Itabuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para o clube, veja Itabuna Esporte Clube.
Itabuna
  Município do Brasil  
Rio Cachoeira. Ao fundo, edifícios dos bairros nobres Góes Calmon e Jardim Vitória
Rio Cachoeira. Ao fundo, edifícios dos bairros nobres Góes Calmon e Jardim Vitória
Rio Cachoeira. Ao fundo, edifícios dos bairros nobres Góes Calmon e Jardim Vitória
Símbolos
Bandeira de Itabuna
Bandeira
Brasão de armas de Itabuna
Brasão de armas
Hino
Lema Merces Laborum Suorum
"A recompensa de seus trabalhos"[1]
Gentílico itabunense[2]
Localização
Localização de Itabuna na Bahia
Localização de Itabuna na Bahia
Localização de Itabuna na Bahia
Itabuna está localizado em: Brasil
Itabuna
Localização de Itabuna no Brasil
Mapa
Mapa de Itabuna
Coordenadas 14° 47' 09" S 39° 16' 48" O
País Brasil
Unidade federativa Bahia
Municípios limítrofes Buerarema, Barro Preto, Ibicaraí, Ilhéus, Itajuípe, Itapé e Jussari
Distância até a capital 426 km
História
Fundação 1910 (114 anos)
Administração
Prefeito(a) Augusto Narciso Castro (PSD, 2021 – 2024)
Vereadores 21[3]
Características geográficas
Área total IBGE/2022[4] 401,028 km²
 • Área urbana  IBGE/2019[5] 27,16 km²
População total (Censo de 2022) [6] 186 708 hab.
 • Posição (BA: 7º· (NE: 32°· (BR: 161º) (2022)[7]
Densidade 465,6 hab./km²
Clima tropical úmido
Altitude 54 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[8]) 0,712 alto
 • Posição (BA: 5º· (BR: 1546º)
Gini (PNUD/2010[9]) 0,56
PIB (IBGE/2021[10]) R$ 4 200 813,90 mil
 • Posição (BA: 16°· (BR: 280°)
PIB per capita (IBGE/2021[10]) R$ 19 618,70
Sítio Sítio oficial (Prefeitura)

Itabuna é um município brasileiro no interior e sul do estado da Bahia. Está localizada a cerca de 426 quilômetros da capital da Bahia, estando em torno de 333 quilômetros de distância dessa cidade via ferryboat. É o sétimo município mais populoso da Bahia e o 32° do Nordeste. Itabuna, em conjunto com o município vizinho Ilhéus, forma uma aglomeração urbana classificada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como uma capital regional B, exercendo influência em mais de 40 municípios que, juntos, apresentam pouco mais de um milhão de habitantes.[11] Itabuna está situada na Região Geográfica Imediata de Ilhéus-Itabuna, dentro da Região Geográfica Intermediária de Ilhéus-Itabuna.

Segundo o IBGE, o município de Itabuna tem um IDH de 0,712 (2010), compartilhando a quinta posição com Feira de Santana no estado da Bahia, ficando atrás somente de Salvador, Lauro de Freitas, Barreiras e Luís Eduardo Magalhães. É um dos oito únicos municípios da Bahia com IDH alto.[12][13][14][15]

É terra natal do escritor Jorge Amado, que a descreve em algumas de suas obras, como Gabriela, Cravo e Canela e Terras do Sem Fim.[16]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Conforme Eduardo Navarro em seu Dicionário de Tupi Antigo (2013), o nome "Itabuna" é derivado dos termos tupis itá + abuna, que significa "padre de pedra" (itá, pedra + abuna, padre). O nome é uma referência a uma formação rochosa que se assemelha a um padre.[17] Essa formação rochosa veio a designar o terceiro distrito de Ilhéus, Cachoeira de Itabuna, ao qual pertencia a localidade de Tabocas, que veio a dar origem ao atual município de Itabuna.[18]

História[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 1000, as tribos indígenas tapuias (especificamente, os aimorés)[19] que habitavam na região foram expulsas devido à chegada de povos tupis procedentes da Amazônia.

No século XVI, quando chegaram os primeiros portugueses à região, a mesma era habitada pelos tupiniquins, grupo indígena do tronco tupi. Os portugueses implantaram, na região, a capitania de Ilhéus, porém esta fracassou economicamente devido aos constantes ataques dos índios aimorés, que, a partir da década de 1550, retornaram à região, provenientes do interior do continente.[19][20]

O povoamento de origem europeia na região só se consolidou a partir do momento em que esta passou a servir como principal ponto de passagem de tropeiros, que se dirigiam a Vitória da Conquista. Na área cortada pelo rio Cachoeira, surgiu, em 1857, o Arraial de Tabocas, em meio à mata, que estava sendo ocupada por não índios. O nome Tabocas, segundo a tradição, deve-se a um imenso jequitibá, de cuja derrubada fora feita uma disputa, sendo aquele o "pau da taboca", ou seja, da roça que se abria.[21]

A partir de 1867, intensificou-se a ocupação da região por não índios - principalmente migrantes sergipanos, dentre os quais se destacam Félix Severino de Oliveira, depois conhecido como Félix Severino do Amor Divino, e José Firmino Alves, que eram primos. Félix fundou, na entrada de Itabuna, a Fazenda Marimbeta. Hoje, existe uma rua com esse nome, no bairro da Conceição. Eles vieram da Chapada dos Índios, atual Cristinápolis. A eles, se atribui a fundação da futura cidade de Itabuna.[22]

Em trinta anos, o crescimento da povoação foi tanto que, em 1897, os moradores pleitearam sua emancipação, que foi negada. Nova tentativa foi feita, junto ao governo estadual, em 1906, comprometendo-se Firmino Alves a doar os terrenos para que fossem erguidas as sedes administrativas.[23]

Emancipação[editar | editar código-fonte]

Fundado em 1910, o município de Itabuna tem sua cronologia confundida com a própria origem do seu perímetro urbano, a partir de meados do século XIX, reduzindo-se a importância da centenária Ferradas, que foi a primeira vila — com o nome de Dom Pedro de Alcântara, três décadas antes de Tabocas — e o primeiro povoamento não indígena no território daquele que viria a ser o município de Itabuna.[24]

Em abril de 2011, foi protocolado, na Assembleia Legislativa da Bahia, uma proposta do deputado Gilberto Santana, do Partido Trabalhista Nacional, para a criação da Região Metropolitana do Cacau, que englobaria os municípios de Almadina, Arataca, Aurelino Leal, Barro Preto, Buerarema, Camacã, Canavieiras, Coaraci, Floresta Azul, Ibicaraí, Ibirapitanga, Ilhéus, Itabuna, Itajuípe, Itacaré, Itapé, Itajú do Colônia, Itapitanga, Jussari, Maraú, Mascote, Pau Brasil, Santa Luzia, São José da Vitória, Ubaitaba, Una e Uruçuca.[25][26]

População[editar | editar código-fonte]

Segundo o Censo 2022 do IBGE, a população de Itabuna é de 186 708 habitantes, ocupando a posição 7ª na Bahia, 32ª no Nordeste e 161ª no Brasil. Em comparação com o Censo 2010, houve uma queda de -8,69%. Apesar da redução da população, Itabuna continua sendo um dos dez municípios mais populosos da Bahia, superando em população o município vizinho Ilhéus, que tem 178 703 habitantes e está na 8ª posição no estado.[27][28][29][30] Mais dados da população abaixo:

Conforme se ver, o Censo de 2010 foi onde o município registrou a maior população na Nova República.

População urbana, rural e por sexo[editar | editar código-fonte]

  • População urbana (2010): 199 643.
  • População rural (2010): 5 024.
  • População masculina (2010): 96 936.
  • População feminina (2010): 107 731.[34]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Dados do Departamento de Ciências Atmosféricas, da Universidade Federal de Campina Grande, mostram que Itabuna apresenta um clima com média pluviométrica anual de 1891 mm[35] sendo o mês de março com maior precipitação e setembro com a menor média mensal e temperatura média anual de 23 °C, sendo julho com a temperatura mínima mais baixa do ano e janeiro a mais alta.[36]

Dados climatológicos para Itabuna
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 32,1 30,3 29,1 27,2 25,5 23,2 22,1 23,0 24,7 27,0 28,6 29,3 26,8
Temperatura média (°C) 25,7 25,0 24,0 23,3 23,4 20,6 19,2 19,5 21,8 23,5 24,5 24,8 23,0
Temperatura mínima média (°C) 21,4 21,6 21,7 21,1 19,7 16,0 14,3 15,7 19,7 20,0 20,8 21,3 19,4
Precipitação (mm) 148,8 148,0 197,8 150,0 179,5 162,3 178,7 155,6 110,7 140,4 160,2 159,0 1 891,0
Fonte: Departamento de Ciências Atmosféricas.[35][36][37][38]

Economia[editar | editar código-fonte]

Avenida Aziz Maron, com o Shopping Jequitibá ao fundo.
Avenida Cinquentenário, centro de Itabuna.

Com relação à economia, Itabuna é um dos vinte municípios mais ricos do estado da Bahia. Segundo o IBGE, o PIB do município em 2020 era de R$ 4 bilhões, ocupando a posição 16ª na Bahia e 280ª no Brasil. Em 2020, o PIB per capita era de R$ 18,8 mil, ocupando a posição 49ª na Bahia e 2938ª no Brasil.[39][40]

O principal centro comercial e econômico da cidade é a Avenida Cinquentenário, famosa por ser um local de compras, comércio, bancos e muito movimento. A avenida responde pela maior concentração de lojas da cidade.[41][42][43][44][45]

Há em Itabuna um pouco mais de 20 mil empresas ativas. Entre as principais atividades econômicas de Itabuna estão os setores de serviços, comércio varejista, alimentos, restaurantes, manufatura, indústrias da transformação, construção, etc. O setor de serviços ocupa a primeira posição, com um pouco mais de 9 mil empresas ativas.[46][47][48]

A cidade conta com um shopping center, o Shopping Jequitibá, inaugurado em 5 de maio de 2000 e localizado na Avenida Aziz Maron. O Shopping Jequitibá é o maior centro comercial do sul da Bahia.[49][50][51][52]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital Beira Rio, próximo à Avenida Aziz Maron.

Em 2009, Itabuna contava com 84 estabelecimentos de saúde. Com relação à mortalidade infantil, em 2020, teve uma taxa média de 15,86 óbitos por mil nascidos vivos.[53]

O município conta com alguns hospitais importantes. Um deles é o centenário Hospital Calixto Midlej Filho, que é administrado pela Santa Casa de Misericórdia de Itabuna e é referência no interior da Bahia. O Hospital Calixto Midlej Filho foi inaugurado em 7 de setembro de 1922.[54][55][56] Outro hospital importante é o Hospital de Base Luis Eduardo Magalhães, inaugurado em 27 de setembro de 1998 e que atendeu, em 2017, 139 municípios.[57][58][59][60] Segundo a Prefeitura Municipal de Itabuna, o Hospital de Base Luis Eduardo Magalhães recebe diariamente pacientes de mais de 168 municípios, além de Itabuna.[61]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Teatro municipal Candinha Dórea.
Praça do Cacau.

Artes[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de julho de 2019 houve a formação de um local de grande importância para a cultura da cidade de Itabuna, que foi a inauguração do Teatro Candinha Dórea. A grande inauguração contou com a presença do governador da Bahia, Rui Costa (político), e a secretária estadual de Cultura, Arany Santana.[62]

A obra da prefeitura ficou paralisada há cerca de uma década, e foi finalizada graças um repasse de recursos da ordem de R$ 30 milhões do Governo do Estado.[62]

O espaço criado possui capacidade para cerca de 600 pessoas, e contou com a presença de artistas na sua inauguração sendo eles Ivete Sangalo, Luiz Caldas, Chiclete com Banana, Simone & Simaria, além da Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) e o Ballet do Teatro Castro Alves.[62]

O novo teatro que é apto a receber espetáculos nacionais e internacionais, possui em sua estrutura física todas as normas ambientais, de segurança e acessibilidade, além de possuir uma moderna iluminação, sonorização, mecânica, cênica e acústica, um amplo lobby, camarim, sanitários, salas de apoio e administração.[62]

Música[editar | editar código-fonte]

Alinne Rosa foi reconhecida pela revista norte-americana Billboard como umas das maiores cantoras de Axé no Brasil.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Terminal Rodoviário de Itabuna.

Itabuna conta com um terminal rodoviário, construído em 1967, localizado no centro da cidade. O terminal, conhecido formalmente como Terminal Rodoviário Francisco Ferreira da Silva, conta com os serviços das empresas Rota Transportes, Viação Águia Branca, Cidade Sol, Expresso Brasileiro, Gontijo, Rio Doce, entre outras.[63][64]

Há na cidade um antigo aeroporto, chamado Tertuliano Guedes de Pinho, inaugurado entre as décadas de 1940 e 1950. Devido a ineficiência e falta de segurança, o aeroporto teve o funcionamento cancelado em 2004 pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).[65][66][67][68][69]

Em 2022, Itabuna teve uma frota de 87 345 veículos, sendo o automóvel o mais utilizado.[70]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Google tradutor. Disponível em http://translate.google.com.br/?hl=pt-BR#la/pt/merces%20laborum%20suorum. Acesso em 29 de janeiro de 2014
  2. «Cidades e Estados». IBGE. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  3. «Prefeito e vereadores de Itabuna tomam posse; veja lista de eleitos». g1. Consultado em 2 de julho de 2023 
  4. «Cidades e Estados». IBGE. Consultado em 12 de fevereiro de 2023 
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Meio Ambiente». Consultado em 14 de janeiro de 2023 
  6. «Cidades e Estados». IBGE. 28 de junho de 2023. Consultado em 26 de julho de 2023 
  7. «População de Itabuna (BA) é de 186.708 pessoas, aponta o Censo do IBGE». g1. Consultado em 26 de julho de 2023 
  8. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  9. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). «Perfil do município de Itabuna - BA». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Consultado em 4 de março de 2014 
  10. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2010 à 2021». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 1º de janeiro de 2024 
  11. MOTTA, Diana Meirelles da; Cesar Ajara (Junho de 2001). «Configuração da Rede Urbana do Brasil» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 24 de julho de 2009 
  12. «Itabuna (BA) | Cidades e Estados | IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 11 de janeiro de 2023 
  13. «IDHM Municípios 2010 | United Nations Development Programme». UNDP. Consultado em 11 de janeiro de 2023 
  14. OSollo, Redação Jornal (30 de julho de 2013). «Itabuna apresenta avanços e é a 5º em IDH na Bahia». Jornal OSollo (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2023 
  15. «Atlas Brasil». www.atlasbrasil.org.br. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  16. «Biografia de Jorge Amado». eBiografia. Consultado em 3 de junho de 2021 
  17. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 571.
  18. Itabuna-BA.com.br. Disponível em http://www.itabuna-ba.com.br/hist8.htm Arquivado em 26 de julho de 2013, no Wayback Machine.. Acesso em 4 de abril de 2013.
  19. a b GÂNDAVO, P. M. A primeira história do Brasil: história da província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor. 2004. p. 163. 164.
  20. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  21. «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Itabuna». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 3 de junho de 2021 
  22. «Página na web». cidades.ibge.gov.br. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 3 de junho de 2021 
  23. «PEDRO TAVARES REGISTRA DATA MAGNA DE ITABUNA». ALBA Assembleia Legislativa da Bahia. 26 de julho de 2018. Consultado em 2 de junho de 2021 
  24. Rodrigues, Kaliana Guimarães (2012). «Dinâmica urbana no município de Itabuna (Ba) = o mercado imobiliário e as políticas urbanas (1990 - 2010». Sistema de Bibliotecas da Unicamp - SBU. Consultado em 31 de maio de 2021 
  25. Deputado quer criar Região Metropolitana do Cacau[ligação inativa]
  26. «Deputado Baiano quer criar a Região Metropolitana do Cacau». Consultado em 23 de junho de 2011. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  27. «População». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 27 de julho de 2023 
  28. «População de Itabuna (BA) é de 186.708 pessoas, aponta o Censo do IBGE». G1. 28 de junho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  29. «População». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 27 de julho de 2023 
  30. «População de Ilhéus (BA) é de 178.703 pessoas, aponta o Censo do IBGE». G1. 28 de junho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  31. «POPULAÇÃO RESIDENTE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 27 de julho de 2023 
  32. «População total e sua respectiva distribuição percentual, por sexo e situação do domicílio, proporção de pessoas naturais dos municípios - Bahia - 2000». IBGE. 2000. Consultado em 26 de julho de 2023 
  33. «Censo Populacional 1991 - Bahia». IBGE. 1991. Consultado em 26 de julho de 2023 
  34. «POPULAÇÃO RESIDENTE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 27 de julho de 2023 
  35. a b «PRECIPITACAO MENSAL». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1990. Consultado em 29 de dezembro de 2021 
  36. a b «TEMPERATURA COMPENSADA MENSAL E ANUAL DA BAHIA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 29 de dezembro de 2021 
  37. «TEMPERATURA MÍNIMA MENSAL E ANUAL DA BAHIA». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 29 de dezembro de 2021 
  38. «TEMPERATURA MAXIMA MENSAL E ANUAL DA BAHIA». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1980. Consultado em 29 de dezembro de 2021 
  39. «Produto Interno Bruto dos Municípios | IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  40. «Economia». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  41. «1 INTRODUÇÃO (pág. 22)» (PDF). UESC. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  42. «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Avenida Cinquentenário : Itabuna, BA». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  43. «A AVENIDA CINQUENTENÁRIO – CORAÇÃO DA CIDADE DE ITABUNA- Lurdes Bertol Rocha – ALITA». Consultado em 21 de agosto de 2023 
  44. «Após Justiça determinar fechamento do comércio em Itabuna, lojistas fazem protesto: 'Precisamos trabalhar'». G1. 29 de julho de 2020. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  45. «Chega a 18 total de mortos em enchentes que atingem 37 cidades na Bahia». Política Livre (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2023 
  46. «Maiores Empresas em Itabuna, BA». Econodata. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  47. «20.783 Empresas em Itabuna, BA». Econodata. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  48. «9.600 Empresas de Serviços em Itabuna, BA». Econodata. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  49. «O Shopping » Shopping Jequitibá». Shopping Jequitibá. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  50. «JEQUITIBA PLAZA SHOPPING». Econodata. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  51. «Shopping Jequitibá se consolida como principal polo de comércio, serviços e entretenimento do Sul da Bahia». G1. 8 de agosto de 2022. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  52. Diário, Redação do (3 de maio de 2019). «Shopping Jequitibá, 19 anos: o sonho que Helenilson Chaves transformou em realidade». Diário Bahia. Consultado em 21 de agosto de 2023 
  53. «SAÚDE». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  54. Diário, Redação do (8 de setembro de 2022). «Em Itabuna, hospital Calixto Midlej Filho completa um século». Diário Bahia. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  55. «História – Santa Casa de Misericórdia de Itabuna». Consultado em 21 de setembro de 2023 
  56. «HOSPITAL CALIXTO MIDLEJ FILHO – Santa Casa de Misericórdia de Itabuna». Consultado em 21 de setembro de 2023 
  57. BA, Do G1; Cruz, com informações da TV Santa (10 de fevereiro de 2017). «Com dívida de R$ 32 milhões, hospital de Itabuna, Bahia, decreta emergência». Bahia. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  58. initwork.com (18 de junho de 2020). «Fundação de Atenção a Saúde de Itabuna - SOBRE O HOSPITAL». hospitaldebaseitabuna.ba.gov.br. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  59. initwork.com (18 de junho de 2020). «Fundação de Atenção a Saúde de Itabuna -». hospitaldebaseitabuna.ba.gov.br. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  60. «Hospital de Base Luis Eduardo Magalhães». Consultado em 20 de setembro de 2023 
  61. ascom (4 de setembro de 2023). «O Hospital de Base destaca o Programa de Residência Médica em Cirurgia Geral». Prefeitura de Itabuna. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  62. a b c d Branco, Governo da Bahia Secretaria de Cultura Palácio Rio; Souza, Praça Thomé de; Brasil, s/n-Centro CEP 40 020-010- Salvador- Bahia3103-3400 Horário de funcionamento: 8h30 às 17h30 Localização Exerça sua cidadania Fale com a Ouvidoria Todo o conteúdo desse site está publicado sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações 3 0. «Inauguração do Teatro Municipal de Itabuna terá Ivete Sangalo, OSBA e BTCA». SecultBA - Secretaria de Cultura - Governo do Estado da Bahia. Consultado em 31 de maio de 2021 
  63. «Jornal A Regiao - Rodoviaria de Itabuna ganha acessibilidade». aregiao.com.br. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  64. «Rodoviária de Itabuna». Rodoviariaonline. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  65. «EMPRESÁRIOS QUEREM REABERTURA DO AEROPORTO DE ITABUNA». ILHÉUS 24H :: Porque a notícia não para. 15 de agosto de 2013. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  66. «Justiça determina reintegração de posse de área de antigo aeroporto ocupada em Itabuna, na Bahia». G1. 5 de outubro de 2017. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  67. «Jornal Bahia Online - Empresários de Itabuna iniciam campanha para reabrir aeroporto local». www.jornalbahiaonline.com.br (em inglês). Consultado em 24 de agosto de 2023 
  68. ascom (15 de maio de 2023). «Prefeitura inicia a limpeza da pista do Aeroporto Tertuliano Guedes de Pinho». Prefeitura de Itabuna. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  69. «PORTARIA Nº 11559/SIA, 06/06/2023 — Agência Nacional de Aviação Civil ANAC». www.anac.gov.br. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  70. «Pesquisas». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 24 de agosto de 2023 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Itabuna