies normativas, situando-se no topo do ordenamento jurídico.[2] Pode ser considerada a sétima ou a oitava constituição do Brasil e a sexta ou sétima constituição brasileira em um século de república.[nota 1][2]

Ficou conhecida como "Constituição Cidadã", por ter sido concebida no processo de redemocratização, iniciado com o encerramento da ditadura militar no Brasil (1964–1985).[4] Até outubro de 2017 foram acrescentadas 104 emendas, sendo 97 emendas constitucionais ordinárias,[5] seis emendas constitucionais de revisão[6] e um tratado internacional aprovado de forma equivalente.

No dia 5 de outubro de 2013 a Constituição completou 25 anos de vigência e a data foi celebrada em várias entidades e movimentos sociais, entre os quais: foi o ato do Conselho Federal da OAB, em Brasília, que reuniu juristas, lideranças de movimentos organizados e políticos que participaram da Assembleia Constituinte, entre eles, os ex-presidentes Lula e José Sarney.[7] Na noite da mesma data o programa Repórter Senado da TV Senado exibiu um especial de uma hora e 10 minutos sobre os acontecimentos, sugestões populares e discussões da constituinte e seus desdobramentos nos 25 anos de vigência da Carta Constitucional.[8] Em 29 de outubro de 2013 foi realizada uma sessão especial no Congresso Nacional brasileiro alusiva aos 25 anos da Carta Política com a participação de atores políticos e sociais da época da constituinte e foi entregue a Medalha Ulysses Guimarães para várias personalidades, entre eles, Bernardo Cabral que fora relator na assembleia que construiu o texto constitucional de 1988.[9] Como parte das comemorações, o Governo Federal lançou uma versão da Constituição em texto, áudio e linguagem de sinais, atendendo assim a uma demanda de acessibilidade a milhões de brasileiros com deficiência sensorial.[10]

História

Sessão parlamentar que então estabeleceu a Constituição de 1988.
Ulysses Guimarães segurando uma cópia da Constituição de 1988.

Desde 1964 o Brasil estava sob uma ditadura militar, e desde 1967 (particularmente subjugado às alterações decorrentes dos Atos Institucionais) sob uma Constituição imposta pelo governo federal.

O regime de exceção, em que as garantias individuais e sociais eram restritas, ou mesmo ignoradas, e cuja finalidade era garantir os interesses da ditadura, internalizados em conceitos como segurança nacional, restrição das garantias fundamentais etc, fez crescer, durante o processo de abertura política, o anseio por dotar o Brasil de uma nova Constituição, defensora dos valores democráticos.[2] Anseio que se tornou necessidade após o fim da ditadura militar e a redemocratização do Brasil, a partir de 1985.

Independentemente das controvérsias de cunho político, a Constituição Federal de 1988 assegurou diversas garantias constitucionais, com o objetivo de dar maior efetividade aos direitos fundamentais, permitindo a participação do Poder Judiciário sempre que houver lesão ou ameaça de lesão a direitos. Para demonstrar a mudança que estava havendo no sistema governamental brasileiro, que saíra de um regime autoritário recentemente, a constituição de 1988 qualificou como crimes inafiançáveis a tortura e as ações armadas contra o estado democrático e a ordem constitucional, criando assim dispositivos constitucionais para bloquear golpes de qualquer natureza.

Com a nova constituição, o direito maior de um cidadão que vive em uma democracia representativa foi conquistado: foi determinada a eleição direta para os cargos de Presidente da República, Governador do Estado e do Distrito Federal, Prefeito, Deputado Federal, Estadual e Distrital, Senador e Vereador.[2]

A nova Constituição também previu maior responsabilidade fiscal. Pela primeira vez, uma Constituição brasileira define a função social da propriedade privada urbana, prevendo a existência de instrumentos urbanísticos que, interferindo no direito de propriedade (que a partir de agora não mais seria considerado inviolável), teriam por objetivo romper com a lógica da especulação imobiliária. A definição e regulamentação de tais instrumentos, porém, deu-se apenas com a outorga do Estatuto da Cidade em 2001.[11]

Constituintes

A Assembleia Constituinte que promulgou a Constituição era composta por 559 congressistas, sendo Ulysses Guimarães (PMDB-SP) o presidente da Assembleia.

Inspirações

Reformas de Base

O ex-presidente João Goulart apresentou em 1964 uma série de propostas de reformas, cujo conjunto ficou conhecido como Reformas de Base. Parte dessas propostas foram adotadas pela Nova Constituição, tendo como exemplo a Medida Provisória, os monopólios estatais na economia, o voto dos analfabetos, e a função social da propriedade. [12] [13]

Constituição Portuguesa

A Constituição da República Portuguesa de 1976 é apontada como uma das influências para o texto brasileiro de 1988. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, vê essa relação “notada e manifesta” quanto aos direitos fundamentais. [14] Doutrinadores apontam também semelhanças em matéria de controle de constitucionalidade. [15]

Canotilho e a Constituição Dirigente

Constituição dirigente ou compromissória é aquela que traça os objetivos a serem perseguidos pelo Estado. Recebem, ainda, o nome de constituição programática ou diretiva. As ideias foram desenvolvidas pelo jurista português José Joaquim Gomes Canotilho em sua obra Constituição Dirigente e Vinculação do Legislador de 1982. [16] [17] Essa exerceu enorme influência na Constituição de 1988. [18] [19] sendo a Carta Magna de 1988 um exemplo de Constituição dirigente, pois consagra inúmeras normas programáticas, como, por exemplo, as que estabelecem os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil previstos no artigo 3º.

Conquistas

Democracia

A carta magna de 1988 é exaltada por ter restabelecida a democracia.[20] Para Gilmar Mendes, a nova Constituição assegurou o mais longo período de estabilidade institucional da história republicana brasileira. [21]

Direitos e Garantias

A Constituição de 1988 é a mais abrangente e extensa de todas as anteriores no que se trata de Direitos e Garantias Fundamentais[22]. Segundo o jurista italiano Luigi Ferrajoli, é uma das mais avançadas do mundo no tocante aos direitos e garantias fundamentais. [23] Especialistas apontam que a Constituição de 1988 trouxe avanços no reconhecimento dos direitos individuais e sociais das mulheres.[24] Outros sustentam que a Constituição foi um marco nos direito indígenas.[25] A proteção do meio ambiente também é ressaltado como um avanço. [26]

Atuação do Ministério Público

Antes da Constituição, o Ministério Público estava subordinado ao poder judiciário. O constituinte outorgou ao Ministério Público autonomia e independência sem subordinação à estrutura dos Poderes do Estado. Essa distinção tem sido considerado fundamental para avanço no combate à corrupção. [27] [28] Alguns sustentam que ações de combate à corrupção, como a Operação Lava Jato, só foram possíveis graças às novas atribuições conferidas pela carta magna de 1988. [29]

Características

  • Formal — possui dispositivos que não são normas essencialmente constitucionais
  • Escrita — apresenta-se em um documento sistematizado dentro de cada parâmetro
  • Promulgada — elaborada por um poder constituído democraticamente
  • Rígida — não é facilmente alterada. Exige um processo legislativo mais elaborado, consensual e solene para a elaboração de emendas constitucionais do que o processo comum exigido para todas as demais espécies normativas legais. Alguns autores a classificam como super-rígida.
  • Analítica — descreve em pormenores todas as normas estatais e direitos e garantias por ela estabelecidas
  • Dogmática — constituída por uma assembleia nacional constituinte

Estrutura

Coat of arms of Brazil.svg
Parte da série sobre
Política do Brasil
Portal Portal do Brasil

A Constituição de 1988 está dividida em nove títulos. As temáticas de cada título são:[2]

Título I — Princípios Fundamentais

Do artigo 1.º ao 4º temos os fundamentos sob os quais constitui-se a República Federativa do Brasil.

Título II — Direitos e Garantias Fundamentais

Do artigo 5.º ao 17 são elencados uma série de direitos e garantias, reunidos em cinco grupos básicos:[30]

  • Capítulo I: Direitos e Deveres Individuais e Coletivos
  • Capítulo II: Direitos Sociais
  • Capítulo III: Nacionalidade
  • Capítulo IV: Direitos Políticos
  • Capítulo V: Partidos Políticos

As garantias ali inseridas (muitas delas inexistentes em Constituições anteriores) representaram um marco na história brasileira.

Título III — Organização do Estado

Do artigo 18 ao 43 é definida a organização político-administrativa, ou seja, das atribuições de cada ente da federação (União, Estados, Distrito Federal e Municípios); além disso, tratam das situações excepcionais de intervenção nos entes federativos, versam sobre administração pública e servidores públicos militares e civis, e também das regiões do país e sua integração geográfica, econômica e social.

Título IV — Organização dos Poderes

Do artigo 44 ao 135 é definida a organização e as atribuições de cada poder (Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judiciário), bem como de seus agentes envolvidos. Também definem os processos legislativos, inclusive os que emendam a Constituição.

Título V — Defesa do Estado e das Instituições Democráticas

Do artigo 136 ao 144 são definidas as questões relativas à Segurança nacional, regulamentando a intervenção do Governo Federal através de decretos de Estado de Defesa, Estado de Sítio, intervenção das Forças armadas e da Segurança pública.

Título VI — Tributação e Orçamento

Do artigo 145 ao 169 são estabelecidas as limitações tributárias do poder público (União, Estados, Distrito Federal e Municípios), organizando o sistema tributário e detalhando os tipos de tributos e a quem cabe cobrá-los. Tratam ainda da repartição das receitas e das normas para a elaboração do orçamento público.

Título VII — Ordem Econômica e Financeira

Do artigo 170 ao 192 são reguladas a atividade econômica e financeira, bem como as normas de política urbana, agrícola, fundiária e reforma agrária, versando ainda sobre o sistema financeiro nacional.

Título VIII — Ordem Social

Do artigo 193 ao 232 são tratados os temas relacionados ao bom convívio e desenvolvimento social do cidadão, como deveres do Estado, a saber: Saúde (Seguridade social e Sistema Único de Saúde); Educação, Cultura e Esporte; Ciência e Tecnologia; Comunicação social; Meio ambiente; Família (incluindo nesta acepção crianças, adolescentes e idosos); e populações indígenas.

Título IX — Disposições Constitucionais Gerais

Do artigo 234 ao 250 (o artigo 233 foi revogado) são tratadas as disposições esparsas versando sobre temáticas variadas e que não foram inseridas em outros títulos em geral por tratarem de assuntos muito específicos.

Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Emendas constitucionais

Pórtico com o texto e as chancelas da Emenda Constitucional n.º 78, de 14 de maio de 2014.

O artigo 60 da Constituição estabelece as regras para o processo de criação e aprovação de Emendas Constitucionais. Uma emenda pode ser proposta pelo Congresso Nacional (um terço da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal), pelo Presidente da República ou por mais da metade das Assembleias Legislativas dos governos estaduais. Uma emenda é aprovada somente se três quintos da Câmara dos Deputados e do Senado Federal aprovarem a proposta, em dois turnos de votação.

As emendas constitucionais devem ser elaboradas respeitando certas limitações, definidas pelo artigo 60. Há limitações materiais, conhecidas como cláusulas pétreas (§ 4.º), limitações circunstanciais (§ 1.º), limitações formais ou procedimentais (incisos I, II, III, § 3.º). Há ainda uma forma definida de deliberação (§ 2.º) e promulgação (§ 3.º).

Implicitamente, considera-se que o art. 60 da Constituição é inalterável, pois alterações neste artigo permitiriam uma revisão completa da Constituição. Nos casos não abordados pelo art. 60, é possível propor emendas. Os órgãos competentes para submeter emendas são: a Câmara dos Deputados, o Senado Federal, o Presidente da República e de mais da metade das Assembleias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros.

Os direitos fundamentais, previstos nos incisos do artigo 5.º, também não comportam Emendas que lhes diminuam o conteúdo ou âmbito de aplicação.

A emenda constitucional de revisão, conforme o art. 3.º da ADCT (Ato das Disposições Constitucionais Transitórias), além de possuir implicitamente as mesmas limitações materiais e circunstanciais, e os mesmos sujeitos legitimados que o procedimento comum de emenda constitucional, também possuía limitação temporal - apenas uma revisão constitucional foi prevista, 5 anos após a promulgação, sendo realizada em 1993. No entanto, ao contrário das emendas comuns, ela tinha um procedimento de deliberação parlamentar mais simples para reformar o texto constitucional pela maioria absoluta dos parlamentares, em sessão unicameral e promulgação dada pela Mesa do Congresso Nacional.

A Constituição brasileira já sofreu noventa reformas em seu texto original, sendo 84 emendas constitucionais tendo a última sido promulgada no dia 2 de dezembro de 2014, e seis emendas de revisão constitucional. A única Revisão Constitucional geral prevista pela Lei Fundamental brasileira aconteceu em 5 de outubro de 1993, não podendo mais sofrer emendas de revisão. Mesmo assim, houve tentativas, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 157, do deputado Luiz Carlos Santos, que previa a convocação de uma Assembleia de Revisão Constitucional a partir de janeiro de 2007.[31]

Remédios constitucionais

A Constituição de 1988 incluiu dentre outros direitos, ações e garantias, os denominados "Remédios Constitucionais".[32] Por Remédios Constitucionais entendem-se as garantias constitucionais, ou seja, instrumentos jurídicos para tornar efetivo o exercício dos direitos constitucionais.[33]

Os Remédios Constitucionais (listados abaixo) são previstos no artigo 5.º e no artigo 129, Inciso III, da Constituição de 1988:

  • Habeas data (artigo 5.º, Inciso LXXII e Lei n° 9.507 de 1997[34]) — sua finalidade é garantir ao particular o acesso às informações que dizem ao seu respeito constantes do registro de banco de dados de entidades governamentais ou de caráter público ou correção destes dados, quando o particular não preferir fazer por processo sigiloso, administrativo ou judicial
  • Ação Popular (artigo 5.º, Inciso LXXIII e Lei n.º 4.717 de 1965)[35] — objetiva anular ato lesivo ao patrimônio público e punir seus responsáveis.
  • Ação civil pública (artigo 129, Inciso III) — objetiva reparar ato lesivo aos interesses descritos no artigo 1º (todos os incisos), da Lei nº 7.347.
  • Habeas corpus (artigo 5.º, Inciso LXVIII) — instrumento tradicionalíssimo de garantia de direito, assegura a reparação ou prevenção do direito de ir e vir, constrangido por ilegalidade ou por abuso de poder
  • Mandado de segurança (artigo 5.º, Inciso LXIX) — usado de modo individual, tem por fim proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data
  • Mandado de Segurança Coletivo (artigo 5.º, Inciso LXX) — usado de modo coletivo, tem por finalidade proteger o direito de partidos políticos, organismos sindicais, entidades de classe e associação legalmente constituídas em defesa dos interesses de seus membros ou associados
  • Mandado de injunção (artigo 5.º, Inciso LXXI) — usado para viabilizar o exercício de um direito constitucionalmente previsto e que depende de regulamentação
Capa criada por Cosme Coelho Rocha.

Impressões

Capa

A capa da atual Constituição Brasileira foi criada em 1988 pelo artista Cosme Coelho Rocha, tendo sido aprovada por Ulysses Guimarães, "por sua simplicidade e por seu simbolismo". Cosme reestilizou a bandeira do Brasil, tornando-a mais simples, sem as estrelas e sem a faixa "Ordem e Progresso". Foi colocada no sentido vertical, para transmitir a ideia de algo que estava "nascendo, começando a crescer".

Críticas

A Constituição Federal de 1988 é criticada na doutrina por ser muito extensa, prolixa e analítica. [36] [37] Essa característica obrigou a Constituição a ser emendada diversas vezes, em processos politicamente custosos, para se adequar às mudanças da sociedade. [38] [39]

Outra crítica é que a Constituição Federal de 1988 reproduz um modelo de Capitalismo de Estado, [40], ampliando monopólios estatais e regulações, [41] o que permitiu ao estado brasileiro, em 2017, ter participações em mais de 650 empresas, envolvidas em um terço do PIB nacional.[42] Esse modelo também criou restrições para a atuação de empresas estrangeiras em diversos campos com consequências danosas ao crescimento do país. [43] [44] Na visão de alguns doutrinadores, esse modelo econômico favorece o Patrimonialismo e a corrupção.[45] [46]

Desde a aprovação da Constituição Federal de 1988, a taxa de homicídios cresceu 124% no Brasil e mais de um milhão de pessoas foram assassinadas. Enquanto na década de 80 foram registrados 11,7 homicídios por 100 mil habitantes, em 2010 o índice chegou a 26,2 – um aumento médio de 2,7% ao ano. [47]

Constituição do Brasil de 1988 com um mini obelisco servido de mastro da bandeira nacional do Brasil, sendo expostas em uma Casa cultural.

Uma parcela da doutrina tem culpado a Constituição. Raul Jungmann criticou o fato da Constituição ter dado aos estados a responsabilidade com a segurança pública, deixando a União apenas com um papel residual. [48] Isso teria possibilitado o crescimento de facções como o Primeiro Comando da Capital e o Comando Vermelho. [49] Na visão de Alexandre de Moraes, o Brasil confundiu o respeito à dignidade da pessoa humana com a leniência às lideranças criminosas.[50]

A Constituição também é responsabilizada por ter deixado um sistema processual lento.[51] O Brasil tem o 30º Judiciário mais lento entre 133 países, segundo o Banco Mundial.[52] Isso tem feito o poder judiciário a utilizar as prisões provisórias como antecipação da pena. [53] Em 2015 mais de 40% dos presos no Brasil eram provisórios. [54]

Estudo do Banco Mundial criticou a Constituição Federal de 1988 por ter ampliado privilégios dos funcionário públicos, agravando a desigualdade de renda no Brasil. [55] Remuneração e aposentadoria são desproporcionalmente elevados segundo estudos. [56] Em 2015, o déficit do governo federal com a aposentadoria dos cerca de 1 milhão de servidores da União foi maior do que todo o registrado com 33 milhões de aposentados da iniciativa privada. [57] Para o Banco Mundial, os funcionários públicos integram o um quinto mais rico da população brasileira. [58] Para Roberto Brant, a Constituição Federal foi capturada por grupos de funcionários públicos em 1988.[59]

A Constituição Federal de 1988 também é criticada por ter adotado um dos mais amplos Foro especial por prerrogativa de função do mundo[60], juristas entendem que essa extensão incentiva à corrupção. [61] [62] Um quarto das ações com Foro Privilegiado levam mais de dez anos para serem julgadas.[63] O STF leva 1,3 mil dias para julgar ações penais de pessoas com foro privilegiado.[64] Entre 2001 e 2017, 200 ações envolvendo o Foro Privilegiado prescreveram.[65]

Também é criticada a exigência de Trânsito em julgado para a execução da pena. Para o juiz Sergio Moro, aguardar o trânsito em julgado contribui para a impunidade.[66] Conforme o minstro Teori Zavascki após a confirmação de sentença penal condenatória em segundo grau, não mais se poderia falar no princípio da não culpabilidade, vez que "os recursos excepcionais, para os tribunais de superposição, não ostentam capacidade de revolvimento de fatos e provas".[67] Nas Organização das Nações Unidas 193 dos 194 países têm prisão em 1ª ou 2ª instância.[68] [69]

No aspecto eleitoral, a Constituição adotou o voto obrigatório. Entre as 15 maiores economias do mundo, o Brasil é o único país no qual o voto é obrigatório.[70] Pesquisa de 2014, demonstrou que o voto obrigatório é rejeitado por 61% dos brasileiros. [71] Alguns doutrinadores questionam se é democrático obrigar as pessoas a votarem. [72] [73]

Ver também

Notas

  1. A ordenação depende se considerar ou não a reforma constitucional de 1969 como um texto constitucional.[3]

Referências

  1. «Constituicao-Compilado». planalto.gov.br 
  2. a b c d e Thais Pacievitch (18 de agosto de 2008). «Constituição de 1988». InfoEscola. Consultado em 5 de setembro de 2012. 
  3. Vitor Amorim de Angelo. «Contexto histórico e político da Constituição de 1988». UOL. Arquivado do original em 14 de junho de 2012 
  4. Oliveira, Guilherme (5 de outubro de 2017). «30 anos da Constituição Cidadã». Senado Federal. Consultado em 25 de novembro de 2017. 
  5. «Quadro_emc». planalto.gov.br. Consultado em 25 de fevereiro de 2017. 
  6. «Quadro_ecr». planalto.gov.br 
  7. AB celebra os 25 anos da Constituição defendendo reforma política[1]. Conselho Federal da OAB. Acesso em 06/10/2013
  8. A TV Senado nos 25 anos da Constituição Federal de 1988[2]. senado.leg.br. Acesso em 06/10/2013
  9. «G1 - Lula compara Sarney a Ulysses em sessão pelos 25 anos da Constituição - notícias em Política». Política 
  10. «Constituição da República Federativa do Brasil multiacessível». Consultado em 9 de junho de 2014. 
  11. Rolnik, 2002
  12. «As reformas de base aconteceram e João Goulart venceu». Consultado em 1 de março de 2018. 
  13. «Jango foi pioneiro da transformação social do país, afirma Tarso em São Borj». Consultado em 1 de março de 2018. 
  14. «Influência para o Brasil, Constituição portuguesa chega aos 40 menos ideológica». Consultado em 8 de março de 2018. 
  15. «Encontro discute Direito Constitucional em Lisboa». Consultado em 8 de março de 2018. 
  16. «Canotilho torna-se Doutor Honoris Causa pela UFMG». Consultado em 1 de março de 2018. 
  17. «Professor Canotilho e sua Constituição Dirigente». Consultado em 1 de março de 2018. 
  18. Oliveira, Gustavo da Gama Vital de. Direito constitucional do Brasil. [S.l.: s.n.] p. 38 
  19. Macedo, Ubiratan Borges de. Temas de direito constitucional tributário brasileiro. [S.l.: s.n.] p. 38 
  20. «Constituição de 88 é marco entre ditadura e democracia». Consultado em 8 de março de 2018. 
  21. «25 anos de redemocratização: estabilidade política garantida pela Constituição Federal de 1988». Consultado em 8 de março de 2018. 
  22. «DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS». Consultado em 8 de março de 2018. 
  23. «Constituição brasileira é das mais avançadas do mundo». Consultado em 8 de março de 2018. 
  24. «Carta de 1988 é um marco contra discriminação». Consultado em 8 de março de 2018. 
  25. «Povos Indígenas: conheça os direitos previstos na Constituição». Consultado em 8 de março de 2018. 
  26. «O Estado, a proteção do meio ambiente e a jurisprudência». Consultado em 8 de março de 2018. 
  27. «O Ministério Público e o combate à corrupção». Consultado em 8 de março de 2018. 
  28. «Ministério Público forte, sociedade protegida». Consultado em 8 de março de 2018. 
  29. «Investigados na Lava-Jato deram poder ao Ministério Público». Consultado em 8 de março de 2018. 
  30. SILVA, José Afonso (1995). Curso de direito constitucional positivo 18.ª ed. [S.l.]: Malheiros. p. 181 
  31. Câmara dos Deputados (4 de setembro de 2003). «PEC 157/2003» 
  32. Aloisio Costa Siqueira (1 de novembro de 2003). «Remédios Constitucionais» 
  33. Civilex. «Remédios Constitucionais» 
  34. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9507.htm
  35. «L4717». www.planalto.gov.br. Consultado em 24 de maio de 2017. 
  36. [Erro político produziu Constituição difícil até para técnicos «Erro político produziu Constituição difícil até para técnicos»] Verifique valor |url= (ajuda). Conjur. 13 de junho de 2004. Consultado em 7 de março de 2018. 
  37. «Entrevista: Luís Roberto Barroso — Parte 1». Conjur. 14 de maio de 2006. Consultado em 7 de março de 2018. 
  38. «A marca inequívoca da CF de 88 é a da judicialização». Conjur. 14 de maio de 2006. Consultado em 7 de março de 2018. 
  39. «Constituição Federal completa 20 anos envelhecida e remendada». Conjur. 4 de outubro de 2010. Consultado em 7 de março de 2018. 
  40. «The Case of Brazil». Consultado em 26 de fevereiro de 2018. 
  41. «Críticas de Roberto Campos à Constituição ainda ecoam». Conjur. 25 de novembro de 2012. Consultado em 7 de março de 2018. 
  42. «Privatizações: ainda é pouco». Consultado em 26 de fevereiro de 2018. 
  43. «Constituição de 1988 pára pesquisa mineral». Folha. 29 de maio de 2004. Consultado em 7 de março de 2018. 
  44. «Governo quer ampliar abertura da economia e flexibilizar monopólios». Folha. 29 de maio de 2004. Consultado em 3 de março de 2018. 
  45. «ANÁLISE - A questão é: haverá mais?». 29 de maio de 2004. Consultado em 7 de março de 2018. 
  46. «Inchaço estatal». Folha. Consultado em 7 de março de 2018. 
  47. «País está em situação epidêmica, de acordo com a OMS, que limita em 10 o número de assassinatos por 100 mil habitantes; taxa do Brasil é de 26,2%». Veja. 14 de dezembro de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  48. «Raul Jungmann: "Prendemos muito, mas prendemos mal"». Folha. 27 de fevereiro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  49. «Facções criminosas se alimentam das falhas do Estado, diz pesquisadora». Folha. 27 de fevereiro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  50. «País deve acabar com a hipocrisia ao tratar questões penitenciárias, diz Moraes». Istoé. 30 de novembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  51. «Por que a Justiça brasileira é lenta?». Istoé. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  52. «Por que a Justiça brasileira é lenta?». Istoé. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  53. «Justiça, mesmo tardia». Istoé. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  54. «JNo Brasil, 40% dos presos são provisórios». Carta Capital. Consultado em 5 de março de 2018. 
  55. «Assim não dá». Veja. 24 de novembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  56. «Os privilégios salariais do servidor público». Globo. 24 de novembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  57. «Serviço público puxa desigualdade na Previdência». Globo. 24 de novembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  58. «Para o Banco Mundial, Brasil precisa reduzir os privilégios de servidores». 24 de novembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017. 
  59. «"Pobre paga privilégios de servidores", diz ex-ministro da Previdência». 24 de novembro de 2017. Consultado em 5 de março de 2018. 
  60. «Foro privilegiado no Brasil é mais amplo comparado a outros 20 países». O Globo. 24 de outubro de 2016. Consultado em 14 de dezembro de 2016. 
  61. Estevão Taiar (24 de outubro de 2016). «Para ministro Barroso, foro privilegiado 'é feito para não funcionar'». Valor Econômico. Consultado em 14 de dezembro de 2016. 
  62. José Nêumanne (13 Junho 2016). «O privilégio do foro».politica.estadao.com.br
  63. «Casos de foro privilegiado se arrastam por até 18 anos». 6 de novembro de 2016. Consultado em 5 de março de 2018. 
  64. «STF leva 1,3 mil dias para julgar ações penais de pessoas com foro privilegiado». 19 de março de 2017. Consultado em 5 de março de 2018. 
  65. «O foro privilegiado em números». 23 de novembro de 2017. Consultado em 5 de março de 2018. 
  66. «Aguardar o trânsito em julgado contribui para a impunidade, diz Moro». Consultado em 20 de março de 2018. 
  67. «Prisão antes do trânsito em julgado: mudança de rumos no STF». Consultado em 20 de março de 2018. 
  68. «Na ONU, 193 dos 194 países têm prisão em 1ª ou 2ª instância». 20 de março de 2018. Consultado em 20 de março de 2018. 
  69. «'Prisão em 2ª instância é moralizadora'». Consultado em 20 de março de 2018. 
  70. «Voto obrigatório no mundo». 12 de maio de 2014. Consultado em 5 de março de 2018. 
  71. «Rejeição a voto obrigatório atinge 61% e alcança taxa recorde entre brasileiros». 12 de maio de 2014. Consultado em 5 de março de 2018. 
  72. «Na democracia o voto é um direito, não uma obrigação». 24 de maio de 2005. Consultado em 5 de março de 2018. 
  73. «Principal instrumento da democracia tem de ser facultativo». 24 de maio de 2005. Consultado em 5 de março de 2018. 

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Constituição brasileira de 1988
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Constituição de 1988 da República Federativa do Brasil