Tradição Polícroma da Amazônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Tradição Polícroma da Amazônia é uma unidade taxonômica, criada pelos arqueólogos, para definir um conjunto de cerâmicas da pré-história sul-americana, mais especificamente da Amazônia Legal. Sua principal característica é o uso da policromia como aspecto decorativo no corpo de utensílios cerâmicos, principalmente o uso de pintura vermelha e preta sobre um engobo branco.

Seus aspectos decorativos já haviam chamado a atenção dos espanhóis, no início da exploração na amazônia no século XVI. Segundo o frei Gaspar de Carvajal, que acompanhava a expedição de Francisco de Orellana, após uma invasão de uma aldeia na região do atual município de Codajás (nomeada por ele de Aldeia da Louça), ele descreve sobre a cerâmica encontrada:

"Havia nessa povoação uma casa de diversões, dentro da qual encontramos muita louça dos mais variados feitios: havia talhas e cântaros enormes, de mais de vinte e cinco arrobas, e outras vasilhas pequenas como pratos, escudelas e candeeiros, tudo da melhor louça que já se viu no mundo, porque a ela nem a de Málaga se iguala. É toda vidrada e esmaltada de todas as cores, tão vivas que espantam, apresentando, além disso, desenhos e figuras tão compassadas, que naturalmente eles trabalham e desenham como o romano.[1]

É a tradição cerâmica com maior dispersão pela amazônia, sendo subdivida em fases cerâmicas conforme o seu contexto arqueológico e região encontrada. Essa tradição cerâmica foi utilizada pela primeira vez, como categoria de classificação, por Howard em 1947 (Polychrome Division of Amazonia)[2] e trabalhado melhor como Tradição Polícroma da Amazônia por J. P. Brochado e D. Lathrap na década de 1980[3].

Alguns arqueólogos acreditam que essas fases cerâmicas possuem um mesmo centro de origem e que estariam fortemente ligado ao surgimento dos grupos indígenas da família linguística Tupi-Guarani. O primeiro a propor a ideia de que uma origem tupi seria na região amazônica foi Landislau Netto em 1885[4]. Atualmente, acredita-se que tanto essa tradição cerâmica, como a expansão dos povos tupi-guarani, tenha se originado na região entre o rio Madeira e o rio Guaporé, no estado de Rondônia[5][6]. Nessa região amazônica, foram encontrados as datas mais antigas para a Tradição Polícroma (150 a.C.) e seria o centro de domesticação de plantas como a mandioca (Manihot esculenta) e a pupunha (Bactris gasipaes)[7].

Fases cerâmicas[editar | editar código-fonte]

Baci-4s.jpg O local possui sítio arqueológico (arte rupestre brasileira) de interesse histórico e turístico!

Referências

  1. C. Mello-Leitão - Gaspar de Carvajal, Alonso de Rojas e Cristobal de Acuña. Descobrimentos do rio das Amazonas. Traduzido e anotado por C. Mello-Leitão. Cia Editora Nacional, São Paulo, 1941."
  2. George D. Howard - Prehistoric ceramic styles of Lowland South America, their distribution and history. Yale University Publications in Anthropology, vol. 37, pp.5-95. London, New Haven, 1947
  3. Jose Proenza Brochado e Donald W. Lathrap - Amazônia. Departament of Anthropology, University of Illinois at Urbana-Champaing. Ms, 1980
  4. Landislau Netto - Investigações sobre archeologia brazileira. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, 6:257-554. Rio de Janeiro, 1885
  5. Aryon Rodrigues - A classificação do tronco lingüístico Tupi. Revista de Antropologia, Vol. 12, São Paulo, 1964.
  6. Pedro Ignácio Schmitz - Migrantes da Amazônia: a Tradição Tupiguarani. Arqueologia do Rio Grande do Sul, Brasil. Documentos (São Leopoldo) 5; pp. 31-66, 1991.
  7. Charles Clement - 1492 and the loss of Amazonian crop genetic resources I: the relation between domestication and human population decline. Economic Botany 53(2), 1999a.
  8. Denise Schaan - Into the labyrinths of Marajoara pottery: Status and cultural identity in prehistoric Amazonia. In McEwan, C.; Barreto, C. & Neves, E.G., Unknown Amazon: Culture in nature in Ancient Brazil. London: The Brithish Museum, 2001.
  9. Betty Meggers e Clifford Evans - Archaelogical investigations at the mouth of the Amazon. Smithsonian Institution Bulletin No 167. Washington: Smithsonian Institution Press, 1957
  10. Mario Simões et al. - Revista de Arqueologia 4(1), Publicação do Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG, 1987.
  11. Michael Heckenberger et al. - De onde vem os modelos? A arqueologia da origem Tupi e Guarani, Revista Antropologia, 41 (1), Universidade de São Paulo, 1998.
  12. Peter Paul Hilbert - Archäologische Untersuchungen Am Mittlern Amazonas, Berlim: Dietrich Reimer Verlag, 1968.
  13. Peter Paul Hilbert - Archäologische Untersuchungen Am Mittlern Amazonas, Berlim: Dietrich Reimer Verlag, 1968.
  14. Eurico Miller et al. - Arqueologia nos empreendimentos hidrelétricos da Eletronorte; resultados preliminares. Brasília: Eletronorte, 1992.
  15. Mario Simões et al. - Revista de Arqueologia 4(1), Publicação do Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG, 1987.
  16. Mário Simões - Contribuição à arqueologia dos arredores do baixo rio Negro, Amazonas. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas 5, Resultados preliminares do quinto ano: 1969-1970. p.p. 165-188. Museu Paraense Emilio Goeldi, Publicações Avulsas 26, Belém, 1974.
  17. Celso Perota - Adaptação agrícola no baixo Xingu. In: Meggers, B. J., Prehistoria Sudamericana: Nuevas Perspectivas: 219-229. Washington: Taraxacum, 1992.
  18. Mario Simões et al. - Revista de Arqueologia 4(1), Publicação do Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG, 1987.
  19. Mario Simões et al. - Revista de Arqueologia 4(1), Publicação do Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG, 1987.
  20. Eurico Miller et al. - Arqueologia nos empreendimentos hidrelétricos da Eletronorte; resultados preliminares. Brasília: Eletronorte, 1992.
  21. Peter Paul Hilbert - Archäologische Untersuchungen Am Mittlern Amazonas, Berlim: Dietrich Reimer Verlag, 1968.
  22. Betty Meggers e Clifford Evans - Archaeological investigations on the rio Napo, eastern Ecuador. Washington: Smithsonian Institution Press, 1968
  23. Herrera et al. - Datos sobre la arqueologia de Araracuara (Comisaría del Amazonas Colombia). Revista Colombiana de Antropologia 23: 183-251, 1980
  24. Donald Lathrap - O Alto Amazonas, Lisboa: Verbo, 1975.
  25. Herrera et al. - Datos sobre la arqueologia de Araracuara (Comisaría del Amazonas Colombia). Revista Colombiana de Antropologia 23: 183-251, 1980
  26. A. Boomert - Koriabo and the Polychrome Tradition: the late-prehistoric era between the Orinoco and Amazon mouths. In Late Ceramic Age Societies in the Eastern Caribbean, ed. Andre Delpuech and Corinne L. Hofman. Oxford: Archaeopress, 2004.