Agrotóxico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura a banda punk brasileira, veja Agrotóxico (banda).
Aplicação aérea de pesticida em uma lavoura

Agrotóxicos, defensivos agrícolas, pesticidas, praguicidas, biocidas, agroquímicos,[1] produtos fitofarmacêuticos[2] ou produtos fitossanitários[3][4] são designações genéricas para os vários produtos químicos usados na agricultura.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define pesticida ou praguicida como toda substância capaz de controlar uma praga que possa oferecer risco ou incômodo às populações e ao meio ambiente. Podem, ainda, ser definidos como substâncias ou misturas de substâncias destinadas a impedir a ação ou matar diretamente insetos (inseticidas), ácaros (acaricidas), moluscos (moluscicidas), roedores (rodenticidas), fungos (fungicidas), ervas daninhas (herbicidas), bactérias (antibióticos e bactericidas) e outras formas de vida animal ou vegetal prejudiciais à saúde pública e à agricultura.

Essa definição exclui fertilizantes e produtos químicos administrados a animais para estimular crescimento ou modificar comportamento reprodutivo.

A aplicação de agrotóxicos pode se dar durante a produção, armazenamento, transporte, distribuição e transformação de produtos agrícolas e seus derivados. Entre os agrotóxicos, também se incluem os desfolhantes, dessecantes e as substâncias reguladoras do crescimento vegetal ou fitorreguladores.[5]

A produção, o armazenamento e o uso de agrotóxicos podem representar significativos riscos ambientais e à saúde humana. A legislação sobre agrotóxicos define os procedimentos obrigatórios para fabricação, compra e uso de agrotóxicos. No Brasil e em diversos países do mundo, cada vez mais agricultores vêm produzindo alimentos sem uso de agrotóxicos, através da produção agroecológica e da orgânica.

Problemas causados pelos agrotóxicos conhecidos[editar | editar código-fonte]

Locust from the plague in Palestine, 1915.jpg

Tipos de pesticidas

Acaricidas
Algicidas
Bactericidas
Fungicidas
Herbicidas
Inseticidas
Moluscicidas
Nematicidas
Piscicidas
Rodenticidas
Vermicidas
Virucidas

Num passado recente, houve um extensivo uso de agrotóxicos persistentes, os organoclorados. Um organoclorado como o BHC pode resistir na natureza e no organismo humano por muitos anos, tendo se tornado um dos piores poluentes da história. Quando os malefícios e sua persistência foram divulgados, seu uso já estava difundido. Chegou-se ao ponto em que médicos prescreviam o uso de DDT, outro organoclorado perigoso, para o controle de verminoses e piolhos. Um resquício cultural desses tempos está no termo "dedetizar", que usamos quando nos referimos a expurgar baratas, moscas e outras pragas domésticas que ameaçam nossa saúde. "Dedetizar" se refere ao tempo em que as casas eram pulverizadas com DDT sem que se soubesse do seu risco.

Convém lembrar que muitos dos mesmos princípios ativos usados como agroquímicos, e mesmo agrotóxicos, são também usados como medicamentos humanos diferindo apenas na concentração e forma de apresentação. Milhões de vidas têm sido salvas de verminoses, doenças fúngicas e várias outras por medicamentos que usam exatamente as mesmas moléculas usadas de outra forma para o controle de pragas e doenças agrícolas, pecuárias e também de animais de estimação.

Os agrotóxicos de longa persistência que foram usados no passado atualmente estão banidos, pois, além de serem compostos de alta toxicidade aos seres humanos, também persistem por vários anos nos ecossistemas, causando sérios desequilíbrios. Não é mais possível encontrá-los no mercado, e sua posse, transporte e uso são crimes previstos em lei com punição de multa, cadeia e destruição das lavouras onde tenham sido usados.

Os agrotóxicos podem representar graves consequências para nossa saúde e para o meio ambiente. O mecanismo mais comum de funcionamento dos agroquímicos e agrotóxicos é a inibição da enzima aceticolinesterase, o que leva a um excesso do neurotransmissor acetilcolina, produzindo um colapso sináptico generalizado e a morte do inseto por asfixia. Como esse mecanismo de ação implica riscos humanos e animais, além de matar insetos benéficos e desejáveis, grandes verbas têm sido empregadas no desenvolvimento de novas moléculas com alta seletividade quanto às pragas-alvo. São substâncias atóxicas aos mamíferos e à maioria dos insetos, mas letais para a praga específica a que se destinam. Um exemplo são os inseticidas fisiológicos inibidores da síntese de quitina. Eles atuam somente sobre as lagartas nas plantas pulverizadas, inibindo a ecdise (troca de exoesqueleto), sem afetar nenhum outro inseto, nem mesmo os adultos dessas pragas, nem outras pragas que estejam atacando a mesma lavoura ou insetos que habitem as matas próximas.

Os organofosforados e carbamatos são os inseticidas mais utilizados atualmente. São absorvidos pelas vias oral, respiratória e dérmica. Seu efeito é a alteração do funcionamento dos músculos, cérebro e glândulas.As piretrinas são inseticidas naturais ou artificiais. São instáveis à luz e, por isso, não se prestam à agricultura. São usados em ambientes domésticos na forma de spray, espirais ou em tabletes que se dissolvem ao aquecimento. São substâncias alergizantes e desencadeiam crises de asma e bronquites em crianças.O herbicida Paraquat oferece grande risco se mal utilizado. É um herbicida que mata a parte aérea de todos os tipos de plantas, não afetando seu sistema radicular. Porém é um íon altamente instável, que se decompõe rapidamente sem deixar resíduos. Na ausência de procedimentos regulamentares, contaminações com a substância causam lesões nos rins. Resíduos se concentram nos pulmões, causando fibrose irreversível. Os principais clorofenóis são o "2,4-D" e o "4,5-T", que são cancerígenos. O agente laranja, usado na Guerra do Vietnã, é uma mistura do "2,4-D" e do "2,4,5-T".

Na saúde humana[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou os efeitos tóxicos dessas substâncias em cinco categorias:

• Extremamente perigosos (classe Ia)

• Altamente perigosos (classe Ib)

• Moderadamente perigosos (classe II)

• Levemente perigosos (classe III)

• Risco agudo improvável em condições de uso normal (classe U).

Os agrotóxicos podem provocar três tipos de intoxicação:

• Aguda: os sintomas surgem rapidamente

• Subaguda: os sintomas aparecem aos poucos: dor de cabeça, dor de estômago e sonolência.

• Crônica: pode surgir meses ou anos após a exposição e pode levar a paralisias e doenças como o câncer.

A exposição a pesticidas pode causar uma variedade de efeitos adversos à saúde:

• Irritação da pele e dos olhos

• Problemas reprodutivos[6]

• Diversos tipos de câncer[7][8]

• Alterações no sistema nervoso[9]

• Alterações neurocomportamentais[10][11][12][13]

• Riscos na função dos rins[14]

• Efeitos na audição[15]

Agrotóxicos e audição[editar | editar código-fonte]

Há evidências de que a perda auditiva está relacionada com a intoxicação a agrotóxicos, principalmente naqueles com uma maior exposição, como os que trabalham com a agricultura (agricultores). Isto ocorre pois estas substâncias químicas são consideradas ototóxicas[16], ou seja, são tóxicas para a nossa orelha e prejudicam tanto o sistema auditivo quanto o sistema vestibular (relacionado ao equilíbrio do corpo). Dentre os agrotóxicos com potencial ototóxico destaca-se os do grupo químico organofosforado e piretróide. A gravidade dos efeitos na audição depende de outras causas como a frequência, intensidade e duração da exposição, a presença de outros riscos no ambiente de trabalho e de fatores individuais como a idade.[17]

Human right ear (cropped).jpg

Por meio da corrente sanguínea, estas substâncias alcançam a orelha e acabam lesando principalmente as células ciliadas da cóclea. Devido a isso, esses agrotóxicos podem gerar uma perda auditiva do tipo neurossensorial, progressiva, bilateral, irreversível e acomete principalmente as altas frequências. A perda auditiva gerada pela intoxicação de agrotóxicos é capaz de causar dificuldades para compreender a fala, desconforto a sons intensos, tontura e desequilíbrio [18].

Além das dificuldades em ouvir o som, outras habilidades auditivas podem ser comprometidas, como a detecção de intervalos de tempo entre sons (resolução temporal) e o processamento de vários estímulos auditivos de acordo com sua ordem de ocorrência (ordenação temporal)[19].

A legislação trabalhista vigente no Brasil (2020) não estabelece a obrigatoriedade do acompanhamento da audição em trabalhadores que são expostos exclusivamente aos produtos químicos (somente naqueles que trabalham expostos ao ruído) o que dificulta na percepção das alterações auditivas nesses indivíduos [20][18][17].

Plantação de soja na Argentina: os agrotóxicos são um dos meios técnicos (junto com a mecanização) que caracterizaram a Revolução Verde.

Casos de intoxicação por agrotóxico[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2013, uma aeronave agrícola da empresa Aerotex pulverizou agrotóxico sobre a Escola Municipal de São José do Pontal, localizada na região rural do município de Rio Verde, em Goiás. Como resultado, houve diversos casos de intoxicação aguda de trabalhadores (diretor, professores e demais servidores) e alunos de 9 a 16 anos. Nesse episódio, a pulverização teria sido feita sobre a lavoura de milho localizada a poucos metros da escola, não obedecendo aos limites mínimos de distância recomendados.

Logo após a pulverização em Rio Verde, os alunos e funcionários manifestaram sintomas como coceiras, enjoos, distúrbios respiratórios, dentre outros. Semanas depois do episódio, os sintomas persistiam, assim como a incompetência do Estado para tratar os atingidos. Houve, ainda, tentativas de diferentes partes em ocultar o caso.[21]

Em 2006, quando os fazendeiros dessecavam soja transgênica para a colheita com paraquat em pulverizações aéreas no entorno da cidade de Lucas do Rio Verde, uma nuvem tóxica pairou sobre a cidade e dessecou milhares de plantas ornamentais. 180 canteiros de plantas medicinais da cidade foram destruídos, além de plantas em 65 chácaras de hortaliças do entorno da cidade. A chuva de venenos desencadeou surto de intoxicações agudas em crianças e idosos.[22] Posteriormente, estudo da Universidade Federal de Mato Grosso constatou a presença de agrotóxicos na chuva, na água dos poços, na urina de professores e, o mais grave, no leite materno.[23]

O Tamarron matou 16 pessoas em um ano na Costa Rica.

Milhares de jovens, às vezes com menos de 18 anos, são quimicamente castrados pelo DDCT (Bromocloropropano), que deixou de ser fabricado nos Estados Unidos em 1970.

Na União Europeia, uma pessoa só pode comprar fosforados após um curso de 60 horas e depois de receber carteira de autorização para usar o agrotóxico no município. Embora ainda não obrigatórios no Brasil, tais cursos são frequentes no meio rural e contam com grande procura, e se pode comprar os produtos com um documento assinado por um agrônomo responsável.

Boa parte das fábricas de agrotóxicos atualmente estão em países do Terceiro mundo, notadamente República Popular da China e Índia, embora a indústria química europeia continue contribuindo com grande parcela do suprimento brasileiro.

O uso negligente de agrotóxicos tem causado diversas vítimas fatais, além de abortos, fetos com malformação, suicídios, câncer, dermatoses e outras doenças. Segundo a Organização Mundial da Saúde, há 20 000 óbitos por ano em consequência da manipulação, inalação e consumo indireto de pesticidas nos países em desenvolvimento, como o Brasil. Já foram registrados casos de transmissão de leucemia para o feto por mulheres que estiveram em contato com agrotóxicos durante a gravidez. Dado que essas substâncias são de fácil acesso, a ingestão de agrotóxicos é, também, o método de suicídio mais comum em todo o mundo, respondendo por um terço de todos os suicídios, sobretudo na Ásia, África, América Central e América do Sul. Os casos fatais são numerosos, particularmente em áreas rurais.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o uso intenso de agrotóxicos levou à degradação dos recursos naturais - solo, água, flora e fauna -, irreversível em alguns casos, levando a desequilíbrios biológicos e ecológicos. Além de agredir o ambiente, a saúde também pode ser afetada pelo excesso dessas substâncias.

Vias de entrada dos agrotóxicos no organismo[editar | editar código-fonte]

Via oral (pela boca)[24]:[editar | editar código-fonte]

Human skin structure.jpg

Ocorre quando no momento do manuseio, aplicação e preparação da calda o trabalhador decide se alimentar. Pode acontecer também quando há inalação de névoas, pós, gases e fumaça pela boca ou ainda pela ingestão de alimentos sólidos ou líquidos contaminados por agrotóxico.

Via dérmica (pela pele):[editar | editar código-fonte]

Ocorre quando no momento do manuseio, aplicação e preparação da calda há contato do produto concentrado ou da calda com a pele.

Via respiratória (pelo nariz e boca – pulmões):[editar | editar código-fonte]

Respiratory system be.png

Ocorre quando no momento do manuseio, aplicação e preparação da calda há inalação de névoas, pós, gases e fumaça pelo nariz atingindo os pulmões.

Via ocular (pelos olhos):[editar | editar código-fonte]

Ocorre quando no momento do manuseio, aplicação e preparação da calda há contato com os olhos provocado por névoas, pós, gases, fumaça e respingos.

Agrotóxicos orgânicos e biopesticidas[editar | editar código-fonte]

Estudos encontraram que a toxicidade e impacto ambiental de pesticidas e agrotóxicos de origem orgânica pode superar àquela de produtos sintéticos devido à necessidade de aplicação de uma quantidade maior para obter resultados semelhantes.[25][26]

Formas de reduzir os riscos dos agrotóxicos na saúde[editar | editar código-fonte]

A melhor forma de reduzir os riscos dos agrotóxicos para a saúde é utilizando os equipamentos de proteção individual (EPI). Estes EPI'S são ferramentas de trabalho para proteger a saúde do trabalhador. Lembrando que estes equipamentos não são para substituir os cuidados na aplicação das substâncias e sim para complementá-la. Para diminuir os riscos de contaminação, o trabalhador tem que manusear e aplicar o agrotóxico com cuidado.[27]

Tipo de EPI Para que serve
Luvas Protege as mãos
Máscara facial Evita a inalação dos agrotóxicos
Viseira facial Protege os olhos e o rosto contra respingos
Calça e jaleco Protege o corpo dos respingos
Boné "arábe" ou capuz Protege o couro cabeludo e o pescoço
Avental Aumenta a proteção do trabalhador. Serve também

para proteger de possíveis vazamentos em quem utiliza os pulverizadores costais

Botas Protege os pés. Deve ser impermeável e de preferência

de cano alto

Pest control2.jpg

A Legislação Brasileira do trabalho descreve as responsabilidades em relação aos EPI'S[28]:

Responsabilidades do empregador:

•Instruir e treinar quanto ao uso de EPIs;

•Fiscalizar e exigir o uso de EPIs;

•Fornecer EPIs descontaminados a cada nova aplicação;

• Repor EPIs danificados.

Responsabilidades do empregado:

•Usar os EPIs;

•Informar a necessidade de substituição de EPIs por desgaste e/ou por defeito apresentado.

Mercado de agrotóxicos[editar | editar código-fonte]

Em 2008, o Brasil se tornou o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, segundo o Sindicato Nacional de Empresas de Aviação Agrícola. Seis empresas dominam o mercado de agrotóxicos no Brasil: Monsanto, Syngenta, BASF, Bayer CropScience, Dow AgroSciences e DuPont. Coincidentemente, as seis possuem patentes de sementes transgênicas autorizadas no Brasil. A modificação, em grande parte, torna as plantas de soja, milho e algodão resistentes aos agrotóxicos, permitindo, assim, aplicações mais intensas de veneno para inibir mais o crescimento de outras plantas concorrentes.

Em 2012, foram comercializadas 823 226 toneladas de agrotóxicos no Brasil, num crescimento de 162,32 por cento em relação ao ano 2000. Este volume representou um faturamento de 9,71 bilhões de dólares estadunidenses.[29]

Considerando um estudo da Fundação Oswaldo Cruz que relaciona um gasto de 1,26 dólar estadunidense no Sistema Único de Saúde (SUS) para cada dólar estadunidense gasto com agrotóxicos, em 2012 o uso de agrotóxicos impactou o SUS em 12,2 bilhões de dólares estadunidenses.

Os estados brasileiros campeões de uso de agrotóxicos são: Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Goiás, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Os cultivos que mais utilizam de forma absoluta agrotóxicos são: soja, milho, algodão e café.

Literatura sobre os agrotóxicos[editar | editar código-fonte]

A primeira obra de grande impacto a denunciar o problema do DDT, em específico, e dos agrotóxicos, em geral, foi o livro Primavera Silenciosa, de Rachel Carson.

No Brasil, um dos primeiros trabalhos a denunciar os agrotóxicos trazidos pela Revolução Verde foi o livro A Agricultura Ecológica e a Máfia dos Agrotóxicos no Brasil (1993), dos autores Sebastião Pinheiro, Nasser Yousseff Nasr e Dioclecio Luz.

Mais recentemente, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) lançou o "Dossiê ABRASCO: Impactos dos Agrotóxicos na Saúde" (2015). O Dossiê foi lançando em 3 volumes, em 2012, e foi expandido e atualizado em 2015.

Alternativas aos agrotóxicos[editar | editar código-fonte]

Atualmente, existem tecnologias consolidadas de produção de alimentos sem a utilização de agrotóxicos, transgênicos ou fertilizantes químicos. Existem diversas denominações para essas tecnologias, mas a tendência é que sejam agrupadas sob o termo agroecologia.

Na agroecologia, utilizam-se os policultivos como forma de manter a biodiversidade, de forma que insetos, plantas, bactérias e fungos convivam em harmonia, sem se reproduzirem de forma descontrolada. Na agricultura agroecológica, as "pragas" da agricultura convencional são tratadas como "desequilíbrios".

A fertilização do solo é feita a partir de adubos orgânicos, de restos de alimentos ou fezes de animais. Além disso, a correta utilização do solo com combinações de culturas evita o desgaste e mantém o equilíbrio dos nutrientes.

A agroecologia coloca-se em oposição ao agronegócio: enquanto este utiliza agrotóxicos, transgênicos e fertilizantes para produzir monocultivos de exportação, a agroecologia se preocupa em produzir alimentos saudáveis para camponeses e consumidores.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Campanha contra os Agrotóxicos e pela Vida, 2011
Agentes do Ibama fiscalizando o uso ilegal de agrotóxicos na Bahia, 2018

De acordo com a Lei Federal n.º 7.802/1989, "agrotóxicos são os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento dos produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa dos seres vivos considerados nocivos."[20]

Existem cerca de 15 000 formulações para 400 agrotóxicos diferentes, sendo que cerca de 8 000 encontram-se licenciados no Brasil, que é o maior consumidor de agrotóxicos no mundo, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos apontou problemas de contaminação em vários produtos agrícolas, como o pimentão, o morango e o pepino, que lideraram o ranking dos alimentos com o maior número de amostras contaminadas, em 2010. Nessas amostras, a Anvisa detectou a presença de resíduos de agrotóxicos acima do permitido e o uso de agrotóxicos não autorizados para essas culturas.[30]

Em 2019 o Brasil tornou-se o país onde mais se usa agrotóxicos no mundo.[31] No mesmo ano, foi divulgado que é produzido em larga escala a sulfuramida, que é proibido no mundo todo, exceto no Brasil. Segundo estudo italiano, a sulfuramida está relacionado ao aumento da infertilidade masculina e também a diminuição do tamanho do pênis.[32]

Em julho de 2020, uma reportagem da Agência Pública e Repórter Brasil mostrou que existe um lobby que pressiona o governo para liberar agrotóxicos no Brasil.[33]

Filmografia sobre os agrotóxicos[editar | editar código-fonte]

  • O Veneno Está na Mesa, documentário de Silvio Tendler (2011).
  • O Veneno Está na Mesa 2, a continuação do primeiro, também dirigido por Silvio Tendler (2014).
  • Nuvens de Veneno, dirigido por Beto Novaes (2013).
  • Agrotóxicos, uma agricultura da morte, AS-PTA (2011).
  • Pontal do Buriti - Brincando na Chuva de Veneno, de Dagmar Talga (2013).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Agrotóxico

Referências

  1. Toxicologia Arquivado em 28 de agosto de 2016, no Wayback Machine..
  2. José M. G. Calado, Prof. Auxiliar da Universidade de Évora Instituto de Ciências Agrárias Mediterrânicas, Departamento de Fitotecnia. «Utilização e aplicação de produtos fitofarmacêuticos». Arquivado do original em 11 de novembro de 2010 
  3. PL 3200/15 Ministério Público Federal divulga nota de repúdio ao 'PL do Veneno'. Ao substituir a palavra agrotóxico por "fitossanitário", o projeto fere princípios da transparência e da informação e confunde população, dizem promotores. Rede Brasil Atual, 18 de agosto de 2016.
  4. 4.ª Câmara de Coordenação e Revisão, do Ministério Público Federal. Nota de Repúdio ao Projeto de Lei n.º 3200/2015. Citação: "O PL pretende a alteração de nomenclatura, passando a denominar os agrotóxicos de "produtos defensivos fitossanitários", retirando a denominação que transparece a exata noção do produto."
  5. Producto Fitosanitario Arquivado em 31 de agosto de 2012, no Wayback Machine. en la Breve Enciclopedia del Ambiente, que cita como fuente la Guía de productos fitosanitarios para la República Argentina. 1993. Cámara de Sanidad Agropecuaria y Fertilizantes, República Argentina. pg. 1167
  6. «Human Health Issues | Pesticides | US EPA». web.archive.org. 28 de maio de 2015. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  7. Zhou, Huan-Xiang (5 de novembro de 2008). «The debut of PMC Biophysics». PMC Biophysics (1). ISSN 1757-5036. doi:10.1186/1757-5036-1-1. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  8. Weichenthal, Scott; Moase, Connie; Chan, Peter (janeiro de 2012). «A review of pesticide exposure and cancer incidence in the agricultural health study cohort». Ciência & Saúde Coletiva (em inglês): 255–270. ISSN 1413-8123. doi:10.1590/S1413-81232012000100028. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  9. de Graaf, L.; Boulanger, M.; Bureau, M.; Bouvier, G.; Meryet-Figuiere, M.; Tual, S.; Lebailly, P.; Baldi, I. (janeiro de 2022). «Occupational pesticide exposure, cancer and chronic neurological disorders: A systematic review of epidemiological studies in greenspace workers». Environmental Research (em inglês). 111822 páginas. doi:10.1016/j.envres.2021.111822. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  10. Funke, P. J. (junho de 1991). «[Skin care as a precondition for the prevention of decubitus ulcers]». Krankenpflege Journal (6). 265 páginas. ISSN 0174-108X. PMID 1861445. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  11. Weselak, M.; Arbuckle, T. E.; Foster, W. (2007). «Pesticide exposures and developmental outcomes: the epidemiological evidence». Journal of Toxicology and Environmental Health. Part B, Critical Reviews (1-2): 41–80. ISSN 1521-6950. PMID 18074304. doi:10.1080/10937400601034571. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  12. Wigle, Donald T.; Arbuckle, Tye E.; Turner, Michelle C.; Bérubé, Annie; Yang, Qiuying; Liu, Shiliang; Krewski, Daniel (maio de 2008). «Epidemiologic evidence of relationships between reproductive and child health outcomes and environmental chemical contaminants». Journal of Toxicology and Environmental Health. Part B, Critical Reviews (5-6): 373–517. ISSN 1521-6950. PMID 18470797. doi:10.1080/10937400801921320. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  13. Mink, Pamela J.; Mandel, Jack S.; Lundin, Jessica I.; Sceurman, Bonnielin K. (novembro de 2011). «Epidemiologic studies of glyphosate and non-cancer health outcomes: a review». Regulatory toxicology and pharmacology: RTP (2): 172–184. ISSN 1096-0295. PMID 21798302. doi:10.1016/j.yrtph.2011.07.006. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  14. Prudente, Ivângela Raphaela Gouveia; Cruz, Candice Lima; Nascimento, Laranda de Carvalho; Kaiser, Claúdia Cristina; Guimarães, Adriana Gibara (outubro de 2018). «Evidence of risks of renal function reduction due to occupational exposure to agrochemicals: A systematic review». Environmental Toxicology and Pharmacology (em inglês): 21–28. doi:10.1016/j.etap.2018.08.006. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  15. Sena, Tereza Raquel Ribeiro de; Dourado, Solano Sávio Figueiredo; Antoniolli, Ângelo Roberto (outubro de 2019). «Audição em altas frequências em trabalhadores rurais expostos a agrotóxicos». Ciência & Saúde Coletiva (10): 3923–3932. ISSN 1678-4561. doi:10.1590/1413-812320182410.18172017. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  16. Hoshino, Ana Cristina Hiromi; Pacheco-Ferreira, Heloisa; Taguchi, Carlos Kazuo; Tomita, Shiro; Miranda, Maria de Fátima (dezembro de 2008). «Estudo da ototoxicidade em trabalhadores expostos a organofosforados». Revista Brasileira de Otorrinolaringologia (6): 912–918. ISSN 0034-7299. doi:10.1590/S0034-72992008000600015. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  17. a b ZUCKI, F. ; ROGGIA, S. M. ; MORATA, T. C. . PRODUTOS QUÍMICOS E ASSOCIAÇÃO COM RUÍDO. In: GÂNDARA, M.E.R. et al.. (Org.). Doenças otorrinolaringológicas rela- cionadas ao trabalho e suas repercussões éticas e jurídicas. 1ed.Rio de Janeiro: Thieme Revinter, 2022, v. , p. 188-199.
  18. a b Sena, Tereza Raquel Ribeiro de; Vargas, Marlizete Maldonado; Oliveira, Cristiane Costa da Cunha (junho de 2013). «Saúde auditiva e qualidade de vida em trabalhadores expostos a agrotóxicos». Ciência & Saúde Coletiva (6): 1753–1761. ISSN 1413-8123. doi:10.1590/S1413-81232013000600026. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  19. Camarinha, Carla Regina; Frota, Silvana Maria Montes Coelho; Pacheco-Ferreira, Heloísa; Lima, Marco Antonio de Melo Tavares de (2011). «Avaliação do processamento auditivo temporal em trabalhadores rurais expostos a agrotóxicos organofosforados». Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (2): 102–106. ISSN 2179-6491. doi:10.1590/S2179-64912011000200004. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  20. a b LEI FEDERAL n.7 802acervoeditoradombosco
  21. Larissa Carvalho de Oliveira (2014). «Intoxicados e Silenciados: contra o que se luta?». Consultado em 4 de abril de 2015 
  22. Machado, 2008
  23. Wanderlei Antonio Pignati; Jorge M. H. Machado; James F. Cabral (2007). «Acidente rural ampliado: o caso das "chuvas" de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde - MT». Ciência e Saúde Coletiva. Consultado em 4 de abril de 2015 
  24. Aprendizagem Rural, Serviço Nacional de (2011). «Agrotóxicos - Uso correto e seguro» (PDF) 
  25. Bahlai, Christine A.; Yingen (22 de junho de 2010). «Choosing Organic Pesticides over Synthetic Pesticides May Not Effectively Mitigate Environmental Risk in Soybeans». PLoS ONE. 5 (6): e11250. PMID 20582315. doi:10.1371/journal.pone.0011250 
  26. Biondi, Antonio; Nicolas (1 de maio de 2012). «Using organic-certified rather than synthetic pesticides may not be safer for biological control agents: Selectivity and side effects of 14 pesticides on the predator Orius laevigatus». Chemosphere. 87 (7): 803–812. doi:10.1016/j.chemosphere.2011.12.082 
  27. Silveira, Marco Antônio Saldanha (22 de julho de 2011). «Importância do uso de equipamento de proteção individual por agricultores no município de São Sepé/RS». Consultado em 14 de dezembro de 2022 
  28. «Equipamentos de Proteção Individual - EPI». Ministério do Trabalho e Previdência. Consultado em 7 de dezembro de 2022 
  29. Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida. «Dados sobre mercado e consumo de agrotóxicos Brasil». Consultado em 4 de abril de 2015 
  30. Ranking da Anvisa aponta alimentos contaminados por agrotóxicos, por Marco Aurélio Weissheimer. Carta Maior, 7 de dezembro de 2011.
  31. «Afinal, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxico domundo». Revista Galileu. Rede Globo. 25 de junho de 2019. Consultado em 5 de julho de 2019 
  32. Redação (17 de junho de 2019). «Pesticida que causa diminuição do pênis é produzido em larga escala no Brasil». iBahia. Rede Bahia. Consultado em 5 de julho de 2019 
  33. «Investigamos o lobby para liberar um agrotóxico proibido e letal». Agência Pública e Repórter Brasil. Agência Pública. 15 de julho de 2020. Consultado em 20 de julho de 2020. Cópia arquivada em 20 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]