Saltar para o conteúdo

Tucano (Bahia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tucano
  Município do Brasil  
Caldas do Jorro
Caldas do Jorro
Caldas do Jorro
Símbolos
Bandeira de Tucano
Bandeira
Brasão de armas de Tucano
Brasão de armas
Hino
Gentílico tucanense
Localização
Localização de Tucano na Bahia
Localização de Tucano na Bahia
Localização de Tucano na Bahia
Tucano está localizado em: Brasil
Tucano
Localização de Tucano no Brasil
Mapa
Mapa de Tucano
Coordenadas 10° 57' 46" S 38° 47' 13" O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Municípios limítrofes Araci, Biritinga, Sátiro Dias, Quijingue, Ribeira do Pombal, Cipó, Nova Soure, Banzaê e Ribeira do Amparo.
Distância até a capital 252 km
História
Fundação 1754 (269–270 anos)
Emancipação 21 de março de 1837 (187 anos)
Administração
Prefeito(a) Ricardo Maia Chaves filho (PSD, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 2 198,237 km²
População total (Censo IBGE/2022[2]) 48 736 hab.
Densidade 22,2 hab./km²
Clima tropical e semiárido
Altitude 209 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 48790-000
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,579 baixo
Gini (PNUD/2010[4]) 0,65
PIB (IBGE/2021[5]) R$ 544 966,26 mil
PIB per capita (IBGE/2021[5]) R$ 10 705,98
Sítio www.tucano.ba.gov.br (Prefeitura)
www.camara.tucano.ba.io.org.br (Câmara)

Tucano é um município brasileiro do estado da Bahia, localizado no Nordeste Baiano.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

A origem do nome do município se deve ao fato de que, nas matas da região, havia uma diversidade de aves, dentre as quais o tucano. Outros afirmam que o topônimo se deve aos primeiros habitantes da região, os indígenas tucanos, mas esse grupo só é encontrado na Amazônia.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A colonização da região de Tucano ocorreu no final do século XVII e início do século XVIII, tendo ocorrido por meio da pecuária. [7][8]

Na década de 1720, foi criado, no local de uma antiga aldeia de indígenas cariris (localizado onde hoje é a sede de Tucano), um aldeamento missionário para a catequese dos mesmos, no qual, por volta de 1727, um frei de nome Apolônio edificou uma capela em louvor a Senhora Santana. Sob influência catequista, essa povoação cresceu, sendo elevada, em 1754, à categoria de freguesia, com o nome de Santana e Santo Antônio de Tucano, subordinada à vila de Itapicuru de Cima.[9][10][11]

A Lei Provincial nº 51, de 21 de março de 1837, elevou a Freguesia de Tucano à categoria de vila, com o nome de Imperial Vila do Tucano, desmembrando-a de Itapicuru. A instalação da nova vila ocorreu dois meses depois, aos 26 de maio daquele ano.[9][10]

Devido a sucessivas secas, por meio dos decretos estaduais n.º 7.455 e n.º 7.479, de 23 de junho de 1931 e 8 de julho de 1931 respectivamente, extinguiu-se a vila de Tucano, a qual foi anexada ao município de Cipó como um simples distrito. Tucano foi elevada novamente à categoria de município, se desmembrando de Cipó, por meio do Decreto Estadual n.º 8.447, de 27 de maio de 1933, sendo reinstalada em 24 de junho do mesmo ano.[9][10]

Em 1948, durante perfurações para prospecção de petróleo na Fazenda Macaco, foram descobertas águas termais, transformando essas fontes em um atrativo turístico importante da região. Ao redor dessas termas, formou-se o povoado de Caldas do Jorro.[12]

Por meio da Lei Estadual n.º 1.640, de 15 de março de 1962, o distrito de Quijingue (anteriormente denominado Triunfo), criado em 1917, foi desmembrado de Tucano e elevado à categoria de município.[9]

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município de Tucano é baseada na agricultura (sobretudo de milho e feijão), pecuária (de bovinos, caprinos e ovinos) e turismo (tendo como principal atrativo as águas termais de Caldas do Jorro). Além disso, há uma vocação para a manufatura artesanal.[13]

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Ver também a categoria: Naturais de Tucano (Bahia)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Área». IBGE. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  2. «População». IBGE. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 11 de agosto de 2013 
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). «Perfil do município de Tucano - BA». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Consultado em 4 de março de 2014 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios - Tucano (BA)». IBGE Cidades. Consultado em 22 de janeiro de 2024 
  6. «Nossa cidade». Prefeitura de Tucano. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  7. Ortega, Antonio Cesar; Pires, Murilo José de Souza (org.) (2016). As políticas territoriais rurais e a articulação governo federal e estadual (PDF). Brasília: Ipea. p. 156 
  8. Cesar Filho, Marcelo C. (2019). «"Projeto Bora?": um intento de inserção da cidade de Tucano-BA no texto do regionalismo nordestino» (PDF). XV Enecult 
  9. a b c d «Tucano (BA) - história». IBGE Cidades. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  10. a b c Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (PDF). Rio de Janeiro: IBGE. 1958. p. 375 
  11. Mattoso, Kátia (1992). Bahia, Século XIX: Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 62 
  12. «Em uma trajetória de história e transformações, Caldas de Jorro completa 73 anos». Prefeitura Municipal de Tucano. 4 de dezembro de 2021. Consultado em 22 de janeiro de 2024 
  13. «Economia de Tucano é voltada para a manufatura artesanal». iBahia. 1 de dezembro de 2013. Consultado em 16 de novembro de 2023 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tucano (Bahia)