Remanso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a praia do município gaúcho de Xangri-lá, veja Remanso (Xangri-lá).
Município de Remanso
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 9 de agosto
Fundação 1900 (118 anos)
Gentílico remansense
Lema "Progresso se faz com trabalho"
Padroeiro(a) Nossa Senhora do Rosário
CEP 47200-000
Prefeito(a) José Clementino de Carvalho Filho (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Remanso
Localização de Remanso na Bahia
Remanso está localizado em: Brasil
Remanso
Localização de Remanso no Brasil
09° 37' 19" S 42° 04' 51" O09° 37' 19" S 42° 04' 51" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Vale São-Franciscano da Bahia IBGE/2008 [1]
Microrregião Juazeiro IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Pilão Arcado, Casa Nova, Sento Sé, Campo Alegre de Lourdes, Dirceu Arcoverde (PI), Dom Inocêncio (PI) e Coronel José Dias (PI)
Distância até a capital 720 km
Características geográficas
Área 6 693,505 km² [2]
População 42 672 hab. IBGE/2017[3]
Densidade 6,38 hab./km²
Altitude 398 m
Clima semiárido Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,656 médio PNUD/2018 [4]
PIB R$ 345 237,412 mil IBGE/2018[5]
PIB per capita R$ 6 789,92 IBGE/2018[5]
Página oficial
Prefeitura Prefeitura de Remanso
Câmara Câmara Municipal de Remanso

Remanso é um município brasileiro no interior do estado da Bahia,às Margens do Rio São Francisco, na microrregião de Juazeiro. A cidade original foi inundada pelo Lago de Sobradinho, formado pela Usina Hidrelétrica de Sobradinho, tendo sido uma nova cidade construída às margens do lago, para realocação dos antigos moradores. Fica a 720 quilômetros de Salvador[6].

História[editar | editar código-fonte]

A região era primitivamente habitada pelos índios e acoroazes. No começo do século XVII, o território integrava a sesmaria do Conde da Ponte. O povoamento se iniciou no final do século XVIII, na fazenda “Arraial”, pertencente a Monel Félix da Veiga e arrematada por Joaquim José Gonçalves, em 1829. Estabeleceram-se ali famílias retirantes de Pilão Arcado, onde havia lutas armadas entre Guerreiro e os Militão. A fertilidade do solo e a pesca contribuíram para a fixação dos colonos, que formaram o Arraial de Nossa Senhora do Rosário. Em 1857, transferiu-se para ele a sede de Pilão Arcado, criando-se o município de Nossa Senhora do Rosário. Simplificou-se a denominação para Remanso em 1990, com a elevação da vila à cidade. O topônimo está ligado ao fato de as águas do Rio São Francisco correram vagarosamente, ficando como que paradas, naquele trecho.

Com a construção da Hidrelétrica de Sobradinho, os municípios de Remanso, Casa Nova, Sento Sé, Pilão Arcado e Sobradinho, passaram por um processo de mudanças marcado pela retirada dos povos das cidades dos locais que iria ser ocupado pela represa nos anos 70. Isso foi de grande importância para estas cidades, no que se diz respeito à estrutura urbana, principalmente para Remanso, que com a mudança, através de um projeto da CHESF (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), passou a ser uma cidade mais estruturada, com ruas largas, onde 100% de suas ruas urbanas já estão iluminadas e, aproximadamente 90% da cidade já conta com uma rede de esgoto.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima remansense é classificado como semiárido quente, com regime de chuvas de primavera-verão. Este clima é caracterizado pela escassez e irregularidade de chuvas, assim como a forte evaporação por conta das altas temperaturas. A temperatura média anual é de 26,3 °C, possuindo verões quentes e úmidos e invernos mornos e secos. Novembro é o mês com o maior valor de temperatura média (28,2 °C), bem com maior temperatura média máxima (34 °C) enquanto julho é o mais frio (24,1 ºC) e, ao mesmo tempo, com a menor temperatura média mínima (19,5 °C). O tempo médio de insolação é de 2 860 horas anuais, com umidade do ar de 45%.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Remanso possui muitos atrativos turísticos naturais, a maioria deles ligados ao Rio São Francisco. Na borda do lago têm-se a Praia de Amaralina ou Prainha, o caís, os passeios pelo rio São Francisco, as ruínas da “Velha Cidade”, entre outros. A gastronomia regional (galinha caipira, pescados e carne de bode), o micareta, conhecido atualmente como “Remafolia”, a festa de Nossa Senhora do Rosário são outros atrativos importantes do município. No ano de 2011 entre os dias 4 e 6 de novembro, Remanso promoveu o 1º Encontro de Motos, onde vieram muitos motoclubes de vários lugares do país.

Praia de Amaralina[editar | editar código-fonte]

Mais conhecida como “Prainha” é o principal ponto turístico do município. Trata-se de uma praia fluvial, localizada a 800 metros do centro da cidade. O acesso é facilitado por uma via em mão dupla — Avenida Manoel Amâncio Coelho. Na área existe um complexo com 13 barracas, que servem bebidas e petiscos típicos; um restaurante — “Velho Chico” — especializado na gastronomia regional, com ênfase nos pescados; além de banheiros, chuveiros e área de estacionamento. Existe também no local uma pista de motocross. Quando o Lago de Sobradinho está acima da cota, as suas águas aproximam-se mais das barracas e torna-se um atrativo à parte.

A calçada que ladeia a via de acesso funciona como uma pista de Cooper. No local existem alguns campos de futebol, onde no início da manhã ou fim da tarde é utilizado para os “babas”. Nos fins de semana, nas festas de virada de ano, em campeonato de motocross e na micareta — carnaval fora de época — as areias do balneário são tomadas pelos moradores locais e turistas. Os eventos noturnos acontecem graças à iluminação.

Apesar de tudo isso, há problemas, como: falta de sinalização, dificuldade de acesso ao local por parte de pessoas portadoras de necessidades especiais, poluição visual (outdoors), falta de área de lazer para as crianças, transito entre outros.

Cais[editar | editar código-fonte]

É o porto fluvial da cidade, construído pela CHESF no período em que foram executadas as obras de construção civil da cidade. Essa obra consiste numa banca que avança em direção ao Lago de Sobradinho. A pista até os dias de hoje não é pavimentado e pedras de grandes dimensões ladeiam a banca funcionando como uma barreira de proteção.

Do lado direito da banca, para quem olha no sentido da ponta do cais, as águas são mais estagnadas. Nesse lado funciona o porto. Três rampas servem de atracação para as embarcações. A maior delas situa-se na no final da banca. Também é o local preferido pelos banhistas para um mergulho nas águas do rio. O pôr do sol no final da tarde atrai nativos e visitantes para esse local. No lado oposto, as água são agitadas e seu uso destina-se mais à pescaria.

Na ponta do cais foram implantados restaurantes que serviam pratos da gastronomia local. Hoje esses pontos comerciais são os maiores atrativos turísticos da cidade. Com o passar do tempo, o cais tornou um dos pontos mais degradados da cidade. A pista cheia de buracos, a falta de sinalização, a iluminação deficitária, a erosão que vem desgastando a pista (banca), a falta de segurança e a marginalização do local vem afastando os usuários desse equipamento de lazer. O porto ainda funciona, ainda que de forma problemática e é itinerante, mudando de lugar conforme o nível das águas do Lago de Sobradinho.

Lago de Sobradinho[editar | editar código-fonte]

Um dos maiores lagos artificiais do mundo reserva gratas surpresas aos turistas e moradores locais. O rio é explorado turisticamente através de passeios de barcas que levam às pequenas ilhotas que se formam nos períodos de baixa do lago e aos bancos de dunas que surgem nas margens do rio. A pesca esportiva é outro tipo de lazer praticado nas águas do Lago de Sobradinho.

Através de embarcações chega-se às ruínas — os reservatórios de água - a uns 5 km da Prainha. As duas caixas d’água ainda resistem incólumes entre as outras construções da “cidade velha”. Essas edificações foram depredadas em dois momentos: antes da inundação do Lago de Sobradinho, na época da transferência para a “cidade nova”, ou depois, a partir do final dos anos de 1980 quando as águas da barragem baixaram a níveis críticos a pontos de fazer reaparecer as ruínas das cidades submergidas.

Desde então, esse fenômeno repetiu-se outras vezes. Por conta disso o que restou das edificações antigas, como os baluartes do caís, os bancos da praça, as ruínas da igreja católica e outras construções foram destruídas. Alguns elementos construtivos (baluartes, bancos, etc.) ou materiais das construções (tijolos, telhas, etc.) foram saqueados. Nunca houve iniciativas públicas ou da sociedade civil para proteger esse patrimônio.

A Prefeitura, na gestão atual, vem tentando desenvolver um calendário de eventos que visa atrair um maior número de visitantes para a cidade. O evento que mais se destaca é o micareta, oficialmente “Remafest”, espécie de carnaval com blocos e trios elétricos, consolidado regionalmente, realizando entre os meses de abril e maio há mais de 20 anos. As corridas de motocross na pista da Prainha, que acontece no mês de novembro, os festejos juninos, a corrida de jegue, a exposição agropecuária, as vaquejadas, essas últimas sem data fixa, também fazem parte do calendário de eventos da administração municipal.

Não se pode esquecer dos eventos religiosos como os festejos da padroeira local — Nossa Senhora do Rosário, que ocorre conforme a tradição entre os dias 21 a 30 de outubro. O novenário é feito no adro em frente à igreja matriz, na Praça Manoel Firmo Ribeiro. Missas e procissão pelas vias das cidades completam as celebrações em homenagem à padroeira local. Festas em clubes, nos últimos três dias dos festejos, incrementam esse evento.

O restaurante “Chiquinho da Piranha” e o “Velho Chico” servem os pratos da região: caldo de piranha, buchada, sarapatel, carne de sol. Há ainda outros pontos gastronômicos onde se pode comer o bode assado na brasa e a galinha caipira (no Marcos, a 7 km da sede).

O turismo ecológico ainda não é desenvolvido no município, mas seu potencial é muito grande, juntamente com o turismo rural, que já está sendo implantado em algumas áreas, haja vista os casarões colônias no interior do município e os passeios nas serras.

O museu dos sertões também é um dos pontos turísticos da cidade, no museu mostra toda a historia, objetos entrem outras da cidade velha.

Economia[editar | editar código-fonte]

Como na maioria das cidades do interior da Bahia, Remanso é movimentada pela economia "natural", agricultura, pesca e pecuária. Destaca-se em Remanso, o criatório de ovinos e caprinos, que tem sido uma causa de acidentes rodoviários, devido a seus donos os criarem soltos nos campos próximo às estradas. O município tem uma potencialidade muito grande e pode ser aproveitada como agricultura irrigada, criação de abelhas, turismo local, minérios e outros. Remanso possui um centro comercial onde atende pessoas de toda a cidade e também de outras cidades.

Natureza[editar | editar código-fonte]

A maior riqueza natural de Remanso é o [[Rio São nativa.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Remanso possui algumas ruas pavimentadas, 100% de ruas iluminadas, e 90% de rede de esgoto. Suas atuais ruas e avenidas são largas e arborizadas. O porto de Remanso é o segundo mais movimentado da microrregião de Juazeiro, perdendo apenas para Juazeiro por ser o centro regional desta área da Bahia.

O comércio da cidade é bastante movimentado e supre toda Remanso e outras cidades, detendo de várias opções de varejo e atacado, entre lojas de móveis, eletrodomésticos, roupas, frutas e etc.

Na área hoteleira Remanso possui hotéis confortáveis como: Pousada Progresso, Hotel da Geralda, Hotel São José, Hotel Remanso, Hotel Mangueira e outros.

Na área de saúde Remanso, conta com os serviços hospitalares da Casa de Saúde de Remanso e do Hospital São Pedro além do centro básico de saúde, da Clínica São Mateus e outros postos espalhados pela cidade.

Remanso também possui uma rodoviária ao serviço da Empresa Gontijo de transporte. E um aeroporto público servindo aos habitantes de Remanso

Educação[editar | editar código-fonte]

Remanso possui escolas particulares, publicas, e estaduais, tendo o ensino primário até o superior.

Escolas Ensino
Colégio Municipal Ruy Barbosa Fundamental II
Escola Girassol Primário, Fundamental, Medio
Unifan Primário, Fundamental, Medio
Colégio Municipal Eraldo Tinoco Melo Fundamental II
Colégio Estadual Cel. Olímpio Campinho Fundamental II, Medio
Colégio Estadual Reitor Edgard Santos Médio
Colégio Municipal Dep. Theódulo Albuquerque Fundamental
Escola Municipal Infantil Branca de Neve Primário
Escola Rei Salomão Primário, Fundamental
Escola Vitória Régia Primário, Fundamental, Medio
Escola Municipal Infantil Pequeno Príncipe Primario
Escola Municipal Alice Dantas Fundamental II
Escola Municipal Isolina Nunes Barbosa Fundamental II
Escola Municipal Demostenes Guanaes Primário, Fundamental
Escola Municipal Wilson Lins Fundamental
Escola Soc Pestalozzi de Remanso Fundamental
Colégio Ari Amorim de Moura Fundamental
Escola Municipal Infantil Chapelzinho Vermelho Primário
Escola Municipal Infantil Tia Anastácia Primario

Universidades e Faculdades[editar | editar código-fonte]

Faculdade Alfredo Nasser (AAE)

Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Instituto Ágora (UFRN)

Universidade aberta no Brasil(UAB)

Radio Local[editar | editar código-fonte]

Emissora
Rádio Comunitária Zabelê FM 87.9 MHz
Rádio Sociedade da Bahia FM 88.5 MHz

Bancos[editar | editar código-fonte]

Provedores de internet a cabo[editar | editar código-fonte]

Alphanet

Escorpião Infornet

Oi Velox

Operadora de Telefonia Fixa[editar | editar código-fonte]

Operadoras de Telefonia Móvel[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2018). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2018.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. «Censo Populacional 2017». Censo Populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 21 de janeiro de 2017.  Texto "21 dezembro 2017 " ignorado (ajuda)
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 23 de janeiro de 2018. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 mar. 2018. 
  6. «Distâncias de Salvador para outras cidades brasileiras». São Paulo sem Segredos. Consultado em 27 de junho de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]