Rede Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rede Bahia
Tipo Empresa privada
Indústria Mídia
Construção Civil
Conteúdo e Entretenimento
Desenvolvimento de Novos Negócios
Fundação 1975 (40 anos)
Fundador(es) Antônio Carlos Magalhães
Sede Salvador, BA,  Brasil
Presidente Antônio Carlos Magalhães Júnior
Empregados 1.100 (2012)[1]
Produtos Televisão
Rádio
Jornal
Internet
Acionistas Família Magalhães (66,67%)
EPTV (33,33%)
Sítio oficial www.redebahia.com.br/

A Rede Bahia é um grupo empresarial brasileiro pertencente originalmente à família Magalhães que atua há quase quarenta anos, dentro e fora do estado da Bahia, em diversos segmentos. O grupo teve início no setor de construção civil, com a Santa Helena Construtora, onde tudo começou.[1] [2] Destaca-se no segmento das comunicações, dentro do qual atua com uma rede regional de seis emissoras de televisão aberta com cobertura em todos os municípios no estado, o que significa de 13 milhões de telespectadores potenciais.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1975 é fundada a construtora Santa Helena, onde suas atividades nasceram. Três anos depois, o grupo entrou no ramo da comunicação definitivamente com o surgimento do jornal Correio da Bahia. A partir daí, foi se expandido mais no ramo da comunicação.[2]

Em 1985 é fundada a TV Bahia, a maior emissora de televisão aberta. Depois surgiram uma rede de emissoras em cidades estrategicamente posicionadas nas regiões do estado: a TV Subaé em Feira de Santana (Centro Norte); TV Santa Cruz em Itabuna (Sul); TV Sudoeste em Vitória da Conquista (Sudoeste); TV São Francisco em Juazeiro (Norte); e TV Oeste em Barreiras (Oeste).

A Gráfica Santa Helena era a gráfica responsável pela impressão do jornal Correio*.[3] A empresa foi fechada em 2007, mas permaneceu a estrutura para impressão do jornal.[4]

A TV Salvador, inaugurada em 31 de dezembro de 2000, tinha como destaque a programação local,[5] uma vez que não era afiliada à Rede Globo de Televisão.[6] No entanto, em 2012, foi confirmada a venda da emissora para um grupo empresarial evangélico não especificado, que poderia ser a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd).[7] [8]

A Rede Bahia mantinha também a Universidade Coorporativa da Rede Bahia (Uniredebahia). A universidade empresarial foi a primeira do Norte-Nordeste brasileiro e estava pautado na gestão das competências.[9] Um tempo depois, foi descotinuada.

O grupo paulista Emissoras Pioneiras de Televisão (EPTV), sediado em Campinas, assumiu um terço das ações da Rede Bahia em 2012.[10] [11] Ainda no mesmo ano, foi vendida as empresas MMDS Bahia e Bahiasat Comunicações para a Galaxy Brasil, empresa controlada de forma indireta pela Sky Brasil, em virtude da proibição no Brasil de controle simultâneo de emissora de radiodifusão e de operadora de TV fechada.[12] [13]

Subsidiárias atuais[editar | editar código-fonte]

A primeira empresa da Rede Bahia não foi do segmento de comunicação, e sim do ramo de construção civil. Com a fundação da Santa Helena Construtora, em 1975, a Rede Bahia iniciou suas atividades no mercado de empreendimentos voltados para um público de médio e alto padrão aquisitivo.[2]

No segmento das comunicações, estão seis emissoras de TV aberta, duas emissoras e uma rede de rádio e um jornal diário. A Rede Bahia de Televisão é o primeiro grupo de emissoras de TV aberta a cobrir toda a Bahia e é o maior do Norte e Nordeste, um dos maiores do país.[2] A TV Bahia, TV Santa Cruz, TV Sudoeste, TV Subaé, TV São Francisco e TV Oeste atuam em rede e são afiliadas à Rede Globo. Sobre as rádios, existem a CBN Salvador, Globo FM, a Bahia FM e Bahia FM Sul. Na mídia impressa, o conglomerado detém o jornal Correio* (antigo Correio da Bahia). Na mídia eletrônica, trabalha com o portal iBahia, além das páginas estaduais dos sítios de notícias G1 e de esportes Globo Esporte.

Há ainda a iContent, empresa de conteúdo e entretenimento organizadora dos eventos Festival de Verão de Salvador, Festival de Inverno Bahia, Festa Literária Internacional de Cachoeira (FLICA), dentre outros.[14] [15]

Referências

  1. a b c Carlos Augusto. Rede Bahia apresenta novos sócios. Grupo EPTV assume 33% do capital da empresa, ficando 33% com o ex-senador ACM Junior e 33% com os herdeiros de Luís Eduardo Magalhães Jornal Grande Bahia. Visitado em 4 de novembro de 2014.
  2. a b c d Fernando Morgado. Os maiores grupos de mídia do Brasil. Visitado em 12 de março de 2014.
  3. Luana Amaral. Depois que acaba vem outro começo Correio de Futuro. Visitado em 4 de novembro de 2014.
  4. Luzbel, Ricardo. (14 de Junho de 2007). "GRÁFICA SANTA HELENA FECHA". Bahia Notícias. Visitado em 29 de junho de 2015.
  5. TV SALVADOR. Visitado em 12 de Agosto de 2015.
  6. “DONOS DA MÍDIA” LIDERAM CORRIDA POR PREFEITURAS DE SALVADOR, SÃO PAULO E CURITIBA INTERVOZES (12 SET-2012). Visitado em 12 de Agosto de 2015.
  7. Redação Bocão News (01 de Março de 2012). TV Salvador é vendida a grupo de evangélicos. Visitado em 12 de Agosto de 2015.
  8. mary.oliveira. EXCLUSIVO: TV Salvador é vendida a igreja Gente & Mercado. Visitado em 12 de Agosto de 2015.
  9. Uniredebahia investe R$ 1 milhão na capacitação profissional 4 de novembro de 2014.
  10. Jornal A Cidade. EPTV formaliza compra de 33% da Rede Bahia. Visitado em 19 de junho de 2012.
  11. G1. Anunciada compra de 33% das ações da Rede Bahia pela EPTV. Visitado em 19 de junho de 2012.
  12. ANÁLISE NÚMERO E ORIGEM: 303/2013-GCMB DATA: 17/05/2013 ANATEL. Visitado em 31 de Agosto de 2015.
  13. Da Redação (24 de maio de 2013). Controle da MMDS Bahia passa para a Galaxy, controlada indiretamente pela Sky. tele.síntese. Visitado em 31 de Agosto de 2015.
  14. abmp. iContent realiza Festival de Inverno Bahia e Vozes do Brasil no segundo semestre de 2014. Visitado em 31 de Agosto de 2015.
  15. abmp. iContent produz Festival Artes do Sagrado e amplia sua atuação na área cultural. Visitado em 31 de Agosto de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]