Partido Libertador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Partido Libertador
Fundação 1928
(refundado em 1945)
Dissolução 1937 / 1965
Ideologia Parlamentarismo
Federalismo

Política do Brasil
Partidos políticos
Eleições

Partido Libertador (PL) foi um partido político brasileiro[1] que existiu durante dois períodos, de 1928 a 1937 e depois entre 1945 e 1965. Defendia o sistema parlamentarista [2] de governo e o federalismo.

O PL foi fundado em 1928 por políticos do antigo Partido Federalista do Rio Grande do Sul, especialmente Joaquim Francisco de Assis Brasil e Raul Pilla. Participou da Frente Única Gaúcha, coligação com o antes adversário Partido Republicano Riograndense para o lançamento de um candidato gaúcho com chances de vitória na eleição presidencial de 1930. Com a derrota do candidato, Getúlio Vargas, do PRR, participou da Revolução Liberal que marcou o fim da República Velha e a chegada de Vargas ao poder. O PL viria, depois, a romper com Vargas, e seria extinto na instauração do Estado Novo. Participou das eleições para a Constituinte em 1933, elegendo Assis Brasil, ainda integrando a Frente Única, e do pleito de 1934, quando elegeu representantes na Assembleia gaúcha.

O Partido Libertador foi reorganizado num congresso entre 10, 11 e 12 de agosto de 1945, e registrado no TSE em 10 de novembro de 1945, após o fim do Estado Novo, e seu primeiro presidente seria Raul Pilla. Herdeiro da política pré-1930, quando não havia partidos de âmbito nacional e os partidos estaduais eram mais representativos, o PL era forte no Rio Grande do Sul, em especial nas regiões do pampa e da fronteira, e tímido nacionalmente. Pautou sua política e sua atuação no Congresso nacional pela defesa da implantação do parlamentarismo no Brasil. Quando da renúncia de Jânio Quadros, a qual se seguiu a Campanha da Legalidade, pela posse de João Goulart, sugeriu a troca do regime presidencialista pelo parlamentarismo, medida que possibilitou a posse de Jango. O PL foi extinto, juntamente com os demais partidos da época, pelo Regime Militar, por intermédio do AI-2, de 27 de outubro de 1965.

O AI-2 instaurou o bipartidarismo, criando a Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido de sustentação do Regime, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), de oposição. Durante o regime militar muitos integrantes do PL abandonaram a partipação nas disputas eleitorais. Outros, distribuiram-se entre os novos partidos formados. Um exemplo de egresso do Partido Libertador com longevidade política é Paulo Brossard de Souza Pinto, com militância no MDB, e posteriormente, no PMDB.

Referências

  1. Redação. «Partido Libertador (PL - 1945-1965)». CPDOC FGV. Consultado em 22 de junho de 2016. 
  2. PILLA, Raul. Pelo parlamentarismo: discursos proferidos na Assembléia Nacional Constituinte. Imprensa: Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1946.
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.