Itiruçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Itiruçu
  Município do Brasil  
Cidade de Itiruçu
Cidade de Itiruçu
Hino
Apelido(s) "Terra do café"
Gentílico itiruçuense
Localização
Localização de Itiruçu na Bahia
Localização de Itiruçu na Bahia
Itiruçu está localizado em: Brasil
Itiruçu
Localização de Itiruçu no Brasil
Mapa de Itiruçu
Coordenadas 13° 31' 55" S 40° 09' O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Municípios limítrofes Lajedo do Tabocal, Lafaiete Coutinho, Jequié, Jaguaquara e Irajuba.
Distância até a capital 329 km
História
Fundação 1 de setembro de 1935
Aniversário 1º de setembro
Administração
Prefeito(a) Lorenna Moura Di Gregorio (PRB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 322 024 km²
População total (IBGE/2010[2]) 12 693 hab.
Densidade O denominador (divisor) tem que ser um número! hab./km²
Clima Subtropical (Cfa)
Altitude 820 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [3]) 0,6 médio
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 60 830,821 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 3 678,25

Itiruçu é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 12.693 habitantes de acordo dados do IBGE.

Tem como ponto turístico famoso o "Morro Grande", além de ser conhecida pela tradicional festa de São Pedro, a melhor da região, onde reúne pessoas dos quatro cantos do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A primeira penetração do território do município data de aproximadamente de 1823 quando, perseguido pela guerra de “Mata Marotos”, José Antônio Braga, de nacionalidade portuguesa, ocupou grande área no Sudoeste baiano, ficando conhecido como MORRO GRANDE, tornando-se de seu domínio particular, e assim foi registrado na forma de Lei de Terra de 1853. Ao Sul de Morro Grande, e a uma distância aproximada de uma légua, está a “Lagoa de Tiririca”, onde se localizou Salustiano de Barros, que realizou abertas, fez roças, rasgou picadas à guisa de entradas e construiu sua casa de residência. Após algum tempo, vendeu sua posse a José Norberto de Barros, que por sua vez a transferiu para Guilherme do Eirado Silva, que havia se instalado na “Toca da Onça”, atualmente Jaguaquara, que afinal a vendeu a João de Souza Brandão, aqui chegado em 3 de janeiro de 1901. Com o espírito empreendedor e prático, João Brandão imprimiu à propriedade “Lagoa da Tiririca” um novo e vital impulso, aumentando as abertas e desenvolvendo a lavoura cafeeira, rasgou novas estradas, construiu numerosas casas com início de ruas, como sejam: Rua da Lancha, atualmente Rua Teixeira de Freitas; Rua das Flores, hoje Rua Pedro Ribeiro; Rua do Paraíso, hoje Rua Presidente Vargas; Rua Vera Cruz, hoje Rua Auro Rocha. Em 30 de maio de 1904, na Praça da Liberdade (hoje Praça Vivaldo Bastos) foi construída por seu punho e trabalho de todos os familiares, a Capela Primitiva de Invocação a São João, passando depois à Capela de Santo Antônio e, posteriormente, Capela de São Roque. Hoje, esta Capela não existe mais.

A Capela de São Roque foi derrubada, e em seu lugar construíram dois prédios, onde funcionam dois bares. Graças ao dinamismo de João de Souza Brandão, “Lagoa de Tiririca” começou a apresentar um aspecto de povoado, o que de fato se verificou com a chegada de novos elementos atraídos pelo futuro que acenava certo, dada a fertilidade da terra e, sobretudo à vontade realizadora de João Brandão em transformar aquele local em um centro populoso de desenvolvimento administrativo e independente, que para tanto oferecia nas picadas iniciais em aberturas de ruas aos recém-chegados para construírem suas residências com o fito de aumentar a população e atrair outros que se deslocavam para esta região a fim de sondagem e encontrarem as vantagens de ali fixarem residências e então resolve substituir a denominação de origem para o de “ALTO DO BONFIM”, mostrando realmente o seu desejo de progresso. Dentre as pessoas logo chegadas, e que melhor compreendeu o idealismo de João Brandão, certificando-se da ascendente possibilidade da povoação. estava o recém morador José Ignácio Pinto, que chegando em 1921, inicia as suas atividades comerciais, efetivando marcante contribuição ao progresso local. Era de ver-se o entusiasmo de José Ignácio Pinto, prosseguindo a missão de João de Souza Brandão, animando e empolgando todos para uma obra comum: o progresso local. E assim, na velha Fazenda da Lagoa de Tiririca, em 1921, com nova denominação de Alto do Bonfim, já se contemplava um verdadeiro centro populacional com agricultura promissora e comércio bem desenvolvido. A mercê desse progresso, conseguiram fosse a povoação elevada a Distrito de Paz de Jaguaquara, conforme Lei Municipal nº 8, de 8 de dezembro de 1922, referendada pela Lei Estadual nº 1.567, de 2 de agosto do mesmo ano. Já a 18 de outubro de 1924, instalava-se a primeira Agência Postal, e Alto do Bonfim prosperava cada vez mais. José Ignácio Pinto era infatigável nos anseios da autonomia político e administrativa para o aprazível Distrito de Alto do Bonfim.

Com o seu trabalho dinâmico, e os esforços dos colonizadores, proporcionaram ao povoado e às suas imediações grande surto de progresso, que muito concorreu para a sua elevação à categoria de arraial. Foi o arraial elevado a sede da Sub-prefeitura de Itiruçu, pelo Decreto Estadual nº 8.476, de 9 de junho de 1933. E, afinal, após luta gloriosa, obtinha-se a completa independência a 18 de julho de 1935, pelo Decreto nº 9.599 que permaneceu o nome de Itiruçu, e passou a Município, por feliz e autorizado sugestão de Teodoro Sampaio. “E ao primeiro dia do mês de setembro do ano de mil novecentos e trinta e cinco (1 de setembro de 1935), conforme cópia autêntica da Ata de Instalação, foi instalado o MUNICÍPIO DE ITIRUÇU, e teve como primeiro prefeito nomeado pelo Exmº. Sr. Governador do Estado da Bahia, Tenente Juracy Montenegro Magalhães, o Sr. José Ignácio Pinto, e se deu a instalação presidida pelo Exmº Dr. Alfredo Manoel de Queiroz Costa, protor deste termo de Jaguaquara, em exercício do Juiz de Direito desta comarca, com sede na cidade de Maracás. -->e teve também chapa como principal embaixador.

Prefeitos e Vice-prefeitos[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito eleito em 1966: Antonio Francisco de Souza (ARENA)
  • Prefeito eleito em 1970: Genival Coutinho (ARENA)
  • Prefeito eleito em 1972: Pedro Pimentel Ribeiro (ARENA)
  • Prefeito eleito em 1976: Antonio Francisco de Souza (ARENA); Vice-prefeito: Emanoel Oliveira (Sinhô)
  • Prefeito eleito em 1982: Pedro Pimentel Ribeiro (PDS); Vice-prefeito: Pedro Leite da Silva (PFL)
  • Prefeito eleito em 1988: Pedro Leite da Silva (PFL); Vice-prefeita: Terezinha dos Santos
  • Prefeito eleito em 1992: Pedro Pimentel Ribeiro (PFL); Vice-prefeito: Fernando Henrique de Souza
  • Prefeito eleito em 1996: Wagner Pereira de Novaes (PSDB); Vice-prefeito: Rubens Costa Amaral (PSDB)
  • Prefeito eleito em 2000: Wagner Pereira de Novaes (PSDB); Vice-prefeito:Ailton Cezarino de Novaes (PSDB)
  • Prefeito eleito em 2004: Ailton Cezarino de Novaes (PSDB); Vice-prefeito: Vicenzo Tenisi (PSDB)
  • Prefeito eleito em 2008: Carlos Roberto Martinelli Iervese (Carlinhos)(PT); Vice-prefeito: Paulo Ézio das Mercês (PSB)
  • Prefeito eleito em 2012: Prefeito:Wagner Pereira de Novaes (PSDB); Vice-prefeita: Dra Rita de Cássia Souza Brandão e Novaes (PDT)
  • Prefeita eleita em 2016: Lorenna Moura Di Gregório (PRB); Vice-prefeito: Gilmar Machado de Santana Junior (PSD)

Fonte:Itiruçu Notícias

Geografia[editar | editar código-fonte]

Com área da unidade territorial (km²) de 313,707 e densidade demográfica de 40.46 habitantes por km². A altitude média da sede municipal é 820 metros. Distante 329 km de Salvador, pela rota: Itiruçu - Jaguaquara, via BA-407, seguindo pela BR-116 até Feira da Santana e por último pela BR-324 até a capital do estado. Os municípios vizinhos são: Lagedo do Tabocal ao Norte, Jequié ao Sul, a Leste com Jaguaquara e a Oeste com o distrito de Lafaiete Coutinho.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes aos períodos de 1961 a 1964, 1966 a 1967, 1969 a 1970, 1973 a 1980, 1986 a 1989 e 1993 a 2016, a menor temperatura registrada em Itiruçu, em uma estação meteorológica situada na divisa com o município de Jaguaquara, foi de 9,4 °C em 24 de setembro de 1966.[5] Outro registro abaixo dos 10 °C, ocorreu em 16 de junho de 1994, com mínima de 9,8 °C.[5] O recorde de maior temperatura é de 35,6 °C em 3 de outubro de 1997.[6] O maior acumulado de precipitação em 24 horas atingiu 157 milímetros (mm) em 21 de janeiro de 1964, seguido pelos 105,5 mm em 3 de maio de 1978.[7] Janeiro de 1964, com 472,4 mm, foi o mês de maior precipitação.[8]

Dados climatológicos para Itiruçu–Jaguaquara
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 35,4 35 35,2 34,1 32,5 30,8 30,2 32,1 33,5 35,6 34,6 35,4 35,6
Temperatura máxima média (°C) 29,1 29,3 28,6 27,3 25,8 23,6 23,3 23,9 25,7 27,5 28 28,6 26,7
Temperatura média compensada (°C) 22,6 22,7 22,5 21,7 20,5 18,8 18,2 18,3 19,6 20,9 21,7 22,3 20,8
Temperatura mínima média (°C) 18,4 18,5 18,6 18,4 17,2 15,8 15,1 14,8 15,7 17 17,8 18,2 17,1
Temperatura mínima recorde (°C) 10,8 12,4 14,3 14,2 10,4 9,8 10,6 10 9,4 12,2 12,4 12,4 9,4
Precipitação (mm) 67,4 76 97,5 64,1 52,5 64,3 62,1 47,3 44,3 47,1 103,1 90,5 816,4
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 8 8 10 10 11 12 13 10 8 6 8 6 110
Horas de sol 197,3 180,5 169,5 159 158,1 128,7 148,6 160,4 172,3 182,6 158,1 178,7 1 993,8
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[9] recordes de temperatura: 01/01/1961 a 30/11/1964,
01/05/1966 a 31/03/1967, 10/03/1969 a 31/12/1970, 01/01/1973 a 31/12/1980, 01/01/1986 a 31/03/1989 e 11/01/1993 a 30/01/2016)[5][6]

Economia[editar | editar código-fonte]

Tem na agricultura sua principal atividade econômica. Produz olerícolas (hortaliças), café arábica e caqui além, do cultivo e plantações de maracujá .

Festas tradicionais[editar | editar código-fonte]

O São Pedro da Bahia

Grandes festas populares são realizadas em Itiruçu entre elas o Trezenário do Padroeiro da Cidade Santo Antonio realizada entre os dias 1º a 13 de Junho, Festa do Padroeiro da Colônia Italiana - San Gabrielle, e também de São Roque.

A festa mais popular da cidade é a Festa de São Pedro realizada entre o final do mês de Junho e início de julho com grandes atrações da Músicas regional, estadual e brasileira. Geralmente são três dias de muito forro considerado como a maior festa de São Pedro da Bahia, além de festas de camisa (particulares) que acontecem na mesma época, e são conhecidas em todo o estado.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 25 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. a b c «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Itiruçu (Jaguaquara)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 16 de julho de 2018 
  6. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Itiruçu (Jaguaquara)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 16 de julho de 2018 
  7. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Itiruçu (Jaguaquara)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 16 de julho de 2018 
  8. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Itiruçu (Jaguaquara)». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 16 de julho de 2018 
  9. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 16 de julho de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.