Ibipitanga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ibipitanga
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Ibipitanga
Bandeira
Brasão de armas de Ibipitanga
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Barro Vermelho"
Gentílico ibipitanguense
Localização
Localização de Ibipitanga na Bahia
Localização de Ibipitanga na Bahia
Mapa de Ibipitanga
Coordenadas 12° 52' 55" S 42° 29' 09" O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Municípios limítrofes Macaúbas, Boquira, Ibitiara, Novo Horizonte e Rio do Pires
Distância até a capital 598 km
História
Fundação 16 de julho de 1962 (59 anos)
Administração
Prefeito(a) Humberto Raimundo Rodrigues De Oliveira (PDT, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 945,222 km²
População total (IBGE/2010[2]) 14 171 hab.
Densidade 15 hab./km²
Clima Semiárido
Altitude 492 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,584 baixo
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 41 823,661 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 2 919,22
Sítio http://ibipitanga.ba.gov.br/ (Prefeitura)

Ibipitanga é um município do estado da Bahia, no Brasil. Localiza-se no centro-sul do estado. Sua população em 2010 era de 14 171 habitantes, ocupando uma área 945,222 km².

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Ibipitanga" é um termo tupi que significa "terra vermelha", através da junção dos termos yby ("terra")[5] e pytang ("vermelho").

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro nome conhecido da cidade foi Santa Luzia do Barro Vermelho. O povoado integrava o município de Ibitiara. Em 1937, o povoado mudou o seu nome para Ibipitanga. Em 6 de maio de 1962, foi realizado um plebiscito para decidir sobre a emancipação do povoado. Aprovada a emancipação, o povoado se desmembrou oficialmente de Ibitiara em 16 de julho do mesmo ano. Porém a população comemora, até hoje, a data da emancipação como sendo a data do plebiscito: 6 de maio. O primeiro prefeito do município foi Francisco Nestor de Araújo. Após o mesmo, outros cinco prefeitos governaram, incluindo cinco mandatos de José Xavier Mendes, totalizando vinte anos no governo de Ibipitanga, sendo a gestão mais longa de toda a Chapada Diamantina.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Se localiza no sertão da Chapada Diamantina, com clima semiárido e a caatinga como sua principal vegetação. O município - incluindo sua sede - é banhado pelo Rio Paramirim, afluente do Rio São Francisco. No trecho em que cruza a cidade, o rio sofre com o desmatamento da mata ciliar, invasão territorial de propriedades privadas ao leito do Rio e a poluição provocada por banhistas no período de cheia, como também pela falta de rede de coleta de esgoto na cidade (mais de 50% dos brasileiros não têm serviço de saneamento básico). Tem precipitação média anual de 690 milímetros, segundo o Climate Data. As chuvas ocorrem principalmente entre os meses de outubro a abril, sendo o mês de dezembro o mais chuvoso, com uma média de 139 mm. A estação seca dura de maio e setembro e durante esse período, a precipitação é praticamente nula. O Rio Paramirim por várias vezes fica quase totalmente seco durante a estiagem e localidades da região sofrem com o desabastecimento que se agrava ainda mais em certos anos, quando a seca se prolonga por vários meses, gerando grande calamidade na região. Seu relevo é pouco acidentado, onde quase não há aclives e declives, principalmente no perímetro urbano, tornando-se uma cidade com infraestrutura boa para o deslocamento e locomoção.

Economia[editar | editar código-fonte]

Na pecuária, destacam-se os rebanhos de suínos, equinos, asininos e ovinos. Conforme registros na Junta Comercial do Estado da Bahia, possui uma indústria, ocupando o 144º lugar na posição geral do Estado da Bahia e 93 estabelecimentos comerciais, 235ª posição dentre os municípios baianos. Seu parque hoteleiro registra 54 leitos. Registro de consumo elétrico residencial (Kwh/hab.): 38,23 - 357º no ranking dos municípios baianos.

A cidade se divide entre os bairros: Centro, Santa Luzia, Caixa d'Água e Beira Rio. A feira da cidade acontece as segundas-feiras, porém aos domingos já se encontram alguns feirantes na praça. Vale ressaltar, também, que a maioria dos feirantes são de municípios da região, como Macaúbas, Paramirim, Rio do Pires, Boquira, Erico Cardoso e Seabra.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 25 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. [1]
Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.