Sobradinho (Bahia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras localidades com este nome, veja Sobradinho.
Sobradinho
  Município do Brasil  
Barragem de Sobradinho
Barragem de Sobradinho
Símbolos
Bandeira de Sobradinho
Bandeira
Brasão de armas de Sobradinho
Brasão de armas
Hino
Gentílico sobradinhense
Localização
Localização de Sobradinho na Bahia
Localização de Sobradinho na Bahia
Sobradinho está localizado em: Brasil
Sobradinho
Localização de Sobradinho no Brasil
Mapa de Sobradinho
Coordenadas 9° 27' 18" S 40° 49' 22" O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Região metropolitana Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro
Municípios limítrofes Juazeiro, Casa Nova, Sento Sé e Petrolina
Distância até a capital 573 km
História
Fundação 24 de fevereiro de 1989 (30 anos)
Aniversário 24 de fevereiro
Administração
Prefeito(a) Luiz Vicente Berti Torres Sanjuan (PSD, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 1 238,923 km²
População total (IBGE/2010[2]) 22 000 hab.
Densidade 17,76 hab./km²
Clima semi-arido
Altitude 380 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [3]) 0,631 médio
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 407 359,265 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 18 534,87

Sobradinho é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a 09º27'19" de latitude sul e 40º49'24" de longitude oeste, a uma altitude média de 380 metros, ocupando uma área de 1238,923 km². Sua população em 2010 era de 22.000 habitantes.[5] Faz parte da Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro, tendo o maior PIB per capita da RIDE, por abrigar a Usina Hidrelétrica de Sobradinho.

História[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de março de 1549, aportava em Salvador, a comitiva de Tomé de Souza que viera assumir os destinos do Brasil, na qualidade de Governo Geral. Com ele veio Garcia D'ávila, precursor dos bandeirantes, que exercia o cargo de almoxarife do Reino de Portugal, com o sonho de se tornar um senhor feudal nas terras brasileiras.

Garcia D'Ávila prosperou, construindo, mais tarde a Torre de São Pedro de Rates. Sua filha Izabel de Ávila casou-se com Diego Dias, irmão de Belchior Dias, o sonhador das minas de prata. Belchior Dias, cunhado de Izabel de Ávila, foi primeiro bandeirante a percorrer a região de Sobradinho, em 1593, em buscas das sonhadas minas de prata. Nessa viagem encontrou índios Urucé, em Sento-Sé, os Galaches em Remanso, os Cariris em Juazeiro, os Massacará no Salitre e os Tamoquim em Sobradinho.

Ao retornar à Casa da Torre, o bandeirante descreveu o Vale do São Francisco, despertando em Garcia D’Ávila, o interesse em explorá-lo. No início do século XVII introduziu, no vale do São Francisco, os primeiros currais que deram origem aos povoados ribeirinhos.

Iniciava-se, assim, a exploração econômica do maior latifúndio do mundo cujas fronteiras a leste e oeste eram o Oceano Atlântico e o poente do atual município de Sento-Sé, Sobradinho fazia parte desse latifúndio.

Aos pés da cachoeira residia, no serrote da aldeia, hoje Vila São Francisco, a tribo Tamoquim, possíveis remanescentes de grupos humanos pré-históricos que deixaram impressos, nas serras próximas de onde vieram nascer as fazendas cujos vaqueiros usavam uma “estranha Flecha de Fogo” para caçar. Na linguagem Tupi-guarani, essas armas receberam o nome de Tatuí (Tatá = fogo, ui - flecha).

Na fazenda Tatuí, Garcia D' Ávila deixou um casal de escravos, dez novilhas, um casal de equinos, um casal de cães, galinhas, porcos e sementes para a lavoura, como fizera com os outros currais que implantou na região.

Aos poucos, os índios Tamoquim foram se aproximando dos escravos deixados por Garcia D' Ávila na fazenda Tatuí. Aprenderam a arte de criar gado e enfrentar conjuntamente a dureza da vida no sertão desassistido pela coroa portuguesa. Essa aproximação fomentou o surgimento de casamentos entre os vaqueiros da fazenda Tatuí, conhecidas na região como “Os gato” e os índios carinhosamente apelidados de “Moquim”.

A família Moquim-Gato fez prospera a fazenda Tatuí. Durante 373 anos, criou gado solto na caatinga, caçou, pescou e plantou, na vazante do rio, cultura de subsistência e cana de açúcar para fazer rapadura.

Essa mesma família viu,centenas de mineiros e garimpeiros subirem o Rio São Francisco, procurando ouro e minério diversos nas Minas Gerais, na época em que a mineração atingiu lugar de destaque na economia colonial, entre os anos 1696 e 1760.

Esgotaram-se as minas e os sertanejos da fazenda Tatuí continuaram se dedicando às mesmas atividades extrativistas e coletoras herdadas dos índios “Moquim” e pecuarista trazidas pelos colonizadores portugueses.

Origem do nome Sobradinho

Presume-se, que este nome tenha originado em função de um pequeno sobrado localizado próximo a cachoeira, para operação do sistema de eclusagem, a qual era chamada de ora cachoeira do Sobrado ou cachoeira do Sobradinho.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  5. «IBGE Censo 2010». Consultado em 4 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]