Pandiá Calógeras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pandiá Calógeras.

João Pandiá Calógeras (Rio de Janeiro, 19 de junho de 1870Petrópolis, 21 de abril de 1934) foi um engenheiro, geólogo e político brasileiro.

Foi deputado federal por Minas Gerais, ministro da Agricultura, Comércio e Indústria (1914) e da Fazenda (1916) durante o governo de Venceslau Brás.

Foi o primeiro e único civil a exercer o cargo de ministro da Guerra na história republicana brasileira, no governo de Epitácio Pessoa, de 3 de outubro de 1919 a 15 de novembro de 1922, quando foi fundador da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército Brasileiro.

Autor do decreto 2.933, de 6 de janeiro de 1915, publicado no Diário Oficial da União em 7 de janeiro de 1915, cujo art. 7.º estabeleceu que a mina constitui propriedade distinta do solo, sendo alienável isoladamente ( art. 2º), dando inicio ao atual regime mineral presente na Constituição Federal do Brasil.

Erudito, polígrafo, autor de extensa obra, da qual destacam-se: Formação Histórica do Brasil, publicada pela Companhia Editora do Brasil na prestigiada coleção" Brasiliana", em primeira e segunda edições e está hoje editado pelo Senado Federal, e "Politica Externa do Império", obra que se tornou raridade bibliográfica, teve reedição pelo Senado Federal.

Seus restos mortais encontram-se despojados no Cemitério Municipal de Petrópolis - RJ.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em sua homenagem foram batizadas muitas escolas em todo o Brasil, como por exemplo a Escola Técnica Pandiá Calógeras, na cidade de Volta Redonda, mantida pela Fundação CSN e centro de excelência no ensino técnico-profissional no país.

Ruas e avenidas homenageiam o ilustre brasileiro nas cidades de: Campo Grande no Mato Grosso do Sul, Belo Horizonte e Ouro Preto em Minas Gerais; Belém no Pará; Recife em Pernambuco; Castro, Curitiba e Londrina, Maringá e Ponta Grossa no Paraná; Resende, São Gonçalo e Volta Redonda no Rio de Janeiro; Alegrete, Canelas, Porto Alegre, Canoas, Rio Grande e São Leopoldo no Rio Grande do Sul; Blumenau e Joinville em Santa Catarina; Botucatu, Campinas, Jundiaí Mogi das Cruzes, São Caetano do Sul, São José dos Campos, São Paulo Capital,Ipamerí em Goiás e Sorocaba no Estado de São Paulo. Ao menos uma cidade também homenageia o ilustre brasileiro: a cidade de Calógeras, um distrito pertencente ao município de Arapoti, no estado do Paraná.

Em 2004, foi realizada uma homenagem a Pandiá Calogeras, em frente ao seu túmulo, com guarda fúnebre (póstuma) de militares do 32º Batalhão de Infantaria Motorizado, sendo ainda executado o toque de silêncio.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
'
Ministro da Agricultura do Brasil
1914 — 1915
Sucedido por
José Rufino Bezerra Cavalcanti
Precedido por
Sabino Alves Barroso Júnior
Ministro da Fazenda do Brasil
1915 — 1917
Sucedido por
Augusto Tavares de Lira
Precedido por
Alfredo Pinto Vieira de Melo
Ministro da Guerra do Brasil
1919 — 1922
Sucedido por
Fernando Setembrino de Carvalho


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.