Itapé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2011).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Município de Itapé
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 28 de dezembro de 1961 (53 anos)
Gentílico itapeense
Prefeito(a) Pedro Jackson Brandão (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Itapé
Localização de Itapé na Bahia
Itapé está localizado em: Brasil
Itapé
Localização de Itapé no Brasil
14° 53' 52" S 39° 25' 15" O14° 53' 52" S 39° 25' 15" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Sul Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Ilhéus-Itabuna IBGE/2008 [1]
Distância até a capital 460 km
Características geográficas
Área 443 270 km²
População 10,630 hab. est. IBGE/2009 [2]
Densidade 31 4 hab,/km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,599 baixo PNUD/2010 [3]
PIB R$ 29.264 mil IBGE/2005 [4]
PIB per capita R$ 2,089 00 IBGE/2005 [4]
Página oficial

Itapé é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 14.123 habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Durante o período em que o Brasil foi colonia de Portugual e posteriormente Império, até o final do século XIX, área onde está localizado o município de Itapé era coberto por imensas florestas, rios e riachos. Algumas tribos indígenas como os Pataxós e os Gueréns transitavam por estas terras sem contudo formarem aqui nenhuma aldeia. Na primeira metade do século XX, chegavam à região muitos sergipanos e sertanejos baianos atraídos pela fama das terras e riquezas produzidas pelo cacau. Desembarcavam no antigo porto de Ilhéus, chegavam no antigo porto de Ilheus, seguiam os caminhos já existentes pelas margens do rio Cachoeira ou do rio Almada à procura de terras devolutas, pertencentes ao Estado da Bahia. Muitos tinham como destino a região de itabuna, chegando até ferradas, que era um entreposto comercial, onde se comercializavam produtos oriundos do porto de Ilhéus e animais, manteiga, requeijão que vinham do sertão por uma estrada construida até o município de Vitória da Conquista. Como as terras da regiao de Ferradas já estavam ocupadas, os imigrantes seguiam adiante por essa estrada, tomando posse de terras devolutas cobertas por matas, fazendo suas roças de cacau e outros produtos se subsistência e ainda construindo pequenas casas de residencia. Nas primeiras décadas do século XX, toda a área do atual município de Itapé, que pertencia a Itabuna, estava desbravada, com roças de cacau, mandioca, milho, feijão, café etc, e já surgindo as primeiras pastagens - os mangueiros - para a engorda do gado bovino que vinha do sertão. Itapé antes de sua emancipação era conhecida como Estreito d’água, depois passou a ser Itaúna, porem, com as lutas dos seus fundadores, com o objetivo de tornar-se emancipada, teve a participação Srº Felipe Ninck, Hementário Santana, Luciano Badaró, José Maria. Com muitas reuniões que não chegaram a consenso para lançar único, representativo das das forças políticas que apoiaram a emancipação do município, o Sr. Fenelon Santos lançou-se candidato pela UDN (União Democrática Nacional, 1o. colocado, 613 votos), ensejando mais dois grupos que lançaram candidatos: respectivamente, Horacio Tolentino Sodré (PTB, 2o. colocado, 598 votos)e Edson Rebouças Brandão (PDC, 4o. colocado, 366 votos). Pela corrente antiemancipacionista e com apoio do Prefeito do Município de Itabuna, José de Almeida Alcântara, concorreu também o advogado Gervasio José dos Santos (PR, 3o. colocado, 480 votos). Essa eleição a primeida do município - deu-se em 3 de outubro de 1962 e o Prefeito eleito empossou-se em 7 de abril de 1963, data em que se instalou o novo município, desmembrando-se definitivamente do município de Itabuna. À primeira feira livre de Itapé, os feirantes traziam suas verduras, frutas, galinhas, porcos e etc... que eram comprados por seus idealizadores e mais algumas pessoas da época.

O município de Itapé é banhado pelo Rio Cachoeira, que nasce da confluëncia dos rios do Salgado e Colönia, pouco acima (2 km) da séde do município, e, após passar por Ferradas, Itabuna (cidade), Salobrinho, Banco da Vitória, deságua no Oceano Atläntico, em Ilhéus. O rio sempre foi rico em diversidade de peixes, com destaque para robalos e pitú (um crustáceo raro que existe apenas em alguns rios do Brasil). Itapé já foi considerado um centro produtor de cacau e grande criador de gado, sendo neste segmento produtivo que, atualmente, sua economia está mais fortemente concentrada (pecuãria extensiva). O rio Cachoeira apesar de sua grande importância na história da Cidade também já foi o causador de grandes tragédias, com suas cheias em épocas de chuva, que importaram em vítimas humanas e graves e elevados prejuízos materiais com a derrubada de centenas de moradias e edificações públicas. A enchente de 28 de dezembro de 1967 (curiosamente data de aniversário da cidade)foi a mais desastrosas de todas, ocorrida quando governava o município o Prefeito Horacio Tolentino Sodré o qual, com o apoio do então Governador do Estado, Luiz Viana Filho, empreendeu um extraordinário trabalho de reconstrução da cidade mutilada pela destrui-ção de mais de seiscentas moradias. Na cidade existe a igreja matriz católica que fica localizada na praça central da cidade e tem em Bom Jesus da Lapa, o seu padroeiro. Co-existem, na cidade, diversas outras religiãoes evangélicas e a população embora majoritaria e tradicionalmente católica, se divide entre essas outras opções religiosas cristãs. Itapé possui também um estádio de futebol, que recebe jogos regionais, vaquejadas e cavalgadas, que são uma das principais festas tradicionais da região, reunindo um grande número de pessoas durante os eventos.

A tradicional festa junina de Itapé também merece ser ressaltada, afinal, é uma festa muito popular na região e teve o seu primeiro grande incremento oficial a partir de 1967 quando o Prefeito Horacio Sodré mandou construir, no centro da praça Juraci Magalhães, um tablado coberto de palhas típicas das matas locais, atraindo, àquela época, mais de cinco mil vistantes de toda a região do sulbaiano, iniciando-se a tradição que até hoje sobrevive e confere a Itapé que chegou a rivalizar com a cidadee de Ibicuí o título de grande organizadora dos festejos de São João.

O primeiro prefeito da cidade, eleito com 15 votos sobre o segundo colocado, foi o Sr. Fenelon Santos (1963-1967). O segundo mandatãrio municipal foi o Sr. Horacio Tolentino Sodré (1967-71 e 1973-1977), eleito por 632 votos de frente sobre o seu único contendor. Entre os seus dois mandatos, o 3o. Prefeito Municipal foi Crispim Vaz Sodré que, por 199 votos, derrotou o ex-Prefeito Fenelon Santos. Após o segundo mandato do Prefeito Horacio Sodré, governaram o município, José Menezes Mendonça (que, por 48 votos, venceu Crispim Vaz Sodré)de 1977 a 1983 (o mandato foi prorrogado em dois anos por força de emenda constitucional), José Carlos Reis, Pedro Jackson Brandão Almeida 3 mandatos), Hudson Hage Brandão, Urbano Santos, sucedido por Pedro Jackson Brandão Almeida (em seu 3o. mandato) que, por decisão do TSE, embora vitorioso no pleito de 2008 no qual disputava a reeleição, teve os seus votos anulados o que determinou a realização de eleições suplementares vencidas por Jackson Rezende, atual Prefeito do Município, cujo mandato expirar-se-á em 31 de dezembro de 2012. Mesmo eleito, Pedro Jackson Brandão (PMDB), teve o registro de candidatura indeferido, já que as contas da sua administração anterior foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Pedrão recebeu nas urnas 66,7% dos votos válidos, mas com a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), os 8.720 eleitores do município tiveram que fazer uma nova escolha. A presidente da Câmara de Vereadores, Luzinete Miranda, também do PMDB, ficou no comando interinamente até 1º de Maio.

A nova eleição ocorreu no dia 29 de Março e na disputa com Humberto Mattos (PV) teve como eleito Jackson Resende, que assumiu a prefeitura do município no dia 2 de Maio.

Transporte[editar | editar código-fonte]

A viação Rota liga Itapé a Itabuna, Barro Preto, Itaju do Colônia, Ibicaraí e Floresta Azul.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. Estimativas da população para 1º de julho de 2009 (PDF) Estimativas de População Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (14 de agosto de 2009). Visitado em 16 de agosto de 2009.
  3. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 25 de agosto de 2013.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2002-2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2007). Visitado em 11 de outubro de 2008.
Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.