Jeremoabo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Jeremoabo
"Jerê"
Bandeira de Jeremoabo
Brasão de Jeremoabo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 6 de Julho
Fundação Por Volta de 1625
Gentílico jeremoabense
Lema Fides super omnia
"Fé acima de tudo"
Localização
Localização de Jeremoabo
Localização de Jeremoabo na Bahia
Jeremoabo está localizado em: Brasil
Jeremoabo
Localização de Jeremoabo no Brasil
10° 04' 01" S 38° 21' 00" O10° 04' 01" S 38° 21' 00" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Nordeste Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Jeremoabo IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Sítio do Quinto, Coronel João Sá, Pedro Alexandre, Santa Brígida, Paulo Afonso, Rodelas, Macururé, Canudos, Euclides da Cunha, Novo Triunfo e Antas
Distância até a capital 370 km
Características geográficas
Área 4 761,114 km² [2]
População 40 587 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 8,52 hab./km²
Altitude 272 m
Clima Semiárido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,547 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 123 208,229 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 165,35 IBGE/2008[5]

Jeremoabo é um município brasileiro do estado da Bahia . Sua população estimada em 2013 era de 41.587 habitantes.

A porcentagem de população urbana, que era de apenas 12% em 1970, chegou a 40% do total do município em 1995.

História[editar | editar código-fonte]

A região de Jeremoabo, no nordeste da Bahia, foi povoada originalmente por Tupinambás dos grupos Muongorus e Cariacás. A palavra Jeremoabo em língua tupinambá significa "plantação de jerimum".

No século XVI, o português Garcia d'Ávila recebeu do rei João III uma sesmaria de 60 léguas quadradas, abrangendo as terras onde hoje se localiza o município. Em conflito com os missionários, que se opunham à escravidão dos índios, D'Ávila incendiou a povoação original, reconstruindo-a depois por intervenção do Papa e do governo colonial.

Em 1688 foi expedida a patente de Sebastião Dias, primeiro Capitão–Mor da aldeia Muongorus de Jeremoabo. Dez anos depois, Jeremoabo foi elevada à categoria de julgado.

Em 1778, o Governo Geral do Brasil criou a freguesia de São João Batista de Jeremoabo, cuja paróquia passou a ser dirigida pelo padre Januário de Souza Ferreira. Segundo documentos da época, havia na sede 32 casas construídas e uma população de 252 habitantes.

Em consequência de sua grande extensão territorial, várias povoações (em geral antigas aldeias indígenas) desmembraram-se da Jeremoabo original, vindo a se constituir em outras freguesias e mais tarde em municípios: Monte Santo em 1790, Cícero Dantas em 1817, Tucano em 1837, Ribeira do Pombal em 1837, Santo Antônio da Glória em 1840, etc.

Jeremoabo tornou-se vila por decreto de 25 de Outubro de 1831, ganhando condição de cidade em 6 de Julho de 1925.

Administração[editar | editar código-fonte]

Executivo

Prefeito (eleito em 2018 pelo Partido Progressista (PP):

  • Derisvaldo José dos Santos(Deri do Paloma)
Judiciário

Jeremoabo é sede de Comarca de 2ª entrância, que atende ainda as cidades vizinhas de Sítio do Quinto, Coronel João Sá e Pedro Alexandre.

  • Juiz da Vara dos Feitos Relativos às Relações de Consumo. Cíveis e Comerciais: Dr. Paulo Eduardo de Menezes Moreira.
  • Juiz da Vara Criminal e da Infância e Juventude: Dr. Daniel Pondé.

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • João Paulo II
  • São João
  • José Nolasco
  • São José
  • Vila de Brotas
  • Centro
  • Santo Antônio

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2013». Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2013. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 23 de agosto de 2013. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010.