Barreiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Barreiras (desambiguação).
Município de Barreiras
"A Capital do Oeste Baiano"
"O Coração do Oeste Baiano"[1]
"Capital da Soja"
"Cidade-Mãe"
"BRS"
Centro de Barreiras visto da ponte Ciro Pedrosa

Centro de Barreiras visto da ponte Ciro Pedrosa
Bandeira de Barreiras
Brasão de Barreiras
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 26 de maio
Fundação 06 de abril de 1891 (126 anos)
Gentílico barreirense
Prefeito(a) Zito Barbosa (DEM)
(2017–2020)
Localização
Localização de Barreiras
Localização de Barreiras na Bahia
Barreiras está localizado em: Brasil
Barreiras
Localização de Barreiras no Brasil
12° 09' 10" S 44° 59' 24" O12° 09' 10" S 44° 59' 24" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Oeste Baiano IBGE/2008[2]
Microrregião Barreiras,Luís Eduardo Magalhães IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Luís Eduardo Magalhães, São Desidério, Cristópolis, Angical, Riachão das Neves, Formosa do Rio Preto, Novo Jardim (TO) e Ponte Alta do Bom Jesus (TO).
Distância até a capital
Características geográficas
Área 7 538,152 km² (BA: 10º - BR: 183º)[3]
Área urbana 25,35 km² (BR: 122º) – est. Embrapa[4][5]
População 157 638 hab. (BA: 11º - BR: 187º) –  IBGE/2017[6]
Densidade 20,91 hab./km²
Altitude 452 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,789 (BA: 3º) – elevado PNUD/2013[7]
Gini 0,56 PNUD/2013[8]
PIB R$ 3 334 432 mil IBGE/2014[9]
PIB per capita R$ 21 946 49 IBGE/2014[9]
Página oficial
Prefeitura http://barreiras.ba.gov.br
Câmara http://www.camaradebarreiras.ba.gov.br/
Outras informações
CEP 47.800-000 a 47.814-552[10]
Eleitores 94.897 TRE-BA[11]
Comarca Barreiras[12]
Vereadores 19[13]
País Brasil Brasil
Macrorregião Nordeste
Vinculo diocesano Diocese de Barreiras[14]
Potencial de consumo 0.06090% est. 2009[15]

Barreiras é um município brasileiro no interior do estado da Bahia, Região Nordeste do país. Sua população segundo o IBGE em 2017 era de 157 638 habitantes, sendo o município mais populoso da Região Oeste, o décimo primeiro da Bahia e o décimo oitavo entre os municípios mais populosos do interior do nordeste. Situada no Extremo Oeste da Bahia, a cidade é cortada pelo Rio Grande, principal afluente da margem esquerda do Rio São Francisco, e é atravessada por três rodovias federais sendo elas a BR 020, a BR 135 e a BR 242 tornando-a no principal entroncamento rodoviário da região. Faz fronteira com os municípios de Luís Eduardo MagalhãesSão DesidérioCristópolisAngicalRiachão das NevesFormosa do Rio PretoNovo Jardim (TO) e Ponte Alta do Bom Jesus (TO).

O município é um importante polo agropecuário e o principal centro urbano, político, educacional, médico, tecnológico, econômico, turístico e cultural da região oeste da Bahia. Barreiras, junto às suas cidades circunvizinhas, compõe a maior região agrícola do Nordeste. Além dessas potencialidades, pode-se perceber também intensa atividade comercial abastecendo toda região num raio de 300 km. Hoje, por força de seu grande desempenho nos setores do comércio e da prestação de serviços, Barreiras ocupa posição de destaque entre os maiores centros econômicos e populacionais do estado, e é uma das principais cidades da região nacionalmente conhecida como MATOPIBA.[16]

Nesse contexto de cidade polo regional, Barreiras cada vez mais tem se fortalecido economicamente dado ao seu desenvolvimento em segmentos e setores diversificados dando-lhe um ritmo de desenvolvimento mais acentuado, sustentável e seguro, com fornecimento de serviços diversos (com destaque na educação e saúde), comércio pujante e agronegócio, forte incremento imobiliário e em construção civil, entre outros segmentos que complementam entre si.[17]

A cidade possui o terceiro maior IDH do estado da Bahia com média de 0,721 atrás apenas de Salvador e Lauro de Freitas, além de ter o segundo maior do interior da Região Nordeste atrás apenas de Imperatriz, no Maranhão.

História[editar | editar código-fonte]

Antigo centro comercial de Barreiras.

Na época da chegada dos colonizadores europeus ao Brasil (século XVI), a porção central do país era ocupada por indígenas do tronco linguístico macro-jê, como os acroás, os xacriabás, os xavantes, os caiapós, os javaés, dentre outros.[18]

A região onde está localizada a cidade de Barreiras pertenceu a Pernambuco até meados de 1824. D. Pedro I desligou o atual Oeste da Bahia do território pernambucano como punição pelo movimento separatista conhecido como Confederação do Equador. A então Comarca do São Francisco foi o último território desmembrado de Pernambuco, impondo àquele estado uma grande redução da extensão territorial, de 250 mil km² para os 98.311 km² atuais. Após três anos sob administração mineira, a região foi anexada à Bahia em 1827.[19][20][21]

Até 1890 o território pertencia ao primeiro município da região extremo oeste baiano, (Campo Largo) que em 1925 teve seu nome mudado para Barão de Cotegipe e mais tarde simplificado para Cotegipe, onde foi emancipado as terras que se denominaram Brejo de Angical em virtude das extensas matas de angico, que mais tarde simplificou para Angical. Em 1850, habitava uma casinha junto ao porto, em terreno da Fazenda Malhada, de propriedade do coronel José Joaquim de Almeida, o barqueiro Plácido Barbosa, tido como o pioneiro do município, que juntamente com seu patrão, Francisco José das Chagas, morador a meia légua dali, se ocupava de receber e descarregar as barcas chegadas, cujas mercadorias fazia seguir em tropas de animais para localidades vizinhas do estado de Goiás ou para fadas da Ribeira. Em 1880 era um povoado com 20 casebres de taipa ou adobe. A grande abundância, nas matas locais, da mangabeira, de cuja seiva se fazia a borracha, foi fator definitivo de crescimento e de uma nova atividade econômica, pela qual o acanhado povoado pôde progredir mais rapidamente e obter, logo no ano seguinte, 1881, a criação de sua freguesia. Mais 10 anos de franca prosperidade passou a ser distrito de paz do município de Angical, em virtude de Lei municipal de 20 de fevereiro de 1891. Em seguida ganhou a categoria de vila, a que foi elevado pela Lei estadual nº 237, de 6 de abril de 1891, que também criou o município respectivo, com território desmembrado do de Angical. A vila e o Conselho Municipal começaram a funcionar em 26 de maio de 1891, enquanto o "Fórum", em agosto do mesmo ano.[22]

A sede municipal adquiriu foros de cidade pela Lei estadual nº 449, de 19 de maio de 1902 investindo-se nessa categoria em 15 de novembro desse mesmo ano, quando já possuía mais de 630 casas e 2.500 habitantes.

Em 15 de março de 1943 começou a operar uma agência do Banco do Brasil, o primeiro banco da cidade.

No início do século XX o progresso chega a Barreiras e deixa marcas dessa época, nos imponentes casarões de arquitetura neoclássica. Verdadeiro monumento arquitetônico, que em parte sobrevive até hoje mesmo com o acelerado crescimento urbano da cidade.

Em 1908, um jornal semanal "Correio de Barreiras" era publicado e editado pela Tipografia Lima. No ano de 1918, Geraldo Rocha, inaugura o Cine Teatro Ideal, onde programas de auditórios e espetáculos musicais fizeram o maior sucesso, sob o comando do talentoso Mário Cardoso.

Na década de 1920, com o aumento do consumo de energia elétrica, o aproveitamento dos rios tornou-se importante.

Agraciada com a segunda hidrelétrica da Bahia, Barreiras atraiu muitas indústrias, que foram fechadas quando a usina foi desativada.[23]

A chegada da energia elétrica impulsionou as usinas beneficiadoras de cereais e algodão, possibilitou a instalação de uma fábrica de tecidos e fios de algodão e de um curtume industrial instalados pelo Cel. Baylon Boaventura. Nesta mesma época, Dr. Geraldo Rocha, havia fundado a empresa Cia. Sertaneja e, através dela, muito realizou para o progresso de Barreiras. Na década de 1930, Dr. Geraldo Rocha, constrói um grande Frigorífico Industrial que produzia e exportava charque, paio, salame e salsicha.[24]

Até 1850, no entanto, a futura capital regional não passava de um agrupamento de 20 casebres de taipa. A ocupação dos Cerrados Baianos era devagar e rarefeita, mantendo-se assim até os anos de 1940 -1950. Essa situação deve-se aos seguintes fatos: primeiro, o limitado dinamismo da economia baiana, o comércio decadente em Salvador, além de na região sul ocorrer um surto do cacau; e segundo, a ausência de atividades dinâmicas na região.[25]

Nesse contexto socioeconômico, foram montadas as bases de uma economia regional que conjuntamente ao transporte de mercadorias, via porto, dinamizava a produção agrícola, bem como estreitava as relações comerciais e pessoais. De certa forma, a cidade de Barreiras estabelecia a polarização econômica, após ter se desmembrado do município de Angical, fator que influenciou ainda a formação de uma classe política local.[26]

A situação geográfica às margens do Rio Grande permitiu ao município de Barreiras alcançar um desenvolvimento maior do que outros municípios vizinhos. Era pelo porto de Barreiras que escoavam além da borracha da mangabeira, gêneros alimentícios e até ouro dos garimpos de Goiás.[27][28]

A região estava marcada pelas relações estabelecidas com outros estados do Brasil Central e menos com a capital Salvador. O comércio era realizado, após os barcos subirem o rio São Francisco, com povoados de Goiás, os do atual Tocantins, e ainda com a Amazônia. O isolamento dessa região em relação ao litoral é marcante até o final da década de 1950.[29]

Na década de 1970, marco das transformações produtivas no campo, o baixo valor das terras, a destinação governamental de créditos agrícolas e o movimento migratório sulista introduziram formas modernas de produção agrícola. A participação do Governo Federal permitiu tirar o isolamento que o município vivia em relação aos outros centros urbanos, seja do ponto de vista das rodovias ou dos investimentos em pesquisa científica. Mesmo assim, a pecuária extensiva e a agricultura familiar desenvolvida nos vales ainda representavam as principais fontes econômicas de subsistência e de trocas comerciais com outros municípios do Oeste Baiano.[30]

A economia, até então, estava pautada no poder dos latifundiários, com os coronéis detentores de vastas terras. Quanto ao Cerrado, “inexplorado” pela pecuária, ainda possuía extensas áreas preservadas. Com a chegada do 4º BEC (Batalhão de Engenharia e Construção) em 1969, oriundo de Crateús - CE, deu-se início a construção parcial da BR 242 para Salvador, que promoveu a interligação do município com outras cidades na Bahia e com o restante do Brasil pelas rodovias federais.[31]

No início da década de 1980, o município passou a receber grande número de produtores rurais migrantes da Região Sul, atraídos pelo seu potencial agrícola.[32]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Cais de Barreiras
O Rio Grande, principal afluente esquerdo do Rio São Francisco percorre a zona urbana de Barreiras.
Aspecto do cerrado, vegetação típica do município de Barreiras com destaque ao Buritizeiro, arecácea comum em toda região oeste.
Entardecer em Barreiras

Com uma área de 7 895,24 km², rica em belezas naturais, é contornada por serras e conta com grandes recursos hídricos. Sua área urbana se estende do vale da Serra da Bandeira, (onde se localiza o Aeroporto de Barreiras) e vai até o vale da Serra do Mimo, tomando uma área total de 64 km², cortada pelo Rio Grande que faz diversas curvas por dentro da cidade.[33]

A cidade localiza-se a 871 km da capital do estado Salvador,[34] no entanto a capital federal Brasília está a apenas 613 km interligada diretamente pela BR 020.[35]

Aspectos geológicos e hidrológicos[editar | editar código-fonte]

Barreiras está localizada na porção noroeste do Cráton do São Francisco sobre as coberturas proterozoicas e nas proximidades das cobertunas fanerozoicas. O mesmo constitui uma província estrutural localizada na porção sudeste no contexto da plataforma sul americana e representa uma entidade geotectônica estável, caracterizado pela sua ampla espessura crustal nas relação às outras porções continentais e com seu substrato inerte com relação aos eventos orogenéticos fanerozoicos. É constituído predominantemente por núcleos arqueanos com adição de terrenos paleoproterozoicos, coberturas sedimentares proterozoicas relacionadas ao preenchimento de bacias, além de unidades fanerozoicas, apresentando graus de deformação variáveis.[36]

Relevo[editar | editar código-fonte]

A altitude elevada de Barreiras é característica, apresentando duas variações de relevo. Na parte leste do município situam-se serras extensas com planaltos, estendendo-se em geral no sentido leste-oeste, com altitude média de 750 metros acima do nível do mar. Recortando suas encostas ficam os vales férteis com altitudes que não ultrapassam os 460 metros por onde correm as bacias hidrográficas.

As principais serras são:

  • Serra da Bandeira
  • Serra do Mimo
  • Serra do Boqueirão
  • Serra da Gameleira
  • Serra da Ondina
  • Serra de São Vicente
  • e no extremo oeste na divisa com o Estado do Tocantins, a Serra Geral.[37]

Solo[editar | editar código-fonte]

Os solos apresentam textura média e arenosa, sendo o latossolo vermelho amarelo-célico o predominante.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação predominante é o cerrado arbórico aberto sem floresta de galeria. As florestas de galeria existentes são em menor escala.[38]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Barreiras fica na região mais rica em recursos hídricos do nordeste brasileiro. É cortada de sudoeste a nordeste pela Bacia do Rio Grande, a maior bacia da margem esquerda do Rio São Francisco.[39]

Os rios que banham o município nascem próximos às vertentes da Serra Geral no cerrado e correm de oeste para leste, sendo todos afluentes e sub-afluentes do Rio Grande.[40] À margem direita do Rio Grande apenas deságua o Rio Ribeirão do Arapuá. Na margem esquerda ficam as principais bacias hidrográficas que formam o Rio Grande:

Bacia do Rio Branco

Formada pelo Rio de Janeiro e pelo Rio dos Cachorros com seus afluentes. No Rio de Janeiro ficam as cachoeiras do Acaba Vida e do Redondo que são importantes pontos turísticos de Barreiras. O Rio Branco margeia o povoado de Cantinho do Senhor dos Aflitos deságua no Rio Grande a alguns quilômetros abaixo do perímetro urbano da cidade.[41]

Bacia do Rio de Ondas

Formada pelo Rio Borá e pelo Rio de Pedras com seus afluentes. O Rio de Ondas encontra o Rio Grande um pouco acima da cidade de Barreiras e é o mais procurado para o lazer da população, sendo muito praticado a descida de bóia, de bote e de caiaque.[42]

Clima[editar | editar código-fonte]

  • Tipo climático: tropical semiúmido.[43]
  • Temperatura anual: média compensada de 24 °C, máxima de 32 °C e mínima de 18 °C.
  • Pluviosidade anual: média 1140 mm[44] - máxima: 1684 mm; mínima 295 mm.
  • Período chuvoso: outubro a abril.
  • Risco de seca: médio a baixo.

A luminosidade natural é abundante durante todo o ano e a intensidade dos ventos varia de fraco a moderado. O calor é presente durante todo ano mesmo durante a estação de inverno.

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas
registrados em Barreiras por meses (INMET, 1961-presente)[45]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 153,2 mm 26 de janeiro de 2015 Julho 14,6 mm 26 de julho de 2002
Fevereiro 131,7 mm 3 de fevereiro de 1966 Agosto 14,4 mm 25 de agosto de 1986
Março 98,9 mm 28 de março de 1975 Setembro 55,5 mm 27 de setembro de 1977
Abril 91,2 mm 29 de abril de 1986 Outubro 119,7 mm 26 de outubro de 1986
Maio 44 mm 14 de maio de 1973 Novembro 132,8 mm 28 de novembro de 1977
Junho 37,5 mm 3 de junho de 2009 Dezembro 102,3 mm 5 de dezembro de 1970

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1961 a menor temperatura registrada em Barreiras foi de 6,8 °C em 11 de agosto de 1994,[46] e a maior atingiu 40,9 °C em outubro de 2015, nos dias 5 e 22, superando os 40,5 °C registrados em 19 de outubro de 1987.[47] Temperaturas acima da marca dos 40 °C também ocorreram em 21 de outubro de 2015 (40,4 °C), 4 de novembro de 2008 (40,3 °C), 3 de outubro de 1997 (40,1 °C), 18 de outubro de 2015 (40 °C) e 13 de novembro de 2015 (40 °C).[47] O maior acumulado de precipitação registrado em 24 horas foi de 153,2 mm em 26 de janeiro de 2015. Outros grandes acumulados foram 132,8 mm em 28 de novembro de 1977, 131,7 mm em 3 de fevereiro de 1966, 119,7 mm em 26 de outubro de 1986, 119,6 mm em 3 de fevereiro de 1978, 116,6 mm em 2 de fevereiro de 1968, 108,1 mm em 5 de fevereiro de 1975 e 102,3 mm em 5 de dezembro de 1970.[45] O maior acumulado de precipitação em um mês foi registrado em janeiro de 2016, de 593,1 mm.[48] O índice mais baixo de umidade relativa do ar ocorreu nas tardes dos dias 8 de outubro de 1963, 18 de setembro de 2002, 5 de setembro de 2004 e 13 de setembro de 2008, de apenas 11%.[49]

Dados climatológicos para Barreiras
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima absoluta (°C) 37,2 37,8 36,6 38,2 36,6 36,6 36,4 38,7 39,9 40,9 40,3 39,3 40,9
Temperatura máxima média (°C) 31,1 31,3 31,1 31,2 31,6 31,4 31,7 33,3 34,6 33,8 31,9 31 32
Temperatura média (°C) 24,7 24,7 24,5 24,4 23,4 22 21,9 23,6 25,9 26,4 25,3 24,6 24,3
Temperatura mínima média (°C) 20 20,1 19,8 19,5 17,4 15 13,6 14,1 17,4 20,3 20,3 19,9 18,1
Temperatura mínima absoluta (°C) 13,7 15,8 15,4 13,1 10,4 8 8 6,8 9,7 12,8 15,2 11,8 6,8
Precipitação (mm) 205,4 172,4 150,5 91,4 23,1 2,5 1,2 1,5 20,1 93,6 192,9 185,4 1 140,1
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 12 11 11 9 3 1 0 0 2 8 12 12 81
Umidade relativa (%) 77,5 78,5 79,9 76,2 71,9 65,2 58,7 50,3 47,1 60,7 70,8 77 67,8
Horas de sol 199,9 186,7 206,1 212,8 253,4 255,3 280,7 286,2 243,9 213,9 188,6 192,8 2 719,6
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990;[44][50][51][52][53][54][55] recordes de temperatura: 1961-presente).[46][47]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

Alphavile, Antônio Geraldo, Aratu, Conjunto Hab. Arboreto I, Conjunto Hab. Arboreto II, Conjunto Hab. Barreiras I, Conjunto Hab. Barreiras II, Condomínio Vento Leste, Barreirinhas, Bela Vista, Boa Sorte, Boa Vista, Conjunto Hab.do Buritis, Cascalheira, Centro, Cidade Nova, Copacabana, Fiorenze, Loteamento Flamengo, Jardim Ouro Branco, Jardim Vitória, Jardins, Vila Juri, Juscelino Kubitschek, Loteamento Mimoso, Morada da Lua, Nova Barreiras, Novo Horizonte, Parque Santa Lúcia, Parque Verde, Parque da Cidade, Primavera, Recanto dos Pássaros, Renato Gonçalves, Ribeirão, Rio Grande, Sandra Regina, Santa Luzia, Santo Antônio, Conj. Hab. São Francisco, São Miguel, Loteamento São Paulo, São Pedro, São Sebastião, Serra do Mimo, Sombra da Tarde, Vila Amorim, Vila Brasil, Vila dos Funcionários, Vila do Sás, Vila dos Soldados, Vila Dulce, Vila Nova, Vila Regina, Vila Rica.[56]

Outras Localidades[editar | editar código-fonte]

Arraial da Penha, Baraúna, Barreiras Sul, Barrocão de Baixo, Barrocão de Cima, Bebedouro, Bezerro, Cachoira do Acaba-Vida, Cantinho do Senhor dos Aflitos, Capão do Meio, Cerradão, Conjunto Buritis I, km 32, Mantiqueira, Mucambo, Nanica, Nova Esperança, Paulo Schimidt, Placas, São José do CTI, Tatu.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Histórico Populacional de Barreiras
Ano População[57][58]

1970 20 864
1980 41 462
1991 92 640
1993 98 407
1995 103 581
1997 118 945
2000 131 849
2004 130 512
2007 129 501
2010 137 427
2012 141 081
2013 150 896
2014 152 208
2016 155 519
2017 157 638

Barreiras possui 157 638 habitantes, segundo a estimativa do IBGE em 2017. Foi categorizada pelo sistema de hierarquia urbana como capital regional polarizando e influenciando mais de 40 municípios da Bahia, Piauí, Goiás e Tocantins. É o décimo primeiro município mais populoso da Bahia e o primeiro do oeste do estado. E está entre os 20 municípios mais populosos do interior do Nordeste. A sua população flutuante ultrapassa os 600 mil habitantes, justamente por sua localização privilegiada e sua infraestrutura de polo econômico regional. No censo demográfico de 2010 realizado pelo IBGE, a população do município era 137 427 habitantes, apresentando uma densidade populacional de 17,49 hab./km². Conforme o mesmo censo, 69 514 (50,58%) eram do sexo feminino e 67 913 (49,41%) do sexo masculino. Ainda segundo o mesmo censo, 123 741 (90,04%) habitantes viviam na zona urbana e 13 686 (9,95%) na zona rural.[59][60][61][62][63][64]

Barreiras tem um IDH-M de 0,721 sendo considerado alto pela ONU. O município possui um número total de 94.897 eleitores.[65][66][67]

Composição Étnica[editar | editar código-fonte]

Cor/Raça

Percentagem[68]

Parda 61,48%
Branca 26,85%
Preta 9,74%
Indígena 0,26%
Amarelo 1,67%

Religião[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Diocese de Barreiras

A maioria da população de Barreiras é adepta do catolicismo romano, seguido da religião evangélica que possui diversas vertentes (pentecostal, batista, etc.) Segue o gráfico com as principais denominações religiosas encontradas em Barreiras segundo o censo 2010 do IBGE:


Circle frame.svg

Religiões em Barreiras (2010)[69]

  Catolicismo Romano (70.17%)
  Protestantismo (18.42%)
  Sem religião (7.71%)
  Espiritismo (1.44%)
  Outras religiões (2.09%)

Migração[editar | editar código-fonte]

Barreiras foi uma das cidades da região Nordeste que mais recebeu migrantes durante as décadas de 1970 e 1980. O grande saldo migratório de sulistas nesse período se deu por causa do desenvolvimento tecnológico da agroindustria na região. Milhares de sulistas foram em busca da exploração dos cerrados de solos férteis e dos vales com fácil acesso à grandes bacias hidrográficas, o que abriu espaço para o fortalecimento da agricultura irrigada. Mudou-se então seu estilo de vida, seu sotaque e principalmente sua cultura, fazendo com que Barreiras perdesse algumas de suas características de cidade baiana.

O grande número de famílias cearenses se deu pela intensificação dos serviços do 4º BEC na construção e pavimentação das rodovias federais transbrasilianas. Na década de 1990 o gigantesco fluxo migratório foi de nordestinos oriundos do sertão do Piauí, Bahia,  Pernambuco e outros estados. Graças ao desenvolvimento comercial, industrial, urbano, turístico e prestação de serviços que atendem à cidade e aos pequenos municípios vizinhos.

Esse fluxo migratório que fez de Barreiras uma capital regional que polariza "magnéticamente" os municípios limítrofes, não só da Bahia mas de outros estados que fazem divisa com o Oeste Baiano.[70][71]

Local de Origem População Porcentagem
Nordeste
125.435
91,27%
Centro-Oeste
4.412
3,21%
Sudeste
3.307
2,40%
Sul
2.823
2,05%
Norte
466
0,33%
Estrangeiros
88
0,06%
Fonte: IBGE[72]

Economia[editar | editar código-fonte]

Agropecuária[editar | editar código-fonte]

Imagem capturada por satélite de várias plantações de soja utilizando pivot central, na bacia do Rio de Ondas, zona rural de Barreiras.
Plantação de soja

Barreiras se destaca no Agronegócio nacional como grande produtora de algodão plantando 34.491 ha, com 40.291 ha e soja com  128.110 há em um total de 202.892 mil ha conforme dados da AIBA 2012. No que se refere á área irrigada possui 301 pivôs implantados em 33.500 há. É importante ressaltar, possui grande potencial de expansão da área agricultável, pois do total de 789.524 há, se utiliza apenas 34 % dessa área  ainda tendo muito que crescer de forma sustentável e ambientalmente correta na Agricultura e Pecuária.

Apenas como dado comparativo para identificar a sua forte contribuição no Agronegócio, a cidade de Luis Eduardo Magalhães (Ex distrito de Barreiras, Mimoso do Oeste) que se destaca como grande produtora agrícola produz 12.446 há de algodão, 26.944  de milho e 145.705 há de soja e possui 130 pivôs implantados em 14.910 há,  ambas as Cidades com média de produtividade por hectare quase idêntico. Desta feita igualmente com Luis Eduardo Magalhães, Formosa do Rio Preto, São Desidério, Correntina, Riachão das Neves e outros Municípios do Oeste, Barreiras contribui fortemente para o fortalecimento do Agronegócio na Bahia e Brasil e o seu diferencial para as demais reside na sua localização geográfica privilegiada que a torna centro urbano convergente e de abastecimento regional até mesmo do Sul do Piauí.

Há uma previsão de grande incremento no agronegócio em Barreiras, dado ao interesse de grupos para investimentos na indústria têxtil e confecções, bem como esmagamento de soja e aumento considerável de extensão de suas áreas agricultáveis.

Na pecuária, o incremento e investimento em tecnologia é fato público e notório, não somente no cerrado (na localidade de Placas, por exemplo, que pertence a Barreiras) mas, também, notadamente na região do vale onde surgem novas propriedade rurais,  inclusive com investimentos de grandes grupos  que  estão influenciando positivamente pequenos e médios pecuaristas  a investirem em aprimoramentos tecnológicos sustentáveis o que tem refletido na qualidade e capacidade produtiva de arrobas de carne por hectare, sem falar nos investimentos em genética de ponta em reprodução bovina.

Outro diferencial que destaca Barreiras é que, além de um cerrado altamente produtivo, também possui um vale com grande potencial para a pequena agricultura, piscicultura e pecuária de corte e leite, bem servido de mananciais de água e clima apropriado.[73]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Avenida Benedita Silveira, centro de Barreiras.
Praça Castro Alves no centro, apelidada pelos barreirenses como "Praça das Corujas" e é um dos pontos mais movimentados da cidade

Essa cidade baiana é um dos principais centros comerciais do estado da Bahia abastecendo outros municípios num raio de 300 km e tem um dos maiores índices de pontencial de consumo do interior do nordeste ocupando o 13º lugar. Barreiras conta com um centro de abastecimento comercial na região central onde se vende produtos alimentícios de horta, artigos importados, roupas, entre outros. O município possui alguns estabelecimentos comerciais de atuação nacional e multinacional como as Lojas Havan, Atacadão, Le Biscuit, Lojas Americanas, Armazém Paraíba, Casas Bahia, Magazine Luiza; como também um número expressivo de franquias do ramo alimentício fast food, especificamente, com unidades do Bob’s, Subway, Spolleto, Domino's Pizza, Giraffas, além dos foods trucks espalhados nas diversas áreas onde há maior movimentação de pessoas na cidade.

Há em Barreiras algumas empresas de distribuição como a AmBev distribuidora, a Coca-Cola, ArcelorMittal, a Gerdau e a Danone. Além também de concessionárias da Fiat, Volkswagen, Chevrolet, Honda, Nissan, Toyota, Mitsubishi, Hyundai, Jeep, Volvo, Ford, Renault.[74][75][76][77][78][79][80][81][82][83][84][85][86][86][87][88][89][90]

Mineração[editar | editar código-fonte]

Foi encontrado na área do município de Barreiras, o tálio que é um metal muito raro, e só existem três jazidas conhecidas deste mineral no mundo. A mais recente delas encontra-se em Barreiras. Tal jazida encontrada tem potencial de ser maior que as da China e do Cazaquistão, os únicos produtores atuais, pois tem volume capaz de atender toda demanda mundial por seis anos.[91]

Indústria e agroindústria[editar | editar código-fonte]

Barreiras ainda conta com um Distrito Industrial integrado ao sistema estadual com aproximadamente sete indústrias e agroindústrias (com empresas voltadas para o mármore, refrigerantes, velas, sacos plásticos, metalúrgicas, e outros) instaladas e disponibilidade de lotes para futuros empreendimentos.

E no setor agroindustrial encontra se presente no município uma multinacional, a beneficiando da soja aqui produzida – grãos, farelo e óleo, A Cargill com uma planta industrial em Barreiras. O frigorífico para abate de bovinos, caprinos e ovinos, no município, promove o processo de verticalização da cadeia da carne produzida na região, FriBarreiras. Encontra se também na cidade um frigorífico de abate de frangos do único frigorífico de aves da Região – Avícola Barreiras Ltda., adotando-se o sistema de integração e contando com a transferência de tecnologia da Embrapa Suínos e Aves. Algumas poucas beneficiadoras de arroz estão instaladas.

A cidade tem a Unidade Integrada Antônio Balbino de Carvalho Filho, que é sistema FIEB - Federação de Indústrias do Estado da Bahia composto dos serviços  SESI, SENAI e IEL, para educação, qualificação profissional, capacitação empresarial, apoio à inovação, saúde segurança do trabalhador. A Federação das Indústrias já voltou os olhos para Barreiras reconhecendo sua importância regional.[92][93]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Hospital do Oeste, é o maior e mais importante hospital da região que atende os estados do Piauí, Maranhão, Tocantins e parte central da Bahia.

Transporte[editar | editar código-fonte]

  • Rodoviário - Em Barreiras, predomina o transporte rodoviário, quer para o escoamento da produção como para a movimentação de passageiros. É quantitativamente expressiva a malha rodoviária. Conta o município com as rodovias federais BR 242, BR 135 e BR 020 e da estadual BA 447. Sua frota é um total de 73.355 veículos.[103]
  • Aéreo - O município conta com o Aeroporto de Barreiras, com pista de 1 559 x 30 m para utilização de aeronaves de pequeno e médio porte. Servem, o município, as empresas aéreas Passaredo Linhas Aéreas e Azul Linhas Aéreas, com voos regulares diários para Brasília e Salvador. A partir de 2014 se encontra em andamento a licitação pública para reforma e ampliação do Aeroporto Regional de Barreiras para atender todo o polo regional, com início das obras neste mesmo ano. Barreiras tem a base regional do Grupo Aéreo da Polícia Militar (Bavan-Graer), que reforçam a segurança pública em todo o Oeste da Bahia. O equipamento tem capacidade de abrigar duas aeronaves que são utilizadas para o patrulhamento aéreo da região, além de dispor de um alojamento para 30 militares em esquema de plantão. Essa foi a primeira base do interior da Bahia.[104][105][106][107]

Em Barreiras está instalado um dos mais movimentados aeródromos do país, nele existem 24 hangares em utilização, em torno de cinquenta aeronaves que se utilizam de sua estrutura, havendo uma média de trinta decolagens por dia. Na sua área ainda funcionam empresas do setor, entre elas, uma de montagens de aviões e outra de manutenção de aviões agrícolas que chegam de Guanambi, Bom Jesus da Lapa, sul do Piauí, além da região oeste. Estima-se, atualmente a existência de 250 aeronaves agrícolas em atividades na região e sua maioria se utilizam desses serviços.[108]

Telecomunicações e Mídia[editar | editar código-fonte]

Área de cobertura da TV Oeste.

Barreiras conta com um canal local de televisão, a TV Oeste, que é afiliada da Rede Globo de Televisão,e que transmite a programação nacional mesclada a telejornais com notícias locais e do estado da Bahia para toda a região, também em sinal digital; também conta com duas emissoras de rádio AM e duas emissoras FM, Uma sucursal de um jornal estadual e diversas publicações locais. Conta também com todas as empresas operadoras de telefonia móvel e Banda larga.[109]

Abastecimento de Água e Rede de Esgoto[editar | editar código-fonte]

Barreiras é um município bem abastecido de água, sendo a EMBASA a responsável pelo sistema de abastecimento, registrando 38 414 domicílios particulares abastecidos, além de 3 821 ligações comerciais de acordo o IBGE no ano de 2016. Em torno de 90% da população é abastecida pelo fornecimento de água. A rede de esgoto já atende a 60% da população. As obras de ampliação da rede de esgotamento sanitário ainda se encontram em andamento e levarão o serviço a 90% da população.[110][111][112]

Educação[editar | editar código-fonte]

Ensino Fundamental e Médio[editar | editar código-fonte]

Os alunos matriculados no município de Barreiras estão assim distribuídos:

  • Pré-escola e alfabetização: 3 793 alunos.
  • Fundamental: 21 773
  • Médio: 7 495 alunos.

O município conta com os seguintes estabelecimentos de ensino: (INEP - 2015)

  • Estabelecimentos de ensino pré-escola e alfabetização: 73, sendo 46 públicas e 27 particulares;
  • Estabelecimentos de ensino fundamental: 106, sendo 76 municipais, 3 do estado e 27 particulares;
  • Estabelecimentos de ensino médio: 21, sendo 1 federal, 15 do estado e 5 particulares;[113]

Ensino Superior[editar | editar código-fonte]

O município dispõe de várias unidades de ensino superior dentre elas se destacam:[114]

E várias outras. Estas universidades dispõe de uma extensa diversidade de cursos como: Medicina, Nutrição, Ciências Contábeis, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia de Alimentos, Direito, Psicologia, Tecnologia da informação, Publicidade, pedagogia, agronomia, administração, Educação Física, enfermagem, fisioterapia, geologia, Engenharia Civil, Engenharia Sanitária e Ambiental, Medicina Veterinária e diversas licenciaturas (letras, matemática, física, química, biologia, geografia, história), No âmbito da educação, desenha-se para Barreiras, num futuro próximo, o status de cidade universitária, tanto pela ampliação das atuais unidades existentes, como pela implantação de novas unidades educacionais de nível superior.[115]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Acaba Vida
Cachoeira do Redondo
Rio de Ondas

Barreiras é hoje uma cidade de porte médio com um centro comercial e de serviços em pleno desenvolvimento. Começa a despontar no cenário nacional como porta de entrada do mais novo polo de ecoturismo da Bahia, Caminhos do Oeste.

Lazer[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Acaba Vida

Alimentada pelo Rio de Janeiro, a Cachoeira do Acaba Vida inunda um vale verde de veredas preservadas e matas exuberantes altamente preservadas. São 36m de queda livre e um visual deslumbrante, emoldurado pela mata. A nascente forma uma piscina natural de rara beleza. A cachoeira fica a 58 km da cidade, pela BR-020.[116] Também é possível praticar rapel.

Cachoeira do Redondo

Cerca de 20 km adiante do Acaba Vida, em estrada de terra na beira do Rio de Janeiro que percorre formações de serras e poucas modificações humanas na vegetação está a Cachoeira do Redondo, uma queda d’água arredondada que forma uma grande piscina transparente com três metros de profundidade.

Rio de Ondas

Saindo de Barreiras, na Bahia, partindo pela BR-020 no sentido Brasília, são 7 km até chegar em Rio de Ondas. Margeado por cajueiros, pequis e palmeiras de buritis - além de balneários e hotéis - a diversão é garantida com o bóia-cross e os passeios de bote.[117]A imagem encanta, lembra uma pequena praia. Astraedeiras provocam ondas que tornam a paisagem mais exuberante. São 144 km do Rio de Ondas. Um cartão postal, um representante oficial da cidade de Barreiras. Na localidade, o turista conta com toda a infraestrutura, como restaurante, bares e pousadas.

Locais históricos[editar | editar código-fonte]

Catedral São João Batista.
Casarão no centro histórico de Barreiras

Arraial da Penha

A 15 km do centro da cidade o Povoado de Arraial da Penha, antigo vilarejo de Buracão, foi o primeiro núcleo urbano de Barreiras. Povoado simples e muito bem conservado, onde na tradicional pracinha fica a capela em homenagem a Nossa Senhora da Penha construída em 1841. O cenário em volta é o mais rural possível.

Neste ambiente as mulheres fabricam doces e biscoitos típicos da região. Nos vales férteis os engenhos ainda movidos a tração animal, produzem a cachaça brejeira de forma rudimentar.

Cantinho do Senhor dos Aflitos

No Vale do Rio Branco a 20 km da cidade, encontra-se o Povoado do Cantinho que ficou conhecido por manter viva uma tradição de fé e religiosidade através da devoção ao Senhor dos Aflitos, onde todos os anos no dia 2 de julho acontece uma grande romaria. Durante todo o dia muita animação nas barracas e no final da tarde missa e procissão.

Centro Histórico

No Centro Histórico estão concentradas as ruas e praças mais antigas da cidade e onde ainda podemos apreciar os casarões construídos no final do século XIX e no começo do século XX.

Praça Duque de Caxias

Localizada na Rua Rui Barbosa, Centro Histórico, é a praça mais antiga de Barreiras com o tradicional coreto. Na praça está localizado o prédio onde funcionou o Paço Municipal.

Paço Municipal

Construído no final do século XIX pelo Cel. Francisco Rocha, neste prédio foi instalada a Intendência Municipal, ainda na época do Brasil Colônia, onde por muitos anos funcionou a Prefeitura de Barreiras. O Paço Municipal está localizado na Rua Rui Barbosa, Centro Histórico.

Catedral São João Batista

Construída em estilo mourisco (árabe) e inaugurada em 1925. Sofreu uma grande reforma e foi reinaugurada em junho de 1997. A catedral está localizada na Praça São Batista, Rua 24 de Outubro no Centro Histórico.

Igreja de Santa Terezinha

Construída em 1881, em estilo neoclássico bem conservada, foi a primeira capela de Barreiras. A Igreja de Santa Terezinha está localizada na Praça Amphilóphio Lopes, Centro Histórico.

Mercado cultural Caparrosa

Prédio construído na década de 1950 para abrigar a feira municipal. É um espaço turístico, onde são realizadas apresentações culturais e exposições de artesanatos. O Mercado Caparrosa está situado na Praça Landulfo Alves, Centro Histórico.

Colégio Costa Borges

Prédio ainda em bom estado de conservação, inaugurado em 1927, para funcionar o primeiro Grupo Escolar de Barreiras, na gestão do prefeito Amphilóphio Lopes, sendo sua primeira diretora a professora Guiomar Fábia da Rocha Porto. Endereço: Rua Profª Guiomar Porto - Centro Histórico

Usina Hidrelétrica

Prédio construído em 1928 por Dr. Geraldo Rocha, para abrigar as três turbinas que eram movidas por uma queda d'água artificial, foi a segunda hidrelétrica da Bahia. Endereço: Av. Sebastião Ferreira - Barreirinhas

Antigo Frigorífico Prédio construído na década de 1930 por Geraldo Rocha, durante algum tempo produziu e exportou charque e defumados marcando uma época de prosperidade. Endereço: Av. Eduardo Catalão - Barreirinhas

Casa da Sertaneja Casarão em estilo neoclássico datado de 1919 em bom estado de conservação. Construído por Dr. Geraldo Rocha para sediar a Cia. Sertaneja - Empresa Agropastoril S/A. Em pavilhões distintos funcionava a sede da companhia e o Cine Teatro Ideal, primeiro espaço cultural de Barreiras. Endereço: Av. Presidente Vargas 53 - Centro Histórico.

Filarmônicas[editar | editar código-fonte]

A existência de filarmônicas em Barreiras, segundo registros encontrados, data de 1902. Destacando-se as Filarmônicas "8 de Dezembro" e "24 de Junho". Esta tradição musical mantida através do tempo fez com que a Filarmônica "24 de Junho", composta por músicos de Barreiras e Angical sob a regência do maestro Dulvamerino Coité, o popular Mureco, que foi convidada para tocar na inauguração de Brasília. Atualmente a Banda "26 de Maio" anima os eventos culturais e solenidades da cidade e mantêm viva esta tradição musical.

Comidas típicas[editar | editar código-fonte]

Churrasco no espeto, prato predileto do barreirense nos finais de semana

No coração do Oeste Baiano, as comidas típicas na cidade de Barreiras, reúnem diversas influências, com especial destaque para as cozinhas gaúcha e cearense. O tradicional churrasco divide o paladar com pratos inusitados, tipicamente nordestinos, como o pirão de cabeça de surubim e a galinha caipira com pirão de mulher parida. As peixadas e o feijão tropeiro endossam a diversidade de sabores da cidade. Para adoçar o paladar, a sobremesa fica por conta dos doces feitos da fruta, com destaque para o de maracujá nativo e o de buriti. Os Biscoitos, peta, ginete e queijada são os mais clássicos.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Festas[editar | editar código-fonte]

Lavagem do Kimarrei

Acontece todos os anos desde 1997 sempre no dia 1 de janeiro onde mais de cinco mil foliões participam da tradicional Lavagem do Cais. A festa, que é uma prévia do carnaval da cidade, atrai barreirenses e muitos visitantes. A concetração acontece no entorno do Cais do Rio Grande, nas praças Duque de Caxias, Presidente Vargas e Landulfo Alves, onde os camarotes são instalados.

A lavagem, que antes acontecia na esquina dos Correios, originalmente se chamava Lavagem do Mariana (em alusão a um bar badalado que existia nas proximidades). Com o crescimento da festa, então as comemorações foram transferidas para a área externa, com carros pipa, um palco maior e mais atrações. Desde 1997, a organização é do Bloco Kimarrei e acontece nas imediações do cais.[118][119]

Carnaval

O Carnaval de Barreiras é considerado o maior do interior da Bahia e atrai mais de 300 mil fuliões todos os anos. O carnaval cultural acontece na praça Landufo Alves no cais da cidade e recebe um público em torno de 40 mil pessoas. O carnaval dos trios elétricos ocorre nas Avenidas Clériston Andrade e Antonio Carlos Magalhães e garante atrações regionais e grandes nomes da música nacional[120][121]

Romaria do Cantinho do Senhor dos Aflitos

Com 300 anos de tradição, a romaria do Senhor dos Aflitos no povoado do Cantinho, na zona rural de Barreiras, tem seu ponto alto no dia 3 de junho. A festa prossegue com a missa do romeiro às 7h, e, encerra com missa solene, às 17h. Para percorrer os 18 km, a maior parte em estrada de chão, os peregrinos saem por volta da meia-noite da porta da Catedral São João Batista.

Desde o ano de 2016 a igreja da localidade é considerada pela diocese de Barreiras como O Santuário do Senhor dos Aflitos. O povoado foi recuperado e urbanizado na gestão do prefeito Zito Barbosa e foi inaugurada uma praça, aumentando assim a infraestrutura do local estimulando ainda mais o turísmo, atraindo para o povoado um número em torno de 20 mil fiéis todos os anos.[122]

A imagem do Senhor dos Aflitos, esculpida em madeira, foi trazida de Portugal pelos irmãos Francisco e José Ayres da Fonseca. Em 1710, a imagem chegou em Barra. Dez anos depois, a família Ayres da Fonseca construiu a primeira capela no povoado do Cantinho e teve início a peregrinação ao local. Em 1946 foi erguida a atual capelinha.[123][124]

São João

Barreiras comemora em família o dia de São João Batista por ser o padroeiro da cidade. Os moradores fazem na frente das calçadas as tradicionais fogueiras juninas e comemoram estourando foguetes e morteiros. Por conta dos recessos escolares e dos feriados sucessivos a população da cidade aumenta significativamente nesse período.

A praça da igreja matriz é visitada por inúmeros fieis que vêem fazer suas preces e comemorar o dia do padroeiro da cidade, o qual já fez parte do nome da cidade que antigamente se chamava São João das Barreiras.[125]

No parque de exposições da cidade acontece o Arraiá do Parque, onde se apresentam as quadrilhas representando cada comunidade de Barreiras como de outras cidades circunvizinhas. É considerada a maior festa de São João do Oeste da Bahia sendo visitado por mais de 25 mil pessoas por noite.[126][127]

Expo Agro Barreiras

Acontece todos os anos no Parque Engenheiro Geraldo Rocha a Expoagro Barreiras, onde há leilões, algumas palestras e negociações, como também exposição de novas tecnologias no setor agroindustrial, e animais de raças comercias. Além de shows de atrações locais de relevancia nacional que atraem um público que supera os 40 mil visitantes.[128][129]

Dia do Evangélico

Desde 2001 a cidade comemora o dia do evangélico em 02 de agosto. Onde é feita a entrega simbólica de Bíblias, orações e atrações de artistas do meio gospel nacionalmente conhecido.[130]

Desfiles de 7 de setembro

Durante toda a manhã passam pelas avenidas do centro de Barreiras, em comemoração e memória ao 7 de setembro o Dia da Independência do Brasil, escolas estaduais e municipais, a Guarda Municipal, a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o 4º BEC. As fanfarras das escolas são uma atração a parte, como de costume, vêem com repertórios e evoluções que encantaram o público presente. A cerimônia sempre encerrada com um belíssimo desfile militar.[131]

Feriados Municipais[editar | editar código-fonte]

Barreirenses Ilustres[editar | editar código-fonte]

O cantor e compositor Saulo Fernandes é um dos filhos ilustres da cidade de Barreiras.[132]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1] Portal docslide
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Urbanização das cidades brasileiras». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 11 de junho de 2011 
  5. EVOLUÇÃO DO USO DO SOLO E DO AGRONEGÓCIO NO OESTE DO ESTADO DA BAHIA, (1985-2008), por Passos, A.L.O, Rocha S.S, Hadlish G.M, Engenheira Agrônoma, Drª e professora do Adjunto do departamento de Geoquímica, Universidade Federal da Bahia [2]
  6. «IBGE Cidades da Bahia Barreiras». Instituto Barasileiro de Geografia e Estatística 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  8. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). «Perfil do município de Barreiras - BA». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Consultado em 4 de março de 2014 
  9. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios -2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 30 de agosto de 2017 
  10. [3]
  11. «Número total de eleitores Barreiras BA». TRE BA. Consultado em 23 de junho de 2017 
  12. «Lista de telefones do interior da Bahia». Tribunal de Justiça do Estado da Bahia. Consultado em 23 de junho de 2017 
  13. «Candidatos eleitos a vereador em Barreiras BA». TRE BA. Consultado em 23 de junho de 2017 
  14. [4]
  15. «Potencial de consumo do nordeste 2010, estados capitais e cidades do interior». Consultado em 23 de junho de 2017 
  16. «Barreiras - A Capital do Oeste Baiano». riodeondas. Site rio de ondas. 2010. Consultado em 5 de Janeiro de 2011 
  17. «Barreiras:125 anos de história». jornaldooeste. Jornal Gazeta Do Oeste. 2016. Consultado em 28 de maio de 2017 
  18. CHAIM, M. M. Aldeamentos Indígenas (Goiás 1749-1811). Segunda edição. São Paulo: Nobel, 1983. p. 48
  19. «Confederação do Equador». Britannica Escola. Consultado em 6 de junho de 2015 
  20. «Comarca do São Francisco». PE-AZ. Consultado em 6 de junho de 2015 
  21. A formação territorial do Oeste Baiano: a constituição do “Além São Francisco” (1827-1985), por Paulo Roberto Baqueiro Brandão, professor assistente da Universidade Federal da Bahia (Campus de Barreiras) [5]
  22. «História-de-Barreiras». OPortalDoBrasil. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  23. «Barreiras, Bahia». Manual do Turista. Consultado em 1 de maio de 2017 
  24. «Barreiras originou-se com a agropecuária». iBahia. Consultado em 1 de maio de 2017 
  25. «História da Cidade de Barreiras». cidadesdomeubrasil. Cidades do Meu Brasil. Consultado em 3 de junho de 2017 
  26. «Historia de Barreiras». achetudoeregiao. Ache Tudo e Região. 30 de abril de 2014. Consultado em 3 de junho de 2017 
  27. «As riquesas naturais de Barreiras». atarde.uol. A Tarde UOL. 23 de março de 2006. Consultado em 2 de junho de 2017 
  28. «Foto do cais de Barreiras, as embarcações movimentavam o porto, com a chegada de mercadorias». barreirasnoticias. Barreiras Notícias. 15 de agosto de 2012. Consultado em 2 de junho de 2017 
  29. «ECOTURISMO – Barreiras, no oeste da Bahia, atrai por seus atrativos naturais e históricos (VI)». maisoeste. Mais Oeste. Consultado em 3 de junho de 2017 
  30. «Origem do nome Barreiras». barreirasnoticias. Barreiras Notícias. 15 de dezembro de 2011. Consultado em 2 de junho de 2017 
  31. DINÂMICA E EVOLUÇÃO DA PAISAGEM NO MUNICÍPIO DE BARREIRAS - BA por Evanildo Santos Cardoso, professor adjunto da Universidade Federal do Oeste da Bahia(UFOB)[6]
  32. «A explosão da soja e do algodão baiano». Folha do Fazendeiro. Consultado em 5 de junho de 2015 
  33. J. C. V., Rocha, M. R.1 & Campos (2012). COMPARTIMENTAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA ÁREA URBANA DE BARREIRAS – BA. [S.l.]: XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. 2 páginas 
  34. [7]
  35. [8]
  36. B. B., BRITO NEVES, Campos (1993). F. F., Alkimim, ed. Cráton: evolução de um conceito. [S.l.]: SBG. pp. 1–10 
  37. [9]
  38. «Barreiras, Dados Gerais». achetudoeregia.com. 30 de abril de 2014. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  39. João Suassuna. «Recursos hídricos no Nordeste, a necessidade de gerenciamento». Fundaj. Consultado em 17 de junho de 2017 
  40. «Rio Grande (BA)». Brasil das Águas. 2006. Consultado em 17 de junho de 2017 
  41. [10]
  42. «Guia de turísmo de Barreiras Bahia». ibicoara-chapada-diamentina.com. 2015. Consultado em 17 de junho de 2017 
  43. «Climate Summary» (em inglês). Weatherbase. Consultado em 7 de março de 2014. Cópia arquivada em 7 de março de 2014 
  44. a b «Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  45. a b «BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Barreiras». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014 
  46. a b «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (°C) - Barreiras». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014 
  47. a b c «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (°C) - Barreiras». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014 
  48. «BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Barreiras». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014 
  49. «Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Barreiras». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014 
  50. «Temperatura Média Compensada (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  51. «Temperatura Máxima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  52. «Temperatura Mínima (°C)». Instituto Nacional de Meteorologia. 1961–1990. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  53. «Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  54. «Insolação Total (horas)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  55. «Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 29 de maio de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  56. «Barreiras(BA) Lista de bairros e demais núcleos populacionais». MBI. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  57. «Evolução da população de Barreiras». IBGE. 2010. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  58. [11]
  59. «Regiões de Influência das Cidades 2007». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 10 de outubro de 2008. Consultado em 19 de fevereiro de 2010 
  60. «Prefeitura de Barreiras recebe comitiva têxtil de Santa Catarina e apresenta potencialidades do município». Se Liga Barreiras. 26 de julho de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  61. Ofício GAB 157/2016, Prefeitura Municipal de Barreiras (2016). Henrique, Antonio, ed. Ofício ao governador do estado sobre o ocorrido no dia 22 de abril de 2016. [S.l.]: Governo do Estado da Bahia 
  62. «Nossa cidade». Salve Barreiras. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  63. «Presídio Regional de Barreiras é um Compromisso do Governador Jaques Wagner». 26 de setembro de 2013. Consultado em 21 de maio de 2017 
  64. «SINOPSE CENSO POPULACIONAL 2010». IBGE. 2010. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  65. «Número total de eleitores em Barreiras BA». Eleições e Politica. Consultado em 6 de junho de 2017 
  66. [12]
  67. «População do Oeste baiano cresce 0,82% ao ano». Jornal O Expresso. Consultado em 18 de junho de 2017 
  68. http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl1.asp?c=2094&n=0&u=0&z=t&o=25&i=P
  69. «Religiões em Barreiras». IBGE 
  70. A “territorialização” do agronegócio globalizado em Barreiras - BA: A migração sulista, reestruturação produtiva e contradições sócio- territoriais
  71. Movimentos Migratórios para o Estado da Bahia: Efeitos diretos e indiretos da Migração de Retorno, 1991 – 2000, Cláudia Cristina Rios Caxias da Costa
  72. [13]
  73. name="muraldooeste.com"
  74. «Loja 71 Barreiras/Ba». Atacadão. 2010. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  75. «A Le Biscuit chega a Barreiras». Le Biscuit. 2013. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  76. «Primavia Fiat em Barreiras BA». Primavia Fiat. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  77. «Sanave Volkswagen Barreiras». Apontador. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  78. «Topvel Chevrolet Barreiras BA». ICarros. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  79. «Luz Autos Colecionaria Honda em Barreiras». Luz Autos. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  80. «Concessionaria Nissan em Barreiras». Nissan. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  81. «Loja Americanas em Barreiras». Tiendeo. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  82. «Campo Verde Toyota». AquiNoOeste. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  83. «Paraiso Motors Barreiras BA». Paraiso Motors. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  84. «GTS Motors Hyundai Barreiras». Infolem. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  85. «Potecial de Consumo do Nordeste em 2010, estados, capitais e cidades do interior». dialogospoliticos. Diálogos Políticos. 4 de maio de 2010. Consultado em 6 de junho de 2017 
  86. a b «Loja Havan em Barreiras (BA)». Lojas Havan. 2014. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  87. «Barreiras recebe loja das Casas Bahia». Casa Bahia. 2014. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  88. «Magazine Luiza». Tiendeo. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  89. «AmBev em Barreiras abre inscrições para programa de trainee, salário inicial é de R$ 5.500,00». Fala Barreiras. 2015. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  90. «Distribudora da Cola-Cola CB distribuidora». CB ditribuidora. 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
  91. Raul Beiriz (6 de agosto de 2013). «"Sociedade deve monitorar exploração do tálio"». Consultado em 6 de junho de 2014 
  92. WAGNER PAMPLONA (5 de junho de 2014). «"BARREIRAS - CIDADE POLO REGIONAL", POR WAGNER PAMPLONA». Mural Do Oeste Site. Consultado em 6 de junho de 2014 
  93. SIGI VILARES (15 de junho de 2016). «Sistema FIEB inaura instalações em Barreiras». Sigi Vilares. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  94. Wagner Pamplona (9 de junho de 2014). «Barreiras, cidade polo regional». ioeste. iOeste. Consultado em 15 de junho de 2017 
  95. «Polícia Federal inalgura delegacia em Barreiras». barreiras.ba.gov. Prefeitura Municipal de Barreiras. 27 de abril de 2017. Consultado em 15 de junho de 2017 
  96. Rogério Paiva (14 de setembro de 2016). «Inaugurada nova sede do Ministério Público do Trabalho». Jornal Nova Fronteira. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  97. «Agencias bancarias em Barreiras». agenciasbancos. Agencias Bancos. Consultado em 12 de junho de 2017 
  98. «Com capacidade para 533 presos, Conjunto Penal de Barreiras é inaugurado». chapadanews. Chapada News. 5 de junho de 2017. Consultado em 12 de junho de 2017 
  99. «Presos da delegacia de Luis Eduardo Magalhães são transferidos para presidio de Barreiras». G1.com. 20 de julho de 2017. Consultado em 25 de julho de 2017 
  100. Rui Rodrigues (20 de julho de 2017). «Disep e Cicom reforçam segurança no oeste da Bahia». Governo do Estado da Bahia. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  101. «Distrito Integrado de Segurança Pública de Barreiras é inaugurado pelo governador Rui Costa; R$ 7,2 milhões foram investidos». Jornal Grande Bahia. 2017. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  102. «Rodoviária de Barreiras». queropassagem.com. Consultado em 23 de junho de 2017 
  103. «Frota de veículos de Barrerias em 2016». ibge. IBGE. 2016. Consultado em 31 de maio de 2017 
  104. «Aeroporto de Barreiras Ba». aeroportosdobrasil. Aeroportos do Brasil. Consultado em 28 de maio de 2017 
  105. Wagner Pamplona (5 de junho de 2014). «Barreiras Cidade Polo Regional». Mural do Oeste. Consultado em 6 de junho de 2014 
  106. «Barreiras Ganha Primeira Base Avançada do Bavam-Graer no Interior da Bahia». Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  107. «REGIÃO OESTE DA BAHIA RECEBE PRIMEIRA BASE DO GRAER DO INTERIOR». Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  108. Wagner Pamplona (26 de maio de 2015). «Parabéns, Barreiras, tu és o nosso polo regional». Novo Oeste Online. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  109. Mural do Oeste (21 de maio de 2014). «BARREIRAS: TV OESTE INAUGURA SISTEMA DIGITAL». Mural do Oeste. Consultado em 6 de junho de 2014 
  110. «Embasa apresenta conclusão da obra de esgotamento sanitário em Barreiras». Distak Notícias. 16 de outubro de 2017. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  111. [14]
  112. «COBERTURA DO SERVIÇO DE ESGOTO É AMPLIADA EM BARREIRAS». Blog TV Web Barreiras. Maio de 2017. Consultado em 19 de agosto de 2017 
  113. [15]
  114. «Viva! O sonho UFOB vira realidade!». novooeste. Novo Oeste. Consultado em 28 de maio de 2017 
  115. «Site UFOB». MEC 
  116. «Cachoeira do Acaba». Bahia.com. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  117. «Barreiras Locais turísticos». Férias Brasil. Consultado em 13 de janeiro de 2017 
  118. «Bloco reliza 18ª lavagem do Cais em Barreiras». A Tarde UOL. 1 de janeiro de 2015. Consultado em 23 de junho de 2017 
  119. «Você vai entender porque todo mundo quer passar o Réveillon em Barreiras». immagine.blog.br. 28 de dezembro de 2016. Consultado em 23 de junho de 2017 
  120. «300 mil fuliões são esperados para o carnaval de Barreiras». Rádio Barreiras AM 790. 15 de fevereiro de 2015. Consultado em 23 de junho de 2017 
  121. «Carnaval Cultural Barreiras 2017, valeu demais». Prefeitura Municipal de Barreiras. 1 de março de 2017. Consultado em 23 de junho de 2017 
  122. «prefeito Zito Barbosa acompanha obras no Cantinho». Se Liga Barreiras. 25 de maio de 2017. Consultado em 5 de julho de 2017 
  123. «Tradição há quase 300 anos Romaria do Cantinho acontece no oeste ba BA». G1.com. 2 de julho de 2015. Consultado em 23 de junho de 2017 
  124. «Santuário do Senhor dos Aflitos». Diocese de Barreiras. Consultado em 23 de junho de 2017 
  125. [16]
  126. «Criatividade atrai visitantes durante o São João de Barreiras». Mais Oeste. Consultado em 26 de junho de 2017 
  127. «Depois de quatro dias de festa, Prefeitura de Barreiras comemora realização do maior São João do Oeste Baiano». Se Liga Barreiras. 26 de junho de 2017. Consultado em 6 de junho de 2017 
  128. «Expo Agro Barreiras». Confira Mais. 15 de julho de 2016. Consultado em 23 de junho de 2017 
  129. [17]
  130. «Barreiras dia 2 de agosto comemora-se dia do evangélico». ioeste. 2 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de junho de 2017 
  131. «Desfile de 7 setembro em Barreiras». TV Web Barreiras. 8 de setembro de 2013. Consultado em 23 de junho de 2017 
  132. «Saulo Fernandes e sua brilhante trajetória». Axé moi. 2014. Consultado em 15 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Barreiras