Trânsito em julgado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Direito A Wikipédia possui o:
Portal do Direito

Trânsito em julgado é uma expressão usada para uma decisão ou acórdão judicial da qual não se pode mais recorrer, seja porque já passou por todos os recursos possíveis, seja porque o prazo para recorrer terminou ou por acordo homologado por sentença entre as partes. Daí em diante a obrigação se torna irrecorrível e certa.

Definição[editar | editar código-fonte]

O trânsito em julgado caracteriza coisa julgada formal. No caso da sentença de mérito, há também a coisa julgada material, que consiste na imutabilidade dos efeitos da decisão, que passa a ser substituta da própria lei entre as partes. A diferença reside no conteúdo da decisão judicial: a coisa julgada material incide sobre decisões de mérito, chamadas definitivas; a coisa julgada formal acoberta decisões relativas a questões formais, chamadas de terminativas. [1]

Disposição Legal[editar | editar código-fonte]

Direito Brasileiro[editar | editar código-fonte]

O art. 5º, LIII da Constituição brasileira de 1988, expõe primeiramente:

- "Ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;"

O art. 5º, LVII da Constituição brasileira, dispõe:

- "Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;"

No mesmo artigo 5º, LXI da Constituição brasileira, lê-se:

- "Ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei; "

A cabeça do art. 283 do Código de Processo Penal, com a redação dada pela Lei Federal nº. 12.403/11, dispõe:

-  "Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva."

Direito Português[editar | editar código-fonte]

O art. 27º, da Constituição portuguesa de 1976, estabelece o direito à liberdade e à segurança, lê-se:

- "Artigo 27.º

Direito à liberdade e à segurança

1. Todos têm direito à liberdade e à segurança.

2. Ninguém pode ser total ou parcialmente privado da liberdade, a não ser em consequência de sentença judicial condenatória pela prática de ato punido por lei com pena de prisão ou de aplicação judicial de medida de segurança.

3. Excetua-se deste princípio a privação da liberdade, pelo tempo e nas condições que a lei determinar, nos casos seguintes:

a) Detenção em flagrante delito;

b) Detenção ou prisão preventiva por fortes indícios de prática de crime doloso a que corresponda pena de prisão cujo limite máximo seja superior a três anos;

c) Prisão, detenção ou outra medida coativa sujeita a controlo judicial, de pessoa que tenha penetrado ou permaneça irregularmente no território nacional ou contra a qual esteja em curso processo de extradição ou de expulsão;

d) Prisão disciplinar imposta a militares, com garantia de recurso para o tribunal competente;

e) Sujeição de um menor a medidas de proteção, assistência ou educação em estabelecimento adequado, decretadas pelo tribunal judicial competente;

f) Detenção por decisão judicial em virtude de desobediência a decisão tomada por um tribunal ou para assegurar a comparência perante autoridade judiciária competente;

g) Detenção de suspeitos, para efeitos de identificação, nos casos e pelo tempo estritamente necessários;

h) Internamento de portador de anomalia psíquica em estabelecimento terapêutico adequado, decretado ou confirmado por autoridade judicial competente."

Já o art. 32º, n. 2, da Constituição portuguesa de 1976, estabelece como uma das garantias do processo penal que:

- "Todo o arguido se presume inocente até ao trânsito em julgado da sentença de condenação, devendo ser julgado no mais curto prazo compatível com as garantias de defesa."

O art. 628º do Código de Processo Civil de 2013 dispõe:

- "A decisão considera-se transitada em julgado logo que não seja suscetível de recurso ordinário ou de reclamação."

Críticas[editar | editar código-fonte]

A exigência de Trânsito em julgado para a execução da pena é criticada por parte da doutrina. Para o juiz Sergio Moro, aguardar o trânsito em julgado contribui para a impunidade.[2] Conforme o ministro Teori Zavascki após a confirmação de sentença penal condenatória em segundo grau, não mais se poderia falar no princípio da não culpabilidade, vez que "os recursos excepcionais, para os tribunais de superposição, não ostentam capacidade de revolvimento de fatos e provas".[3]

Em entrevista concedida à imprensa no ano de 2018, o jurista José Paulo Cavalcanti Filho afirmou que "dos 194 países que integram a Organização das Nações Unidas, 193 permitem a prisão dos condenados em 1ª ou 2ª instância". [4] [5] Essa afirmação foi contestada pelo jurista Lenio Streck, segundo o qual não há qualquer pesquisa realizada sobre o momento da execução da pena em todos os países que integram a ONU. [6] Atualmente, são 193 Estados Membros que integram a ONU, havendo duas nações observadoras, e não 194. [7]

Referências

  1. «Novo CPC aumenta segurança jurídica ao mudar regras da coisa julgada formal». Consultado em 20 de março de 2018 
  2. «Aguardar o trânsito em julgado contribui para a impunidade, diz Moro». Consultado em 20 de março de 2018 
  3. «Prisão antes do trânsito em julgado: mudança de rumos no STF». Consultado em 20 de março de 2018 
  4. «Na ONU, 193 dos 194 países têm prisão em 1ª ou 2ª instância». 20 de março de 2018. Consultado em 20 de março de 2018 
  5. «'Prisão em 2ª instância é moralizadora'». Consultado em 20 de março de 2018 
  6. Streck, Lenio. «Jurista e jornalista produzem fake news sobre presunção de inocência!». Consultor Jurídico. Consultado em 31 de março de 2018 
  7. «Organização das Nações Unidas». Wikipédia, a enciclopédia livre. 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 31 de março de 2018