Neri Geller

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Neri Geller
Neri Geller, durante cerimônia de posse no cargo.
(Antonio Cruz/ABr)
Deputado federal pelo Mato Grosso
Período 1 de fevereiro de 2019
a atualidade
Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil
Período 17 de março de 2014
a 1 de janeiro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Antônio Andrade
Sucessor(a) Kátia Abreu
Vereador de Lucas do Rio Verde
Período 1 de janeiro de 1997
a 1 de janeiro de 2005
Dados pessoais
Nascimento 7 de novembro de 1968 (54 anos)
Selbach, RS, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Prêmio(s) Ordem do Mérito Naval[1]
Partido PSDB (1994–2009)
PP (2009–2013)
PMDB (2013–2017)
PP (2017–presente)
Profissão produtor rural, empresário, político
Website https://www.nerigeller.com.br
linkWP:PPO#Brasil

Neri Geller GOMN (Selbach, 7 de novembro de 1968) é um produtor rural, empresário e político brasileiro, filiado ao Progressistas (PP). Foi ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e, atualmente, exerce o cargo de deputado federal de Mato Grosso.

Juventude e formação[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Selbach no Rio Grande do Sul. Mudou-se para o Mato Grosso para se tornar produtor rural de milho e soja.[2]

Em sua juventude, exerceu a profissão de catador de raiz e frentista, que teceram base para sua posterior ocupação como produtor rural e empresário de uma rede de postos de combustíveis[3].

Foi coordenador do núcleo pró soja em Lucas do Rio Verde e, em 2006, liderou protestos contra a política agrícola do Governo Lula, chegando a bloquear ruas em vários estados[4], movimento que ficou conhecido como Grito do Ipiranga, considerado um divisor de águas no Agronegócio Mato Grossense e que teve seu início na cidade de Ipiranga do Norte.[5]

No ano de 2021, casou-se com Juliana Vieira Geller, coordenadora do movimento Mulheres Progressistas (MT), que promove o fortalecimento e participação das mulheres nos espaços de poder e decisão.[6]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Vereador de Lucas do Rio Verde (1997–2005)[editar | editar código-fonte]

Teve como início de sua carreira política a filiação ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), tendo sido eleito vereador de Lucas do Rio Verde em 1996 e reeleito em 2000,[7][8] sendo parte da Coligação União Democrática Luquense (PSDB / PDT / PL).

Carreira ministerial (2013–2015)[editar | editar código-fonte]

Tomou posse brevemente como presidente do Diretório Regional do PSDB em Mato Grosso, em 2009 e, após se juntar ao PMDB, foi selecionado pelo Antônio Andrade, seu correligionário, para chefiar a Secretaria de Política Agrícola, no Ministério da Agricultura, durante a gestão do ministro Mendes Ribeiro Filho.

Com a renúncia do cargo por parte de Antônio Andrade para a disputa das eleições de 2014, Neri Geller assumiu como ministro da Agricultura para prosseguir o mandato PMDBista na pasta. Foi durante sua gestão que o Brasil consolidou-se como o segundo maior produtor de soja mundial[9], assumindo o posto de maior produtor no ano de 2020.[10]

"Vivo a agricultura desde a infância. Acredito no segmento para gerar emprego, renda e dar oportunidade de vida às pessoas que precisam" Neri Geller, em sua posse da Secretário Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2013.

No ano de 2015, após sua passagem como ministro, voltou a comandar a Secretaria de Política Agrícola.

No ano seguinte, à frente da Secretária, o montante de R$ 1bilhão foi utilizado para financiar o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro).[11]

Em seu período como Secretário e Ministro, teve como principais realizações de suas gestões a implementação do seguro agrícola com subvenção de R$ 400 milhões de reais ao ano[12] e realização da estruturação portuária da cidade de Miritituba[13], garantindo uma melhor logística de escoamento de grãos para o mercado externo.

Além disso, foi responsável pelas tratativas que obtiveram êxito em suspender o embargo iraniano à carne brasileira, em 2014. Visitou dezoito países em busca de re-abrir o mercado externo para a carne bovina brasileira após o surto da Aftosa em regiões pecuárias do país. Conseguiu com que a carne fosse aprovada em diversos países e reverteu o quadro de Aftosa por meio de vacinações à carne bovina nacional. Cabe mencionar que, no mesmo ano, também foi suspenso o embargo chinês sob, além da carne pecuária, às pet foods brasileiras.[14]

Adicionalmente, Geller também conseguiu subsídio estadunidense por meio da OMC e garantiu 300 milhões de dólares à agricultores de algodão brasileiro, encerrando uma disputa entre os dois países que perpassou 12 anos.[15]

Dentre suas principais pautas, a liberação e uso de defensivos agrícolas e a modernização da infraestrutura do setor agrícola destacam-se entre as demais.

Em decorrência de seus serviços prestados como ministro, foi condecorado, em junho de 2014, com a Ordem do Mérito Naval, em cerimônia realizada em Brasília.

Deputado federal (2019–atualidade)[editar | editar código-fonte]

A imagem apresenta o atual Deputado Federal Neri Geller em ação de entrega de alimentos em Brasília-DF. O deputado usa um terno de cor preta e camisa branca e, ao seu lado, encontra-se uma bancada com uma grande variedade de frutas.
Em Brasília. (Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil)

Buscou eleição como deputado federal em 2006, sendo eleito como suplente, exerceu temporariamente após licença da deputada Thelma de Oliveira, parte da estratégia do ex-governador Dante de Oliveira para colocar em destaque aliados regionais. Foi empossado, em 2 de abril de 2007, e retornou a suplência, em 1 de agosto do mesmo ano.[16]

Em 2010, buscou novamente eleição como deputado federal, foi eleito suplente e assumiu por alguns meses após Eliene Lima assumir a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Mato Grosso.

Nas eleições de 2018, foi eleito deputado federal pelo seu estado [17] com 73 072 votos, parte da coligação "A Força da União IV" (PRB / PP / PTB / PT / PMN / PODE / PROS / PR). Assumiu a vice-presidência na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, além de ser titular da Comissão da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural e suplente da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (CICS).

Ao longo de seu mandato, teve participação ativa em diversas frentes presentes no Congresso Nacional, tais como a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Consumidor, Frente Parlamentar pelo Desenvolvimento da Agroecologia e Produção Orgânica, Frente Parlamentar em Apoio ao Produtor de Leite e a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), sendo seu atual vice presidente, juntamente com Zequinha Marinho (Senado).[7]

Em 9 de novembro de 2018, foi preso pela Polícia Federal na Operação Capitu, um desdobramento da Operação Lava Jato,[18] sendo liberado logo após habeas corpus concedido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a partir da constatação de ausência de necessidade de prisão preventiva e constatação de “excesso nas ordens de prisões”  na respectiva operação.[19]

Atualmente, é coordenador da bancada federal de Mato Grosso no Congresso Nacional.[20]

Foi relator do projeto de lei 337/22, que propõe alteração nos estados presentes no âmbito da Amazônia Legal, bem como foi o relator da lei de licenciamento geral, que consolida e flexibiliza a legislação de licenciamento ambiental.[21] O novo marco ambiental (PL3.729/2004) retirou a necessidade de licença ambiental obras de saneamento básico, de manutenção em estradas e portos, de distribuição de energia elétrica com baixa tensão ou obras que sejam consideradas de porte insignificante pela autoridade licenciadora.[22]

Nas eleições de 2022, seria candidato ao Senado Federal, na chapa da atual primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro.[23]

Em 23 de agosto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acatando pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE), em decisão unânime, cassou o mandato de deputado federal e, ao torná-lo inelegível por oito anos, também cassou a candidatura ao Senado.[23][24]

Referências

  1. «Decreto presidencial de 9 de junho de 2014». Imprensa Nacional (pdf). Consultado em 26 de setembro de 2020 
  2. Produtor rural do Mato Grosso será o novo ministro da Agricultura. G1, 13 de março de 2014
  3. «SOBRE». DEPUTADO NERI GELLER. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  4. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Neri Geller». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 14 de maio de 2021 
  5. «Grito do Ipiranga completa 10 anos como um divisor de águas do setor agrícola de Mato Grosso». Olhar Direto. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  6. «Mulheres Progressistas». Consultado em 8 de agosto de 2022 
  7. a b Neri Geller - Biografia. Câmara dos Deputados
  8. «Poder 360 | NERI GELLER». eleicoes.poder360.com.br. Consultado em 14 de maio de 2021 
  9. «Brasil consolida segundo posto mundial em produção de soja». Agência Brasil. 12 de março de 2014. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  10. Agro, Canal (27 de maio de 2022). «Quais são os principais produtores de grãos do mundo?». Canal Agro Estadão. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  11. Rezende, Luis. «Geller destaca importância da inovação tecnológica no campo». www.asbraer.org.br. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  12. «Subvenção ao prêmio do Seguro Rural chegou a R$ 400 milhões neste ano». Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul. 14 de dezembro de 2016. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  13. «Portos amazônicos vão desbancar os do restante do país no transporte de grãos». CNN Brasil. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  14. «Governo chinês suspende embargo à carne bovina brasileira». Agência Brasil. 17 de julho de 2014. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  15. «Neri Geller fala sobre fim do contencioso do algodão com EUA». Agência Brasil. 2 de outubro de 2014. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  16. Site do Partido Progressista -Deputado Neri Geller vai à Funai pedir liberação da BR-163
  17. «Neri Geller é eleito deputado federal; confira os eleitos». Cenario MT. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  18. «PF prende vice-governador de MG, Joesley Batista e Ricardo Saud em investigação sobre suposto esquema na Agricultura». G1. Globo.com. 9 de novembro de 2018. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  19. Impetrante, Nefi Cordeiro (11 de novembro de 2018). «Habeas Corpus n° 479.208». JusBrasil. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  20. «Neri Geller é escolhido como líder da bancada federal de Mato Grosso». www.ucmmat.org. Consultado em 8 de agosto de 2022 
  21. «Relator apresenta Nova Lei de Licenciamento Ambiental». Valor Econômico. Consultado em 14 de maio de 2021 
  22. «Câmara aprova texto-base do projeto de lei do licenciamento ambiental». Agência Brasil. 13 de maio de 2021. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  23. a b «TSE cassa mandato e torna inelegível Neri Geller, aliado ruralista de Lula». Universo Online. 24 de agosto de 2022. Consultado em 24 de agosto de 2022 
  24. «TSE cassa mandato de deputado federal que utilizou recursos de pessoas jurídicas na campanha eleitoral de 2018». Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 23 de agosto de 2022. Consultado em 24 de agosto de 2022 

Precedido por
Antônio Andrade
Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
2014
Sucedido por
Kátia Abreu