Olindina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Olindina
  Município do Brasil  
Igreja de Nossa Senhora da Conceição
Igreja de Nossa Senhora da Conceição
Símbolos
Bandeira de Olindina
Bandeira
Brasão de armas de Olindina
Brasão de armas
Hino
Gentílico olindinense
Localização
Localização de Olindina na Bahia
Localização de Olindina na Bahia
Mapa de Olindina
Coordenadas 11° 22' 01" S 38° 19' 58" O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Municípios limítrofes Itapicuru, Crisópolis, Aporá, Inhambupe, Sátiro Dias e Nova Soure
Distância até a capital 200 km
História
Fundação 14 de agosto de 1958 (63 anos)
Aniversário 14 de agosto
Administração
Prefeito(a) Luiz Alberto Araújo Dantas Filho (PSD, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 542,184 km²
População total (IBGE/2016[1]) 26 907 hab.
Densidade 49,6 hab./km²
Clima semiárido (As)
Altitude 143m m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [2]) 0,559 baixo
PIB (IBGE/2014[3]) R$ 154.243 milhoes
PIB per capita (IBGE/2014[3]) R$ 5,772,12 reais

Olindina é um município brasileiro do estado da Bahia localizado em um entroncamento rodoviário regional a 43,7 km da cidade sergipana de Tobias Barreto e distante aproximadamente 200 km da capital baiana. Sua população estimada em 2013 era de 26.620 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro nome da cidade foi Mucambo, depois Nova Olinda e seguido pelo atual Olindina.

A história e surgimento do Município de Olindina iniciam-se nas três décadas finais do século XIX e está diretamente relacionada à Guerra do Paraguai, quando por força de hábito da época o Dr. Pedro Ribeiro de Araújo, médico-chefe do hospital para feridos da guerra, foi agraciado com as terras da atual Olindina, onde tomou posse batizando o lugar de Fazenda Mocambo (em razão do nome originalmente atribuído ao local) e a Guerra de Canudos.

Em 1882, quando de passagem pelo município de Itapicuru, do qual Olindina fazia parte à época, o beato Antonio Vicente Maciel, mais conhecido por Antonio Conselheiro, construiu uma capela com a invocação de São João Batista e depois mudada para Nossa Senhora da Conceição( pelo 1º Vigário da cidade Pe. José Justino de Almeida), mais conhecido como Padre Justino, em cujas proximidades já se formava um pequeno povoado com alguns casebres e na mesma ocasião lhe deu a denominação de Nova Olinda, permanecendo até 1943, quando adotou a denominação definitiva de Olindina.

Na cidade é realizada anualmente a movimentada Micareta de Olindina, a qual atrai pessoas de diversas cidades, inclusive do estado de Sergipe.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Os principais distritos são Dona Maria, localizada a 18 km da cidade, e, Umbuzeiro, localizado a 23 km da cidade.

Outras localidades são: Cana Brava, km 82, Nova Minação, Galo Assanhado, Funil, Gameleira, Canavieira, Rios das Pedras, Colonia Nova, Cedro, Bebedouro, km 67, baixa funda, km 82 (também chamado de Mia Gato), Pau de Gamela, Carrapatinho, Salgado, Raso da Lagoa Doce, Lagoa doce, Agua branca, Licuri, Urubu, Pedra Petra, Entroncamento de Crisopólis, Topo, Umburaninha, Muritiba(também chamada de Boa Vista I), Tauá, Dendê.

Bairros da sede: Centro, Cruzeiro, Nova Olindina, Cidade Nova, Mutirão, Alto, Urbis.

Economia[editar | editar código-fonte]

A atividade econômica da cidade de Olindina encontra-se concentrada no setor agrário (feijão, milho, mandioca), e no setor de comércio e serviços (feiras ambulantes e outras atividades autônomas).

A cidade de Olindina apresenta aptidão climática para o cultivo de: feijão, milho, sisal, mamona, batata-doce, mandioca e na pecuária para criação: bovina, suína, equina, ovina.

O município exporta aves, ovos, feijão, milho, amendoim, castanha, farinha; e importa: roupas, calçados, gêneros alimentícios, remédios, bebidas. 

Transporte[editar | editar código-fonte]

Olindina possui um terminal rodoviário que recebe ônibus diariamente partindo e chegando em diversos horários das cidades de: Salvador, Feira de Santana, Alagoinhas, Aracaju, Lagarto, Tobias Barreto, Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Itabuna e várias outras, além de horários durante a semana para: São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Possui também vans partindo do centro da cidade rumo a Lagoa Redonda (divisa com Sergipe). Os campos de pouso mais próximos localizam-se em Nova Soure e em Cipó.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Olindina tem acesso principal pela BR-110 que a liga com a cidade de Alagoinhas (Sul) e Paulo Afonso (Norte), sendo acesso para quem vem da capital baiana e de Feira de Santana. Também possui rodovia para Aracaju (BR-349) passando por Itapicuru e após ela a cidade de Tobias Barreto, além de outras estradas locais.

Administração[editar | editar código-fonte]

1993-1997[editar | editar código-fonte]

1997-2001[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Antônio João Ribeiro da Cruz (PSB)

2001-2005[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Vanderlei Fulco Caldas (PP)

2005-2009[editar | editar código-fonte]

2009-2013[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Antônio João Ribeiro da Cruz (PSB)
  • Vice-Prefeito: José Primo dos Santos Filho (PSC)

2013-2017[editar | editar código-fonte]

  • Prefeita: Bianca Menezes de Jesus Souza (PMDB)
  • Vice-Prefeito: Carlos Ubaldino de Santana Filho (PSD)

2017-2020[editar | editar código-fonte]

  • Prefeito: Vanderlei Fulco Caldas (PP)
  • Vice-Prefeito: Carlos Ubaldino de Santana Filho (PSD)

Referências

  1. a b «Olindina». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
  2. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  3. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.