Mata de São João

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Mata de São João
Barcos na vila de pescadores da Praia do Forte

Barcos na vila de pescadores da Praia do Forte
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 15 de abril
Fundação 14 de abril de 1846 (171 anos)
Gentílico matense
Lema Uma cidade cada vez melhor
Prefeito(a) Marcelo Oliveira (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Mata de São João
Localização de Mata de São João na Bahia
Mata de São João está localizado em: Brasil
Mata de São João
Localização de Mata de São João no Brasil
12° 31' 48" S 38° 17' 56" O12° 31' 48" S 38° 17' 56" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Metropolitana de Salvador IBGE/2008[1]
Microrregião Catu IBGE/2008[1]
Região metropolitana Salvador
Municípios limítrofes Entre Rios, São Sebastião do Passé, Pojuca, Dias d'Ávila, Camaçari e Itanagra
Distância até a capital 56 km
Características geográficas
Área 633,198 km² [2]
População 46 998 hab. IBGE/2017[3]
Densidade 74,22 hab./km²
Clima Clima quente úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,668 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 1 024 685 mil IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 22 673 IBGE/2014[5]
Página oficial
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mata de São João

Mata de São João é um município da Grande Salvador, no estado da Bahia, no Brasil. Sua população estimada em 2017 era de 46 998 habitantes. A "Costa dos Coqueiros", na qual se insere a região litorânea do município, é conhecida no mundo inteiro pela beleza de suas praias, pela ocorrência de sol o ano todo e por sua natureza exuberante.

A região litorânea do município começa em Praia do Forte, ao sul, e vai até Costa do Sauipe, ao norte, possuindo 28 quilômetros de litoral e reservas naturais. É uma área que une a simplicidade dos vilarejos baianos com a sofisticação de algumas das maiores redes de hotéis do mundo.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Segundo a crença popular, o nome original do povoado era "São João da Mata", com o nome original vindo a ser alterado em função de João Lopo de Mesquita, que teria aberto estradas e derrubado matas na região entre 1649 e 1659. As pessoas teriam começado a se referir à região como "mata do seu João", e isso teria causado o surgimento da denominação atual do município, "Mata de São João".[6]

História[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 1000, a região ocupada atualmente pelo município foi invadida por povos tupis procedentes dos vales dos rios Madeira e Xingu, afluentes da margem direita do rio Amazonas, que expulsaram as tribos indígenas locais, falantes de línguas do tronco linguístico macro-jê, para o interior do continente. Quando os primeiros navegadores europeus chegaram à região, no século XVI, a mesma era ocupada pela tribo tupi dos tupinambás.[7]

Em 1549, a comitiva do governador-geral Tomé de Sousa vinda de Portugal chegou a Salvador. Junto com ela, veio Garcia de Sousa d'Ávila, que, em 1551, começou a construir a Casa da Torre - na então Tatuapara[8] -, na atual Praia do Forte, em Mata de São João, com a finalidade de fiscalizar as embarcações que se dirigiam a Salvador. A fortificação só veio a ser concluída em 1624. Ela veio a se constituir no núcleo do maior latifúndio das Américas, o qual se estendia da Bahia até o Maranhão com plantações de coco e de cana-de-açúcar e criação de gado, movidas pelo trabalho escravo de índios e negros.[6][9]

No início do período colonial, chegou a abrigar o porto de Tatuapara, na enseada de Tatuapara, local para estabelecimento do comércio internacional e ponto mais ao norte para onde as correntes marinhas levavam.[10]

O povoado foi elevado a vila em 1846. No século anterior, porém, o território matense atual pertenciam a Água Fria e Espírito Santo de Nova Abrantes.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Praia do Forte, Mata de São João

Mata de São João possui um território de 633,198 quilômetros quadrados[2]. Está inserido no litoral norte baiano e na Região Metropolitana de Salvador. Com localidades espalhadas, destacam-se a sede municipal, a vila de Diogo, Imbassaí, o Açu da Torre, Sauipe e Praia do Forte.

Fora do litoral, a sede municipal concentra 70% da população e é conectada a Dias d'Ávila e Pojuca pela BA-093. Do outro lado, estão os principais destaques turísticos ao longo dos 28 quilômetros de litoral matense, onde se encontra remanescentes de mata atlântica, dunas, restingas, manguezais, coqueirais, lagoas, riachos e cachoeiras. [11] Na Praia do Forte, início da Linha Verde, encontram-se unidade do Projeto Tamar e do Projeto Baleia Jubarte, a Reserva Ecológica Sapiranga e o parque histórico do Castelo do Forte Garcia D'Ávila.[12] Além da primeira Unidade de Conservação municipal, o Parque Natural Municipal da Restinga de Praia do Forte, criado em 2008 conhecido como Parque Klaus Peters. Próximos ao rio Imbassaí estão Imbassaí, local onde o leito fluvial é paralelo ao mar até a foz na Praia de Imbassaí,[13] e Vila de Diogo, onde está a semideserta Praia de Santo Antônio.[14] E por fim, o distrito de Sauipe, onde está a Costa do Sauipe e o megaempreendimento hoteleiro de 176 hectares de área construída. [15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «estimativa_ibge_2017.xls». agenciadenoticias.ibge.gov.br. Consultado em 30 de agosto de 2017 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2010 à 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  6. a b c Prefeitura Mata de São João. Disponível em http://www.matadesaojoao.ba.gov.br/o-municipio/historia.php. Acesso em 13 de fevereiro de 2014.
  7. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  8. IGBE. IBGE | Cidades | Infográficos | Bahia | Mata de São João | Histórico. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=_EN&codmun=292100&search=bahia%7Cmata-de-sao-joao%7Cinphographics:-history. Acesso em 13 de fevereiro de 2014.
  9. Bahia II. 2010. 1. Disponível em http://historiadabahia2.wordpress.com/sobre/morgados-do-interior-a-casa-da-torre-de-garcia-davila/. Acesso em 13 de fevereiro de 2014.
  10. A Casa da Torre de Garcia D'Ávila. Disponível em http://www.casadatorre.org.br/eventos12castelo.htm. Acesso em 13 de fevereiro de 2014.
  11. Prefeitura Mata de São João. «Perfil da sede e seus principais distritos». Consultado em 13 de fevereiro de 2014 
  12. Prefeitura Mata de São João. «A Polinésia Brasileira». Consultado em 13 de fevereiro de 2014 
  13. Prefeitura Mata de São João. «Beleza Rara». Consultado em 13 de fevereiro de 2014 
  14. Prefeitura Mata de São João. «Tesouro da natureza». Consultado em 13 de fevereiro de 2014 
  15. Prefeitura Mata de São João. «Cenário de cartão postal». Consultado em 13 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]