Macu-iuhupde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a língua dos macu-ihupdes, veja Língua iuhup.

Os macu-iuhupdes, ou simplesmente iuhupdes, formam um povo indígena minoritário, com cerca de mil pessoas espalhadas em oito comunidades que habitam o noroeste do Brasil, nos afluentes da margem direita do Rio Tiquié até a região do Rio Apapóris chegando até a Colômbia. No Brasil, concentram-se na área indígena do município de São Gabriel da Cachoeira no estado do Amazonas. São pescadores profissionais e agricultores incipientes, semi-nômades, idealmente patrilocais, patrilineares, etnicamente endogâmicos e organizados com base na proteção e subsistência. Apesar de tradicionalmente caçadores-coletores, com a aproximação dos grandes rios se adaptaram, tornando-se exímios pescadores, plantadores de mandioca e frutas, mantendo também a prática esporádica de caça e coleta. Sua base alimentar está nos derivados da mandioca e nos peixes. Sendo culturalmente semi-nômades, fazem frequentes incursões de pescaria pelos rios mais próximos, podendo durar semanas ou até meses.

Os casamentos ideais devem se dar entre seus clãs, tendo a prima cruzada bilateral como par ideal, portanto, praticam uma exogamia clânica. Mas sendo patrilineares podem casar-se com mulheres de outros povos da região, como os hupdás e os macunas, já que os filhos sempre pertencerão à etnia do pai, por quem recebem a herança étnica. E, devido à patrilocalidade, geralmente é a mulher quem se desloca, passando a morar na comunidade do marido, ainda que esse faça roça com o sogro e mantenha frequentes contatos. Casamentos dentro do mesmo clã são proibidos, caracterizando-se incesto.

Mantêm sua religiosidade tradicional animista, tendo os benzimentos como uma das principais práticas xamãnicas, girando geralmente em torno da doença e da cura. Cosmologicamente, reconhecem sua origem em um local mítico referido como “Lago de Leite”, com uma subsequente dispersão dos clãs por vários rios da região.

No território brasileiro, sete das suas comunidades estão espalhadas pelos pequenos afluentes da margem direita do Rio Tiquié: igarapés Cucura, Castanha, Samaúma, Cunuri e Ira. São caracteristicamente pequenas, variando entre cinco e doze famílias (trinta a setena pessoas). No Rio Apapóris, há uma grande comunidade, com cerca de sessenta famílias, somando mais de duzentos e sessenta pessoas, sendo assim uma exceção do padrão cultural de ajuntamento e moradia.

Pertencem à família linguística conhecida popularmente como “macu”, formada pelos povos iuhupde, hupdá, dâw, nadëb, nadëb-do-rio-negro, kakua e nukak, também chamada de puinave, macu-puinave, uaupés-japurás, nadahup, macu-oriental, e, mais recentemente, guaviare-japurá. Sua complexa língua é totalmente preservada, caracteristicamente isolante e tonal, com alta incidência de glotalização e laringalização.

Na literatura linguística e etnológica, os iuhupdes têm sido chamados de yahup, yohup, yihup, juhup, yujup, yuhupde ou simplesmente yuhup. No entanto, sua autodenominação é yuhupdeh, palavra que significa “pessoas” (yuhup – “pessoa, gente” + deh – plural, coletivizador). Esse é o termo que no dia-a-dia é usado para identificar todos aqueles que falam sua língua e pertencem aos seus (pelos menos) catorze clãs. Tem-se, assim, referido ao povo com a palavra no plural e à língua com a palavra no singular, a língua yuhup.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANGULO SANDOVAL, Gladys. «Esa gente no sirve... nosotros sí somos buenos.» Relaciones interétnicas entre los Yujup-Makú y otros grupos indígenas del Amazonas colombiano. Bogotá: Universidad de los Andes, 1997 (monografia de graduação).
  • DEL VIGNA, Dalva. Segmentos Complexos da Língua Yuhup. Brasília: UnB, 1991 (dissertação de mestrado).
  • JORE, Daniel & JORE, Cheryl. Análise Preliminar da Língua Yahup. Brasília: SIL, 1980.
  • KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Dois Anos entre os Indígenas – Viagens no Noroeste do Brasil (1903/1905). Manaus: EDUA, 2005.
  • LOPES, Aurise Brandão. Fonologia Yuhup – Uma Análise Não-Linear. Santa Catarina: UFSC, 1995 (dissertação de mestrado).
  • MARTINS, Valteir. Reconstrução Fonológica do Protomaku Oriental. Amsterdam: Vrije Universiteit, 2005 (tese de doutorado).
  • OSPINA BOZZI, Ana Maria. Morfología del verbo en la lengua Macú-Yujup. Bogotá: Universidad de los Andes, 1995 (dissertação de mestrado).
  • OSPINA BOZZI, Ana Maria. Les Strutures Élémentaires du Yuhup Makú – Langue de l'Amazonie Colombienne: Morphologie et Syntaxe. Paris: Université de Paris 7, 2002 (tese de doutorado).
  • POZZOBON, Jorge. Isolamento e Endogamia – Observações Sobre a Organização Social dos Índios Maku.

Porto Alegre: UFRS, 1993.

  • POZZOBON, Jorge. Os Maku – esquecidos e discriminados. In: Carlos Alberto Ricardo (ed.). Povos Indígenas no Brasil 1987/88/89/90. São Paulo: CEDI, 1991, pp. 141–2.
  • REINA GUTIERREZ, Leonardo. Análisis fonológico, lengua Yujupde-Makú, Amazonas. Bogotá: Universidad de los Andes, 1986 (dissertação de mestrado).
  • SILVA, Cácio & SILVA, Elisângela. A Língua dos Yuhupdeh: Introdução etnolinguística, dicionário Yuhup-Português e glossário semântico-gramatical. São Gabriel da Cachoeira: Pró-Amazônia, 2012.
  • SILVA, Cácio. Agnatismo minimalista: a organização social dos Yuhupdeh em seu contexto Alto Rio-Negrino. Anápolis: UniEVANGÉLICA, 2011 (monografia de especialização).
  • SILVA, Cácio. Levantamento sócio-demográfico do povo Yuhupdeh da área do Rio Tiquié. São Gabriel da Cachoeira: Pró-Amazônia/AECIPY – Associação das Escolas e Comunidades Indígenas do Povo Yuhupdeh, novembro de 2010.
  • SILVA, Cácio & SILVA, Elisângela. Fonologia e ortografia Yuhup. Manaus: Pró-Amazônia, 2008.
  • SILVA, Cácio & SILVA, Elisângela. Análise Fonólógica da Língua Yuhup. Manaus: Pró-Amazônia, 2007a.
  • SILVA, Cácio & SILVA, Elisângela. (orgs.). Yuhupdeh Diíd – A Língua dos Yuhupdeh. Caderno de Alfabetização e Proposta Ortográfica da Língua Yuhup. Manaus: Pró-Amazônia/APIARN, Julho de 2007b.
  • SILVA, Cácio & SILVA, Elisângela. A Escrita dos Yuhupdeh - O Registro Ortográfico de Uma Língua Indígena do Alto Rio Negro. Revista Antropos. Vl.1, Ano 1, Novembro de 2007c.
  • SILVERWOOD-COPE, Peter Lachlan. Os Maku – Povo Caçador do Noroeste da Amazônia. Brasília: UnB, 1990.