Partido Trabalhista Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o partido atual e homônimo até a renomeação em 2017, veja Podemos (Brasil).
Partido Trabalhista Nacional
Presidente Emílio Carlos (1948 a 1963)
Fundação 1945 (75 anos)
Dissolução 27 de outubro de 1965 (54 anos)
Ideologia Conservadorismo[1]
Trabalhismo[2]
Tradicionalismo[3]
Espectro político Extrema-Direita[4]
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Partido Trabalhista Nacional (PTN) foi um partido político brasileiro criado em 1945.[2] Teve entre seus filiados o sambista Paulo da Portela, que no entanto, nunca foi candidato a nenhum cargo eletivo.[5] O partido foi extinto pelo AI-2, em 1965.

Após 30 anos de sua extinção, um novo partido foi criado com o mesmo nome, com o qual manteve-se até 2017, até ser renomeado para Podemos.

História[editar | editar código-fonte]

Criado em 1945 por pessoas vinculadas ao Ministério do Trabalho, o PTN viu seus principais integrantes apoiarem a candidatura de Eurico Gaspar Dutra à presidência da República. Em 1947, o deputado Hugo Borghi, então no PTB e que fora reeleito presidente do diretório estadual do partido em São Paulo, não tem a vitória reconhecida e é expulso, ingressando definitivamente no PTN pouco tempo depois.

Tendo em vista as eleições presidenciais de 1955, o PTN realizou sua convenção nacional e firmou seu apoio à candidatura de Juscelino Kubitschek, lançada pela coligação entre o Partido Social Democrático (PSD) e o PTB, indicando o senador Auro de Moura Andrade para a vice-presidência. Consta que essa indicação foi feita por pressão de Jânio Quadros, em virtude de um suposto acordo seu com Juscelino, prevendo o apoio deste para a sua candidatura à presidência em 1961. Tal arranjo, entretanto, não se consolidou, tornando-se João Goulart o companheiro de chapa de Juscelino. Realizado o pleito, ambos foram eleitos.[2]

Coerente com sua posição de apoio à candidatura de Juscelino, o PTN apoiou o Movimento do 11 de Novembro, que depôs o presidente em exercício Carlos Luz com o objetivo de garantir a posse do presidente eleito, questionada por setores udenistas. Poucos dias mais tarde, a bancada do PTN votou a favor do impeachment do presidente João Café Filho, que impediu seu retorno ao poder.[2]

Nas eleições de 1958 o PTN manteve um crescimento significativo em São Paulo, elegendo em coligação com o Partido Democrata Cristão (PDC) Carlos Alberto de Carvalho Pinto para o governo do estado, e oito deputados para a Câmara Federal (Emilio Carlos, Olavo de Castro Fontoura, Rui Novais, Gualberto Moreira, Harry Normanton, Hamilton Prado, Luís Francisco da Silva Carvalho e Miguel Leuzzi).[2]

No ano seguinte, o PTN realizou sua convenção anual e lançou a candidatura de Jânio Quadros para concorrer à presidência da República nas eleições de 1960 em aliança com a União Democrática Nacional (UDN), o PDC, o Partido Libertador (PL) e uma dissidência do PSB. Emílio Carlos, ao lado de Jânio, lutou pela indicação do nome de Fernando Ferrari como candidato à vice-presidência. No entanto, a UDN não aceitou essa indicação e lançou o nome de Mílton Campos, o que provocou uma divisão no eleitorado e acabou por propiciar a vitória do candidato petebista João Goulart, companheiro de chapa de Henrique Teixeira Lott.[2]

Seu maior feito nas urnas foi em 1960, quando Jânio Quadros foi eleito presidente da República, numa chapa composta ainda por UDN, PR (Partido Republicano), PL e PDC.

Eleito Jânio e iniciado seu mandato em janeiro de 1961, o PTN teve pouca participação no governo, reivindicando apenas que fosse mantida a coligação que garantira a vitória do presidente.[2]

Com o falecimento de seu presidente, Emílio Carlos, o PTN teve atuação de pouco destaque.

O partido, percebendo que os congressistas seriam obrigados a homologar a candidatura do general Humberto de Alencar Castelo Branco para a presidência do Brasil em 1964, tentou lançar o também general Amaury Kruel para a disputa, sem êxito.

Referências

  1. «Governo Jânio Quadros». ww.historiadomundo.br. História do Mundo 
  2. a b c d e f g «Partido Trabalhista Nacional (PTN)». ww.fgv.br. FGV 
  3. «Entre as identidades cristãs tradicionalistas, modernizadoras conservadoras e reformistas: os decretos de Jânio Quadros em 1961». ww.ufrrj.br. UFRRJ 
  4. «Beatles, terremoto, Brasília, pílula e a vitória da vassoura em 1960». ww.eusoufamecos.br. Memória Famecos 
  5. Escolas de Samba: Sujeitos celebrantes e objetos celebrados (PDF). 3. [S.l.]: Coleção Memória Carioca. 2001. p. 133. Arquivado do original (PDF) em 19 de fevereiro de 2009