José Eduardo de Andrade Vieira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Eduardo de Andrade Vieira
Nascimento 30 de dezembro de 1938
Tomazina
Morte 1 de fevereiro de 2015 (76 anos)
Londrina
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Banqueiro e político

José Eduardo de Andrade Vieira (Tomazina, 30 de dezembro de 1938Londrina, 1 de fevereiro de 2015) foi um pecuarista,[1] banqueiro e político brasileiro filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro.[2] Foi Senador da República e Ministro.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Membro da família Andrade Vieira (proprietária do banco Bamerindus), é filho de Maria José de Andrade Vieira e Avelino Antônio Vieira (fundador do banco), e foi o último presidente do banco fundado por seu pai, antes da incorporação pelo HSBC.[4]

Foi senador pelo Paraná pelo PTB[5] e ministro da Indústria, do Comércio e do Turismo, de 19 de outubro de 1992 a 23 de dezembro de 1993 e cumulativamente ministro da Agricultura, Abastecimento e Reforma Agrária de 1 de setembro de 1993 a 13 de outubro de 1993. Voltou a ser ministro da Agricultura, de 1 de janeiro de 1995 a 2 de maio de 1996.

Em 1992, tornou-se sócio do Grupo Folha Comunicações (donos do Jornal Folha de Londrina e o portal O Bonde), sendo que, em 1999, assumiu a superintendência do jornal.[6]

Fundou no município de Arapoti a Inpacel Indústria Ltda, indústria de papel e celulose,[7][8] que mais tarde foi comprada pela Stora Enso.

Foi também presidente do PTB.[2]

Era irmão da empresária e escritora Maria Christina de Andrade Vieira e de Tomás Edison de Andrade Vieira. Foi casado por 24 anos com Tânia de Sousa, da qual se separou.[9] Teve sete filhos.[10]

Faleceu no dia 1 de fevereiro de 2015, na cidade de Londrina, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória.[11][12][6]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Comenda de São Gregório Magno da Santa Fé.[3]
  • Medalha do Mérito Judiciário.[3]
  • Diploma de Gratidão do Proálcool e da Sopral (1983).[3]
  • Cidadão Honorário de Arapoti-PR;[3]
  • Cidadão Honorário do Estado do Rio de Janeiro (1985);[3]
  • Cidadão Honorário de Ponta Grossa (1986);[3]
  • Cidadão Honorário da Cidade de Colombo/PR (1988);[3]
  • Cidadão Honorário de Jacarezinho-PR,[3]
  • Cidadão Honorário de Maringá,[3]
  • Cidadão Honorário de Niterói (1989);[3]
  • Cidadão Honorário de Campo Grande,[3]
  • Cidadão Honorário de Curitiba,[3]
  • Cidadão Honorário de Londrina;[3]
  • Cidadão Honorário de Siqueira Campos (1990)[3]
  • Cidadão Benemérito de sua cidade natal, Tomasina (1989);[3]
  • Diploma de Sócio Benemérito do Futebol do Paraná (1985);[3]
  • "o Bom samaritano" do Hospital Adventista de Pênfico, Campo Grande-MS (1988);[3]
  • Líder Empresarial Nacional pela "Gazeta Mercantil" (1989).[3]
  • Líder Empresarial Regional (1989);[3]
  • II Prêmio Personalidade - Líderes de Finanças, do Jornal "Indústria e Comércio" de Curitiba (1989).[3]
  • "O Homem de Vendas do Ano" pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil - ADVB" (1989).[3]
  • Sócio Benemérito da Associação Comercial e Industrial de São José do Rio Preto - SP (1989).[3]
  • Certificado de Reconhecimento Público de Gratidão da União dos Municípios Energéticos (1989).[3]
  • "Os notáveis do Ano de 1990" pelo "Jornal do Comércio" do Rio de Janeiro.[3]
  • "Prêmio Cidade de Curitiba" na área empresarial bancária (1990).[3]
  • Líder Empresarial Nacional (1990).[3]
  • Comendador da Ordem de "São Gregório Magno da Santa Sé", concedida pelo Papa João Paulo II, Roma (1990).[3]
  • Medalha do Tribunal Superior do Trabalho no Grau de Comendador (1990).[3]
  • "Prêmio Cidade de Brasília" (1991).[3]
  • Certificado por serviços prestados à cidade e à indústria paranaense da Federação das Industrias do Estado do Paraná (1991).[3]
  • Líder Empresarial (1991/92).[3]
  • Líder Empresarial Regional Sul (1991).[3]
  • Grã-cruz da Ordem de San Carlos do Ministério das Relações Exteriores da Colômbia (1994).[3]
  • Ordem Mérito Militar no Grau de Grande Oficial do Ministério do Exército (1995).[3]
  • Medalha da Inconfidência concedida pelo Governo de Minas Gerais (1995).[3]
  • Medalha do Mérito Judiciário.[3]

Referências

  1. «Legados de José Eduardo». FolhaWeb. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  2. a b «"É hábito', diz Andrade Vieira». Folha de S.Paulo. 20 de março de 1998. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak «Biografia - José Eduardo de Andrade Vieira». Senado Federal. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  4. «Biografia do Homenageado». Cohab, Londrina. Consultado em 14 de junho de 2010. 
  5. «Morre José Eduardo de Andrade Vieira, ex-senador e dono do Bamerindus». Valor Econômico. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  6. a b Morre aos 76 anos o ex-ministro e ex-senador José Eduardo Vieira Portal G1 (Grupo Globo)
  7. «José Eduardo De Andrade Vieira, O "Zé Do Chapéu", Morre Aos 76 Anos». Folha Paranaense. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  8. «Nota Oficial: Prefeito Braz Rizzi lamenta a morte de José Eduardo». Prefeitura Municipal de Arapoti. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  9. «Gente que enrola: Diante da ex-mulher, Andrade Vieira fica retraído e participação de Marcos Malan não é esclarecida». IstoÉ. 16 de junho de 1999. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  10. «Ex-ministro José Eduardo Andrade Vieira morre aos 76 anos». O Globo. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  11. «José Eduardo Vieira, dono do Grupo Folha, morre aos 76 anos». Folha de Londrina. 1 de fevereiro de 2015. Consultado em 1 de fevereiro de 2015. 
  12. «Richa decreta luto de três dias pela morte de José Eduardo Vieira». Agência Estadual de Notícias. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
Precedido por
Roberto Cardoso Alves
Ministro da Indústria, do Comércio
e do Turismo

1992 — 1993
Sucedido por
Ailton Barcelos Fernandes
Precedido por
Precedido por
José Antonio Barros Munhoz
Ministro da Agricultura do Brasil
1993
Sucedido por
Dejandir Dalpasquale
Precedido por
Sinval Guazzelli
Ministro da Agricultura do Brasil
1995 — 1996
Sucedido por
Arlindo Porto
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.