Cariris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura pela família linguística pertencente ao tronco linguístico macro-jê e hoje considerada extinta, veja línguas cariris.
Cariris
População total
Regiões com população significativa
Sertão
Línguas
línguas cariris
língua portuguesa
Religiões

Cariri, cairiri ou quiriri (do tupi kiri'ri, "silencioso")[1] é a designação da principal família de línguas indígenas do sertão do Nordeste do Brasil. Vários grupos locais ou etnias foram ou são referidos como pertencentes ou relacionados a ela. Na literatura especializada, existe uma larga discussão sobre os pertencimentos dos grupos indígenas do sertão à família cariri ou a outras famílias como a tarairiu. Além dessas, existem várias línguas isoladas na região (yathê, xukuru, pankararu, proká, xokó, natu etc.). Historicamente, os grupos indígenas da região aparecem denominados de modo genérico como tapuias, podendo ser vinculados ao tronco linguístico macro-jê.[2]

Influência na Toponímia[editar | editar código-fonte]

Toda a região marcada pela presença dos cariris e pela Guerra dos Bárbaros (1683-1713) tem isto hoje muito distintivamente assinalado em sua toponímia, no extenso arco de serras dos Cariris Velhos e dos Cariris Novos, respectivamente nas divisas entre Paraíba e Pernambuco e entre Paraíba e Ceará; na região do Cariri, a sudoeste de Campina Grande (também uma antiga missão de índios), na Paraíba, e, famosamente, no Vale do Cariri, que ocupa toda a bacia do Alto Jaguaribe, no sul do Ceará.

Kariris Atuais[editar | editar código-fonte]

Vários grupos indígenas contemporâneos no Nordeste reivindicam ascendência dos cariris históricos. Entre eles, podemos citar: os kiriri, kaimbé, tumbalalá e pataxó-hã-hã-hãe, da Bahia; os kariri-xokó, karapotó, tingui-botó, aconã, wassu-cocal e xukuru-kariri, de Alagoas; os truká, pankará e atikum, de Pernambuco; e os kariri, do Ceará e Piauí.

Atualmente, a comunidade indígena kariri no município de Crateús possui 116 pessoas.[3]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Lìngua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 314, 1 438.
  2. Para uma ideia da distribuição geográfica da família cariri e desses grupos ou etnias, consulte o mapa etno-histórico de Curt Nimuendaju, editado pelo IBGE. No mapa, há, também, uma lista bibliográfica com várias referências de fontes históricas.
  3. DSEI-Ceará

Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

  • BANDEIRA, M. Ls. Os Kariris de Mirandela: um grupo indígena integrado. Coleção Estudos Baianos. UFBA. nº 6. 1972.
  • CRUZ PIRES, M. I. A guerra dos Bárbaros. Recife. Editora Universitária. 2002. ISBN 85-7315-174-9
  • SIQUEIRA, B. Os cariris do Nordeste. Rio de Janeiro. Livraria Editora Cátedra. 1978.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cultura indígena do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.